CAR­LOS DOS SANTOS, ES­CRI­TOR MOÇAMBICANO “NÃO É QUAL­QUER PES­SOA QUE PO­DE SER ES­CRI­TOR”

Jornal Cultura - - LETRAS -

Pas­sou a ser fre­quen­te o Mo­vi­men­to Li­te­rá­rio Kupha­lu­xa co­lo­car à mes­ma ‘me­sa li­te­rá­ria’ es­cri­to­res ir­ma­dos e jo­vens as­pi­ran­tes à car­rei­ra de es­cri­tor. O ob­jec­ti­vo é fa­zer com que o gru­po co­nhe­ça as fer­ra­men­tas pa­ra a cons­tru­ção cons­ci­en­te do tex­to.

Co­mun­gan­do des­te ob­jec­ti­vo, o es­cri­tor Car­los dos Santos le­vou a sua ‘ re­cei­ta’ de es­cri­ta, a 6 de Ju­lho, pa­ra os inú­me­ros jo­vens que o aguar­da­vam no Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil- Mo­çam­bi­que. Sem de­mo­ras, dis­se o que era ne­ces­sá­rio pa­ra que o tra­ba­lho per­du­ras­se no tem­po. “É ne­ces­sá­rio do­mi­nar as téc­ni­cas de es­cri­ta”, exer­cí­cio que exi­ge tra­ba­lho ár­duo, “ras­cu­nhos e ras­cu­nhos”.

De­sen­ga­ne-se quem pen­se que co­nhe­cen­do téc­ni­cas de es­cri­ta, já se po­de tor­nar um es­cri­tor. Dos Santos dá mais ta­re­fa: “ler li­vros, de­ze­nas de­les, cen­te­nas de­les”, pers­cru­tan­do sem­pre “as téc­ni­cas que são uti­li­za­das pe­los au­to­res”.

A ob­ser­vân­cia das téc­ni­cas da es­cri­ta nos nos­sos di­as pa­re­ce uma uto­pia, pois, segundo Dos Santos, as­sis­te-se a um im­pa­rá­vel mo­vi­men­to que pre­meia “a cul­tu­ra do va­le tu­do”.

“Os apo­lo­gis­tas des­ta abor­da­gem em vez de se pre­o­cu­pa­rem em es­tu­dar e tra­ba­lhar pa­ra cor­ri­gi­rem os er­ros, pa­ra fa­ze­rem bem, pa­ra fa­ze­rem ca­da vez me­lhor, es­co­lhem não se es­for­ça­rem e, em vez dis­so, tra­tam de jus­ti icar o que fa­zem mal com di­fe­ren­ças e li­mi­ta­ções su­pos­ta­men­te re­sul­tan­tes dos con­tex­tos so­ci­o­cul­tu­rais na­ci­o­nais”, acres­cen­ta.

Mais adi­an­te, o nos­so ora­dor cha­ma a aten­ção pa­ra a ne­ces­si­da­de de se re­cu­sar o tra­ba­lho fá­cil, me­dío­cre, con­sequên­cia da pre­gui­ça. “Nin­guém nas­ce me­dío­cre”, avi­sa. E aos que pre­ten­dem acre­di­tar no tra­ba­lho pa­ra ele­var a qua­li­da­de da sua es­cri­ta, Dos Santos exi­ge vi­gi­lân­cia, pois os ‘ me­dío­cres’ “não que­rem afun­dar- se so­zi­nhos nas su­as ma­té­ri­as fe­cais. Que­rem com­pa­nhia”.

“Elas [ as apo­lo­gi­as] são em­bus­tes da­que­les que, não se achan­do ca­pa­zes de se ele­va­rem até ao ní­vel on­de os ou­tros es­tão, ten­tam pu­xar pa­ra bai­xo aque­les que se es­for­çam e cres­cem”, re­for­ça.

O co­nhe­ci­men­to das téc­ni­cas de es­cri­ta e o re­co­nhe­ci­men­to do tra­ba­lho cons­tan­te não são tu­do, são ape­nas um meio ca­mi­nho an­da­do. “O co­nhe­ci­men­to so­bre as téc­ni­cas não faz um es­cri­tor”, recorda o ora­dor, pa­ra quem es­te sa­ber po­de, pe­lo me­nos, aju­dar a fa­zer al­gu­ma coi­sa: “um lin­guis­ta, um ana­lis­ta, um re­vi­sor de tex­tos es­cri­tos, to­dos eles têm ta­len­tos im­pres­cin­dí­veis”.

