HON­RAS AO REI ELI­AS DYÁ KI­MU­E­ZO

Ma­ka à Quar­ta-Fei­ra na UEA

Jornal Cultura - - Primeira Página - MATADI MAKOLA

“Eu sou miú­do, tem aqui mais ve­lhos que de­vem sa­ber coi­sas me­lho­res do que eu, mas sen­te-se ver­da­dei­ra­men­te um rei, ko­ta Eli­as?”, ati­ra com pu­jan­ça um kan­den­gue na pla­teia de mai­o­ria ko­ta. Com a pla­teia à es­pe­ra, di­vi­di­da en­tre o sim e o não, Eli­as sim­ples­men­te dis­se: “Obri­ga­do pe­la per­gun­ta que me foi for­mu­la­da. Eu co­me­ço por di­zer que tu­do nas­ce e cres­ce e faz-se. Eu es­tou a ca­mi­nhar e ain­da não cor­tei a me­ta. Se acha­rem que de­vem ser­vir-me co­mo rei, en­tão o mo­men­to é es­te, por fa­vor”, uma res­pos­ta pers­pi­caz que me­re­ceu os aplau­sos de uma pla­teia re­ple­ta de es­cri­to­res, fa­mi­li­a­res, mú­si­cos, jor­na­lis­tas e aman­tes da música an­go­la­na, pre­sen­tes no jan­go da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos pa­ra mais uma Ma­ka à Quar­ta-Fei­ra cu­jo te­ma era exac­ta­men­te Eli­as Dyá Ki­mu­e­zo, no pas­sa­do dia 20 de Ja­nei­ro. À me­sa es­ta­vam Car­mo Ne­to, se­cre­tá­ri­o­ge­ral da UEA, Eli­as dyá Ki­mu­e­zu, Mar­ta San­tos e Luís Fer­nan­des.

Ci­tan­do Jomo For­tu­na­to, num tex­to em que clas­si ica Eli­as, Mar­ta, a au­to­ra da bi­o­gra ia ´Eli­as Dyá Ki­mu­e­zo – A Voz e o Per­cur­so de um Po­vo´, des­creo co­mo “com­po­si­tor de múl­ti­plos re­cur­sos poé­ti­cos e pa­ra­dig­ma da can­ção es­cri­ta em kim­bun­du. Eli­as é uma per­so­na­li­da­de crí­ti­ca com for­te en­rai­za­men­to po­pu­lar. São da sua au­to­ria as me­lo­di­as e tex­tos mais re­pre­sen­ta­ti­vos da His­tó­ria da Música Po­pu­lar An­go­la­na, ins­pi­ra­da na ex­pres­si­vi­da­de da cul­tu­ra kim­bun­du”. A pes­qui­sa do li­vro le­vou 6 anos e deu voz a fa­mi­li­a­res, ho­mens de cul­tu­ra e mú­si­cos.

A par das le­tras, a música de Eli­as tam­bém era aí ce­le­bra­da pe­los seus co­ta­dos 60 anos de car­rei­ra e pe­lo seu mais re­cen­te ál­bum que in­ti­tu­lou ´O Sem­ba Pas­sa Por Aqui´, lan­ça­do no dia 2 de Ja­nei­ro na Pra­ça da In­de­pen­dên­cia, quan­do com­ple­tou exac­ta­men­te 80 anos, da­do que nas­ce a 2 de Ja­nei­ro de 1936, no bair­ro Mar­çal.

A ter­tú­lia no jan­go da UEA foi abri­lhan­ta­da com nú­me­ros mu­si­cais de Eli­as in­ter­pre­ta­dos pe­lo lí­der da ban­da Aca­pa­ná, Acá­cio, que fe­chou o even­to com pom­pa e gar­bo ao fa­zer-se acom­pa­nha­do por Eli­as na can­ção Nza­la. Con­tu­do, du­ran­te o cer­ta­me os pre­sen­tes in­ter­vi­e­ram sa­tis­fa­to­ri­a­men­te, le­van­ta­do pro­ble­mas, re­cor­dan­do mo­men­tos pas­sa­dos ao la­do de Eli­as, dan­do sugestões às ins­ti­tui­ções com­pe­ten­tes na for­ma co­mo gos­ta­ri­am de ver tra­ta­do o rei, que en­tre sim e não de ser rei, mui­to pro­fun­da­men­te se ou­viu e viu um pe­di­do ge­ral que con­ver­giu as opi­niões de to­dos os pre­sen­tes: hon­ras ao rei, por fa­vor.

