Car­tas de Ma­ria Eu­gé­nia a Agos­ti­nho Ne­to UMA JA­NE­LA ABER­TA PA­RA O MUN­DO

Jornal Cultura - - LETRAS - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA|

Pas­sa­dos tan­tos anos, ao pu­bli­car um li­vro com as car­tas da sua ju­ven­tu­de en­de­re­ça­das a Agos­ti­nho Ne­to, que emo­ções é que sen­te? Foi es­ta a per­gun­ta que co­lo­cá­mos à au­to­ra de “Car­tas de Ma­ria Eu­gé­nia a Agos­ti­nho Ne­to”, na sua ca­sa tem­po­rá­ria, ali no Mi­ra­mar jun­to ao lar­go de Am­buí­la, por mau si­nal dos tem­pos aban­do­na­do à sua sor­te, cheio de ca­pim e de li­xo, e on­de um gru­po de me­ni­nos e ma­ni­nas brin­ca­va, mes­mo as­sim.

“Ao re­ler es­tas car­tas ico fran­ca- men­te emo­ci­o­na­da e acho que, se fos­se ho­je, não te­ria a co­ra­gem que ti­ve na­que­la al­tu­ra. Por­que fo­ram mui­tos acon­te­ci­men­tos, mui­ta coi­sa se pas­sou e eu acho que, na­que­la al­tu­ra, o meu co­ra­ção es­ta­va mui­to pu­ro, ti­nha uma gran­de re­li­gi­o­si­da­de, ti­nha de aju­dar os ou­tros. Ago­ra es­tou na po­si­ção de lei­to­ra das mi­nhas car­tas e ve­jo-me nou­tra per­so­na­gem”, dis­se-nos Ma­ria Eu­gé­nia, sen­ta­da à se­cre­tá­ria do seu ga­bi­ne­te de es­cri­to­ra, no ane­xo re­ple­to de li­vros e pa­pe­la­da di­ver­sa.

Fer­nan­do Pes­soa es­cre­veu um po­e­ma em que explica que “to­das as car­tas de amor são ri­dí­cu­las”. Mas, nes­tas epís­to­las, diz-nos Ma­ria Eu­gé­nia que “nem tan­to, por­que es­tas mi­nhas car­tas são umas car­tas que mais pa­re­cem de ami­go, do que pro­pri­a­men­te de na­mo­ra­dos, quer di­zer, não há ali ju­ras de amor. Es­tas car­tas iam pa­rar às mãos da po­lí­cia, an­tes de che­ga­rem à mão do meu ma­ri­do”, explica. Fo­ram es­cri­tas quan­do ele es­te­ve pre­so dois anos e tal no Porto com mais cin­quen­ta e tal jo­vens do MUD Ju­ve­nil. A. Ne­to re­pre­sen­ta­va as co­ló­ni­as por­tu­gue­sas no MUD Ju­ve­nil.”

O amor en­tre os jo­vens da­que­la épo­ca – me­a­dos do sé­cu­lo XX – era di­fe­ren­te do de ho­je?, qui­se­mos sa­ber. Ma­ria Eu­gé­nia é pe­remp­tó­ria:

“O Mun­do mu­dou. Na­que­las al­tu­ra, o amor era mais pla­tó­ni­co. Ho­je, o amor é mais se­xo. E, en­tão, às ve­zes dá, ou­tras ve­zes não dá. Acho que o amor pla­tó­ni­co é mui­to bo­ni­to, tem mui­to de ide­a­lis­mo, en im, era mais bo­ni­to do que ho­je, em­bo­ra tam­bém ha­ve­rá, ago­ra, pes­so­as com cer­tos prin­cí­pi­os e se com­por­tem co­mo al­gu­mas pes­so­as do an­ti­ga­men­te. E tam­bém, na­que­la al­tu­ra, não quer di­zer que fo­mos to­dos santos… mas ha­via ou­tro com­por­ta­men­to mais ge­ne­ra­li­za­do no sen­ti­do da ho­nes­ti­da­de…”

JA­NE­LA PA­RA O MUN­DO

O li­vro, lan­ça­do no pas­sa­do dia 9 de Ju­nho, no Me­mo­ri­al Agos­ti­nho Ne­to, foi apre­sen­ta­do por Ale­xan­dra de Vic­tó­ria Pe­rei­ra Si­meão que co­me­ça­ria por di­zer que as car­tas re­pre­sen­tam “uma mais va­lia pa­ra to­dos os es­tu­di­o­sos que pre­ten­dam per­ce­ber os bas­ti­do­res da po­lí­ti­ca co­lo­ni­al dos anos 50 e 60 do sé­cu­lo XX, cons­ti­tuin­do-se nu­ma fon­te pre­ci­o­sa, por se tra­tar de um re­la­to na pri­mei­ra pes­soa. Es­te é um as­pec­to fun­da­men­tal pa­ra a com­pre­en­são de quem so­mos e de on­de vi­mos, pois sem fon­tes ge­nuí­nas a his­tó­ria dos po­vos e dos paí­ses aca­ba por ser des­vir­tu­a­da e aco­mo­da­da de acor­do com os mais per­ver­sos in­te­res­ses, des­res­pei­tan­do, des­de lo­go, o ri­gor exi­gi­do pe­la ver­da­de his­tó­ri­ca.”

