A PÉ­TA­LA E A CA­BE­CI­NHA CON­QUIS­TA­RAM OS NOS­SOS CORAÇÕES

CAR­NA­VAL IN­FAN­TIL

Jornal Cultura - - Artes -

con­ti­nua, o que não é mal de to­do. “Mas é mui­to sem­ba. Eu acho que os gru­pos po­de­ri­am ten­tar pes­qui­sar mais e in­ves­tir no res­ga­te de ou­tros es­ti­los de dan­ça que exis­ti­am, pa­ra en­ri­que­cer o car­na­val com mais di­ver­si­da­de. Por exem­plo, são pouquís­si­mos os gru­pos que apre­sen­ta­ram di­zan­da ou ca­be­ci­nha, pa­ra não fa­lar da ci­drá­lia, que já de­sa­pa­re­ceu. Pe­lo ca­rác­ter com­pe­ti­ti­vo, a no­vi­da­de de­ve­ria ser uma ex­ce­lên­cia dos gru­pos car­na­va­les­cos”, ana­li­sou.

Na tar­de tí­mi­da do dia 6 de Fe­ve­rei­ro, foi atra­en­te a aber­tu­ra do car­na­val aos to­ques de um gru­po de me­ni­nos. As rou­pas es­vo­a­çan­tes, de cetim, e a do­çu­ra das co­res em mo­vi­men­to, o ro­do­pi­ar, a ele­gân­cia ao ba­ter o cal­ca­nhar e o ro­dar a 360 graus, com a som­bria a gi­rar num efei­to hip­nó­ti­co, eram as mar­cas da pre­sen­ça do Cas­su­les Ka­zu­ku­ta do Sam­bi­zan­ga. Mas a do­çu­ra da be­le­za no pas­so da me­ni­na cu­ja som­bri­nha não abria não foi me­nos no­tó­ria. O azul ce­les­te do seu fa­to ri­ma­va com o azul des­bo­ta­do do céu. A música to­da can­ta­da em kim­bun­du, mui­to bem dan­ça­das por du­as me­ni­nas ves­ti­das à mu­mui­las, que de­ram or­dem e apoio à fa­lan­ge, que se mo­via ao rit­mo da ba­tu­ca­da e es­me­ro que a ka­zu­ku­ta exi­ge.

Cas­su­les do 54 dan­çou sem­ba. In­vo­ca­ram me­lho­ri­as no sa­ne­a­men­to bá­si­co. Ves­ti­dos a ri­gor e com um co­le­te de pa­no in­clu­so no ter­no eu­ro­peu azu­les­cu­ro, que de­ta­lha­va a fér­til ima­gi­na­ção na in­du­men­tá­ria. Mas ti­ve­ram uma dan­ça não mui­to con­sis­ten­te, em­bo­ra com bons re le­xos na mo­vi­men­ta­ção. No­ta­bi­li­za­ram-se o co­man­dan­te enér­gi­co e dois ele­men­tos da cor­te re­al, com apa­ren­te­men­te me­nos de 8 ou 9 anos, que eram dois com­ple­tos show­men a en­tre­ter o jú­ri, sob uma música cu­ja te­má­ti­ca fo­ca­va o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co. Mas o co­man­dan­te show­man e a cor­te re­al eram tão ver­sá­teis e de to­ques de dan­ças lui­dos que a tri­bu­na vip não con­se­guiu se man­ter es­tá­ti­ca: Cor­né­lio Ca­ley, Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra, e Ju­ve­li­na Im­pe­ri­al, Vi­ce-go­ver­na­do­ra pa­ra o Sec­tor Po­lí­ti­co e So­ci­al, vi­bra­ram, com olhar ixo. O co­man­dan­te me­re­ce ser ci­ta­do aqui por ser um show­men nato, e con­se­guiu ar­ran­car aplau­sos de to­dos os pre­sen­tes, quan­do se mo­via ma­qui­nal­men­te, fa­zen­do-nos lem­brar des­de Má­qui­na do In­fer­no a Yu­ri da Cu­nha e Mi­cha­el Jack­son, in­cor­po­ra­dos nos to­ques. Só dá­di­vas da trans­ver­sa­li­da­de ar­tís­ti­ca do car­na­val. Cas­su­les Sa­gra­da Es­pe­ran­ça dan­çou sem­ba. Can­ta­ram a Sa­gra­da Es­pe­ran­ça e ci­ta­ram o co­nhe­ci­do po­e­ma de Agos­ti- nho Ne­to, Ca­mi­nho do Ma­to, nu­ma ho­me­na­gem ao po­e­ta. Ti­nham ves­ti­do as cri­an­ças a bes­san­ga­na, que xin­gui­la­vam, har­mó­ni­cas. Foi das ale­go­ri­as mais vis­to­sas: trou­xe­ram mo­vi­men­ta­do por um ca­mião uma ima­gem do Museu de An­tro­po­lo­gia. Era um vai­vém de co­res, nu­ma or­ga­ni­za­ção sim­ples mas con­si­de­rá­vel.