De­poi­men­tos

Luís Je­sus ´Xa­ba­nú´ – Ami­go e con­tem­po­râ­neo de Eli­as, nu­ma ami­za­de tra­va­da des­de os anos 64/65. Foi-lhe apre­sen­ta­do pe­lo Luís Vis­con­de, no Mar­çal. Xa­ba­nu vai à tro­pa e quan­do vol­ta é em­pre­ga­do na No­cal, co­mo ven­de­dor de cerveja. Quan­do lar­ga­va, às 17:30, mui­tos mú­si­cos o es­pe­ra­vam à por­ta da em­pre­sa, mas de­ci­dia sair sem­pre no car­ro de Eli­as e jus­ti ica aos res­tan­tes que Eli­as era o seu pri­mei­ro ami­go. A ami­za­de man­tém-se até ho­je.

Ma­nu­el Clau­di­no da Sil­va – Lem­bra que uma vez, a con­vi­te de uma or­ga­ni­za­ção de Lu­an­da, o Ro­ber­to Car­los vem a An­go­la e le­van­ta­vam a hi­pó­te­se de ele ser re­ce­bi­do pe­lo rei da música an­go­la­na, ao que Eli­as res­pon­deu: “Eu mo­ro aqui no Cas­se­quel do Bu­ra­co, co­mo é que eu vou re­ce­ber o Ro­ber­to Car­los em Mi­nha ca­sa? Nem pen­sar!”. Ma­nu­el é ami­go do Eli­as há mais de qua­ren­ta anos, em­bo­ra Eli­as ti­ves­se si­do pri­mei­ro ami­go do seu pai. E da ma­ka das dis­tin­ções de rei, in­da­ga: “E se­rá que ele já tem as mor­do­mi­as de rei?”. Do que tem vis­to, acre­di­ta que não. Mas, pa­ra ri­pos­tar um in­ter­ve­ni­en­te, Car­los Pi­men­tel, que ain­da no iní­cio ti­nha in­ter­ro­ga­do a me­sa se Eli­as era ou não an­ti­go com­ba­ten­te co­mo ele, Ma­nu­el a ir­ma que Eli­as é de fac­to an­ti­go com­ba­ten­te e fri­sou ain­da um pro­ces­so em cur­so so­bre o Kis­san­gue­la que an­da pen­den­te, a ver se num fu­tu­ro pró­xi­mo os in­te­gran­tes des­te gru­po fos­sem co­lo­ca­dos na cai­xa so­ci­al das For­ças Ar­ma­das e atri­buí­das pa­ten­tes que me­lhor dig­ni icas­sem os fei­tos pá­tri­os des­tes ci­da­dãos.

Miguel Ne­to “Li­to” – Co­nhe­ce Eli­as des­de os seus 11 anos e veio co­mo ami­go do rei, por mais que pa­re­ça ca­ri­ca­to, de­vi­do a gran­de di­fe­ren­ça de ida­de. Tra­to-o ca­ri­nho­sa­men­te por pa­pá. Miguel mo­ra­va no Rangel, na rua do Be­xi- ga, e Eli­as mo­ra­va na rua de trás. Ele tam­bém foi da­que­les ra­pa­zes que se­guia Eli­as de­pois do Ko­to­no­ca e quan­do des­se por si já es­ta­va mui­to dis­tan­te de ca­sa. Quan­to a ques­tão do fac­to de Eli­as se sen­tir rei ou não, é dos que acre­di­ta que não. E jus­ti ica que con­vi­ve com Eli­as qua­se di­a­ri­a­men­te há mais de dez anos e que es­ta ho­me­na­gem vem a ca­lhar, apro­vei­tan­do o mo­men­to pa­ra ape­lar ao bom sen­so das pes­so­as que o nos­so rei tem pas­sa­do mui­tas di icul­da­des, tan­to que pa­ra se des­lo­car tem de pe­dir aos ami­gos.

Al­bi­no Car­los – Foi dos de­poi­men­tos mais emo­ti­vos, tan­to que, to­ma­do pe­la emoção, ao es­cri­tor e jor­na­lis­ta fal­ta­ram pa­la­vras. Con­cor­dan­do com as pa­la­vras de Kand­jim­bo, que o fez ar­re­pi­ar, de­sa iou-nos a ima­gi­nar com a se­guin­te ques­tão: “Se Kand­jim­bo, um ga­ro­to de Ben­gue­la, ica­va en­can­ta­do com a ima­gem à mo­da axi­lu­an­da do ko­ta Eli­as, co­mo se­ria o efei­to a um ra­paz do Rangel cu­ja ca­sa era um sa­lão, Cin­co de Pau, na Rua do Po­vo?”. A res­pos­ta era evi­den­te e Al­bi­no moía­se de emoção. Dis­se-nos que viu o ko­ta Eli­as quan­do ga­ro­to, que o re­lem­bra co­mo ho­mem de aura, e dis­so apon­ta que os mú­si­cos des­te tim­bre me­re­cem uma gran­de ho­me­na­gem. So­bra a po­e­sia con­ti­da em Eli­as, Al­bi­no é de opi­nião que to­da a po­e­sia do ko­ta Eli­as es­tá na for­ma co­mo ele can­ta, e que is­to nin­guém po­de es­cre­ver, tal­vez se­ja o mo­ti­vo de os es­cri­to­res nu­tri­rem às ve­zes al­gu­ma in­ve­ja dos mú­si­cos. Do

