MA­NU­EL RUIAPRESENTA

“A ACÁCIA E OS PÁSSAROS”

Jornal Cultura - - LETRAS -

O no­vo ro­man­ce de Ma­nu­el Rui, "A ACÁCIA E OS PÁSSAROS", foi apre­sen­ta­do a pú­bli­co dia 24 Maio. Com a sua ha­bi­tu­al ironia, num es­ti­lo sa­tí­ri­co, de ra­ra be­le­za poé­ti­ca, Ma­nu­el Rui vai des ian­do a nar­ra­ti­va em tor­no do per­so­na­gem prin­ci­pal, de seu no­me Ja­nuá­rio, “(…) na ver­são de­le pró­prio, ór­fão de nas­cen­ça, que fa­zia mais de du­as ge­ra­ções, não pro­va­va uma cô­dea de pão(…)”. Um “de­sa­pren­di­do da sor­te” que, em no­me da dig­ni­da­de, pre­fe­ria mor­rer em je­jum. “(…) As­sim, ca­mi­nha­va ma­gro, na sua es­ta­tu­ra mé­dia, de­sen­gon­çan­do seus bra­ços com­pri­dos, per­nas em ar­co e olhos mui­to gran­des e ilu­mi­na­dos co­mo ho­lo­fo­tes (…)”.

Nu­ma ci­da­de si­tu­a­da em qual­quer par­te do mun­do, Ja­nuá­rio, jor­na­lis­ta fre­e­lan­cer, na avi­dez de um pão, cu­jo sa­bor há mui­to es­que­ce­ra, vê-se en­vol­vi­do na tra­ma que o pri­va da li­ber­da­de, im­pe­din­do-o de co­mer, de se pro­nun­ci­ar, de pen­sar e mes­mo so­nhar com pão, mas lhe dá aces­so à des­co­ber­ta de no­vos sen­ti­men­tos e de no­vos sen­ti­dos das coi­sas e da vi­da. Ele dá li­vre cur­so ao pen­sa­men­to “pe­lo al­to as­tral su­pe­ri­or” e po­de con­tem­plar a be­le­za dos pássaros e da acácia com lo­res ama­re­las, er­gui­da na pra­ça, em fren­te. “(…) Lá fo­ra o sol es­ban­ja luz mui­to aber­ta e as itas de mui­tas co­res aba­nam o azul do céu sem ca­len­dá­rio e sem da­ta co­mo um pre­ci­pí­cio que se re­no­va pe­lo eco, aqui, só por es­cre­ver es­tas pa­la­vras sou um rei do meu uni­ver­so (… ).””(…) me­di­tar é ma­ra­vi­lho­so. Me­di­tar e ima­gi­nar (…)” .

GUIÃO PARA UM FIL­ME

Tal­vez por­que o iní­cio é tris­te, mas o im fe­liz e tal­vez, tam­bém, por­que a nar­ra­ti­va vai ser­vir de guião para um il­me, a con­ta­gem dos 80 ca­pí­tu­los que com­põem a obra é fei­ta do im para o prin­cí­pio. Per­so­na­gens di­ver­sas e mul­ti­fa­ce­ta­das vão des ilan­do ao lon­go da his­tó­ria:

Ba­sí­lio “(...) .o pa­dei­ro, gi­gan­te, pou­co mais de dois me­tros e lar­go, es­ban­ja­va gor­du­ra”. O mais ava­ren­to do mun­do que ne­gou dar um pão a Ja­nuá­rio por­que só ti­nha dez mil tre­zen­tos e cin­quen­ta pães e re­cu­sou fa­zer mais um. A co­mer com avi­dez dois pães-ca­ce­te ao mes­mo tem­po, um em ca­da mão, e que ca­ce­te­ou com um de­les a cabeça de Ja­nuá­rio. “(…) o ga­jo co­me pão du­ro que de­ve ser do ano pas­sa­do, tem mais um pre­di­ca­do é mi­se­ra­vel­men­te no­jen­to, ava­ro que en­gor­da a pão de­sa­mas­sa­do por Sa­ta­nás...(…)”

Chi­co­te, o se­gun­do sar­gen­to, que la­vrou o au­to de ocor­rên­cia no Pos­to 23: “(…) re­cos­tou-se na ca­dei­ra, li- gou o te­le­fo­ne, de­pois abriu a ga­ve­ta da me­sa, ti­rou uma san­duí­che exu­be­ran­te, de um pão ca­ce­te in­tei­ro com ro­de­las de chou­ri­ço de la­ta, o óleo es­cor­ren­do pe­los bei­ços, o po­lí­cia pe­gan­do a de­lí­cia com as du­as mãos, co­me­çou a co­mer abrin­do mui­to a bo­ca e mas­ti­gan­do com sa­bo­re­a­da len­ti­dão(…)”.