Cas­su­les do Gi­za can­ta­ram o la­men­to da mãe ne­gra e pe­di­am tam­bém pa­ra cui­dar das cri­an­ças. Uma in­du­men­tá­ria co­lo­ri­da, de um ver­de res­plan­de­cen­te, fo­ra as sai­as de pa­no fei­tas em ro­de­las, que da­vam bom as­pec­to. Ti­ve­ram uma boa ac­tu­a­ção.

Cas­su­les do Mun­do da Ilha en­trou com um ca­mi­nhão que le­va­va o re­tra­to de uma es­co­la. As cri­an­ças es­ta­vam ves­ti­das lin­da­men­te a bes­san­ga­na, mas des­ta­cou-se uma me­ni­na que pa­re­cia ter me­nos de 13 anos, nu­ma dan­ça cheia de gra­ça. Mui­to or­ga­ni­za­do. Um ar­co iris no chão da No­va Mar­gi­nal.

Cas­su­les Jo­vens da Ca­cim­ba fez da­que­le chão de al­ca­trão um col­chão, ao se ati­ra­rem e ro­la­rem à pro­cu­ra de um efei­to es­té­ti­co, quan­do o gru­po num ac­to ma­la­ba­ris­ta se jun­ta­va e to­da a for­ma­ção cri­a­va o for­ma­to de uma es­tre­la. Bem or­de­na­do e ino­va­dor. Uma can­to­ra me­ni­na, ale­gre e enér­gi­ca.

Cas­su­les 10 de De­zem­bro dan­çou sem­ba e can­ta­ram o so­nho de ser cri­an­ça. Ti­ve­ram uma ca­sal cor­te re­al bem dis­ci­pli­na­da. Foi dos mais bo­ni­tos a ver dan­çar, em­bo­ra o co­man­dan­te te­nha se em­pol­ga­do em de­ma­sia e não ajui­zou o tem­po.

Vi­vei­ros do Njin­ga Mban­de dan­çou ca­be­ci­nha e mos­trou ser mes­mo um vi­vei­ro de ale­gria e rit­mo. Foi das can­ções mais to­can­tes, nos fa­zen­do lem­brar co­mo as cri­an­ças são im­por­tan­tes. Uma cor­te re­al agra­dá­vel e um co­man­dan­te obe­de­ci­do ao pri­mei­ro to­que. Pa­re­cia ter me­nos de 15 anos, mas mui­to bom e aten­to às mo­vi­men­ta­ções do gru­po. Gra­ve e des­pre­o­cu­pa­do. Ou­tra vez Ju­ve­li­na Im­pe­ri­al e Cor­né­lio Ca­ley se mos­tra­ram der­re­ti­dos pe­lo miú­do, que se mo­via ir­me no seu la­me­jan­te traje de cetim. As palmas, no im, ti­nham con ir­ma­do o su­ces­so da­que­la ac­tu­a­ção. E era ver­da­de: a ca­be­ci­nha ti­nha con­quis­ta­do os nos­sos corações. Cas­su­les Ca­fé de An­go­la dan­çou sem­ba. O seu dis­tin­to azul e bran­co no traje e a música to­ca­da num kim­bun­du au­dí­vel fo­ram as gran­des con­tri­bui­ções do dia, por se mos­tra­rem sem gran­de ma­es­tria no co­man­dan­te e na can­to­ra.

Cas­su­les do Twa­fun­du­mu­ka can­tou as ri­que­zas na­tu­rais de An­go­la, mas um sem­ba na­da con­vin­cen­te.

Cas­su­les Ama­zó­nia do Pren­da can-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.