AN­GO­LA MUSIC AWARDS TRAÍDO PE­LOS CONCEITOS

Jornal Cultura - - ARTES - MATADI MAKOLA

Nos di­as que cor­rem, a no­vís­si­ma ge­ra­ção de mú­si­cos des­po­le­tou uma po­lé­mi­ca que es­pe­ra­mos vir tra­zer mai­or lu­ci­dez e ba­li­zas epis­te­mo­ló­gi­cas aos gé­ne­ros que ago­ra la­vram. A con­so­li­da­ção da 4ª edi­ção do An­go­la Music Awards (AMA), aco­lhi­do a 30 de Ju­lho no Pa­vi­lhão Mul­tiu­so do Ki­lam­ba, te­ve as su­as pe­ri­pé­ci­as, mui­to além do idí­li­co gla­mour e es­ti­lo so­ci­a­li­te que o even­to pre­ten­de de­fen­der co­mo ima­gem, com os fa­mo­sos e a al­ta sociedade lu­an­den­se mis­tu­ra­dos pa­ra ce­le­brar o gé­nio mu­si­cal de ca­da ano, con­for­me acon­te­ce em mui­tas pa­ra­das mu­si­cais, sen­do a mais so­nan­te o pré­mio nor­te­a­me­ri­ca­no Grammy Awards, en­ten­di­do co­mo o mo­men­to mais al­to da pa­ra­da pop. Con­tu­do, es­tas exal­ta­ções sem­pre têm os seus mo­men­tos pe­cu­li­a­res, e mui­tas das ve­zes pro­pen­sos a po­lé­mi­cas. Lem­bre­mos, a tí­tu­lo de exem­plo, que a 58ª edi­ção do arqué­ti­po da ini­ci­a­ti­va an­go­la­na te­ve vá­ri­as po­lé­mi­cas, e umas das mais agu­das foi a res­pos­ta da can­to­ra pop Tay­lor Swift ao ra­per, pro­du­tor e em­pre­sá­rio Kanye West. A ra­zão da al ine­ta­da de Tay­lor pren­de-se pe­lo ra­per a ter cha­ma­do de “in­sig­ni ican­te” nu­ma das fai­xas mu­si­cais do seu mais re­cen­te ál­bum. Sem dei­xar­mos de dar pro­ta­go­nis­mo à no­ve­la Kanye e Tay­lor nos Awards, re­cu­e­mos uns pou­cos anos pa­ra vol­tar a pu­xar co­mo exem­plo o com­por­ta­men­to des­te ra­per na ga­la de 2009. Emo­ti­va­men­te, Kanye sim­ples­men­te e sem mo­ti­vo ou au­to­ri­za­ção su­biu ao pal­co e to­mou o mi­cro­fo­ne das mão de Tay­lor Swift pa­ra de­sa­ba­far ao mun­do a sua opi­nião de que Beyon­cé, um pa­pão ha­bi­tu­al, me­re­cia o pré­mio de me­lhor ví­deo fe­mi­ni­no e não ela, jus­ti ican­do em de­fe­sa que “Beyon­cé ti­nha um dos me­lho­res ví­de­os de to­dos os tem­pos”. As­sim acon­te­ce na ter­ra dos grin­gos. Mas, é pre­ci­so não es­que­cer que as pes­so­as têm o seu di­rei­to à opi­nião, prin­ci­pal­men­te pes­so­as en­ten­di­das no as­sun­to, qu­an­do a ba­lan­ça da or­ga­ni­za­ção apon­ta pa­ra um la­do e meio mun­do apon­ta pa­ra ou­tro. A gra­lha es­tá em co­mo (meio e mo­men­to) a pes­soa de­sa­ba­fa. Kanye veio a pú­bli­co, por via do Is­ta­gram, pe­dir des­cul­pa pe­la for­ma co­mo se com­por­tou, mas não pe­lo que dis­se, cer­to de que aí não er­rou em ne­nhum mo­men­to.