Pa­ra se ser es­cri­tor, é fun­da­men­tal “ter pre­dis­po­si­ções que cri­am uma sen­si­bi­li­da­de par­ti­cu­lar, uma ma­nei­ra pró­pria de ver o mun­do e de o des­cre­ver.” Por­tan­to, pa­ra Dos Santos, é men­ti­ra que “qual­quer pes­soa que po­de ser es­cri­tor”. É pre­ci­so ter “vo­ca­ção”.

Ain­da há mais. De­pois das ‘ téc­ni­cas’, do ‘tra­ba­lho’, da ‘vo­ca­ção’, vêm as vi­vên­ci­as, fun­da­men­tais pa­ra a pro­du­ção de con­teú­do de qua­li­da­de, vis­to que, de acor­do com Dos Santos, o co­nhe­ci­men­to das téc­ni­cas e a ca­pa­ci­da­de de usá-las não ge­ram ne­nhum pro­du­to. “Aqui­lo que se es­cre­ve tem de to­car, de in­te­res­sar a quem lê”, acon­se­lha.

O nos­so ora­dor vai mais lon­ge e lan­ça far­pas a al­guns au­to­res mo­çam­bi­ca­nos, que pas­sam o tem­po to­do a fa­ze­rem ‘ trans­cri­ção’ de con­tos tra­di­ci­o­nais, afu­gen­tan­do, des­ta for­ma, os lei­to­res.

“Mui­ta da li­te­ra­tu­ra in­fan­til pu­bli­ca­da em Mo­çam­bi­que é, de fac­to, a me­ra trans­cri­ção de con­tos tra­di­ci­o­nais, sem se­quer se­rem re­tra­ba­lha­dos pe­los ‘au­to­res’”, a ir­ma.

Dos Santos não pá­ra por aqui. Cri­ti­ca tam­bém aos que fi­cam pre­sos ao pas­sa­do, os quais “têm mais de des­cre­ver do que de es­cre­ver”. Es­cre­ver so­bre o pas­sa­do é um “exer­cí­cio téc­ni­co en­fa­do­nho, mais do que li­te­rá­rio”, re­fe­re.

Pa­ra Dos Santos, es­ta es­co­lha de es­cri­to­res mo­çam­bi­ca­nos po­de­rá es­tar a afu­gen­tar ‘cli­en­tes’, os pou­cos lei­to­res que ain­da nos so­bram.

“Tal­vez o que os lei­to­res, par­ti­cu­lar­men­te os mais jo­vens, que são acu­sa­dos de de­sin­te­res­se, de fri­vo­li­da­de, etc. (sem­pre eles os cul­pa­dos!), quei­ram se­ja sa­ber co­mo po­dem an­te­ci­par, an­te­ver, ima­gi­nar co­mo se­rá da­qui a vin­te anos es­te país, es­ta sociedade em que vi­vem e em que se vão pro­cri­ar, on­de ho­je se sai di­plo­ma­do das uni­ver­si­da­des sem se ter se­quer apren­di­do a ler e a es­cre­ver”, su­ge­re.

Pa­ra ter­mi­nar, Car­los dos Santos dei­xa um re­ca­do pa­ra os que in­sis­tem na ideia de que é da quan­ti­da­de que vi­rá a qua­li­da­de. É “men­ti­ra”, a ir­ma. “A qua­li­da­de re­sul­ta ape­nas do tra­ba­lho”, acres­cen­ta pa­ra de­pois re­ma­tar:

“Po­dem jun­tar su­ca­ta da­qui até à Lua, que tão gran­de quan­ti­da­de nun­ca se trans­for­ma­rá nu­ma na­ve es­pa­ci­al. Já uma na­ve es­pa­ci­al mal de­se­nha­da, ina­de­qua­da­men­te equi­pa­da, in­com­pe­ten­te­men­te pi­lo­ta­da, mui­to ra­pi­da­men­te se trans­for­ma­rá em su­ca­ta!”

Car­los dos Santos é au­tor dos ro­man­ces de Fic­ção Ci­en­tí ica “A Quin­ta Di­men­são” (2006), “O Pas­tor de On­das” (2011) e “O Eco das Som­bras” (2013) bem co­mo do con­tos in­fan­tis “O Con­se­lho” (2007) e “O Ca­ça­dor de Os­sos” (2013).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.