VI EN­CON­TRO DE ES­CRI­TO­RES DA CPLP UM MUN­DO DE AFEC­TI­VI­DA­DE A EX­PLO­RAR

VI EN­CON­TRO DE ES­CRI­TO­RES DE LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA

Jornal Cultura - - Primeira Página - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA|

“Um en­con­tro de es­cri­to­res, ho­je, em Ca­bo Ver­de, é um mo­men­to de co­mu­nhão, har­mo­nia e mar­ca um pro­ces­so de pen­sa­men­to evo­lu­ti­vo e di­nâ­mi­co. É a ex­pres­são da von­ta­de de nos uni­ver­sa­li­zar­mos e ser­mos gen­tes ca­da vez me­lho­res. Lu­tá­mos pa­ra li­ber­tar a lín­gua. E ho­je fa­la­mos de uma lín­gua co­mum, nos­sa, nu­ma pers­pec­ti­va sa­lu­tar de con­vi­vên­cia en­tre os po­vos”, as­sim o mi­nis­tro da Cul­tu­ra ca­bo-ver­di­a­no, Má­rio Lú­cio Sou­sa, ca­rac­te­ri­zou, na ses­são de en­cer­ra­men­to, o VI En­con­tro de Es­cri­to­res de Lín­gua Por­tu­gue­sa, pro­mo­vi­do pe­la UCCLA, de 1 a 3 de Fe­ve­rei­ro, na ci­da­de da Praia. Vic­tor Ra­ma­lho, se­cre- tá­rio-ge­ral da União das Ci­da­des Ca­pi­tais de Lín­gua Por­tu­gue­sa (UCCLA), to­cou no mes­mo di­a­pa­são, ao re­fe­rir que foi o in­ter-cru­zar de cul­tu­ras que es­te­ve re lec­ti­do ali na Praia. “E is­so é mui­to im­por­tan­te, nu­ma al­tu­ra e num pe­río­do em que os nos­sos po­vos e paí­ses so­frem os efei­tos da crise. Ne­nhum de­les es­ca­pa a es­ta si­tu­a­ção e, por­tan­to, há, pa­ra além da crise eco­nó­mi­co- inan­cei­ra, um ou­tro mun­do que nós te­mos de ex­plo­rar em ter­mos de afec­ti­vi­da­de.”

Com a ci­da­de da Praia en­vol­ta em bru­ma se­ca, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jor­ge Car­los Fon­se­ca, pro­nun­ci­ou, na ses­são de en­cer­ra­men­to, uma dis­ser­ta­ção so­bre “Ar­mé­nio Vi­ei­ra, o cul-

tor da lín­gua de Ca­mões”, mas nas ves­tes de po­e­ta, após a pre­lec­ção da es­cri­to­ra On­di­na Ferreira so­bre o va­te ca­bo-ver­di­a­no.

O ter­cei­ro e úl­ti­mo pai­nel do VI En­con­tro de Es­cri­to­res de Lín­gua Por­tu­gue­sa (EELP), im­ple­men­ta­do em con­jun­to pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal da Praia e a UCCLA, te­ve co­mo te­ma “A po­e­sia e a música”. Ca­bo Ver­de é um lu­gar on­de a po­e­sia é música à es­pe­ra de ser can­ta­da. Na po­e­sia e na li­te­ra­tu­ra em ge­ral, o som es­tá sem­pre pre­sen­te e im­por­ta até quan­do se lê em si­lên­cio. A música con­tri­bui pa­ra di­vul­gar o tra­ba­lho dos criadores, co­mo é o ca­so do can­tor an­go­la­no Rui Min­gas, que compôs Po­e­ma da Far­ra, de Má­rio An­tó­nio e ou­tros po­e­tas, co­mo dis­se a po­e­ta Ana Pau­la Ta­va­res, em­bo­ra, mui­tas ve­zes, quan­do a música se apro­pria da po­e­sia ra­su­ra, apa­ga o seu au­tor. Já o po­e­ta e com­po­si­tor por­tu­guês, Ze­ca Me­dei­ros, é de opi­nião que há um cer­to des­lei­xo, uma in­cul­tu­ra na Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al que não es­cla­re­ce as pes­so­as so­bre a au­to­ria das le­tras de cer­tas can­ções.