Já a olhar pa­ra o nos­so um­bi­go, a fes­ta aze­dou qu­an­do o even­to já le­va es­ti­ma e con­si­de­ra­ção. E, fei­tas as con­tas, não deu só em amor. As opi­niões so­bre os ven­ce­do­res di­ver­gi­am e as re­des so­ci­ais ( prin­ci­pal­men­te o Fa­ce­bo­ok) foi a pla­ta­for­ma que mui­tos es­co­lhe­ram pa­ra con­tes­tar, apoi­ar ou co­men­tar os re­sul­ta­dos. Uma des­sas pes­so­as foi o não me­nos co­nhe­ci­do Ki­zua Gour­gel, que, sus­pei­tan­do al­gum ab­sur­do em al­gu­mas es­co­lhas, usou a sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok pa­ra de­sa­ba­far e cer­ti­fi­car quem tam­bém pen­sa­va co­mo ele. Os ar­tis­tas mais le­sa­dos na crí­ti­ca que te­ceu fo­ram Nso­ki e Ne­lo de Carvalho, não dei­xan­do de fo­ra a or­ga­ni­za­ção, en­ca­be­ça­da por Daniel Men­des.

Ora, Ki­zua re­cla­ma que a mú­si­ca que ven­ceu a ca­te­go­ria afro­jazz não é um re­gis­to equi­va­len­te ao es­ti­lo que a ca­te­go­ria in­di­ca. Tra­ta-se de “Vai-te em­bo­ra”, de Nso­ki. Qu­an­to a es­ta ma­ka, Ki­zua, em­bo­ra te­nha usa­do ter­mos pou­co ami­gá­veis e du­ros, com mui­ta iro­nia e sar­cas­mo, pe­dia à or­ga­ni­za­ção mai­or se­ri­e­da­de ao es­pe­ci icar as ca­te­go­ri­as, e à Nso­ki mai­or acu­ti­lân­cia na sua de ini­ção mu­si­cal. Não res­tam dú­vi­das pa­ra qual­quer ou­vi­do apu­ra­do que cau­sa um cer­to em­ba­ra­ço ver o re­gis­to da Nso­ki ser con­si­de­ra­do um afro­jazz, vis­to que es­tá mui­to mais pró­xi­mo da ba­la­da Pop. So­bre Ne­lo de Carvalho, Ki­zua le­van­tou sus­pei­tas qu­an­to à sua com­pe­tên­cia en­quan­to pro­du­tor, di­zen­do sem re­ceio ne­nhum o que acha. Mas não icou ape­nas pe­los can­to­res, Daniel Men­des viu-se con­vi­da­do à ri­xa pe­lo fac­to de Ki­zua ter re­cla­ma­do o pe­ca­do ca­pi­tal da or­ga­ni­za­ção em per­mi­tir que os can­to­res em des­ta­que ain­da ac­tu­as­sem em play­back, ti­ran­do a sal­vo o gru­po pop As Afri­ca­nas.

Não de­mo­rou mui­to e a po­lé­mi­ca fez- se. Ami­gos e ami­gos de ami­gos com­par­ti­lha­ram as pa­la­vras de Ki­zua, ou­tros co­pi­a­vam à le­tra e re­pas­sa­vam pu­bli­ca­men­te. Bem, não é to­dos os di­as que a crí­ti­ca ( pe­lo me­nos de bom sen­so e bom gos­to) faz- se pre­sen­te na pla­ta­for­ma de opi­niões, prin­ci­pal­men­te a even­tos ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­dos co­mo AMA. Mui­tas das ve­zes as pes­so­as "en­go­lem" os re­sul­ta­dos sem fa­ze­rem ques­tão de con­tes­tar.

Sem apro­vei­ta­men­to des­ne­ces­sá­rio e nu­lo de sen­sa­ci­o­na­lis­mo, o ca­nal te­le­vi­si­vo Zap Vi­va, no seu pro­gra­ma Zap News do dia 3 de Agos­to, re­to­mou o de­ba­te e trans­for­mou num fó­rum jus­to, ou­vin­do tan­to Ki­zua co­mo Daniel Men­des.

