A HU­MA­NI­DA­DE E A GU­ER­RA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - MI­GUEL JÚ­NI­OR

IN­TRO­DU­ÇÃO A gu­er­ra pre­ce­de o Es­ta­do e ela é tão an­ti­ga qu­an­to é a hu­ma­ni­da­de. As su­as ori­gens es­tão pa­ten­tes nos pri­mór­di­os da hu­ma­ni­da­de. No de­cur­so da evo­lu­ção hu­ma­na, a gu­er­ra evo­luiu e re­ves­tiu-se de vá­ri­as ca­rac­te­rís­ti­cas. Na mo­der­ni­da­de, ela as­su­miu ou­tra di­men­são e con­ti­nu­ou a de­ter­mi­nar o cur­so da his­tó­ria. Ela es­te­ve na ori­gem do sur­gi­men­to e der­ru­be de im­pé­ri­os e su­as so­ci­e­da­des, bem co­mo ela pro­por­ci­o­nou o apa­re­ci­men­to e des­mo­ro­na­men­to de Es­ta­dos. Ela con­tri­buiu pa­ra o avan­ço téc­ni­co-ci­en­tí­fi­co da hu­ma­ni­da­de, co­mo tam­bém es­te­ve na ori­gem dos gran­des de­sas­tres e he­ca­tom­bes por que pas­sou a hu­ma­ni­da­de.

A gu­er­ra sem­pre foi com­pa­nhei­ra da hu­ma­ni­da­de. To­dos os po­vos a fa­ce da ter­ra vi­ve­ram em mai­or ou me­nor grau a gu­er­ra. Por is­so, nes­te tex­to, va­mos fa­zer uma in­cur­são re­tros­pec­ti­va so­bre a gu­er­ra ao lon­go dos tem­pos mas com o pro­pó­si­to de ava­liá-la co­mo fe­nó­me­no so­ci­al e ver co­mo ela evo­luiu e co­mo se ca­rac­te­ri­zou em cer­tos pe­río­dos his­tó­ri­cos.

Des­ta ma­nei­ra, em pri­mei­ro lu­gar, va­mos des­cre­ver a gu­er­ra des­de as ci­vi­li­za­ções pré-clás­si­cas até às clás­si­cas pa­ra per­ce­be­re­mos co­mo tu­do se pas­sou de ma­nei­ra con­cre­ta. Em segundo lu­gar, ana­li­sa­re­mos a gu­er­ra do pe­río­do me­di­e­val até à mo­der­ni­da­de pa­ra iden­ti icar­mos os seus pon­tos for­tes.

A GU­ER­RA NOS PE­RÍO­DOS PRÉ-CLÁS­SI­COS E CLÁS­SI­COS

A gu­er­ra evo­luiu com o de­sen­vol­vi­men­to das so­ci­e­da­des hu­ma­nas. A me­lhor ma­nei­ra pa­ra per­ce­ber­mos es­sa evo­lu­ção, é pe­ne­tran­do no pas­sa­do da hu­ma­ni­da­de. A gu­er­ra ga­nhou for­ma no seio das ci­vi­li­za­ções pré-clás­si­cas. Es­tas ci­vi­li­za­ções sur­gi­ram no im da pré-his­tó­ria e man­ti­ve­ram-se até ao sé­cu­lo V a.C. As ci­vi­li­za­ções egíp­cia, me­so­po­tâ­mi­ca e si­ro-pa­les­ti­ni­a­na vi­ve­ram a gu­er­ra mas ca­da uma a sua ma­nei­ra.

Pe­ne­tran­do na his­tó­ria da gu­er­ra da Me­so­po­tâ­mia, va­mos en­con­trar in­for­ma­ções que ates­tam que a gu­er­ra ci­vi­li­za­da co­me­çou na Su­mé­ria. A gu­er­ra com ca­rác­ter inin­ter­rup­to co­me­ça pre­ci­sa­men­te na Su­mé­ria. No de­cur­so do tem­po, a gu­er­ra tor­nou-se in­ten­sa e co­me­ça­ram a des­pon­tar, no seu seio, os pri­mei­ros lí­de­res mi­li­ta­res. Fru­to des­sa li­de­ran­ça mi­li­tar, a es­pe­ci­a­li­za­ção mi­li­tar co­me­çou a ter lu­gar e a me­ta­lur­gia das ar­mas foi-se fa­zen­do sen­tir. Ou­tro as­pec­to dig­no de no­ta, de­vi­do ao ca­rác­ter inin­ter­rup­to da gu­er­ra, é o apa­re­ci­men­to do con­cei­to de ba­ta­lha mi­li­tar. Es­ta con­cep­ção ga­nhou, en­tre­tan­to, for­ma com o de­sen­ro­lar dos tem­pos.