seu Rangel do co­ra­ção, eles, ran­ge­li­tos, icam ar­re­pi­a­dos ao ou­vir Eli­as. Do­min­gui­nhos, Xa­ba­nú e ou­tros já cau­sa­ram mui­ta ale­gria na­que­le bair­ro, eram igu­ras em­ble­má­ti­cas e de ta­len­to con­su­ma­do.

Luís Kand­jim­bo – Ou­viu o pe­di­do de um ami­go e de­ci­diu te­cer al­gu­mas pa­la­vras de apre­ço a Eli­as. Fê-lo re­cor­ren­do à ima­gem que tem de Eli­as, res­sal­tan­do a for­ma co­mo a música po­pu­lar ur­ba­na con­tri­buiu pa­ra a for­ma­ção do ca­rác­ter e da per­so­na­li­da­de de mui­tos do seu tem­po. Lem­brou-nos ser na­tu­ral de Ben­gue­la, uma ci­da­de do li­to­ral, e a ima­gem que lhes era trans­mi­ti­da a par­tir de Lu­an­da, so­bre­tu­do ao ní­vel da música, era mui­to im­por­tan­te. Apon­ta-o co­mo um dos mú­si­cos que pa­ra a sua ge­ra­ção tem mui­ta im­por­tân­cia, mes­mo can­tan­do em kim­bun­du, vis­to que fa­la um­bun­du. Ana­li­sa que as le­tras em kim­bun­du, de­vi­do ao subs­tra­to ban­tu, per­mi­ti­am a jo­vens miú­dos de 8 ou 9 anos en­ten­de­rem pa­la­vras iso­la­das que aju­da­vam a com­pre­en­der o sen­ti­do, mes­mo sem sa­ber o sig­ni ica­do das fra­ses cons­truí­das. Com­bi­nan­do as pa­la­vras-cha­ves à me­lo­dia e har­mo­nia, acon­te­cia um pou­co tam­bém de­vi­do aque­la ima­gem ra­di­cal que ele apre­sen­ta­va nas ca­pas dos dis­cos, lem­bra. Kand­jim­bo des­ta­ca que es­sa era uma ou­tra coi­sa que lhes de­lei­ta­va. As ima­gens eram sig­ni ica­ti­vas, a do ho­mem de bar­ba pre­ta e far­ta e ves­ti­do de pa­no, o que pa­ra ga­ro­tos, nos ple­nos anos 60, sig­ni ica­va que es­ta­vam di­an­te de uma igu­ra re­pre­sen­ta­ti­va da­qui­lo que de­ve­ri­am ser. Tem com­pa­nhei­ro de ge­ra­ção e de es­tra­da com os quais ou­viu as mú­si­cas de Eli­as, mo­ti­vo que lhes le­vou a apren­der a to­car gui­tar­ra e can­tan­do mes­mo sem sa­ber o kim­bun­du, si­nal de que que­ri­am ser aqui­lo que de­ve­ri­am ser, aju­dan­do des­ta for­ma a for­mar o ca­rác­ter.

Pau­lo Cam­pos – O es­cri­tor Pau­lo Cam­pos faz re­cur­so às mú­si­cas de Eli­as pa­ra bus­car ins­pi­ra­ção ou for­ça pa­ra es­cre­ver… es­sa música da mãe, que diz ma­mã ku­di­len­gó, um te­ma ma­ter­nal e pro­fun­da­men­te sentimental, é um exem­plo.

