CA­MÕES 20 ANOS A DI­PLO­MA­CIA ATRA­VÉS DA AR­TE

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural -

Mal nos co­nhe­ce­mos Inau­gu­rá­mos a pa­la­vra «ami­go». «Ami­go» é um sor­ri­so De bo­ca em bo­ca, Um olhar bem lim­po, Uma ca­sa, mes­mo mo­des­ta, que se ofe­re­ce, Um co­ra­ção pron­to a pul­sar Na nos­sa mão! «Ami­go» (re­cor­dam-se, vo­cês aí, Es­cru­pu­lo­sos de­tri­tos?) «Ami­go» é o con­trá­rio de ini­mi­go! «Ami­go» é o er­ro cor­ri­gi­do, Não o er­ro per­se­gui­do, ex­plo­ra­do, É a ver­da­de par­ti­lha­da, pra­ti­ca­da.

«Ami­go» é a so­li­dão der­ro­ta­da! «Ami­go» é uma gran­de ta­re­fa, Um tra­ba­lho sem im, Um es­pa­ço útil, um tem­po fér­til, «Ami­go» vai ser, é já uma gran­de fes­ta!

Ale­xan­dre O'Neill, in 'No Rei­no da Di­na­mar­ca' Pe­pe­te­la, no ins­ti­tu­to CA­MÕES, nu­ma con­cor­ri­da e sin­ge­la ho­me­na­gem pres­ta­da a to­dos aque­les que con­tri­buí­ram pa­ra dar cor­po e fa­zer a his­tó­ria do CA­MÕES - 20 ANOS A PAR­TI­LHAR CUL­TU­RA EM AN­GO­LA.

Das ar­tes plás­ti­cas à li­te­ra­tu­ra, da li­te­ra­tu­ra ao te­a­tro, do te­a­tro à música, da música à dan­ça con­tem­po­râ­nea, da dan­ça con­tem­po­râ­nea à ar­qui­tec­tu­ra, ao lon­go dos úl­ti­mos vin­te anos, pas­sa­ram pe­lo Ca­mões/Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês cen­te­nas de criadores, agen­tes cul­tu­rais e jor­na­lis­tas, na sua gran­de mai­o­ria an­go­la­nos, mas tam­bém de ou­tras pa­ra­gens, que de­ram subs­tân­cia e aju­da­ram a con­fe­rir cre­di­bi­li­da­de ao es­pa­ço e à ins­ti­tui­ção.

Co­mo re­fe­riu no ac­to, a di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to Ca­mões-Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, Te­re­sa Ma­teus, “a his­tó­ria mais re­cen­te do CA­MÕES, dos úl­ti­mos três anos, é mar­ca­da por al­gu­mas ino­va­ções na res­pec­ti­va pro­gra­ma­ção, de­sig­na­da­men­te a apre­sen­ta­ção de es­pec­tá­cu­los de Dan­ça Con­tem­po­râ­nea e “Há Te­a­tro no Ca­mões”. Pe­la pri­mei­ra vez, nes­te mes­mo pe­río­do, foi or­ga­ni­za­da uma ex­po­si­ção de stre­et art do ar­tis­ta Ja­nuá­rio Ja­no, que trans igu­rou as pa­re­des do Cen­tro nu­ma rua de Lu­an­da. Um fac­to mar­can­te foi a or­ga­ni­za­ção em 2015, da­que­la que vi­ria ser a úl­ti­ma ex­po­si­ção do ma­lo­gra­do ar­tis­ta plás­ti­co Jo­sé An­dra­de (ZAN), que as­si­na­lou o re­gres­so ao ar­tis­ta ao con­tac­to com o pú­bli­co de Lu­an­da, após 17 anos de au­sên­cia, e que, la­men­ta­vel­men­te, veio a ser a sua despedida.”

Pa­ra a evo­ca­ção e ce­le­bra­ção des­tes 20 anos, es­ti­ve­ram em pal­co a re­pre­sen­tar os criadores an­go­la­nos, os es­cri­to­res Ar­nal­do San­tos, Pe­pe­te­la e Jo­sé Luís Men­don­ça, os ar­tis­tas plás­ti­cos An­tón­jo Ole, Pau­lo Kus­sy e Má­rio Tendinha, pe­la dan­ça con­tem­po­râ­nea Ana Cla­ra Guer­ra Mar­ques, pe­lo te­a­tro Jo­sé Me­na Abran­tes que des­ta­cou “a pre­sen­ça hu­ma­na da pe­ri­fe­ria no pro­jec­to Há Te­a­tro no ca­mões”, e Ade­li­no Ca­ra­col, pe­la música Je­ró­ni­mo Be­lo, , que con­si­de­rou o Ca­mões “um por­to de abri­go do jazz”, a ar­qui­tec­ta Ân­ge­la Min­gas, os car­to­o­nis­tas Olím­pio e Lin­do­mar e pe­la União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e a União dos Ar­tis­tas Plás­ti­cos, Car­mo Ne­to e Eto­na, res­pec­ti­va­men­te.

Nes­te ges­to de ho­me­na­gem aos ar­tis­tas e criadores icou pa­ten­te que o Ca­mões é ho­je uma pon­te cul­tu­ral en­tre os ar­tis­tas an­go­la­nos e ar­tis­tas de lín­gua por­tu­gue­sa. Só em 2016 fo­ram re­a­li­za­dos no Ca­mões mais de cem even­tos cul­tu­rais. Ho­je, to­dos fo­ram unâ­ni­mes em a ir­mar o Ca­mões pre­ci­sa de um es­pa­ço mai­or, pois o au­di­tó­rio Pe­pe­te­la “tor­nou-se pe­que­no pa­ra o in­te­res­se que as re­a­li­za­ções nes­te es­pa­ço des­per­tam”, co­mo fri­sou Me­na Abran­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.