No 6º En­con­tro de Es­cri­to­res de Lín­gua Por­tu­gue­sa – com en­con­tros an­tes re­a­li­za­dos em Bra­sil, An­go­la e ago­ra Ca­bo Ver­de – evi­den­ci­ou-se um con­jun­to de idei­as re­le­van­tes que, de­se­ja­vel­men­te, con­tri­bui­rão do­ra­van­te pa­ra a con­so­li­da­ção da lín­gua por­tu­gue­sa co­mo fac­tor de união en­tre to­dos os que fa­lam por­tu­guês, po­de ler­se no co­mu­ni­ca­do inal saí­do do con­cla­ve e li­do pe­lo es­cri­tor ti­mo­ren­se Luís Cardoso.

Es­ti­ve­ram re­pre­sen­ta­dos to­dos os es­cri­to­res dos paí­ses de lín­gua por­tu­gue­sa e tam­bém da re­gião au­tó­no­ma de Ma­cau. “Co­mo sem­pre, An­go­la ( com Pau­la Ta­va­res e Jo­sé Luís Men­don­ça) tem uma re­pre­sen­ta­ção con­dig­na e de al­to re­co­nhe­ci­men­to em ter­mos das le­tras”, ex­pli­cou Vic­tor Ra­ma­lho. “São cer­ca de trin­ta es­cri­to­res, re­pre­sen­tan­tes dos paí­ses e po­vos da CPLP, e que de­mons­tra­ram, nes­tes en­con­tros re­gu­la­res, uma cons­ci­ên­cia uni­ver­sa­lis­ta e to­le­ran­te ver­da­dei­ra­men­te mar­can­tes”. Vic­tor Ra­ma­lho dis­se que “is­so dá- nos con­ta da sin­gu­la­ri­da­de que te­mos nes­te mun­do global”.

No en­con­tro, as­sis­tiu-se a um con­tí­nuo diá­lo­go e tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as en­tre os es­cri­to­res das li­te­ra­tu­ras dos di­fe­ren­tes paí­ses, bem co­mo a uma par­ti­lha ac­ti­va com a po­pu­la­ção, sem­pre em parceria com as Câ­ma­ras Mu­ni­ci­pais da Ri­bei­ra Gran­de de San­ti­a­go e da Praia.

In­do ao en­con­tro da pre­o­cu­pa­ção de se es­ten­der es­ta ini­ci­a­ti­va a ou­tros pú­bli­cos, o de­ba­te ex­tra­va­sou pa­ra a Ci­da­de Ve­lha e pa­ra o Tar­ra­fal, em ses­sões li­te­rá­ri­as or­ga­ni­za­das pe­los res­pec­ti­vos mu­ni­cí­pi­os.

Es­tu­do da li­te­ra­tu­ra no cur­rí­cu­lo es­co­lar

Ten­do em aten­ção que é no ambiente es­co­lar que de­ve ser fei­ta a di­fu­são dos va­lo­res que se­di­men­tam a li­ga­ção das raí­zes dos po­vos da Co­mu­ni­da­de (CPLP), a con­fe­rên­cia propôs a in­tro­du­ção nos cur­rí­cu­los es­co­la­res do es­tu­do das li­te­ra­tu­ras dos paí­ses mem­bros da lu­so­fo­nia.

Vi­si­ta à Ci­da­de Ve­lha

Fez- se a afir­ma­ção das raí­zes his­tó­ri­cas e do pa­tri­mó­nio ma­te­ri­al qui­nhen­tis­ta de Ca­bo Ver­de. Pla­ta­for­ma de co­mér­cio. E de es­cra­va­tu­ra. Co­mo di­zia o Pa­dre An­tó­nio Vi­ei­ra, com as mer­ca­do­ri­as vão as idei­as, tra­zen­do pa­ra es­tas ilhas a cul­tu­ra ca­tó­li­ca eu­ro­peia de tran­si­ção en­tre me­di­e­va­lis­mo e o re­nas­cen­tis­mo.

An­tó­nio Vi­ei­ra faz a sín­te­se da cul­tu­ra ca­bo- ver­di­a­na clás­si­ca ao re­fe­rir- se aos sa­cer­do­tes ne­gros da Ri­bei­ra Ve­lha, co­mo ne­gros co­mo aze­vi­che mas com re­tó­ri­ca su­pe­ri­or aos có­ne­gos da Sé Ve­lha de Lisboa.

