O PRI­MEI­RO DESCOBRIDOR DO PA­RAÍ­SO DE FETI E CHOYA

Jornal Cultura - - HISTÓRIA -

Opri­mei­ro ho­mem nas­ceu num pa­raí­so lo­ca­li­za­do no cur­so su­pe­ri­or do rio Cu­ne­ne al­gu­mas de­ze­nas de qui­ló­me­tros de­pois da Ba­ba­e­ra. Pa­ra uns, caiu do céu aos trambolhões. Pa­ra ou­tros, foi cri­a­do por Zam­bi, a par­tir de um ro­che­do que ele amo­le­ceu e com es­sa mas­sa gra­ní­ti­ca fez Feti, o Adão dos an­go­la­nos que ha­bi­tam o Pla­nal­to Cen­tral, até à re­gião de Ca­con­da. A pri­mei­ra mu­lher, Choya, nas­ceu no pró­prio rio, ge­ra­da pe­lo Rei das Águas.

No mo­sai­co cul­tu­ral do Cas­sai, de­se­nha­do e cri­a­do ao lon­go de mi­lé­ni­os, o pri­mei­ro Ho­mem é Con­go, ilho de Su­ku, que tam­bém lhe deu vi­da a par­tir de um ro­che­do. O rio nas­ce em An­go­la e cor­re cen­te­nas de qui­ló­me­tros em di­rec­ção ao gran­de Zai­re ou Con­go, on­de de­sa­gua. Mes­mo ao la­do, mé­di­os e pe­que­nos cur­sos de água avan­çam pa­ci ica­men­te pa­ra a ver­ten­te do Zam­be­ze e lá vão pa­ra Ori­en­te. Por es­ses ca­mi­nhos fo­ram os ilhos dos nos­sos an­ces­trais, po­vo­an­do to­do o Mun­do.

O pa­raí­so que re­ce­beu o pri­mei­ro Ho­mem ica si­tu­a­do a 75 qui­ló­me­tros da ci­da­de do Hu­am­bo, na es­tra­da que li­ga ao Lu­ban­go. Nos anos 50, um pro­fes­sor pri­má­rio, Júlio Di­a­man­ti­no Moura, des­co­briu o Éden an­go­la­no. Da­va au­las na ca­pi­tal do pla­nal­to cen­tral. Nas fé­ri­as es­co­la­res, ar­ran­ja­va uma equi­pa de ajudantes e ex­plo­ra­va os ri­os da re­gião, à procura de pe­pi­tas de ou­ro. Nes­sa ac­ti­vi­da­de es­qua­dri­nhou o cur­so do rio Cu­ne­ne des­de a sua nas­cen­te até à Huí­la. Um dia en­con­trou o pa­raí­so.

Num tex­to co­lo­ri­do e em­pol­gan­te, ele con­tou, no bo­le­tim do Ins­ti­tu­to de An­go­la, co­mo des­co­briu a ca­sa de Feti, o pri­mei­ro Ho­mem. An­da­va à procura de ou­ro, jun­to ao Cu­ne­ne, a 75 qui­ló­me­tros da ci­da­de do Hu­am­bo. Na ho­ra de des­can­so no acam­pa­men­to, ao iní­cio da noi­te, um ele­men­to da equi­pa, nas­ci­do na re­gião, con­tou qua­se em se­gre­do que ali es­ta­va o “prin­cí­pio de tu­do” (Feti). E a len­da tor­nou-se re­al. Por trás de uma den­sa bar­rei­ra ve­ge­tal, era o Éden. O prin­cí­pio da Hu­ma­ni­da­de. A nos­sa ca­sa.

No dia se­guin­te, Júlio Di­a­man­ti­no Moura de­ci­diu ex­plo­rar o ter­ri­tó­rio por trás da den­sa bar­rei­ra ve­ge­tal. Os ajudantes não que­ri­am acom­pa­nhá­lo. Ti­nham uma ra­zão de pe­so. No pa­raí­so exis­te um ro­che­do, co­nhe­ci­do na re­gião co­mo a Pe­dra da Água. Quem olha­va pa­ra a ro­cha ou lhe to­ca­va, era ime­di­a­ta­men­te ful­mi­na­do pe­la mor­te.

O pro­fes­sor pri­má­rio não se co­mo­veu com a len­da e mar­chou pa­ra o pa­raí­so. Os ajudantes, ti­mi­da­men­te, acom­pa­nha­ram-no. E en­con­tra­ram al­go ex­tra­or­di­ná­rio. Júlio Di­a­man­ti­no Moura des­cre­ve no seu tex­to um gran­de es­pa­ço com a di­men­são de um cam­po de fu­te­bol, co­ber­to de cin­za. E os­sa­das de pes­so­as e ani­mais, mais ou me­nos en­co­ber­tas.

Nu­ma das ex­tre­mi­da­des, o pa­raí­so de Feti ti­nha uma pi­râ­mi­de de pe­dra, des­man­te­la­da até qua­se me­ta­de da al­tu­ra. As pe­dras que fal­ta­vam na cons­tru­ção es­ta­vam des­pa­lha­das na zo­na. Mui­to per­to, cor­re len­ta­men­te o Cu­ne­ne.