A pos­tu­ra de Daniel Nas­ci­men­to, en­quan­to apre­sen­ta­dor/mo­de­ra­dor e mú­si­co, foi plau­sí­vel ao cor­tar ime­di­a­ta­men­te um cer­to in­fan­ti­lis­mo cres­cen­te em Daniel Men­des, ao di­zer que só le­va­ria em con­si­de­ra­ção as opi­niões de Ki­zua Gour­gel ca­so es­te fos­se "um mi­nis­tro da Cul­tu­ra", fra­se re­to­ma­da por um dos jor­nais di­gi­tais da ca­pi­tal e es­co­lhi­da co­mo tí­tu­lo do ar­ti­go, um pou­co pa­ra cha­mar aten­ção das pes­so­as so­bre o ab­sur­do des­ta a ir­ma­ção.

Ade­mais, Men­des jus­ti icou o play­back por es­tar a pas­sar por vi­cis­si­tu­des inan­cei­ras, aliás, co­mo to­da a es­fe­ra cul­tu­ral. Dis­se as­sim: “O AMA te­ve sem­pre ban­das a acom­pa­nhar os ar­tis­tas des­de a sua pri­mei­ra edi­ção, e es­te ano es­tá a ser mui­to com­pli­ca­do a ní­vel eco­nó­mi­co. E só pa­ra con­se­guir re­a­li­zar es­ta ga­la, só Deus sa­be o que nós pas­sa­mos pa­ra con­se­guir­mos fa­ze-la”.

Ago­ra em de­fe­sa de Ne­lo, Men­des acla­ra que o cri­a­dor de “Zan­ga” foi es­co­lhi­do por ter pro­du­zi­do vá­ri­os te­mas do seu mais re­cen­te ál­bum. E pa­ra dis­si­par as dú­vi­das so­bre a ca­te­go­ria em que Nso­ki par­ti­ci­pa e ganha, acres­cen­ta que a mes­ma é, si­mul­ta­ne­a­men­te, pa­ra cul­to­res de afro­jazz e word­mu­sic.

De to­do rol da con­ver­sa, Ki­zua, co­mo que a de­sa­ba­far por to­da clas­se o sen­ti­men­to de fal­ta de le­gi­ti­mi­da­de do even­to, te­rá as­sim le­van­ta­do um pro­ble­ma que ca­re­ce a in­ter­ven­ção pré­via do pró­prio mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e es­tru­tu­ras a ins, no que con­cer­ne a um de­vi­do es­cla­re­ci­men­to so­bre as obri­ga­ções que tu­te­la a or­ga­ni­za­ções co­mo o AMA. Por­que, e en­quan­to mú­si­co, Daniel Nas­ci­men­to não só te­rá dei­xa­do a per­ce­ber que rei­na na clas­se dos mú­si­cos um sen­ti­men­to de in­sa­tis­fa­ção e de fal­ta de le­gi­ti­mi­da­de pe­los pré­mi­os AMA, co­mo tam­bém de um ór­gão re­gu­la­dor que co­or­de­ne e ates­te a im­por­tân­cia e as ra­zões da exis­tên­cia des­ta ou da­que­la or­ga­ni­za­ção, pa­ra bem da clas­se ar­tís­ti­ca e da sua união e ho­mo­ge­nei­da­de.

Men­des pre­fe­riu jus­ti icar re­le­van­do o sen­ti­do quan­ti­ta­ti­vo, di­zen­do que “No­ven­ta por cen­to dos mú­si­cos an­go­la­nos já pas­sou no AMA”, dei­xan­do por di­zer a ilo­so ia do even­to e o con­tri­bu­to, con­vin­cen­te e sa­tis­fa­tó­rio, pa­ra a clas­se ar­tís­ti­ca.

Nas su­as de­cla­ra­ções no re­fe­ri­do pro­gra­ma, Ki­zua vol­tou a di­zer li­te­ral­men­te aqui­lo que es­cre­veu na sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok, acres­cen­tan­do até, só pa­ra dar mai­or sus­ten­to ao que de­fen­de, que “Dar o pré­mio à Nson­ki se­ria co­mo dar um pré­mio de rock à Ban­da Ma­ra­vi­lha”.