Ex­po­si­ção da Ca­sa dos Estudantes do Im­pé­rio

Inau­gu­ra­da no Cen­tro Cul­tu­ral de Por­tu­gal na Ci­da­de da Praia, a ex­po­si­ção so­bre a afir­ma­ção de um de­se­jo de in­de­pen­dên­cia do con­jun­to das co­ló­ni­as por­tu­gue­sas atra­vés de uma eli­te in­te­lec­tu­al que, de Agos­ti­nho Ne­to a Amíl­car Ca­bral, de Rui Min­gas a Pe­dro Pi­res, ra­pi­da­men­te se afir­ma­rá co­mo a pri­mei­ra gran­de eli­te po­lí­ti­ca his­tó­ri­ca dos no­vos paí­ses, ge­ran­do a in­de­pen­dên­cia e a cons­tru­ção de no­vos Es­ta­dos.

En­tre a ca­sa do Im­pé­rio e a re­a­li­da­de ac­tu­al, a lín­gua por­tu­gue­sa é o gran­de elo de união.

Li­te­ra­tu­ra e a Diás­po­ra

A Diás­po­ra cons­ti­tui o fe­nó­me­no his­tó­ri­co da Lu­so­fo­nia, do séc. XVI até ho­je. Sem a re­a­li­da­de his­tó­ri­ca da diás­po­ra e a sua ac­tu­a­li­da­de, di­vi­di­da em 8 paí­ses in­de­pen­den­tes, não exis­ti­ria Lu­so­fo­nia. Nes­te sen­ti­do, en­quan­to que pa­ra ou­tros po­vos e no pas­sa­do a diás­po­ra po­de ter um sen­ti­do de­pre­ci­a­ti­vo, na Lu­so­fo­nia a diás­po­ra pos­sui um sen­ti­do po­si­ti­vo, nú­cleo di­fu­sor da vi­vên­cia li­te­ra­ri­a­men­te cri­a­ti­va da lín­gua por­tu­gue­sa em to­do o mun­do, co­mo se pro­va na obra de Gui­ma­rães Ro­sa, de Mia Cou­to ou de Eu­gé­nio Ta­va­res.

No­vos Es­cri­to­res de Ca­bo Ver­de

O de­ba­te cen­trou- se em tor­no de um con­jun­to de pre­o­cu­pa­ções dos no­vos es­cri­to­res ca­bo- ver­di­a­nos, di­vi­di­dos en­tre o apro­fun­da­men­to das an­ti­gas téc­ni­cas de im­pres­são do li­vro e a sua di­fí­cil di­fu­são co­mer­ci­al pe­las ilhas do ar­qui­pé­la­go, e a ade­são às no­vas tec­no­lo­gi­as da co­mu­ni­ca­ção di­gi­tal. Se­gun­do os jo­vens au­to­res, as no­vas tec­no­lo­gi­as não al­te­ra­ri­am o rit­mo, o li­ris­mo e o dra­ma­tis­mo pró­pri­os da li­te­ra­tu­ra.

Li­te­ra­tu­ra e In­su­la­ri­da­de

Vin­cu­la­da ao iso­la­men­to e à so­li­dão, a ilha foi li­te­ra­ri­a­men­te con­ce­bi­da co­mo “cais de par­ti­da e de che­ga­da”. Em­bo­ra re­a­li­da­de pe­no­sa, a ilha evi­den­cia- se co­mo ins­pi­ra­do­ra de mo­ti­vos e es­ti­los li­te­rá­ri­os. Co­mo par­ti­da é si­nó­ni­mo de aven­tu­ra, de bus­ca. Co­mo che­ga­da, é si­nó­ni­mo de raí­zes.

En­tre a par­ti­da e a che­ga­da, er­gue- se a sau­da­de.

A in­su­la­ri­da­de tor­na- se, as­sim, raiz e cen­tro de uma uni­ver­sa­li­da­de.

Po­e­sia e Música

Ca­bo Ver­de é um lu­gar on­de to­da a po­e­sia é música à es­pe­ra de ser can­ta­da. E de uma for­ma mui­to sin­gu­lar, jun­ta a can­ção de re­vol­ta com a can­ção de fes­ta. Na po­e­sia e na li­te­ra­tu­ra em ge­ral, o som es­tá sem­pre pre­sen­te e im­por­ta até quan­do se lê em si­lên­cio.