Júlio Di­a­man­ti­no Moura du­ran­te três anos ex­plo­rou a “ca­sa” de Feti. Des­co­briu que por bai­xo da pi­râ­mi­de exis­ti­am ga­le­ri­as que en­tre­tan­to fo­ram as­so­re­a­das, o que não per­mi­tia a cir­cu­la­ção de pes­so­as.

Du­ran­te di­as e di­as, o pro­fes­sor pri­má­rio e seus ajudantes de­sobs­truí­ram as ga­le­ri­as e fi­ze­ram acha­dos in­te­res­san­tes. Al­gu­mas flechas com pon­ta de fer­ro, al­fai­as agrí­co­las mui­to an­ti­gas, mas tam­bém en­xa­das da épo­ca. Ape­nas es­ta­vam co­ber­tas de fer­ru­gem.

To­dos es­ses ma­te­ri­ais fo­ram de­sen­ter­ra­dos e le­va­dos pa­ra o Hu­am­bo. As in­ves­ti­ga­ções de Júlio Di­a­man­ti­no Moura es­ta­vam au­to­ri­za­das pe­las au­to­ri­da­des lo­cais e ele re­por­ta­va to­das as su­as des­co­ber­tas. Por- que ha­via a sus­pei­ta de que exis­tia ali um te­sou­ro fa­bu­lo­so!

O Rei Lo­ben­gu­la

Lo­ben­gu­la, o rei dos Ma­ta­be­les, em 1893 re­vol­tou- se con­tra os in­gle­ses. À fren­te dos guer­rei­ros Nde­be­le e Sho­na, en­fren­tou os ocu­pan­tes. O Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co tre­meu. A guer­ra foi tra­va­da en­tre 1893 e 1897, na área do ac­tu­al Zimbabwe .

As tro­pas de Lo­ben­gu­la ti­nham ar­mas ru­di­men­ta­res e os ocu­pan­tes es­ta­vam bem ar­ma­dos. A der­ro­ta foi ine­vi­tá­vel. O so­be­ra­no re­ti­rou e en­trou no ter­ri­tó­rio que é ho­je a pro­vín­cia do Cu­ne­ne. Em Xan­gon­go foi su­bin­do o cur­so do rio, até Ga­lan­gue. Tra­zia com ele um te­sou­ro fa­bu­lo­so, de mar im, pe­dras pre­ci­o­sas e ou­ro.

Quan­do che­gou ao pa­raí­so, re­sol­veu en­ter­rar as riquezas. De­pois ma­tou um a um, to­dos os que co­nhe­ci­am o lo­cal. Pa­ra si­na­li­zar o sí­tio, man­dou cons­truir a pi­râ­mi­de. Co­mo dis­far­ce, ao la­do, foi cri­a­do um cam­po de sa­cri­fí­ci­os aos deu­ses, o que jus­ti­fi­ca as os­sa­das de pes­so­as e ani­mais. A cons­tru­ção de pe­dra se­ria uma es­pé­cie de To­tem.

O rei Lo­ben­gu­la de­sa­pa­re­ceu sem dei­xar ras­to. Nin­guém, des­de en­tão, sa­be pa­ra on­de foi. Mas os so­bre­vi- ven­tes dos mas­sa­cres dos in­gle­ses ali cons­truí­ram as su­as ca­sas, cri­a­ram o ga­do, cul­ti­va­ram a ter­ra e ali­men­ta­vam- se da abun­dan­te caça que ain­da ho­je exis­te.

Fa­raó exi­la­do

Júlio Di­a­man­ti­no Moura des­co­briu ou­tra ver­são. A pi­râ­mi­de con­ti­nua a ser um pon­to de re­fe­rên­cia e um lo­cal sa­gra­do, mas foi man­da­da cons­truir por um fa­raó do Egipto, de­pos­to pe­lo ir­mão.

O so­be­ra­no con­se­guiu reu­nir mui­tas riquezas e fu­giu acom­pa­nha­do do seu sé­qui­to e pro­te­gi­do por guer­rei­ros fe­ro­zes dis­pos­tos a tu­do, pa­ra de­fen­de­rem o seu Fa­raó. Des­ce­ram Áfri­ca até ao pa­raí­so de Feti. As riquezas fo­ram en­ter­ra­das e um nú­me­ro res­tri­to dos seus co­la­bo­ra­do­res sa­bia que a pi­râ­mi­de era o pon­to de re­fe­rên­cia do te­sou­ro enterrado.

O pro­fes­sor pri­má­rio foi de­sobs­truin­do as ga­le­ri­as, uma a uma, mas não en­con­trou qual­quer te­sou­ro. Es­ca­vou no­vas ga­le­ri­as, foi es­ven­tran­do a ter­ra à vol­ta da pi­râ­mi­de mas além das al­fai­as agrí­co­las e das le­chas com pon­ta de fer­ro, na­da en­con­trou. Se exis­tia um te­sou­ro, ele foi le­va­do por ou­tros. Feti é em si um te­sou­ro ex­tra­or­di­ná­rio, à es­pe­ra de ser apre­cia-

Pi­râ­mi­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.