Jo­sé Luís Men­don­ça – Ad­mi­ra pro­fun­da­men­te Eli­as, que con­si­de­ra “po­e­ta de kim­bun­du”, fa­zen­do re­fe­rên­cia da música ´Nza­la´, cu­jo ori­gi­nal era to­ca­do com fun­do de pi­a­no. O po­e­ta dei­xou um rep­to a UEA, re­pre­sen­ta­da no mo­men­to por Car­mo Ne­to, de pu­bli­car em li­vro as can­ções de Eli­as. Su­bli­nhou a di­fe­ren­ça en­tre a música da no­vís­si­ma ge­ra­ção e a dos ko­tas, en­con­tran­do na no­vís­si­ma uma gra­ve fal­ta de po­e­sia na com­po­si­ção das le­tras, fei­tas ape­nas pa­ra con­su­mo ime­di­a­to, além de apon­tar es­ta ge­ra­ção co­mo des­cui­da­da no que to­ca ao can­to em lín­guas na­ci­o­nais, co­mo tam­bém se não se­ria pos­sí­vel que os mais jo­vens ten­tas­sem apren­der mais com Eli­as.

Ao que Eli­as res­pon­deu que tem vi­vi­do com cer­to des­con­ten­ta­men­to de­vi­do a prá­ti­ca abu­si­va da no­va ge­ra­ção. “To­dos nós te­mos de apren­der e sa­ber li­dar com as pes­so­as, apro­xi­mar, con­ju­gar, co­nhe­cer os há­bi­tos e cos­tu­mes, é das coi­sas mais sa­gra­das que exis­te no mun­do afri­ca­no. Mas exis­te o des­res­pei­to. Eu não vou re­jei­tar que dei­xem de dar con­ti­nui­da­de a obra que eu iz, eu não se­rei con­ti­nu­a­dor. Eu pe­ço à no­va ge­ra­ção, por fa­vor, que res­pei­tem as obras. Apro­xi­mem­se, sem re­cei­os, que nós va­mos con­du­zir ao ca­mi­nho cer­to”.

Ven­tu­ra de Aze­ve­do – Co­nhe­ceu Eli­as quan­do ti­nha tre­ze anos de ida­de, num tem­po em que ain­da a música an­go­la­na pas­sa­va na rá­dio es­po­ra­di­ca­men­te e os pais proi­bi­am os ilhos de fa­lar kim­bun­du, mas a con­tra­gos­to das avós, que sem­pre man­da­vam os ne­tos em kim­bun­du. Mo­ra­vam no sam­bi­zan­ga e uma vez fo­ram as­sis­tir ao ku­to­no­ca, quan­do Pau­lo já ti­nha de­zas­se­te anos. Era um sá­ba­do e quem es­ta­va no au­ge era Ur­ba­no de Cas­tro. Mas na­que­le dia acon­te­ceu al­go di­fe­ren­te, apon­tan­do co­mo dia pro­vá­vel da es­treia do te­ma ´Ma­mã ku­di­len­gó´, que já nes­te dia ar­re­ba­tou o co­ra­ção dos pre­sen­tes, ofus­can­do a par­ti­ci­pa­ção dos res­tan­tes.

Apre­sen­tou a Eli­as a sua in­qui­e­ta­ção so­bre o mo­men­to e mo­ti­vo da cri­a­ção des­te te­ma. Eli­as res­pon­de-lhe que es­ta can­ção foi cri­a­da na al­tu­ra em que a mal­ta do Gi­ná­sio vi­a­ja pa­ra o ex­te­ri­or do país e lá fo­ra trans­for­ma-se em Kin­sa­gue­la. Mas icam Eli­as e mais al­guns ele­men­tos. Dos que fo­ram ao ex­te­ri­or, Mam Min­go, To­más e Jo­a­quim, do Gi­ná­sio, ti­nham ti­ra­do sem au­to­ri­za­ção o sa­lá­rio do pai pa­ra pa­gar o bar­co. Zan­ga­do, o pai aban­do­na a ca­sa por uma semana. A mãe não sa­bia o que fa­zer e só cho­ra­va. Eram seus vi­zi­nhos e Eli­as acom­pa­nhou de per­to, de­ci­din­do es­cre­ver es­ta música de men­sa­gem pro­fun­da em ho­me­na­gem às mães, por tu­do que so­frem pe­los ilhos, que diz num dos tre­chos mais co­nhe­ci­dos: “Mi­nha mãe não cho­re, eu vou mas tor­na­rei a vol­tar, e mes­mo que vol­tar ce­go, só de to­car os teus sei­os sa­be­rás que és a mi­nha mãe”.

