A IN­SUS­TEN­TÁ­VEL LE­VE­ZA DO SE­XO ZYGMUNT BAU­MAN E O AMOR LÍ­QUI­DO

Jornal Cultura - - Grafitosna Alma - ERICK MO­RAIS (OBVIOUS MAGAZINE)

Es­tar so­zi­nho. Sen­tir-se so­zi­nho. Ter ape­nas o próprio re le­xo. A so­li­dão é al­go que to­dos de uma ma­nei­ra ou de ou­tra bus­cam afas­tar-se. Se­ja pe­la di icul­da­de que te­mos de olhar a si mes­mo (co­mo di­zia Pas­cal), se­ja pe­la di icul­da­de de en­ca­rar a exis­tên­cia, com to­da sua com­ple­xi­da­de, sem na­da pa­ra se apoi­ar. A so­li­dão nos a li­ge, por­que há um va­zio den­tro de nós, o qual só po­de ser pre­en­chi­do por ou­tra pes­soa. Sen­do as­sim, bus­ca-se no amor a so­lu­ção pa­ra o va­zio exis­ten­ci­al.

No mun­do lí­qui­do, es­se va­zio exis­ten­ci­al é pre­en­chi­do pe­lo se­xo. As pes­so­as pos­su­em in­con­tá­veis "par­cei­ros", con­tu­do, são in­ca­pa­zes de re­la­ci­o­nar-se, de tal mo­do que o se­xo ca­su­al, to­tal­men­te des­co­nec­ta­do com um re­la­ci­o­na­men­to e, con­se­quen­te­men­te, com o amor não po­de pre­en­cher es­se va­zio, mas an­tes, afas­tá- lo dos ou­tros. Eri­ch Fromm, sa­bi­a­men­te, diz:

"O se­xo só po­de ser um ins­tru­men­to de fu­são genuína - em vez de uma efé­me­ra, dú­bia e, em úl­ti­ma ins­tân­cia, au- to­des­tru­ti­va im­pres­são de fu­são - gra­ças a sua con­jun­ção com o amor. Qual­quer que se­ja ca­pa­ci­da­de de fu­são que o se­xo pos­sa ter, ela vem de sua ca­ma­ra­da­gem com o amor."

Não que­ro fa­zer um cul­to de ne­ga­ção ao cor­po, mas pa­re­ce-me que o se­xo des­ven­ci­lha­do do amor ou de qual­quer ou­tra coi­sa, is­to é, o se­xo li­vre de li­ga­ções no dia se­guin­te, não con­se­guiu o que pro­me­tia. Em um primeiro mo­men­to, po­de ser em­pol­gan­te ca­mi­nhar no mun­do do "se­xo pu­ro", mas, quan­do a cor­ren­te­za não pu­der ser con­tro­la­da? Afi­nal, de­ve-se ser li­vre, ter al­go que o pren­da é proi­bi­do nes­se jo­go. En­tão, es­tar à de­ri­va é tão bom as­sim? Pre­en­che o va­zio? Se­gun­do Bau­man não, pois,

"Voar su­a­ve­men­te traz con­ten­ta­men­to, voar sem di­rec­ção pro­vo­ca es­tres­se. A mu­dan­ça é ju­bi­lo­sa; a vo­la­ti­li­da­de in­có­mo­da. A in­sus­ten­tá­vel le­ve­za do se­xo?"

Es­sa in­sus­ten­tá­vel le­ve­za do se­xo po­de ser per­ce­bi­da nos mui­tos ca­sos, que che­gam aos con­sul­tó­ri­os, de pes- so­as frus­tra­das, já que o re­mé­dio que pro­me­tia cu­rar cau­sou mais mo­lés­ti­as. Des­sa for­ma, o so­fri­men­to tor­na­se ain­da mai­or, pois na me­di­da em que ten­tou-se afas­tar-se da so­li­dão com o "se­xo pu­ro", per­ce­beu-se que se es­ta­va mais só que an­tes. Es­sa frus­tra­ção ocor­re por­que o se­xo es­va­zi­ou-se de sen­ti­men­tos e, por­tan­to, não per­mi­te ne­le a ca­pa­ci­da­de de re­a­li­za­ção que se pre­ten­de. Em ou­tras pa­la­vras,

"Quan­do o se­xo se apre­sen­ta co­mo um even­to isi­o­ló­gi­co do cor­po e a pa­la­vra sen­su­a­li­da­de pou­ca evo­ca se­não uma pra­ze­ro­sa sen­sa­ção ísi­ca, ele não es­tá li­be­ra­do de far­dos su­pér lu­os, avul­sos, inú­teis, in­có­mo­dos e res­tri­ti­vos. Es­tá, ao con­trá­rio, so­bre­car­re­ga­do, inun­da­do de ex­pec­ta­ti­vas que su­pe­ram sua ca­pa­ci­da­de de re­a­li­za­ção."

