O LOUVOR DA CI­DA­DA­NIA

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA -

Di­a­ri­a­men­te, es­ta­ci­o­na­mos a car­ro na Es­ta­ção Fer­ro­viá­ria de Vi­a­na e vi­mos tra­ba­lhar pa­ra Luanda, de com­boio. Por ve­zes, fa­ze­mos o re­gres­so de au­to­car­ro que apa­nha­mos no Par­que das Es­co­las.

Em am­bos mei­os de trans­por­te co­lec­ti­vo, te­mos vin­do a pre­sen­ci­ar uma con­fran­ge­do­ra fal­ta de cor­te­sia pa­ra com se­nho­ras e pes­so­as ido­sas. Dá-se o ca­so que o nú­me­ro de lu­ga­res de as­sen­to é ma­ni­fes­ta­men­te in­su ici­en­te pa­ra a lo­ta­ção de pas­sa­gei­ros, o que obri­ga a que uma gran­de par­te de uten­tes vi­a­je de pé, co­mo sar­di­nhas em la­tas de con­ser­va!

Nes­te aper­to quo­ti­di­a­no, os jo­vens não ce­dem os seus lu­ga­res (con­se­gui­dos­com “olho vi­vo e pé li­gei­ro” no mo­men­to de em­bar­que nas es­ta­ções do 25, do Ka­pa­lan­ca ou de Vi­a­na, já que nas es­ta­ções se­quen­tes até a da Tex­tang não so­bra ne­nhum ban­co li­vre) nem aos pais, nem às mães! Mes­mo as grá­vi­das, ou as que car­re­gam be­bés de co­lo, têm de es­gri­mir ar­gu­men­tos­pa­ra rei­vin­di­car o ban­co, a elas re­ser­va­do, o que, na mai­or par­te das ve­zes, só é dis­po­ni­bi­li­za­do por for­ça de vo­zes tro­an­tes: «Ra­paz, dá lu­gar à se­nho­ra!»; «Vo­cê num tás a vê que a mãe tá­cum a cri­an­ça no co­lo?» ou «Dei­am o lu­gá ao pai­zi­nho!»

Pa­ra es­ca­par a es­te ti­po de cha­ma­das de aten­ção, os ho­mens na ida­de ac­ti­va in­gem dor­mir ou apon­tam pa­ra ou­tros mais no­vos!

Da nos­sa par­te, o lu­gar que ha­bi­tu­al e pron­ta­men­te ce­de­mos, sen­do só um, não che­ga pa­ra ali­vi­ar as do­res nas per­nas da tur­ba api­nha­da!

Es­ta diá­ria fal­ta de so­li­da­ri­e­da­de é equi­pa­rá­vel à profusão de um ti­po de re­li­gi­o­si­da­de inó­cuo com que, igual­men­te, nos te­mos vin­do a de­pa­rar.

Um pou­co por to­do o la­do, so­mos mo­les­ta­dos por lou­vo­res a Deus e a Cris­to (Ma­ria, mãe de Je­sus, não é con­tem­pla­da nes­te gé­ne­ro de dis­co­gra ia).

Es­ta­ría­mos a vi­ver no Rei­no do Se­nhor se a mai­o­ria das pes­so­as que ou­ve es­ses lou­vo­res con­cre­ti­zas­se, no seu mo­dus­vi­ven­di, a ple­na sig­ni ica­ção das le­tras des­sas odes re­li­gi­o­sas. Mas, in­com­pre­en­sí­vel, la­men­tá­vel e pa­ra­do­xal­men­te, so­men­te um nú­me­ro ín imo de iéis o faz!

Nos mais va­ri­a­dos sec­to­res da so­ci­e­da­de, vem-se tor­nan­do co­mum al­guns fun­ci­o­ná­ri­os ou­vi­rem lou­vo­res dos seus te­le­mó­veis, mas o aten­di­men­to que dis­pen­sam ao uten­te é fei­to sem cor­te­sia.

Quem é que de nós, ao aban­do­nar um ser­vi­ço pú­bli­co ou pri­va­do, ain­da não res­mun­gou pa­ra os seus bo­tões: «Se o fun­ci­o­ná­rio(a) es­ta­va a ou­vir lou­vo­res, co­mo é que me aten­deu tão mal?»

Es­sas si­tu­a­ções cor­ri­quei­ras tra­zem-nos à men­te o nos­so vi­zi­nho que, em to­dos os sá­ba­dos e do­min­gos, por vol­ta das 07H00, no pá­tio do pré­dio, al­teia o vo­lu­me do rá­dio ou da te­le­vi­são, sin­to­ni­za­dos evan­ge­li­ca­men­te em pro­gra­mas de emis­são de lou­vo­res, proi­bin­do, des­ta for­ma, que os res­tan­tes con­dó­mi­nos usu­fru­am do me­re­ci­do des­can­so da se­ma­na la­bo­ral. Es­te há­bi­to é tan­to mais re­pug­nan­te quan­to, na mai­or par­te das ve­zes, o re­li­gi­o­so nem per­ma­ne­ce no lo­cal!

O mar­tí­rio do im-de-se­ma­na con­duz-nos à lem­bran­ça da se­guin­te con­ver­sa, ou­vi­da no com­boio:

- O meu gen­ro, o pa­trão lhi­dis­pi­diu. Aque­le ta­mém num pá­ra em ser­vi­ço ne­nhum! Me­mo a mi­nha ilha já dis­se que ele num gos­ta de tra­ba­lhá! – La­men­ta-se a se­nho­ra, en­quan­to o re­vi­sor ras­ga o bi­lhe­te cor-de-ro­sa.

- Eh, mi­nha irmã! Ago­ra tem pes­so­as que pen­sam as­sim: fa­zer sa­cri íci­os pa­ra man­ter o pos­to de tra­ba­lho? Ser pon­tu­al? Cum­prir os ho­rá­ri­os? Aten­der bem os cli­en­tes? Res­pei­tar os pa­trões? Na­da dis­so é pre­ci­so! Bas­ta ir na igre­ja. O cul­to re­sol­ve tu­do! – Co­men­ta o com­pa­nhei­ro de vi­a­gem, co ian­do o mi­nús­cu­lo bi­go­de.

Até pa­re­ce que mui­tos con­ter­râ­ne­os vi­vem a re­li­gi­o­si­da­de de for­ma des­com­pro­me­ti­da, es­tan­do a tor­nar-se mais di­zi­mis­tas do que do­a­do­res (de bo­as prá­ti­cas). En­tão, se o efei­to é es­se, o louvor não é li­ta­nia, é mo­lés­tia! É che­ga­da a ho­ra de re­for­çar­mos os va­lo­res da ci­da­da­nia, con­subs­tan­ci­a­da em ati­tu­des de­no­ta­ti­vas de res­pei­to e de so­li­da­ri­e­da­de pa­ra com os con­ci­da­dãos.

Uto­pia? Não! Me­ra ci­da­da­nia, sem o ver­niz de lou­vo­res ra­di­o­fó­ni­cos im­por­ta­dos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.