Luís Fer­nan­do – Co­me­çou por di­zer que con­cor­da re­don­da­men­te com os di­ze­res de Luís Kand­jim­bo a Eli­as, que o sen­ti­men­to que ele sen­tiu em Ben­gue­la te­ve-o tam­bém no Uí­ge. Re­cor­da que no tem­po co­lo­ni­al che­ga­va-lhe mui­to a música de Eli­as. E mes­mo sem per­ce­ber o kim­bun­du, era o re­fe­ri­do subs­tra­to ban­tu que lhes fa­zia dar con­ta de al­gu­mas pa­la­vras-cha­ves, co­mo acon­te­ceu na música Nza­la. Tam­bém lem­bra um vi­zi­nho que es­ta­va mui­to avan­ça­do pa­ra o seu tem­po, que dá vi­da a um per­so­na­gem do seu úl­ti­mo ro­man­ce, e foi es­te que ti­nha os pri­mei­ros dis­cos de vi­nil, ten­do vis­to em ca­sa des­te vi­zi­nho uma ima­gem de Eli­as. As­sim nas­ce a admiração que tem pe­lo mú­si­co, que o con­si­de­ra pe­la al­ma que põe no seu can­to. Da ma­ka, acen­tua que es­ta ho­me­na­gem é o mí­ni­mo que se po­de fa­zer, es­cri­to­res e ci­da­dãos, pa­ra es­ta ge­ra­ção de Eli­as que tem si­do tra­ta­da com al­gu­ma in­jus­ti­ça.

E con­ti­nu­ou fa­zen­do re­fe­rên­cia à re­le­vân­cia do cha­ma­men­to do can­to, que com­pa­ra a do fu­zil e da ac­ção ar­ma­da, con­vi­dan­do os pre­sen­tes a sa­ber: “Mui­tos de nós so­mos do MPLA pe­las can­ções que nós ou­vi­mos”.

Ci­ri­neu Bas­tos – Con­cor­dou com Kand­jim­bo e Al­bi­no Car­los por­que am­bos ti­ve­ram o cui­da­do de re­al­çar o va­lor do ar­tis­ta que fez do can­ci­o­nei­ro uma for­te ar­ma de lu­ta. E dei­xou a en­ten­der que as pa­la­vras des­tes es­cri­bas to­ca­ram-no, lem­bran­do que em mui­tos sí­ti­os pes­so­as da sua es­tir­pe re­ce­bem elo­gi­os de te­rem si­do bons ra­pa­zes, mas fal­ta re­co­nhe­ci­men­to. Já tra­vou com al­gu­mas pes­so­as ilus­tres que con ir­ma­ram que há pes­so­as que com o fu­zil de­ram uma sé­rie de ti­ros, mas al­guns não al­can­ça­ram tan­to co­mo as men­sa­gens de mú­si­cos co­mo Eli­as.

Ar­nal­do Ca­la­do – Úl­ti­mo a in­ter­vir, viu-se na obri­ga­ção de fa­zer li­ga­ções. Co­me­çou res­pon­den­do a per­gun­ta que to­dos fa­zi­am, uma per­gun­ta que lhe pa­re­ceu exa­ge­ra­da­men­te du­ra mas que te­ve uma res­pos­ta exa­ge­ra­da­men­te in­te­li­gen­te, se o rei Eli­as sen­tia-se rei ou não. De­fen­de que o rei Eli­as é o rei da música an­go­la­na, e dis­to nin­guém du­vi­de. Bas­ta can­tar ou as­so­bi­ar e dar em música, o rei é o Eli­as, diz. Pen­sa ser mui­to di ícil pa­ra o Eli­as acor­dar no dia se­guin­te e di­zer que ele já não é mais o rei. De­fen­de que as pes­so­as que o atri­buí­ram con­ti­nu­am a tê­lo co­mo rei. Pon­de­ra que há di icul­da­des, e que nem mes­mo o Eli­as vi­ve­ria bem sem di icul­da­des. O Eli­as tem di icul­da­des e sa­bem-nas. Mas tu­do tem o seu tem­po, ajei­ta. Não acre­di­ta que um dia pos­sa­mos ver o Eli­as sem di icul­da­des, aliás, con­clui que to­dos nós va­mos ter sem­pre di icul­da­des.

En­tre as soluções, con­vi­dou a fa­lar dos di­rei­tos de au­tor, ir nos ho­téis, res­tau­ran­tes e si­mi­la­res que usam a música de Eli­as mas não pa­gam di­rei­tos de au­tor.

Car­mo Ne­to, Eli­as, Mar­ta San­tos e Luís Fer­nan­des

Jo­vem for­mu­lan­do a ques­tão que do­mi­nou a ma­ka

Xa­ba­nú

Al­bi­no Car­los

Miguel Ne­to

Ar­nal­do Ca­la­do

Jo­sé Luís Men­don­ça

Ma­nu­el Clau­di­no

Ven­tu­ra de Aze­ve­do

Ci­ri­neu Bas­tos

Luís Kand­jim­bo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.