POR UMA PO­LÍ­TI­CA CUL­TU­RAL PÚ­BLI­CA

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

são sim­ples­men­te in­ven­ções da in­dús­tria cul­tu­ral que re­cor­rem à pa­dro­ni­za­ção/mas­si ica­ção, vi­san­do ape­nas ao lu­cro. Ou ain­da ser­vem a in­te­res­ses po­pu­lis­tas e do­mi­nan­tes.

Nes­te sen­ti­do, uma Po­lí­ti­ca Cul­tu­ral Pú­bli­ca de­ve in­cen­ti­var e pro­vo­car a au­to- or­ga­ni­za­ção dos sec­to­res cul­tu­rais, a fim de que a pro­du­ção cul­tu­ral não fi­que su­jei­ta aos in­te­res­ses do Es­ta­do e/ ou ini­ci­a­ti­va pri­va­da, con­tri­buin­do pa­ra que a plu­ra­li­da­de cul­tu­ral que com­põe o mu­ni­cí­pio as­su­ma o des­ti­no de su­as prá­ti­cas, não ab­di­can­do de sua he­ran­ça an­ces­tral, nem do di­rei­to à in­ven­ção. Es­sa po­lí­ti­ca de­ve ain­da res­ga­tar a memória cul­tu­ral do po­vo, pre­ser­var a sua iden­ti­da­de e es­ti­mu­lar o in­ter­câm­bio den­tro e fo­ra do país.

É pre­ci­so rom­per com a ló­gi­ca pri­va­tis­ta, on­de o po­der pú­bli­co pro­cu­ra se de­sen­ven­ci­lhar de sua fun­ção so­ci­al. A inal de con­tas por­que pa­ga­mos impostos, a ser­vi­ço de que e de qu­em de­ve es­tar o Es­ta­do? É fun­da­men­tal e ur­gen­te co­brar dos ges­to­res da coi­sa pú­bli­ca a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­ran­te as ne­ces­si­da­des cul­tu­rais da ci­da­de, que le­ve em con­si­de­ra­ção os ar­tis­tas, os pro­du­to­res cul­tu­rais e a po­pu­la­ção.

Por im, uma Po­lí­ti­ca Cul­tu­ral Pú­bli- ca de­ve es­ti­mu­lar a pro­du­ção e pos­si­bi­li­tar o aces­so aos bens cul­tu­rais sem pri­vi­lé­gio de qual­quer es­pé­cie e con­tri­buir pa­ra a efec­ti­va cons­tru­ção da ci­da­da­nia, on­de su­jei­tos crí­ti­cos — ver­da­dei­ros fa­ze­do­res da his­tó­ria — to­mem em su­as mãos o con­tro­le das prá­ti­cas cul­tu­rais.

Em tem­pos ne­o­li­be­rais, de en­deu­sa­men­to do mer­ca­do, de exa­cer­ba­do cul­to ao in­di­vi­du­a­lis­mo, de sel­va­gem com­pe­ti­ti­vi­da­de e egoís­mo nun­ca foi tão im­por­tan­te va­lo­ri­zar a cul­tu­ra co­mo iden­ti­da­de ge­nuí­na de um po­vo e da na­ção. Pois a ac­ção cul­tu­ral po­de pro­pi­ci­ar es­pa­ços que res­ga­tem, pre­ser­vem e cri­em no­vos vín­cu­los de so­li­da­ri­e­da­de, em que o ser hu­ma­no se so­bre­po­nha a to­das as coi­sas.

Ne­nhu­ma cul­tu­ra é su­pe­ri­or a ou­tra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.