FES­TI­VAL AKÉ UNE ÁFRI­CA NA NI­GÉ­RIA DI­VI­DI­DA

Jornal Cultura - - Letras -

No 11º mês do pas­sa­do ano, ti­ve a hon­ra de vi­si­tar um país do nos­so be­lo con­ti­nen­te que mui­tos pen­sa­ri­am du­as ve­zes em pi­sar o seu so­lo nes­te mo­men­to. Na ma­nhã de 15 de No­vem­bro ater­rei em La­gos, Ni­gé­ria, a con­vi­te da or­ga­ni­za­ção do de Ar­tes & Li­vro 2015. Com o can­sa­ço acu­mu­la­do pe­la fal­ta de so­no, des­lum­brei-me com a tra­ves­sia da mai­or pon­te de Áfri­ca e, en­tre uma ilha e ou­tra, cu­ri­o­sa e an­si­o­sa com tu­do que me es­pe­ra­va, che­guei a uma hos­pe­da­gem en­can­ta­do­ra on­de a nos­sa res­pi­ra­ção é cortada lo­go à en­tra­da.Ve­mo-nos ro­de­a­dos de uma de­co­ra­ção rús­ti­ca com so­fás de bam­bu e ca­dei­ras de ma­dei­ra es­cul­pi­das, fa­zen­do com­pa­nhia a re­don­das me­si­nhas de me­tal tra­ba­lha­do. Pas­so a pas­so fui me des­lum­bran­do com a quan­ti­da­de de obras de ar­te que, co­mo um pa­pel de pa­re­de,re­ves­ti­am as pa­re­des de to­do o es­ta­be­le­ci­men­to, as­si­na­dos por di­ver­sos ar­tis­tas nas mais va­ri­a­das téc­ni­cas e di­men­sões. Após ins­ta­lar-me nos meus apo­sen­tos, ad­mi­rei as pa­re­des da área de ba­nho re­ves­ti­da de con­cha­se mais obras de ar­te que me fa­zi­am de­se­jar mu­dar-me de vez pa­ra aque­la mo­ra­da. Bo­go­bi­ri, pa­ra além de pou­sa­da, é tam­bém um Cen­tro cul­tu­ral (por­ta ao la­do) on­de cur­sos, ex­po­si­ções e noi­tes de música ao vi­vo to­mam con­ta da vi­da de quem em La­gos vi­ve, fa­zen­do es­que­cer qual­quer vi­si­tan­te que,do ou­tro la- do do país,o me­do to­ma con­ta de to­dos. Ob­ser­van­do as obras que, pa­ra além de en­fei­ta­rem,tam­bém es­tão dis­po­ní­veis pa­ra com­pra, eu no­tei a evo­lu­ção da ar­te con­tem­po­râ­nea ni­ge­ri­a­na e a li­ber­da­de dos ar­tis­tas de cri­ar sem li­mi­tes. Em An­go­la, só Deus sa­be quan­tas ve­zes dis­cu­ti com co­le­gas que acre­di­tam que a nos­sa ar­te obri­ga­to­ri­a­men­te tem que re lec­tir a nos­sa so­ci­e­da­de e cul­tu­ra com a des­cul­pa de que o pú­bli­co não es­tá pre­pa­ra­do pa­ra al­go con­si­de­ra­do“di­fe­ren­te”. Ora pa­ra mim e mui­tos ou­tros ar­tis­tas da mi­nha ge­ra­ção, ar­te an­go­la­na é aque­la que é cri­a­da em An­go­la e por ar­tis­tas an­go­la­nos, in­de­pen­den­te­men­te do fac­to de re­tra­tar umim­bon­dei­ro ou uma bai­la­ri­na clás­si­ca. O ar­tis­ta cria o mun­do que o ro­deia e a for­ma de ver a vi­da. Se­ria a mi­nha ar­te me­nos afri­ca­na ou me­nos an­go­la­na se cri­as­se al­go que pou­co ou na­da tem a ver com o que so­mos co­mo um po­vo? Por­que não pas­sar pa­ra a te­la sim­ples­men­te al­go que so­nhei na noi­te an­te­ri­or? A ar­te con­tem­po­râ­nea an­go­la­na cres­ce e dá pas­sos lar­gos e em­bo­ra acre­di­te na im­por­tân­cia da va­lo­ri­za­ção das nos­sas raí­zes igual­men­te acre­di­to no res­pei­to que os ar­tis­tas me­re­cem por bus­car to­tal li­ber­da­de pa­ra cri­ar sem que se per­gun­te on­de es­tão as nos­sas co­res e sím­bo­los. Aos pou­cos o pú­bli­co ab­sor­ve a ir­re­ve­rên­cia e já exi­ge a ino­va­ção e ori­gi­na­li­da­de, pois no mun­do em que vi- ve­mos to­dos os di­as se bus­ca al­go no­vo e o mun­do das ar­tes plás­ti­cas não é ex­cep­ção. Fe­liz­men­te, a mi­nha ge­ra­ção tem mui­ta se­de de mar­car a di­fe­ren­ça e ca­da vez mais a von­ta­de de ofe­re­cer no­vi­da­de mes­mo que se­ja po­lé­mi­ca ou con­tro­ver­sa fa­zen­do pen­sar, de­ba­ter e dis­cu­tir so­bre a re­al fan­ta­sia do mun­do em que vi­ve­mos. Sem dú­vi­da al­gu­ma, a cri­a­ti­vi­da­de ili­mi­ta­da dos meus co­le­gas ni­ge­ri­a­nos ser­viu de in­cen­ti­vo pa­ra man­ter a mi­nha li­ber­da­de ar­tís­ti­ca.

Con­ti­nua...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.