Ale­xan­dra Si­meão acres­cen­tou que “es­tas car­tas fo­ram es­cri­tas num tem­po de adi­a­men­to de to­dos os so­nhos de jus­ti­ça, de in­clu­são e de igual­da­de. Tem­po em que pen­sar de for­ma di­fe­ren­te era si­nó­ni­mo de to­do o ti­po de atro­ci­da­de, da per­da do chão pá­trio, dos la­ços fa­mi­li­a­res e de ami­za­de pe­las prisões cons­tan­tes e de­por­ta­ções sem dó. (…)

De­vo re­co­nhe­cer que sem es­ta ja­ne­la pa­ra o mun­do, os di­as do jo­vem Agos­ti­nho Ne­to, nas ca­dei­as por on­de pas­sou, te­ri­am si­do mui­to mais ás­pe­ros. O amor dá asas e na tro­ca das pa­la­vras quem es­tá lon­ge sen­te- se pre­sen­te em to­dos os sen­ti­dos. E acre­di­to que es­ta foi uma das mais im­por­tan­tes ân­co­ras, ca­paz de re­co­nhe­cer que só o tem­po e o con­for­to ofe­re­ci­do com es­ti­ma, de for­ma ma­ter­nal e sem qual­quer ti­po de juí­zo pró­prio de quem en­fren­ta, pe­los ou­tros, to­das as ad­ver­si­da­des com co­ra­gem co­mo o fez Ma­ria Eu­gé­nia. (…)

“TUA PA­RA SEM­PRE”

A pre­sen­ça de Ma­ria Eu­gé­nia foi cru­ci­al na for­ma­ção de Agos­ti­nho Ne­to, na sua es­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal, na ges­tão da in­su ici­ên­cia e na ma­nu­ten­ção da re­la­ção.(…) Na so­li­tá­ria a mai­or par­te do tem­po, os li­vros con­quis­tam to­do o es­pa­ço. Em res­pos­ta a uma car­ta de Ma­ria Eu­gé­nia, en­vi­a­da a 12 de Ju­nho de 1957 em que lhe fa­la­va da im­pos­si­bi­li­da­de de ter con­se­gui­do en­vi­ar al­guns li­vros pe­di­dos, Ne­to res­pon­de: “co­mo não te­nho com quem con­ver­sar, pre­ci­so imen­so de lei­tu­ra que não se­ja a de li­vros de es­tu­do”. (…) De­pois de um ano e meio sem jul­ga­men­to que fez nas­cer a “cer­te­za na jus­te­za dos seus ac­tos” co­mo ele pró­prio es­cre­veu, as car­tas tro­ca­das eram o úni­co es­ca­pe que per­mi­tia que os di­as se ar­ras­tas- sem mais de­pres­sa na es­pe­ran­ça do dia da en­tre­ga da pró­xi­ma car­ta. Daí a im­por­tân­cia das mes­mas. (…)

Foi sem dú­vi­da um tem­po de am­pa­ro, um tem­po em que to­das as in­qui­e­ta­ções se co­lo­ca­vam e to­das as res­pos­tas tar­da­vam. Os di­fe­ren­tes ce­ná­ri­os do des­ti­no das mis­si­vas, Ca­xi­as, Porto, Ca­bo-Ver­de, en­tre con­tac­tos com Ad­vo­ga­do e com o Mi­nis­té­rio do Ul­tra­mar ten­tan­do de­mons­trar a ur­gên­cia de sal­var uma vi­da, o cui­da­do cons­tan­te pa­ra não se per­de­rem pri­vi­lé­gi­os na cer­te­za da bra­vu­ra ca­ni­na da PI­DE e da des­pro­por­ci­o­na­li­da­de da de­fe­sa em to­dos os sen­ti­dos, sem nun­ca per­der o sen­ti­do de hu­mor, Ma­ria Eu­gé­nia con­se­gue cri­ar al­gu­ma sen­sa­ção de nor­ma­li­da­de... (…)

Nas car­tas que ho­je são aqui apre­sen­ta­das so­mos tes­te­mu­nhas do im­pul­so, a an­te­câ­ma­ra de de­ci­sões que em­bo­ra ci­en­tes de to­das as con­sequên­ci­as não se tor­na­ram es­té­reis. (…)

O pa­pel de Ma­ria Eu­gé­nia se­rá sem­pre exal­ta­do quan­do se olhar pa­ra es­te tem­po e pa­ra qual­quer bi­o­gra ia que se­ja fei­ta ao Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to. E o fac­to de es­tar­mos aqui ho­je reu­ni­dos a olhar pa­ra es­tas car­tas que re­ve­lam um ín­ti­mo de­vas­sa­do pe­la cen­su­ra, que não per­mi­tia ir mais lon­ge na en­tre­ga e na par­ti­lha são pro­va de que a pro­mes­sa rei­te­ra­da ao seu noi­vo e de­pois ao seu es­po­so, re­pe­ti­da na mai­o­ria das des­pe­di­das ... “Tua pa­ra Sem­pre” ... foi de ini­ti­va­men­te cum­pri­da por Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to.”

Ma­ria Eu­gé­nia e Agos­ti­nho Ne­to na ju­ven­tu­de

Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, ho­je

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.