Ou­tro con­cei­to que emer­giu na Su­mé­ria foi o da cam­pa­nha mi­li­tar de­vi­do às in­cur­sões que se fa­zi­am a lon­ga dis­tân­cia. Ain­da no con­tex­to das guer­ras que se tra­va­vam, e em con­sequên­cia dos vá­ri­os in­te­res­ses em jo­go, na Su­mé­ria apa­re­ceu o pri­mei­ro im­pe­ra­dor da his­tó­ria – Sar­gão da Acá­dia. Es­te im­pe­ra­dor, no seu tem­po, con­du­ziu de ma­nei­ra exi­to­sa mais de trin­ta e qua­tro guer­ras. Por aqui, po­de­mos ates­tar o ca­rác­ter inin­ter­rup­to da gu­er­ra.

Na Me­so­po­tâ­mia deu-se, en­tre­tan­to, no segundo mi­lé­nio a. C., um “koi­ne tec­no­ló­gi­co” do pon­to de vis­ta mi­li­tar. Es­te avan­ço tec­no­ló­gi­co mo­di icou, por sua vez, mui­tas das ques­tões re­la­ti­vas à gu­er­ra. Tan­to mais que sur­gi­ram no­vos guer­rei­ros mais bem trei­na­dos e mui­to mais aba­li­za­dos pa­ra a gu­er­ra. Ou­tra gran­de no­vi­da­de foi, sem qual­quer dú­vi­da, o apa­re­ci­men­to do car­ro de gu­er­ra. Em pa­ra­le­lo, cri­a­ram um ar­co com­pos­to. Na ver­da­de, es­tes avan­ços tec­no­ló­gi­cos da épo­ca con­fe­ri­ram mo­bi­li­da­de e ize­ram dos guer­rei­ros ho­mens mui­to mais de­vas­ta­do­res.

Com is­to a gu­er­ra ti­nha al­can­ça­do ou­tra di­men­são, de tal sor­te que nes­tas con­di­ções a As­sí­ria, co­mo mais uma ci­vi­li­za­ção da Me­so­po­tâ­mia, al­can­çou o es­plen­dor mi­li­tar. Por is­so, As­sí­ria era no sé­cu­lo VIII a. C um Es­ta­do guer­rei­ro e que man­te­ve o seu exér­ci­to em ple­na cam­pa­nha. Por for­ça do pa­pel mi­li­tar que ela de­sem­pe­nhou na gu­er­ra, o seu exér­ci­to con­ver­teu-se na­tu­ral­men­te em exér­ci­to mo­de­lo.

Os tra­ços mais ca­rac­te­rís­ti­cos da As­sí­ria es­ta­vam pa­ten­tes no car­ro de gu­er­ra e na sua or­ga­ni­za­ção lo­gís­ti­ca. Ela pos­suía uma ca­pa­ci­da­de lo­gís­ti­ca que per­mi­tia as su­as tro­pas efec­tu­a­rem mar­chas de lon­ga dis­tân­cia. As su­as tro­pas eram ca­pa­zes de efec­tu­ar mar­chas até 480 km. Eles in­tro­du­zi­ram os bar­cos e o re­cru­ta­men­to de ci­da­dãos pa­ra o ser­vi­ço das ar­mas. Tam­bém fo­ram eles que con­ce­be­ram a ideia de pri­si­o­nei­ro de gu­er­ra. Por tu­do is­to, es­te mo­de­lo de exér­ci­to tran­si­tou, com o tem­po, pa­ra as de­mais ci­vi­li­za­ções da Me­so­po­tâ­mia e fo­ra des­ta re­gião.

