PRESERVAR O LE­GA­DO COM NO­VOS TA­LEN­TOS

Jornal Cultura - - ARTES -

Fe­cha­ram-se as cor­ti­nas de mais uma edi­ção do Lu­an­da Cartoon, o úni­co fes­ti­val de ban­da de­se­nha­da da Áfri­ca Aus­tral, e ao lon­go de oi­to di­as os par­ti­ci­pan­tes dei­xa­ram vi­sí­vel a sua von­ta­de de dar con­ti­nui­da­de ao le­ga­do desta ar­te, atra­vés de ini­ci­a­ti­vas mais ino­va­do­ras e cri­a­ti­vas.

No­vos tí­tu­los, co­mo “Mwan­go­lan­do”, de Ma­ni­loy, mar­ca­ram o Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Ban­da De­se­nha­da, que es­te ano trou­xe a ex­pe­ri­ên­cia de Por­tu­gal, pe­lo car­to­o­nis­ta Os­val­do Me­di­na, e al­guns ta­len­tos na­ci­o­nais ain­da no ano­ni­ma­to.

Ex­pe­ri­ên­ci­as, crí­ti­cas, ima­gi­na­ção e cri­a­ti­vi­da­de ica­ram ex­pos­tas pa­ra o pú­bli­co nas pa­re­des do Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês e na Me­di­a­te­ca de Lu­an­da, on­de fo­ram exi­bi­dos di­ver­sos il­mes de ani­ma­ção in­fan­til, nu­ma par­ce­ria com a Al­li­an­ceF­ran­çai­se.

O quo­ti­di­a­no foi e ain­da é a prin­ci­pal “ma­té­ria-pri­ma” dos ar­tis­tas, que pro­cu­ram en­tre as sá­ti­ras as di­ver­sas si­tu­a­ções ca­ri­ca­tas da so­ci­e­da­de an­go­la­na cha­mar a aten­ção pa­ra de­ter­mi­na­das prá­ti­cas er­ra­das.

Po­rém, o mun­do da ban­da de­se­nha­da an­go­la­na ain­da pre­ci­sa de um mai­or “bri­sa” pa­ra po­der vin­car. Os seus cri­a­do­res, que reu­ni­ram em o ici­nas no Ca­mões pa­ra pers­pec­ti­var me­lho­ri­as, con­ti­nu­am a res­sen­tir pe­la fal­ta de in­te­res­se das edi­to­ras, pa­ra co­lo­ca­rem os seus li­vros no mer­ca­do, de­pen­den­do, na mai­o­ria das ve­zes, de ini­ci­a­ti­vas par­ti­cu­la­res.

Ape­sar de ser um uni­ver­so mul­ti­mi- li­o­ná­rio e gran­di­o­so, em ter­mos de mer­ca­do, nos Es­ta­dos Uni­dos e Eu­ro­pa, a ban­da de­se­nha­da an­go­la­na ain­da tem um lon­go tra­ba­lho pe­la fren­te. A sua es­pe­ran­ça re­si­de no em­pe­nho des­tes jo­vens, que têm, anu­al­men­te, mos­tra­do aos a ic­ci­o­na­dos e cu­ri­o­sos o me­lhor da “ar­te se­quen­ci­al”.

Pa­ra mui­tos é um er­ro, por­que a ban­da de­se­nha­da, o “cas­su­le” das ar­tes, po­de ser mui­to pro­vei­to­sa na cri­a­ção de há­bi­tos de lei­tu­ra, por­que a as­so­ci­a­ção en­tre ima­gens e tex­tos, on­de a pri­mei­ra é pre­do­mi­nan­te, aju­da mui­to as cri­an­ças nos pri­mei­ros “pas­sos” ru­mo à lei­tu­ra. A pri­mei­ra vez que ti­ve con­tac­to com a ban­da de­se­nha­da era ain­da um ado­les­cen­te. Ho­je, es­te gé­ne­ro es­tá mais dis­tan­te do lei­tor ado­les­cen­te. Ele che­ga a ser vis­to co­mo li­te­ra­tu­ra pa­ra cri­an­ças. Um er­ro, por­que os há­bi­tos de lei­tu­ra não de­vem ser li­mi­ta­dos por gé­ne­ros li­te­rá­ri­os. O lei­tor, ape­sar do seu cri­té­rio pes­so­al de se­lec­ção, não de­ve es­tar “amar­ra­do” as cor­das do ta­bú e me­nos­pre­zar o que nun­ca ten­tou ler.

Es­ta mu­dan­ça de pen­sa­men­to é im­por­tan­te pa­ra se mu­dar o fu­tu­ro da “no­na ar­te” em An­go­la, por­que o sur­gi­men­to de um pú­bli­co mai­or, abre por­tas pa­ra o apa­re­ci­men­to de um mer­ca- do mais fa­vo­rá­vel pa­ra os cri­a­do­res. Ac­tu­al­men­te, mui­tos dos de­se­nha­do­res de ban­da de­se­nha­da vêm os seus tra­ba­lhos li­mi­ta­dos por fal­ta de mer­ca­do e pa­ra da­rem con­ti­nui­da­de ao seu ta­len­to fa­zem do cartoon o seu “ga­nha pão”. Po­rém, ape­sar desta saí­da, as opor­tu­ni­da­des con­ti­nu­am a ser mui­to re­du­zi­das, de­vi­do ao nú­me­ro de jor­nais que usam es­te gé­ne­ro de ar­te nas su­as pá­gi­nas.

Se o fu­tu­ro da ban­da de­se­nha­da é o cartoon em An­go­la ain­da é uma in­cer­te­za, por­que exis­te um lon­go ca­mi­nho a ser per­cor­ri­do, em es­pe­ci­al pe­los jo­vens cri­a­do­res, pa­ra uma in­ver­são do ac­tu­al qua­dro.

Ar­tis­tas da BD em exer­cí­cio cri­a­ti­vo na XIII edi­ção do Fes­ti­val Lu­an­da Cartoon que acon­te­ce anu­al­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.