PAPÁ WEMBA

RUMBA DE SOL E DE ORVALHO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

Os gran­des da Áfri­ca tam­bém mo­rem de ma­lá­ria. E é tem­po de os go­ver­nos de Áfri­ca cri­a­rem a va­ci­na que os paí­ses in­dus­tri­a­li­za­dos não cri­am. A va­ci­na da me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal. Por­que Papá Wemba era mui­to novo pa­ra nos dei­xar. Papá Wemba. Ga­lá­xia can­tan­te de sol e de orvalho, uma com­bi­na­ção emo­ci­o­nan­te de acor­des vo­cais, co­mo em Ma­ria Va­lên­cia ou Ma­man, música de­di­ca­da à sua mãe, car­pi­dei­ra pro is­si­o­nal. Wemba pas­sou a sua in­fân­cia ob­ser­van­do a mãe can­tar nos fu­ne­rais. "Se a mi­nha Mãe ain­da es­ti­ves­se vi­va, eu se­ria ri­co em pa­la­vras e ri­co em me­lo­di­as", diz Papá Wemba no seu si­te o ici­al.

An­go­la ho­me­na­ge­ou Papá Wemba. Em no­ta de con­do­lên­ci­as pe­la mor­te do ar­tis­ta, ocor­ri­da a 24 de Abril em Abid­jan, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, mi­nis­tra da Cul­tu­ra, des­cre­ve Papá Wemba co­mo quem dei­xa uma mar­ca in­de­lé­vel na he­ran­ça mu­si­cal da Áfri­ca Cen­tral. Papá Wemba in lu­en­ci­ou vá­ri­as ge­ra­ções de ar­tis­tas do Con­ti­nen­te e do Mun­do, pe­lo seu es­ti­lo ori­gi­nal e so is­ti­ca­do, ten­do ir­ma­do uma tra­jec­tó­ria ar­tís­ti­ca ím­par mar­ca­da pe­la cri­a­ção e ex­pan­são do es­ti­lo zai­ko lan­ga lan­ga, uma fu­são da dan­ça la­ti­na e afri­ca­na, que ins­pi­rou mui­tos jo­vens mú­si­cos con­go­le­ses e con­quis­tou au­di­ên­cia em to­do mun­do.

Nas­ci­do Ju­les Shun­gu Wem­ba­dio Pe­ne Ki­kum­ba em 14 de Ju­nho de 1949, na re­gião de Ka­sai da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (en­tão co­nhe­ci­da co­mo Con­go Bel­ga), Papá Wemba, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo o "Rei do Rumba Rock", é um dos mú­si­cos mais ex­tra­va­gan­tes e cos­mo­po­li­tas da Áfri­ca. Ele emi­grou da sua ter­ra na­tal, pa­ra se tor­nar um dos ar­tis­tas do world mu­sic mais bem su­ce­di­dos in­ter­na­ci­o­nal­men­te no inal dos anos 80 e iní­cio dos anos 90. Por mui­to tem­po um he­rói no seu país na­tal com as ban­das Zai­ko Lan­ga Lan­ga, Isi i Lo­ko­le e Yo­ka Lo­ko­le, Wemba al­can­çou o es­ta­tu­to de su­pers­tar com sua ban­da Vi­va La Mu­si­ca. De­pois de al­gum tem­po na Eu­ro­pa, Wemba vi­ra o olhar pa­ra a acla­ma­ção in­ter­na­ci­o­nal, e con­se­guiu-o com o gru­po Mo­lo­kai In­ter­na­ti­o­nal. Sem­pre can­tan­do na sua lín­gua na­ti­va, ga­ran­tiu uma au­di­ên­cia glo­bal.

Wemba é mem­bro da et­nia Te­te­la e foi cri­a­do co­mo um des­cen­den­te di­rec­to de uma lon­ga li­nha­gem de che­fes gu­er­rei­ros Ba­te­te­la. Mais tar­de, ga­nhou o es­ta­tu­to de che­fe guer­rei­ro Te­te­la de an­ciãos do clã por sua con­tri­bui­ção à música e cul­tu­ra. A sua fa­mí­lia se mu­dou pa­ra a ca­pi­tal con­go­le­sa de Kinsha­sa, quan­do ele ti­nha seis anos. Após a mor­te de seu pai em 1966, Wemba jun­tou-se ao co­ro de Igre­ja Ca­tó­li­ca Ro­ma­na de St. Jo­seph. De­sis­tiu de música re­li­gi­o­sa, quan­do dei­xou a igre­ja, mas re­cor­da-a co­mo uma in luên­cia.

Wemba fun­dou seu pró­prio gru­po, Zai­ko Lan­ga Lan­ga, que se tor­nou uma das ban­das mais po­pu­la­res da ju­ven­tu­de da na­ção do mo­vi­men­to Rumba-rock.

Zai­ko Lan­ga Lan­ga é uma das ma­ni­fes­ta­ções- cha­ve da No­va Va­ga Con­go­le­sa: uma co­li­ga­ção ne­bu­lo­sa de 20 mú­si­cos que ac­tu­a­li­za­ram pro­fun­da­men­te o Sou­kous pe­la in­fu­são com uma qua­se elec­tri­zan­te ener­gia.

Ape­li­da­do de "King of Rumba", Pa­pa Wemba foi um dos pri­mei­ros par­tí­ci­pes e di­fu­sor do in lu­en­te do "Sou­kous" na ban­da Zai­ko Lan­ga Lan­ga, cri­a­da em De­zem­bro de 1969, em Kinsha­sa, jun­ta­men­te com os seus pa­res Nyo­ka Lon­go Jos­sart, Ma­nu­a­ku Pe­pe Felly, Evo­lo­ko Lay Lay, Bi­mi Om­ba­le , Teddy Su­ka­mi , Za­mu­an­ga­na Enock , Ma­vu­e­la Si­meão, Clã Pe­tro­le e ou­tros mú­si­cos con­go­le­ses.

A ino­va­ção in­tro­du­zi­da con­sis­tiu cri­ar um som mui­to mais pro­vo­can­te e mais jo­vem. ZLL – uma con­trac­ção da ex­pres­são “Zai­re dos Nos­sos An­te­pas­sa­dos” – ge­rou uma ver­da­dei­ra fa­mí­lia de des­cen­den­tes, o cha­ma­do "Clã Lan­ga Lan­ga”, que in­clui Pa­pa Wemba, Bo­zi Boi­za­na, e os gru­pos Zai­ko, WaWa, Lan­ga Lan­ga Stars, Choc Stars, An­ti-Choc, e mui­tos ou­tros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.