HILDEBRANDO DE MELO RE­CE­BE VALERIE KABOV PRO­MO­VER O SUR­GI­MEN­TO DA CRÍ­TI­CA DE AR­TE

Jornal Cultura - - ARTES -

Co­me­ce­mos pe­lo im. A úl­ti­ma in­ter­ve­ni­en­te no de­ba­te foi a ar­qui­tec­ta Pau­la Nas­ci­men­to, que, en­tu­si­as­ma­da e pers­pi­caz, co­lo­cou uma ques­tão que sin­te­ti­zou as as­pi­ra­ções das mais de du­as de­ze­nas de aman­tes das artes reu­ni­das na sa­la Pe­pe­te­la do Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês – Ca­mões, na noi­te do dia 14 de Ju­lho, ten­do à me­sa o ar­tis­ta plás­ti­co an­go­la­no Hildebrando de Melo (tra­du­tor e mo­de­ra­dor) e a crí­ti­ca de ar­te e ga­le­ris­ta, Va­le­ri­eKa­bov. Pau­la Nas­ci­men­to ques­ti­o­na­ra: “Pa­ra quan­do a a ir­ma­ção da ar­te con­tem­po­râ­nea afri­ca­na e quan­do é que o ar­tis­ta afri­ca­no es­ta­ria in­se­ri­do na gran­de ro­da do cir­cui­to in­ter­na­ci­o­nal?”.

Res­pon­der a per­gun­ta de Pau­la e ou­tras que sur­gi­ram an­tes, foi a ta­re­fa de Valerie Kabov nas du­as ho­ras de de­ba­te pro­pos­to pe­la LAB, uma pla­ta­for­ma edu­ca­ci­o­nal que vi­sa pro­mo­ver o de­ba­te aber­to e fran­co so­bre o es­ta­do da ar­te con­tem­po­râ­nea afri­ca­na, su­as ten­dên­ci­as, de ici­ên­ci­as e pro­jec­ção. Valerie te­rá pon­tu­a­do que a Áfri­ca co­me­ça a re­cla­mar o seu es­pa­ço na ar­te con­tem­po­râ­nea com o de­sa­bro­char das in­de­pen­dên­ci­as. Con­tu­do, ela des­ta­ca co­mo der­ra­dei­ro si­nal de exis­tên­cia a ex­po­si­ção iti­ne­ran­te “Áfri­ca Re­mix”, cu­ra­da por Simon Nja­mim e que de 2004 a 2007 pas­sou por paí­ses co­mo Ale­ma­nha, In­gla­ter­ra, Tó­quio, Fran­ça, Sué­cia e Áfri­ca do Sul; ten­do si­do igual­men­te comissário da pri­mei­ra pre­sen­ça afri­ca­na nu­ma bi­e­nal (Ve­ne­za) em 2007 e cu­ra­dor da pri­mei­ra fei­ra de ar­te afri­ca­na, em 2008. 2011 a 2013 a ar­te con­tem­po­râ­nea afri­ca­na deu pas­sos ir­mes com su­ces­si­vas e me­ri­tó­ri­as pre­sen­ças em bi­e­nais e fes­ti­vais, co­mo de Mar­ro­cos, Egipto, Áfri­ca do Sul, Zimbabwe, Nigéria, sen­do o pon­to al­to a con­quis­ta do Leão de Ou­ro por An­go­la na Bi­e­nal de Ve­ne­za e no­mes afri­ca­nos en­tre os cu­ra­do­res, co­mo são os ca­sos dos ni­ge­ri­a­nos OkwuiEnwe­zor e Bi­si Sil­va.

Além das apa­rên­ci­as

O per­cur­so po­de até dar a entender que tu­do cor­re bem e que po­de­mos de­po­si­tar fé que mais ou me­nos anos a ar­te afri­ca­na con­tem­po­râ­nea po­de­rá dar o ar da sua gra­ça. Va­le­ri­e­não pen­sa as­sim. A ga­le­ris­ta e crí­ti­ca de ar­te ape­ga-se nas ba­ses da de­fe­sa do pen­sa­men­to afri­ca­nis­ta e olha com jus­ti ica des­con ian­ça ao gru­po de in­ves­ti­do­res oci­den­tais que têm ori­en­ta­do os cer­ta­mes e que no fun­do são eles que fa­zem as re­gras. Re­cor­ren­do a FrantzFa­non, iló­so­fo afri­ca­nis­ta, na sua de­fe­sa de que o apoio co­mer­ci­al da par­te de eu­ro­peus di­mi­nui a es­ti­ma cul­tu­ral de cer­tos afri­ca­nos, a crí­ti­ca de ar­te ob­ser­va que o “di­nhei­ro da­do não é de gra­ça”, por­que aca­bam, de mo­do in­di­rec­to, a ga­nhar di­rei­to a opi­nião na li­nha cri­a­ti­va do ar­tis­ta e na sua ex­pres­são, mol­dan­do-o a um mer­ca­do ao gos­to do me­ce­nas, trans­for­man­do-se não num ar­tis­ta, mas num pro­du­to co­mer­ci­al de um gru­po res­tri­to que de­tém e in­ves­te avul­ta­das so­mas de va­lo­res.

