AR­TIS­TA DO MO­SAI­CO E DA PIN­TU­RA ARDENTE

10ANOS DE MESO MUMPASI

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - MATADI MAKOLA

A sua obra, no que tan­ge a te­má­ti­ca, vem se de­sen­vol­ven­do a par­tir do seu con­cei­to de li­ber­da­de do so­nho, por­que um dia dis­se pa­ra si que po­de­ria che­gar aos 10 anos de car­rei­ra, e a par­tir daí foi te­cen­do um io sen­ti­men­tal nos seus qua­dros. O so­nho con­cre­ti­zou-se em obra, ex­pos­ta nos di­as que cor­rem na ga­le­ria Ta­mar Go­lan. Me­soMum­pa­si (no­me ki­kon­go que sig­ni ica so­fri­men­to das vis­tas) é uma igu­ra pre­sen­te nas ar­tes plás­ti­cas, já ten­do si­do na XII edi­ção do ENSARTE Pré­mio Ju­ven­tu­de com a obra “Con­ver­sa” e faz par­te do le­que de 20 ar­tis­tas an­go­la­nos cu­jas obras, um to­tal de 40, es­tão vi­sa­das no li­vro "A Fa­ce da Ar­te An­go­la­na Con­tem­po­râ­nea", co­or­de­na­do pe­la Fun­da­ção Ar­te e Cul­tu­ra.

Téc­ni­ca mo­sai­co

Me­soMum­pa­si é o ar­tis­ta plás­ti­co an­go­la­no ori­gi­ná­rio do Zai­re. Faz par­te de um sem nú­me­ro de ar­tis­tas emer­gen­tes da no­vís­si­ma ce­na ar­tis­ta an­go­la­na e que têm Lu­an­da co­mo o gran­de pon­to de mo­vi­men­ta­ção. Fo­ram mui­tas coi­sas con­se­gui­das nes­tes 10 anos de car­rei­ra. Ga­ran­te não ter si­do fá­cil che­gar a es­te ní­vel e fa­zer vin­car a téc­ni­ca mo­sai­co, que é um tra­ba­lho de pa­ci­ên­cia e in­tui­ção. Con­tu­do, es­te tra­ba- lho tem si­do tam­bém, ao mes­mo tem­po, um exer­cí­cio de me­mó­ria, por­que her­da do seu pai, já fa­le­ci­do des­de 1991. O sal­to à es­co­la Aca­dé­mi­ca de Be­las Ar­tes do Con­go De­mo­crá­ti­co não o re­ti­rou da li­nha de cons­tru­ção ima­gé­ti­ca atra­vés dos mo­sai­cos, nem tam­pou­co o agru­pou, do pon­to de vis­ta es­té­ti­co, aos cul­to­res do cu­bis­mo, se qui­ser­mos con­si­de­rar os mo­sai­cos no mo­do es­tru­tu­ral ge­o­mé­tri­co. Do pai, seu pri­mei­ro mes­tre, a es­co­la o dis­tan­cia na for­ma e nas co­res, mas não os se­pa­ra na téc­ni­ca mo­sai­co. O pai fa­zia mo­sai­cos de pa­re­de, sem nun­ca se aven­tu­rar a pin­tar em te­la. O pin­tor era o ilho, e is­so o le­vou a fa­ze-lo em te­la, con­se­guin­do o efei­to ar­tís­ti­co de­se­ja­do.

A crí­ti­ca te­ci­da por aca­dé­mi­cos era fa­vo­rá­vel ao seu so­nho de se a ir­mar co­mo ar­tis­ta, ao que, em sín­te­se, di­zi­am a Mumpasi que ti­nha gran­des pos­si­bi­li­da­des de al­can­çar su­ces­so em Áfri­ca. A ver­da­de tem se re­ve­la­do aos pou­cos, e nes­tes 10 anos mui­ta coi­sa boa lhe acon­te­ceu, jus­ti ica­das com as pa­la­vras de al­guns crí­ti­cos: "Não é a ar­te aca­dé­mi­ca da Be­las Ar­tes, mas uma téc­ni­ca que lhe con­fe­re­au­ten­ti­ci­da­de", diz-se da sua obra.

Ida ao Bra­sil

Em 2014 vai ao Bra­sil e é con­vi­da­do a par­ti­ci­par num pro­jec­to que ganha cor­po es­te ano. No pró­xi­mo dia 20 de Se­tem­bro vol­ta ao Bra­sil pa­ra uma exposição in­di­vi­du­al e ini­ci­ar a em­prei­ta­da cu­ja ina­li­da­de é a cons­tru­ção de re­tra­tos em es­ti­lo mo­sai­co de in­di­vi­du­a­li­da­des so­nan­tes da­que­le país. A exposição se­rá a con­ti­nui­da­de des­ta que es­tá pa­ten­te na ga­le­ria Ta­marGo­lan, em alu­são aos seus 10 anos de car­rei­ra ar­tís­ti­ca, aber­ta ao pú­bli­co até ao dia 23 de Agos­to.

