Do Ac­to Edu­ca­ti­vo ao Exer­cí­cio da Ci­da­da­nia

Fi­li­pe Zau pu­bli­ca se­gun­do vo­lu­me da obra

Jornal Cultura - - Letras -

“Tal co­mo o primeiro vo­lu­me, de­ci­di com­pi­lar mais al­guns tex­tos mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pu­bli­ca­dos no Jor­nal de An­go­la e no Cul­tu­ra, com o pro­pó­si­to de, as­sim, con­tri­buir com mais in­for­ma­ção jul­ga­da re­le­van­te pa­ra os jo­vens es­tu­dan­tes com pou­co aces­so a tí­tu­los de ca­rác­ter ci­en­tí­fi­co e cul­tu­ral nas ins­ti­tui­ções on­de re­a­li­zam a sua for­ma­ção aca­dé­mi­ca”. Do pen­sa­men­to ao ac­to, Fi­li­pe Zau pu­bli­ca ago­ra Do Ac­to Edu­ca­ti­vo Ao Exer­cí­cio Da Ci­da­da­nia (Vo­lu­me II), lan­ça­do no dia 14 de Abril, no Au­di­tó­rio No­bre da Uni­ver­si­da­de In­de­pen­den­te de An­go­la.

O es­cri­tor João Me­lo con­si­de­rou a obra uma mais-va­lia pa­ra a li­te­ra­tu­ra ci­en­tí ica de pro­du­ção na­ci­o­nal e de iniu o au­tor co­mo um in­te­lec­tu­al que de­ve ser re­co­nhe­ci­do pe­la so­ci­e­da­de pe­lo seu em­pe­nho na di­vul­ga­ção da li­te­ra­tu­ra de âm­bi­to ci­en­tí ico.

“Nu­ma pers­pec­ti­va que se si­tua en­tre a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e a in­te­li­gên­cia pu­ra, ele par­te dos fac­tos pa­ra a com­pre­en­são dos seus porquês e pa­ra as con­sequên­ci­as de ca­da um no con­tex­to his­tó­ri­co em que su­ce­de­ram. Nis­to ele é úni­co e es­ta obra cons­ti­tui um bom exem­plo des­se fac­to”, es­cre­veu a pro­pó­si­to do li­vro o aca­dé­mi­co por­tu­guês Pires La­ran­jei­ra.

Au­tor pro­lí­fe­ro e mul­ti­fa­ce­ta­do, Fi­li­pe Zau pu­bli­cou os li­vros “En­can­to de um Mar que eu Can­to”, em 1996, e “Meu Can­to à Ra­zão e à Qui­me­ra das Cir­cuns­tân­ci­as”, em 2005, am­bos de po­e­sia, pe­la Uni­ver­si­tá­ria Edi­to­ra. É igual­men­te au­tor dos li­vros “An­go­la: Tri­lhos pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to”, um es­tu­do edi­ta­do pe­la Uni­ver­si­da­de Aber­ta, on­de re­su­me o es­sen­ci­al da sua dis­ser­ta­ção de mes­tra­do (2002), “Ma­rí­ti­mos Afri­ca­nos e um Clu­be com His­tó­ria”, pe­la Uni­ver­si­tá­ria Edi­to­ra, em 2005, “No­tas fo­ra da Pau­ta”, um con­jun­to de cró­ni­cas, pe­la Chá de Ca­xin­de, em 2007, “Edu­ca­ção em An­go­la”, de 2009, re­la­ci­o­na­do com o te­or da sua te­se de dou­to­ra­men­to, e “Do Ac­to Edu­ca­ti­vo ao Exer­cí­cio de Ci­da­da­nia”, vo­lu­me I, de 2012, pe­la Mayam­ba Edi­to­ra.

Atra­vés das cha­ma­das do ín­di­ce é pos­sí­vel ter uma vi­são com­ple­ta das te­má­ti­cas do li­vro, de­sig­na­da­men­te, “Paz e re­con­ci­li­a­ção - vi­tó­ri­as e der­ro­tas na guer­ra”, “Associativismo an­go­la­no na de­fe­sa dos in­te­res­ses na­ti­vis­tas”, “Lu­an­da, cidade de­sen­clau­su­ra­da”, “A edu­ca­ção na men­sa­gem pre­si­den­ci­al so­bre o es­ta­do da Na­ção”, “O rei­no do Con­go em inais do sé­cu­lo XV”, “A di­fu­são do ca­to­li­cis­mo e do co­nhe­ci­men­to”, “An­go­la fa­ce à ide­o­lo­gia do Es­ta­do No­vo”, “A emer­gên­cia do cle­ro afri­ca­no em An­go­la” e, “As gran­des plan­ta­ções de ca­fé e as re­vol­tas po­pu­la­res em An­go­la”.

Fi­li­pe Zau é mú­si­co, po­e­ta e in­ves­ti­ga­dor. Ba­cha­rel em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (1971), li­cen­ci­a­do em Pe­da­go­gia pe­la Uni­ver­si­da­de do Cen­tro de Es­tu­do Uni ica­do de Bra­sí­lia - UNICEUB - (1988) e mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais (1999).

É dou­to­ra­do em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção, na es­pe­ci­a­li­da­de de Edu­ca­ção Mul­ti­cul­tu­ral e In­ter­cul­tu­ral pe­la Uni­ver­si­da­de Aber­ta de Lis­boa (2005) e edi­tou de vá­ri­os dis­cos, em co- au­to­ria com o seu com­pa­nhei­ro de ro­ta Fi­li­pe Mu­ken­ga. Ac­tu­al­men­te é o rei­tor da Uni­ver­si­da­de In­de­pen­den­te de An­go­la.

Fi­li­pe Zau

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.