A res­pei­to de es­tar a ser le­va­do de for­ma pes­so­al, com per­gun­tas ab­sur- das co­mo se o mú­si­co cri­ti­cas­se por não ter es­ta­do pre­sen­te en­tre os no­me­a­dos ou fei­to par­te do jú­ri do AMA 2016, Ki­zua dei­xa cla­ro que não é uma crí­ti­ca aos mú­si­cos, mas sim à or­ga­ni­za­ção do AMA.

Foi um ten­to sem mui­to su­ces­so, Por­que de Ne­lo e Nso­ki as res­pos­tas não tar­da­ram por vir, e am­bas a en­fa­ti­zar co­mo fo­ram afron­ta­dos em pú­bli­co, de for­ma vil e in­sen­sí­vel.

Ne­lo fez cir­cu­lar nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al uma res­pos­ta que se pre­ten­de ca­bal so­bre tu­do em que se viu le­sa­do. “Quem fa­la de­ve cer­ti icar­se pri­mei­ro se es­tá cor­rec­to, sob pe­na de dei­xar de ter le­gi­ti­mi­da­de. Pos­so pen­sar que a ques­tão le­van­ta­da (pon­do em cau­sa a mi­nha com­pe­tên­cia), te­nha a ver com al­go mais do que sim­ples von­ta­de de mos­trar in­dig­na­ção, po­de ser al­go que ul­tra­pas­se o ra­zoá­vel e con­tra is­so, não pos­so fa­zer na­da. Não faz par­te da mi­nha ín­do­le nem do meu ca­rác­ter re­ce­ber cré­di­tos ou pré­mi­os por al­go que não me­re­ça!”, lê-se num dos pon­tos, en­ca­be­ça­do por uma fra­se es­cri­ta em le­tras gar­ra­fais di­zen­do que to­dos os seus dis­cos fo­ram pro­du­zi­dos por ele - Ne­lo de Carvalho -, Ar­min­do Mon­tei­ro e Al­ber­to Mon­tei­ro.

Nso­ki res­pon­deu a Ki­zua pe­la mes­ma via: Fa­ce­bo­ok, no dia se­guin­te. Num dis­cur­so pau­ta­do pe­la in­ten­ci­o­nal men­sa­gem da im­por­tân­cia dos mú­si­cos ze­la­rem me­lhor a pro is­são que é o ganha pão das su­as fa­mí­li­as, re­fe­re num dos pon­tos: “Nós to­dos vi­ve­mos da Mú­si­ca e te­mos que apren- der a res­pei­tar a ar­te de ca­da um. Ca­ro Ki­zua, ape­sar de tu­do ain­da res­pei­to o seu tra­ba­lho e não se­rá tão ce­do que me ve­rá a ten­tar de­ne­grir o seu em pú­bli­co, por­que, tal co­mo eu, vo­cê tam­bém tem uma fa­mí­lia pa­ra sus­ten­tar e fãs que o apoi­am e tor­cem por si”.

Não fal­ta­ram nas su­as fa­las nem be­lis­cos nem elo­gi­os, co­mo a ten­ta­ti­va de dar à ac­ção de Ki­zua ou­tras ra­zões que não fos­sem as bem in­ten­ci­o­na­das crí­ti­cas cons­tru­ti­vas, que ge­ram po­lé­mi­cas ne­ces­sá­ri­as pa­ra o mer­ca­do ar­tís­ti­co, e dis­so, es­cre­ve a au­to­ra do su­ces­so meu “Meu An­jo”, res­pei­ta e ad­mi­ra Ki­zua co­mo mú­si­co mas tam­bém la­men­ta a for­ma co­mo es­te crí­ti­ca, se in­ter­ro­gan­do por­que nun­ca o fez em pri­va­do, da­do

Ki­zua Gour­gel

Ne­lo de Carvalho

Daniel Men­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.