Foi nes­te pon­to que, sem in­ten­ção de fe­rir sen­si­bi­li­da­des, Su­za­na Sou­sa con­tri­bui di­zen­do que os ins­ti­tu­tos de pa­ten­te es­tran­gei­ra aca­bam, tam­bém sem más in­ten­ções e di­an­te de uma fa­tia ma­gra que os go­ver­nos dis­po­ni­bi­li­zam pa­ra o fo­men­to da cul­tu­ra, as­su­min­do e ti­ran­do a ac­ção dos go­ver­nos, sem no en­tan­to che­gar a con­ce­ber pro­jec­tos gi­gan­tes­cos, co­mo a cons­tru­ção de gran­des mu­seus, um pou­co aqui­lo que um jor­na­lis­ta pre­sen­te na pla­teia de iniu por “soft­power”, que­ren­do com is­to di­zer que não é mais do que ape­nas mos­trar re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de.

Nos PALOP, An­go­la é um ca­so iso­la­do por usu­fruir de uma for­te in­ter­ven­ção ban­cá­ria e de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das no mer­ca­do ar­tís­ti­co, di­fe­ren­te do que acon­te­ce nos ou­tros paí­ses.

O que é e pa­ra quem

Num am­bi­en­te pós-mo­der­nis­ta e de gran­de va­lo­ri­za­ção do po­der inan­cei­ro, Valerie su­ge­re, num sen­ti­do al­go ro­mân­ti­co, olhar pa­ra as pe­ças de ar­te sem nun­ca lhes po­der co­lo­car um pre­ço. Pa­ra os ar­tis­tas, de­fen­de, di ícil é achar um pre­ço jus­to a uma pe­ça que nar­ra a al­ma de al­guém. Ten­tan­do res­pon­der a ques­tão co­lo­ca­da so­bre co­mo no­tar um qua­dro con­tem­po­râ­neo que te­nha gran­de va­lor es­té­ti­co e co­mer­ci­al, abriu ca­mi­nho pa­ra um gran­de pro­ble­ma da ar­te con­tem­po­râ­nea afri­ca­na, que se­gue a ló­gi­ca de que quan­to mais an­ti­go, me­lhor. Fez entender que o mer­ca­do bus­ca com mais avi­dez pe­ças an­ti­gas e de ar­tis­tas já con­sa­gra­dos e al­guns já fa­le­ci­dos, quan­do mui­tos bons ar­tis­tas sur­gem em even­tos emer­gen­tes e es­tão bem vi­vos mas não cap­tam a aten­ção dos com­pra­do­res, que são sem­pre mai­o­ria eu­ro­peia.

Foi le­gí­ti­ma a pre­o­cu­pa­ção de um po­e­ta aí pre­sen­te que de­fen­deu a po­pu­la­ri­za­ção da ar­te e cha­mou a aten­ção so­bre a qua­li­da­de que Ma­lan­ga­ta­na os­ten­ta, en­cer­ran­do na sua obra tra­ços de um ar­tis­ta afri­ca­no uni­ver­sal, va­len­do­lhe as­sim a jus­ta po­si­ção de ar­tis­ta con­tem­po­râ­neo. Por­que, con­ti­nua o po­e­ta, ar­tis­tas há que se es­con­dem no pa­co­te de ar­te con­tem­po­râ­nea e pro­du­zem obras sem qual­quer sen­ti­do, se­gu­ros de que ar­te con­tem­po­râ­nea não pas­sa des­te es­ba­ter de tin­ta em te­la e ins­ta­la­ções inu­si­ta­das. As­sim, ques­ti­o­nou: “O que é ar­te con­tem­po­râ­nea?”, ao que Valerie res­pon­deu que, pa­ra si, ar­te con­tem­po­râ­nea se­ria to­do o pro­du­to ar­tís­ti­co que se ajus­ta no seu tem­po e es­pa­ço.So­bre a sua po­pu­la­ri­za­ção, ou­tros pre­sen­tes de­fen­de­ram que a mes­ma não é pos­sí­vel por­que a ar­te sem­pre foi um pro­du­to pa­ra as eli­tes.

Valerie vol­ta ao dis­cur­so e pin­ta uma si­tu­a­ção crí­ti­ca, num mer­ca­do sem ga­le­ris­tas, mu­seus, fes­ti­vais, pa­tro­ci­na­do­res, o que es­pe­rar do fu­tu­ro da ar­te con­tem­po­râ­nea? Bem, es­ta re­a­li­da­de, apon­ta Valerie, só tem be­ne ici­a­do o mer­ca­do eu­ro­peu, que es­pe­cu­la os pre­ços das obras a seu be­lo pra­zer e sai a ga­nhar. Os ar­tis­tas afri­ca­nos, já a res­pon­der a ques­tão le­van­ta­da por Pau­la Nas­ci­men­to, lu­tam pa­ra cha­ma­rem a aten­ção do oci­den­te por se­rem es­tes que fa­zem o mer­ca­do das su­as obras. Os go­ver­nos de­vem fa­zer mui­to mais pe­las artes plásticas. --------------------------------------------

Valerie Kabov

Hildebrando de Melo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.