As­sim sen­do, o "se­xo pu­ro" é ca­rac­te­ri­za­do pe­la ro­ta­ti­vi­da­de e não pe­la qua­li­da­de ou ca­pa­ci­da­de de re­a­li­za­ção. Es­sa ro­ta­ti­vi­da­de é uma das prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas do "ho­mo con­su­mens", uma vez que, na mo­der­ni­da­de lí­qui­da, o su­ces­so não é ca­rac­te­ri­za­do pe­la ca­pa­ci­da­de de ter bens, pois pa­ra que você pos­sua al­go é pre­ci­so guar­dá- lo, e o ho­mem pós- mo­der­no ou "con­su­mens" não quer ter es­se tra­ba­lho. O su­ces­so, as­sim, é me­di­do pe­la ca­pa­ci­da­de de usar, des­fa­zer-se e usar al­go no­vo.

"É a ro­ta­ti­vi­da­de, não o vo­lu­me de com­pras, que me­de o su­ces­so na vi­da do ho­mo con­su­mens."

O "se­xo pu­ro" en­con­tra-se em per­fei­ta con­so­nân­cia com es­sa ideia, em que os en­con­tros não de­vem pas­sar de um epi­só­dio e to­dos de­vem es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra ser des­car­ta­dos. O gran­de pa­ra­do­xo nis­so, é que es­se "se­xo pu­ro” pro­me­tia re­sol­ver o pro­ble­ma da so­li­dão. Mas, pa­re­ce-me im­pro­vá­vel que as­sim o se­ja, quan­do o outro va­le me­nos que uma ca­mi­sa, vis­to que es­ta é usa­da mais de uma vez.

Quan­do se de­ter­mi­na que os en­con­tros não de­vam pas­sar de um epi­só­dio cria-se uma di­ta­du­ra, em que to­da for­ma de re­la­ci­o­na­men­to de­ve ser as­sim. Há, des­sa ma­nei­ra, o ba­ni­men­to dos sen­ti­men­tos do se­xo. En­tre­tan­to, es­que­cem que quan­do se ten­ta re­ti­rar o aca­so, o ines­pe­ra­do da vi­da, re­ti­ra-se, im­pres­cin­di­vel­men­te, o que há de mais su­bli­me na vi­da: o amor.

O "se­xo pu­ro" é a ten­ta­ti­va de uma so­ci­e­da­de in­se­gu­ra de sair da so­li­dão, mas sem sair da zo­na de con­for­to. Ob­vi­a­men­te, que quan­do não se cria ex­pec­ta­ti­vas no outro, di­fi­cil­men­te, ha­ve­rá de­cep­ção. Mas, se não se es­pe­ra na­da no outro, tal­vez is­so não se­ja amor. Pa­ra mui­tos es­tu­di­o­sos, na raiz do ver­bo amor es­tá im­pres­sa a ideia de plan­tar, se­me­ar. Por­tan­to, ne­ces­sa­ri­a­men­te, se há amor, há ex­pec­ta­ti­vas, pois nin­guém se­meia sem acre­di­tar na co­lhei­ta.

A in­sus­ten­tá­vel le­ve­za do se­xo con­sis­te em acre­di­tar que po­de se re­la­ci­o­nar com ou­tra pes­soa e por­tá-la pa­ra den­tro de si sem que ha­ja en­vol­vi­men­to. To­da­via, pa­ra que al­go se de­sen­vol­va, é pre­ci­so en­vol­vi­men­to, mui­to em­bo­ra, es­sa não se­ja uma ca­rac­te­rís­ti­ca do ho­mem lí­qui­do. Cri­ar la­ços for­tes po­de dei­xar-nos mais vul­ne­rá­veis, mas ao amor são ine­ren­tes a vul­ne­ra­bi­li­da­de e a in­cer­te­za, e já dis­se que as me­lho­ras coi­sas só acon­te­cem no ter­re­no do inex­pli­cá­vel.

Pin­tu­ra de Man­go­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.