A SI­TU­A­ÇÃO PO­LÍ­TI­CA NO BRA­SIL

Jornal Cultura - - DIÁLOGO INTERCULTURAL -

Se­nhor pre­si­den­te, Ca­ros co­le­gas,

A evo­lu­ção da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca no Bra­sil con­ti­nua a pre­o­cu­par. Co­mo in­te­lec­tu­ais, não po­de­mos, sob o pre­tex­to de neu­tra­li­da­de ci­en­tí ica, icar in­de ini­da­men­te in­di­fe­ren­tes.

O Bra­sil é o se­gun­do país afri­ca­no em ter­mos de po­pu­la­ção, es­pe­ci­al­men­te des­de que a União Africana de­ci­diu que a Diás­po­ra Africana é a sex­ta re­gião.

Pe­lo an­da­men­to da car­ru­a­gem on­de as coi­sas es­tão in­do, os nos­sos es­for­ços po­de­rão ser em vão se nos man­ti­ver­mos em si­lên­cio quan­do o no­vo go­ver­no bra­si­lei­ro ques­ti­o­na a de­ci­são cor­rec­ta do re­gi­me que o pre­ce­deu so­bre a obri­ga­to­ri­e­da­de do en­si­no da his­tó­ria africana. Na mes­ma li­nha, po­de mui­to bem acon­te­cer que es­se no­vo go­ver­no ve­nha a dei­xar de sub­si­di­ar a IX vo­lu­me da His­tó­ria Ge­ral da Áfri­ca. Os si­nais de aler­ta es­tão aí: o no­vo go­ver­no já es­tá se pre­pa­ran­do pa­ra re­mo­ver em­bai­xa- das na Áfri­ca, as­sim co­mo re­mo­veu o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra. De­ve­mos com­pre­en­der que es­te go­ver­no não é favorável às ca­ma­das mais po­bres do Bra­sil, prin­ci­pal­men­te os afro-bra­si­lei­ros e os in­dí­ge­nas, bem co­mo as mu­lhe­res.

Não há co­nhe­ci­men­to sem in­te­res­se hu­ma­no, co­mo Ha­ber­mas dis­se, mas nós já o sa­bía­mos bem an­tes da sua for­mu­la­ção. E o nos­so in­te­res­se é que a His­tó­ria de Áfri­ca se­ja co­nhe­ci­da no Bra­sil. Pro­po­nho que se crie uma co­mis­são que con­si­ga "fa­zer al­go". Eu não pos­so di­zer exa­ta­men­te o quê, mas pre­ci­sa­mos de um diá­lo­go en­tre nós pa­ra de­ci­dir, e, so­bre­tu­do, bus­car a opi­nião dos dois mem­bros bra­si­lei­ros pa­ra en­con­trar a me­lhor abor­da­gem.

Se não pu­der­mos to­mar uma po­si­ção em no­me da UNES­CO, pe­lo me­nos po­de­mos ex­pres­sar a nos­sa in­dig­na­ção co­mo ho­mens e mu­lhe­res do Sa­ber, pe­ran­te uma par­te da hu­ma­ni­da­de que es­tá se de­te­ri­o­ran­do. Acho que pre­ci­sa­mos de re­a­gir e ex­pres­sar-nos, an­tes de des­ce­rem de­ci­sões des­fa­vo­rá­veis ao po­vo bra­si­lei­ro e aos po­vos da Áfri­ca em ge­ral. O nos­so si­lên­cio e in­di­fe­ren­ça se­ri­am si­nais de cum­pli­ci­da­de.

Lem­bre­mo- nos das pa­la­vras de Cé­sai­re:

"E so­bre­tu­do, meu cor­po, bem co­mo a mi­nha al­ma, guar­dai-vos de cru­zar os bra­ços na ati­tu­de es­té­ril do es­pec­ta­dor, por­que a vi­da não é um es­pec­tá­cu­lo, por­que um mar de pro­ble­mas não é um pros­cê­nio, por­que um ho­mem que gri­ta não é um ur­so que dan­ça ....”

Pe­ço ao pre­si­den­te pa­ra tra­du­zir a mi­nha men­sa­gem em am­bas as lín­guas e que se dê sequên­cia ao diá­lo­go.

Obri­ga­do a to­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.