No­vos Pré­mi­os

Es­te 6º En­con­tro foi opor­tu­ni­da­de es­co­lhi­da pa­ra a apre­sen­ta­ção de dois no­vos pré­mi­os:

1. Pré­mio Li­te­rá­rio UCCLA “No­vos Ta­len­tos, No­vas Obras em Lín­gua Por­tu­gue­sa”.

2. Pré­mio Ca­bo-Ver­di­a­no de Li­te­ra­tu­ra do BCA.

E foi tam­bém opor­tu­ni­da­de pa­ra a apre­sen­ta­ção do mais re­cen­te vo­lu­me da co­lec­ção Li­te­ra­tu­ra e Lu­so­fo­nia, edi­ta­da pe­la UCCLA.

A pa­la­vra dos es­cri­to­res

Go­ret­ti Pi­na, es­cri­to­ra san­to­men­se, acre­di­ta que fal­ta divulgação dos jo­vens es­cri­to­res. Por is­so, dis­se, os pré­mi­os são sem­pre bem-vin­dos, por­que é sem­pre uma opor­tu­ni­da­de pa­ra os au­to­res des- co­nhe­ci­dos. “Eu pró­pria já ga­nhei pré­mi­os li­te­rá­ri­os que ti­ve­ram ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra mim, pois de ou­tra for­ma se­ria mais di ícil a mi­nha apa­ri­ção.”

João de Me­lo, es­cri­tor por­tu­guês dos Aço­res, de­tec­tou se­me­lhan­ças e pon­tos de apro­xi­ma­ção, pois “é o mes­mo dra­ma do iso­la­men­to, o mes­mo pro­ble­ma da in­su­la­ri­da­de, o mes­mo ins­tin­to de fu­ga pa­ra o ex­te­ri­or, ao en­con­tro da li­ber­da­de eco­nó­mi­ca”, en­tre Ca­bo Ver­de e os Aço­res, paí­ses que con­si­de­rou “de for­tís­si­ma emi­gra­ção” que “en­tra na li­nha do des­po­vo­a­men­to”. Ve­ri icou tam­bém uma “com­ple­men­ta­ri­da­de li­te­rá­ria”, so­bre­tu­do na po­e­sia: “a poé­ti­ca ca­bo-ver­di­a­na po­dia ser aço­ri­a­na e vi­ce-ver­sa”.

O por­tu­guês Jo­sé Fa­nha, sem­pre bo­na­chei­rão, do al­to dos seus sus­pen­só­ri­os, con­si­de­rou que “a po­e­sia por­tu­gue­sa foi sem­pre a es­pi­nha dor­sal da cul­tu­ra por­tu­gue­sa, des­de há 800 anos. É a po­e­sia que pas­sa pa­ra os no­vos paí­ses de lín­gua por­tu­gue­sa e que vai cons­ti­tuir o fac­tor iden­ti­tá­rio, é atra­vés da po­e­sia que nas­ce a iden­ti­da­de cul­tu­ral do Bra­sil no sé­cu­lo XVIII, de An­go­la, Mo­çam­bi­que, Ca­bo Ver­de, no sé­cu­lo XX.” Yao Jing Ming, de Pe­quim, dis­se que o en­con­tro foi uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to po­si­ti­va e ri­ca. “Be­bi mui­to co­nhe­ci­men­to, tro­quei ex­pe­ri­ên­ci­as, e es­te en­con­tro alar­gou a mi­nha vi­são pa­ra o ac­to de es­cre­ver, so­bre­tu­do em lín­gua por­tu­gue­sa”, lín­gua que se fa­la ca­da vez me­nos em Ma­cau.

Yao Jing Ming

Jo­sé Fa­nha

João de Me­lo

Go­ret­ti Pi­na

O jo­vem po­e­ta ca­bo­ver­di­a­no, Sil­vi­no Évo­ra

Ve­re­a­dor da Praia, An­tó­nio Sail­va, mi­nis­tro Má­rio Sou­sa e Víc­tor Ra­ma­lho, da UCCLA

O pre­si­den­te de Ca­bo Ver­de, Jor­ge Fon­se­ca ao la­do de On­di­na Ferreira

Mar­can­te pre­sen­ça dos jo­vens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.