EDANO LENGOMBE

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA - DIONISIO DA­VID

A po­pu­la­ção de Omalya­ta, na co­mu­na de Eva­le, mu­ni­cí­pio de Kwa­nha­ma, Cu­ne­ne, ce­le­brou no im-de-se­ma­na a fes­ta Edano Lengombe, um even­to cul­tu­ral dos po­vos Am­bós, que se re­a­li­za anu­al­men­te no inal do pe­río­do da tran­su­mân­cia, e que vi­sa a de­mons­tra­ção dos ani­mais me­lhor nu­tri­dos.

Tra­ta-se de um ri­tu­al que ocor­re no pe­río­do de Ju­nho a Agos­to, de­pois dos ani­mais re­gres­sa­rem da zo­na de tran­su­mân­cia, on­de a dis­pu­ta tem a ina­li­da­de de en­con­trar o de­ten­tor de me­lhor qua­li­da­de de ga­do da lo­ca­li­da­de.

Os ani­mais são le­va­dos ao re­cin­to do cer­ta­me se­pa­ra­dos por ida­des, ra­ças e se­xo. Ali faz-se a ava­li­a­ção do ta­ma­nho e da qua­li­da­de do ani­mal em ter­mos de pe­so, ga­nhan­do o pas­tor ou cri­a­dor que ti­ver o mai­or nú­me­ro de ani­mais em qua­li­da­de e quan­ti­da­de.

O ri­tu­al acon­te­ce co­mo uma for­ma de re­cu­pe­ra­ção dos va­lo­res cul­tu­rais mais an­ti­gos da re­gião, per­di­dos du­ran­te a vi­gên­cia do con li­to ar­ma­do, em par­ti­cu­lar nes­ta re­gião do país.

Por re­gra, o pe­río­do de pas­ta­gem vai de Agos­to a De­zem­bro de ca­da ano, re­gres­san­do as ma­na­das após as pri­mei­ras chu­vas.

Edano Lengombe é uma cerimónia tra­di­ci­o­nal, com va­lo­res cul­tu­rais dos cri­a­do­res de ga­do bo­vi­no do gru­po et­no­lin­guís­ti­co Am­bós, que com­põem as et­ni­as Ovakwanya­ma, Ovam­bad­ja e Ova­va­le.

Ger­vá­sio Ndahu­ma, 42 anos, or­ga­ni­za­dor da fes­ta e de­ten­tor de mais de 400 ca­be­ças de ga­do, as­se­gu­ra­das por 15 pas­to­res, mos­trou o seu po­ten­ci­al ga­na­dei­ro. No to­tal, fo­ram de­mons­tra­dos 300 ani­mais de di­fe­ren­tes ra­ças e ta­ma­nhos, agru­pa­dos en­tre ma­chos, va­cas, no­vi­lhas e vi­te­los, que des­fi­la­ram por fa­ses, on­de o jú­ri atri­buiu a me­lhor clas­si­fi­ca­ção a dois ma­chos e uma fê­mea com pe­sos en­tre os 600 e os 800 qui­los.

Os três ani­mais reu­ni­ram, pa­ra além do pe­so, a ro­bus­tez e a be­le­za. Co­mo re­co­nhe­ci­men­to, a or­ga­ni­za­ção dis­tin­guiu os pas­to­res ten­do atri­buí­do es­tí­mu­los de uma quan­tia mo­ne­tá­ria de 24 mil kwan­zas pa­ra o pri­mei­ro clas­si­fi­ca­do, 12 mil pa­ra o se­gun­do e 8 mil pa­ra o ter­cei­ro, pe­lo fei­to con­se­gui­do.

Se­gun­do o or­ga­ni­za­dor do cer­ta­me, es­ta é a ter­cei­ra vez con­se­cu­ti­va que se re­a­li­za o even­to, de­pois do al­can­ce da paz de ini­ti­va no país.