Ou­tra ci­vi­li­za­ção pré-clás­si­ca que vi­veu a gu­er­ra foi com cer­te­za a Egíp­cia. Do pon­to de vis­ta mi­li­tar, o Egip­to ti­nha um cer­to atra­so tec­no­ló­gi­co e vi­via de cer­to mo­do des­pre­o­cu­pa­do por­quan­to jul­ga­va que ele não ti­nha ame­a­ças ex­ter­nas. O seu exér­ci­to com ca­rác­ter per­ma­nen­te ti­nha ar­ma­men­tos mui­to ru­di­men­ta­res e atra­sa­dos em com­pa­ra­ção com ou­tros po­vos. As su­as for­mas de com­ba­te es­ta­vam aquém das de­mais so­ci­e­da­des.

A si­tu­a­ção mu­dou no Egip­to qu­an­do eles fo­ram in­va­di­dos pe­los Hick­sos. Um po­vo que era mi­li­tar­men­te mais avan­ça­do que os egíp­ci­os. Eles dis­pu­nham de car­ros de gu­er­ra e pos­suíam um po­ten­ci­al im­pe­ri­al. Sub­ju­ga­ram por al­gum tem­po o Egip­to, até ao mo­men­to em que os egíp­ci­os ex­pul­sa­ram os in­va­so­res e pas­sa­ram a pres­tar mai­or aten­ção às coi­sas da gu­er­ra. Nu­ma fa­se mais avan­ça­da, o Egip­to apa­re­ceu co­mo po­tên­cia mi­li­tar. A pro­va es­tá pa­ten­te na des­cri­ção que se faz so­bre a Ba­ta­lha de Ka­de­ch.

No tem­po apa­re­ceu a pri­mei­ra ci­vi­li­za­ção clás­si­ca. Tra­ta-se da ci­vi­li­za­ção Gre­ga. Ela sur­giu no sé­cu­lo XVIII a. C. e per­ma­ne­ceu até ao ano 476. O seu apa­re­ci­men­to fez bro­tar um no­vo es­pí­ri­to mi­li­tar. Com a ir­rup­ção da no­va men­ta­li­da­de mi­li­tar, sur­gi­ram no­vas idei­as e for­mas de or­ga­ni­za­ção, o que se re lec­tiu de for­ma di­rec­ta so­bre a ma­nei­ra de em­pre­gar as tro­pas. Em ter­mos de or­ga­ni­za­ção mi­li­tar, o exér­ci­to ti­nha ca­rác­ter per­ma­nen­te e o seu ades­tra­men­to era cons­tan­te. No seio do exér­ci­to tam­bém im­pe­rou o es­pí­ri­to de­mo­crá­ti­co, aten­den­do as su­as ori­gens e o cli­ma que se vi­via em Es­par­ta.

Nes­tas con­di­ções a uni­da­de mi­li­tar de ba­se era a fa­lan­ge. Ela re­pre­sen­ta­va uma for­ma con­cre­ta de or­ga­ni­za­ção de com­ba­te e sim­bo­li­za­va a tác­ti­ca gre­ga. Mas por for­ça da vi­da mi­li­tar e da sua va­lo­ri­za­ção no seio da sociedade gre­ga des­po­le­tou o es­pí­ri­to es­par­ta­no. De res­to, es­te era o cli­ma que rei­na­va em Es­par­ta, on­de os jo­vens eram re­cru­ta­dos, des­de mui­to ce­do, e eram sub­me­ti­dos à trei­nos mi­li­ta­res ri­go­ro­sos.

Qu­an­do Ale­xan­dre “o Gran­de” as­su­miu o co­man­do mi­li­tar, por for­ça dos de­sa ios mi­li­ta­res da sua épo­ca, ele foi for­ça­do a mo­di icar a for­ma de or­ga­ni­za­ção da Fa­lan­ge. Aliás, foi na Gré­cia on­de se tra­va­ram du­as gran­des ba­ta­lhas his­tó­ri­cas de­vi­do ao sig­ni ica­do de ca­da uma. Um é a Ba­ta­lha de Ma­ra­to­na, que te­ve lu­gar em 490 a. C. Nes­ta ba­ta­lha o que es­te­ve em dis­pu­ta foi o des­ti­no da de­mo­cra­cia e sua de­fe­sa em opo­si­ção à ti­ra­nia. Ou­tra foi a Ba­ta­lha de Ar­be­las, que su­ce­deu em 331 a. C. Nes­ta ba­ta­lha es­te­ve em dis­pu­ta da

Cavaleiros Mos­si com re­féns

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.