O fo­go das co­res

Na ce­na ar­tís­ti­ca, fo­ra o to­que a mo­sai­co, Mumpasi é fá­cil de re­co­nhe­cer pe­la es­co­lha das co­res. É sa­bi­do o seu gos­to de mis­tu­ra-las e dar-lhes um efei­to mais afo­gue­a­do. Jus­ti ica a es­co­lha das co­res vi­vas co­mo um re le­xo do mo­do co­mo olha a An­go­la de ho­je, se­den­ta de mu­dan­ças, com pré­di­os a bro­tar, com o mo­tor do de­sen­vol­vi­men­to a to­do va­por. Lê as co­res co­mo meio de in­du­ção a es­te pen­sa­men­to de de­sen­vol­vi­men­to, ener­gia e vi­da. Mas, na ar­te, co­mo re ina a in­tui­ção?Res­pon­deu­nos: "Eu tam­bém não sei co­mo as co­res, no ac­to de cri­a­ção, se as­su­mem na te­la, mas sei que no im o re­sul­ta­do é fe­liz e ale­gre, mui­to for­te e ardente. Até as igu­ras que em vi­da são de au­ra car­re­ga­da, qu­an­do pas­sa­das em te­las ga­nham le­ve­za, e is­to po­de­mos ver nos re­tra­tos que iz de Man­de­la e Ka­pe­la. O mo­sai­co pro­vo­ca nos ob­ser­va­do­res a sen­sa­ção de vi­bra­ção e de e sub­ti­le­za".

Ex­pe­ri­men­tar a ar­te con­tem­po­râ­nea

O con­cei­tu­a­do Mes­tre Ka­pe­la já tra­vou co­nhe­ci­men­to com o pai de Mumpasi, en­quan­to ar­tis­tas e ain­da no ful­gor da ju­ven­tu­de. Ka­pe­la cru­za com Mumpasi, ago­ra na po­si­ção de mes­tre do fi­lho do ve­lho ami­go, e o se­duz a de­sa­fi­ar-se e sair da sua zo­na de con­for­to. Mumpasi ti­nha pro­me­ti­do ava­li­ar a ques­tão, mas a sua par­ti­ci­pa­ção na 5ª edi­ção do JAANGO veio a re­ve­lar-se es­tar mais den­tro da ar­te con­tem­po­râ­nea do que jul­ga­va. A co­mu­nhão com Gui­zef e ou­tros ar­tis­tas es­co­lhi­dos nes­ta edi­ção do JAANGO, que é um even­to de ma­triz ar­te con­tem­po­râ­nea, fê- lo acei­tar a ideia de sair da zo­na de con­for­to, es­ten­den­do­se pa­ra as téc­ni­cas im­pres­si­o­nis­tas. Tem tra­ba­lha­do em ins­ta­la­ção e re­ci­cla­gem de pneus, que es­pe­ra vir a apre­sen­tar qu­an­do es­ti­ver de­sen­vol­vi­do. Vai ava­li­ar ain­da as téc­ni­cas de ar­te con­tem­po­râ­nea e ver que ti­po de no­vi­da­de po­de­rá re­sul­tar, da­do que, a seu a seu ver, a ar­te con­tem­po­râ­nea fo­ge mui­to dos mo­de­los aca­dé­mi­cos, apoi­a­da na ideia ins­tan­tâ­nea da sua obri­ga­tó­ria uni­ver­sa­li­da­de. "Por­que a ar­te con­tem­po­râ­nea eu­ro­peia po­de não apre­sen­tar di­fe­ren­ça com a ma­nei­ra con­tem­po­râ­nea co­mo os ar­tis­tas afri­ca­nos de ho­je de­sen­vol­vem os seus tra­ba­lhos", sus­ten­ta.

Vive da ar­te

Co­mo mui­tos ar­tis­tas, ten­tar so­bre­vi­ver da ar­te foi mui­to di ícil, vis­to que de­pen­dia dos apoi­os da mãe, e foi o ir­mão des­ta que te­ve a gen­ti­le­za de com­prar o pri­mei­ro qua­dro que Mumpasi pôs à ven­da, co­mo for­ma de in­cen­ti­var o so­bri­nho a não se dei­xar aba­ter pe­lo de­sâ­ni­mo. Ain­da es­tu­dan­te de Be­las Ar­tes Kin­sah­sa, par­ti­ci­pa num con­cur­so pa­na­fri­ca­no em 2017 e con­se­gue uma men­ção hon­ro­sa, ten­do a opor­tu­ni­da­de de ver o seu qua­dro ven­di­do a um pre­ço de mil dó­la­res.

De mo­men­to, fal­ta-lhe um gran­de ate­li­er e che­gar aos ní­veis dos gran­des mes­tres. O ate­li­er é mais pa­ra ar­tis­tas que pre­ci­sam de apoio ar­tís­ti­co, ou se­ja, ter um es­pa­ço pa­ra en­si­nar aos mais no­vos aqui­lo que apren­deu na aca­de­mia. Che­gar ao es­ta­tu­to de gran­de mes­tre é al­go que só de­pen­de de si, da sua en­tre­ga de­sin­te­res­sa­da e ve­la­da.

Da ques­tão que tem si­do o pé de Aqui­les da mas­sa ar­tís­ti­ca an­go­la­na, veio um sim cheio de cer­te­za: Mumpasi vive da ar­te que faz. Nun­ca se sen­tiu atraí­do por ou­tros ti­pos de tra­ba­lho e em ne­nhum mo­men­to pen­sa re­nun­ci­ar a ar­te de pin­tar, ca­so es­ta não lhe con­ve­nha inan­cei­ra­men­te. Es­ta cons­ci­en­te do que faz e se con­si­de­ra fe­liz por tu­do que já ga­nhou na ar­te. Di­an­te do que ou­vi­mos, mes­mo ten­do em con­ta a vul­ne­ra­bi­li­da­de inan­cei­ra da Cul­tu­ra e a fal­ta de ga­le­ri­as, não res­ta mar­gem de dú­vi­das que a sor­te fa­vo­re­ce os au­da­zes.

A con­ver­sa (Mumpasi)

Mumpasi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.