UM ETER­NO JO­VEM DO PREN­DA

Jornal Cultura - - ARTES - ANALTINO SANTOS|

Na pas­sa­da tar­de do dia 12 des­te Ju­nho, o Cen­tro Cul­tu­ral e Re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba vol­tou a fa­zer o tra­di­ci­o­nal mu­zon­guê: a ca­sa foi pe­que­na pa­ra re­ce­ber os en­tu­si­as­tas e apre­ci­a­do­res da mú­si­ca an­go­la­na. Os Glo­ri­o­sos do Pren­da, Ban­da Mo­vi­men­to, Chi­co Mon­te­ne­gro, Au­gus­to Cha­caia, Dom Ca­e­ta­no, Ca­la­be­to, Lu­las da Pai­xão e Ta­ma­ra Nza­gi jun­ta­ram-se pa­ra ho­me­na­ge­ar Di­di da Mãe Pre­ta, que ac­tu­ou com su­por­te da ban­da mo­vi­men­to.

João An­tó­nio nas­ce a 2 de Ju­nho de 1950 na Ca­mu­xi­ba. João An­tó­nio pa­ra mui­tos não diz na­da, mas o igu­ri­no mu­da quan­do o no­me Di­di da Mãe Pre­ta é ci­ta­do. Fi­lho de Ve­nân­cio An­tó­nio e de Ma­da­le­na Agos­ti­nho, cres­ceu en­tre a Ca­mu­xi­ba, Sam­ba, Ki­nan­ga, Pren­da, Ca­tam­bor e ou­tras zo­nas pe­ri­fé­ri­cas do li­to­ral lu­an­den­se.

Nes­tas zo­nas as tur­mas e as fes­tas de car­na­val ani­ma­vam o ain­da kan­den­gue, que se­guia os gru­pos União 54, União Zu­ba e Ka­be­tu­la do Mor­ro Ben­to. Com os ami­gos dos Ka­so­las do Pren­da, en­tre os quais Can­gon­go e Ve­ri­na­cio, evo­lu­em pa­ra os Jo­vens do Ka­tam­bor, que pas­sa a Jo­vens do Pren­da com a en­tra­da do exí­mio gui­tar­ris­ta Zé Ke­no, en­tre 1968 a 1969. Di­di da Mãe Pre­ta re­cor­da es­te mar­co pe­la ur­gên- cia de uma exi­bi­ção no Ku­to­no­ka, pa­ra a se­guir ac­tu­a­rem no dis­pu­ta­do N´go­la Ci­ne, lem­bran­do as­sim mo­men­tos de­si­guais da mú­si­ca an­go­la­na. Di­di era o lí­der, a di­kan­za e o re­co-re­co eram os seus ins­tru­men­to e te­ve co­mo mes­tre o gran­de Fon­tes Pe­rei­ra, que ho­je con­fe­re-lhe o gar­bo de fa­zer par­te da tría­de dos exí­mi­os to­ca­do­res des­te ins­tru­men­to ain­da no ac­ti­vo, com Zé Fi­ni­nho e Raúl To­lin­gas.

Imor­ta­li­zou te­mas co­mo “Me­xi­lhão”, “Ma­ka­ma­zary”, “Ngon­go”, Car­ta pa­ra en­tre­gar” e ou­tros on­de não sen­ti­mos ape­nas o res­so­ar da sua di­kan­za, mas tam­bém a sua voz nos co­ros, api­to, as­so­bio e to­da ani­ma­ção e ban­ga de um ilho do Pren­da.

Con­quis­tou gen­te do as­fal­to co­mo o ami­go João Ca­ná­rio, com quem cria um dos mais em­ble­má­ti­cos Cen­tro Re­cre­a­ti­vo de Luanda: Mãe Pre­ta. A sua ac­ção cul­tu­ral se es­ten­de nas rá­di­os, quan­do acei­ta a su­ges­tão dos ir­mãos Min­gas (André e Ruy) e cria o pro­gra­ma cul­tu­ral Usu­ku Ua Ngan­du.

Qua­se cin­co dé­ca­das de al­tos e bai­xos dos Jo­vens do Pren­da, Di­di da Mãe Pre­ta con­ti­nua ir­me com as gló­ri­as de eter­no jo­vem pro­ve­ni­en­te do Pren­da. De­pois de umas tem­po­ra­das na diás­po­ra, foi acon­se­lha­do pe­los ami­gos a re­to­mar as ac­ti­vi­da­des mu­si­cais. Mais uma vez re­gres­sou ao Cen­tro Cul­tu­ral Ki­lam­ba um dos pou­cos que car­re­ga a mís­ti­ca da sau­do­sa Mãe Pre­ta.

Di­di da Mãe Pre­ta é um dos mes­tres vi­vos da di­kan­za de uma ge­ra­ção que sou­be en­rai­zar o legado cul­tu­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.