Aris­tó­fa­nes, o guar­da pri­si­o­nal “(… ) um gi­gan­te de es­ta­tu­ra a que Ja­nuá­rio lhe che­ga­va aos om­bros, mus­cu­la­do de olhar lím­pi­do (…)”, que se tor­nou guar­da-cos­tas, ami­go e con iden­te de Ja­nuá­rio e que, com os en­si­na­men­to que de­le re­ce­beu, pre­pa­rou a en­tra­da na Fa­cul­da­de de Di­rei­to. “(…) Olha Aris­tó­fa­nes, se qui­ses­se nem te con­ta­va mas te­nho-te na con­ta de um ami­go. So­nhei com uma mul­ti­dão de cri­an­ças a irem para a es­co­la a co­me­rem pão e se­nho­ras a ven­de­rem aque­las san­des de chou­ri­ço. Ca­la-te Ja­nuá­rio e fa­la bai­xo pois em prin­cí­pio não po­des so­nhar com pão e só po­des so­nhar se pen­sa­res(…)”.

Ama­ro, ad­vo­ga­do, pre­so por de­li­to de opi­nião, que só co­mu­ni­ca­va atra­vés de men­sa­gens es­cri­tas en- tre­gues por Aris­tó­fa­nes, com qu­em par­ti­lha­va re le­xões ju­rí­di­cas.

Flo­ra, en­fer­mei­ra-che­fe que tra­tou Ja­nuá­rio na Clí­ni­ca VIP, do qual ele diz: “(…) É tão lin­da, uma es­tre­la dis­far­ça­da de mu­lher. A mais be­la do mun­do(…)”, que lhe ofe­re­cia co­pos de água FLUÍDICA. “(…)É a for­ça das pa­la­vras que trans­for­ma a água nor­mal em água luí­di­ca, com a sen­sa­ção e que água é sem­pre no­va(…)”. “NA­DA MAIS BO­NI­TO QUE UM CHUVISCO SEM VEN­TO A BEIJAR A RELVA DE UM JAR­DIM”.

Vla­di­mi­ro, ilho de Flo­ra, li­ga­do às no­vas re­des so­ci­ais e apai­xo­na­do pe­lo ci­ne­ma, ob­ce­ca­do pe­la ideia de fa­zer um il­me so­bre da tra­ma de Ja­nuá­rio, mas tam­bém so­bre lí­ri­os bran­cos e gra­ni­zo.

Di­niz, di­rec­tor da ca­deia, que apren­deu com Ja­nuá­rio a ul­tra­pas­sar o blo­queio que o im­pe­dia de ex­trair a raiz qua­dra­da, con­se­guin­do as­sim re­mo­ver o im­pe­di­men­to para con­cluir o cur­so de di­rei­to,

trans­for­man­do-se num ami­go. Cão Acácia, com o qual Ja­nuá­rio fez ami­za­de, de­pois de te­rem der­ru­ba­do a ár­vo­re/acácia da pra­ça, sua com­pa­nhei­ra de tan­tos pen­sa­men­tos, para a subs­ti­tuí­rem por uma es­tá­tua.

Ja­nuá­rio, re­co­nhe­ci­do por to­dos co­mo um es­pí­ri­to su­pe­ri­or, com co­nhe­ci­men­tos pro­fun­dos em di­rei­to e cul­tu­ra ge­ral, co­ra­jo­so, que gos­ta­va de trans­mi­tir os seus co­nhe­ci­men­tos com a hu­mil­da­de de um mis­si­o­ná­rio, pro­te­gi­do pe­los lui­dos do “as­tral su­pe­ri­or” e que não lim­pa­va as lá­gri­mas de ale­gria por­que apren­de­ra com a sua avó e re­pe­tia: “AS LÁ­GRI­MAS SÃO ÁGUA PURA DAS NOS­SAS ALE­GRI­AS E TRIS­TE­ZAS. NÃO DE­VE­MOS LIMPÁLAS MAS DEIXÁ-LAS ROLAR ATÉ À NOS­SA BO­CA PARA LHE SABOREARMOS O SAL DO NOS­SO ES­PÍ­RI­TO”.

No guião, o fil­me ter­mi­na com o ma­gis­tra­do a dar o des­pa­cho para li­ber­ta­ção de Ja­nuá­rio, co­mo me­tá­fo­ra de hu­ma­nis­mo, que pre­va­le­ce. O pa­dei­ro Ba­sí­lio aca­ba por mor­rer, dei­xan­do um tes­ta­men­to on­de pe­de per­dão a Ja­nuá­rio e, co­mo he­ran­ça, dei­xa- lhe o pão que lhe ti­nha ne­ga­do. Ou­vem- se os car­ri­lhões de uma igre­ja e a ci­da­de es­tá cheia de lí­ri­os bran­cos…

Ma­nu­el Rui jun­to à cantora Lip­sia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.