Ger­vá­sio Ndahu­ma pro­me­teu or­ga- ni­zar todos anos fes­tas do gé­ne­ro, co­mo for­ma de in­cen­ti­var a no­va ge­ra­ção pa­ra pre­ser­va­ção dos va­lo­res cul­tu­rais. Lem­brou que o ga­do re­pre­sen­ta a ri­que­za do po­vo Am­bó e do po­vo do sul do país em ge­ral.

O por­ta-voz da cerimónia, Ata­na­sio Ndi­li­an­di­ke, dis­se que o En­da­no Lengombe é um ri­tu­al das co­mu­ni­da­des lo­cais, pois tra­ta-se de uma com­pe­ti­ção de ani­mais, é um sím­bo­lo com va­lo­res cul­tu­rais da re­gião.

Lem­brou que é uma fes­ta tra­di­ci­o­nal e das mais an­ti­gas, por is­so é uma ini­ci­a­ti­va lou­vá­vel, num es­for­ço das co­mu­ni­da­des na bus­ca da eman­ci­pa­ção cul­tu­ral e pre­ser­va­ção da tra­di­ção dos po­vos que com­põem o mo­sai­co da cul­tu­ra an­go­la­na.

Es­cla­re­ceu que du­ran­te o des ile os ani­mais são ob­ser­va­dos ri­go­ro­sa­men­te pe­los mais ve­lhos, aten­tos aos mo­vi­men­tos, pro­ce­di­men­tos e ou­tros as­pec­tos tra­di­ci­o­nais se­cu­la­res.

Al­guns as­pec­tos a ter em con­ta, e que têm a ver com o ri­tu­al, co­me­çam des­de o pá­tio (Olu­pa­le), pas­san­do pe­lo cor­re­dor que dá aces­so ao cur­ral, di­ri­gi­do pe­los mais ve­lhos com re­co­nhe­ci­da ido­nei­da­de.

A lo­ca­li­da­de Omalya­ta dis­ta a 80 qui­ló­me­tros de Ond­ji­va, e é uma re- gião po­ten­ci­al­men­te agro-pe­cuá­ria.

Efun­du­la - fes­ta da pu­ber­da­de

Pa­ra além de Edano Lengombe, os po­vos Am­bó ce­le­bram ou­tras ce­ri­mó­ni­as ti­das co­mo im­por­tan­tes na re­gião. Co­mo exem­plo, a fes­ta da pu­ber­da­de fe­mi­ni­na de­no­mi­na­da Efun­du­la, pre­pa­ra­da com an­te­ce­dên­cia de seis me­ses e re­a­li­za­da no pe­río­do en­tre No­vem­bro a De­zem­bro de ca­da ano. Nor­mal­men­te, a fes­ta de­cor­re du­ran­te cin­co di­as.

Os pais, ma­tam, a par­tir do se­gun­do dia, um boi ou mais e, nal­guns ca­sos, os ti­os da par­te ma­ter­na da jo­vem tam­bém ofe­re­cem ani­mais pa­ra se­rem con­su­mi­dos no even­to.

Se a jo­vem “on­fu­ko”, de­no­mi­na­ção da­da à pes­soa que pas­sa pe­la cerimónia de pu­ber­da­de ti­ver com­pro­mis­so ma­tri­mo­ni­al, ela sai da fes­ta, após os cin­co di­as, di­rec­ta­men­te pa­ra a ca­sa dos pais do seu noi­vo. On­de per­ma­ne­ce du­ran­te dois di­as, re­gres­san­do de­pois pa­ra a ca­sa dos pais a im de, du­ran­te qua­tro di­as, re­ce­ber to­das as ins­tru­ções ne­ces­sá­ri­as acer­ca de co­mo cui­dar do ma­ri­do e dos seus pa­ren­tes. De­pois de to­das as for­ma­li­da­des, a jo­vem noi­va se­gue em de ini­ti­vo pa­ra ca­sa do ma­ri­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.