FU­TU­ROS DESENGRAXADOS

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

Sen­ta­do nu­ma es­qui­na, na som­bra, ao sol, por baixo de uma ár­vo­re, não im­por­ta qual, pre­fe­ri­vel­men­te no cen­tro da ci­da­de, nas zo­nas mais mo­vi­men­ta­das, bem ce­do, cum- prin­do ri­go­ro­sa­men­te o ho­rá­rio, es­que­cen­do o ca­lor ou lu­tan­do con­tra o frio, ig­no­ran- do o ven­to ou mal­di­zen­do a chu­va, tes­te­mu­nhan­do o pas­so apres­sa­do dos tra­ba­lha­do- res, a cor­re­ria dos es­tu­dan­tes, a vi­a­gem do sol e a lu­ta do trân­si­to, no seu mun­do de não olhar pa­ra as ca­ras nem pa­ra as rou­pas, não in­te­res­sar a cor ou a ra­ça ou a et­nia, o pen­te­a­do, a bar­ba ou bi­go­de, o fa­to ou o je­ans, não pre­ci­sar de olhar nos olhos pa­ra fa­lar. Sen­ta­do nu­ma pe­dra, nu­ma la­ta, num ban­co de ma­dei­ra ou mes­mo no ci­men­to do pas­seio, nu­ma es­ca­da, nu­ma en­tra­da ou num can­tei­ro, em pa­res ou so­zi­nho ou mes­mo em pe­que­nos gru­pos, es­co­lhen­do es­tra­te­gi­ca­men­te o lo­cal, lon­ge da con­cor- rên­cia e per­to do chão. Com a ca­ra bai­xa ga­nha o seu pão, não por ser­ven­tia ou hu­mi- lha­ção, não por me­do ou ver­go­nha, mas por­que tem que fi­tar os pés pa­ra to­mar de­ci- sões. Não vê olhos nem vê co­ra­ções, di­ri­ge- se aos peões com a sua voz em fra­ses cur- tas. Não pre­ci­sa mui­to di­zer, so­men­te dar o seu ser­vi­ço dar a co­nhe­cer, o bri­lho, o bri­lho, re­pe­te ve­zes sem con­ta.

O con­tras­te da sua fi­gu­ra com a de qu­em re­cor­re aos seus ser­vi­ços, é o bri­lho do fa­to com a bran­cu­ra da po­ei­ra en­tra­nha­da na sua pe­le, o es­bran­qui­ça­do das su­as ca­ne­las, o mo­der­nis­mo do sa­pa­to a en­gra­xar com a ve­lhi­ce dos seus sa­pa­tos, dos seus chi­ne­los ou a ra­nhu­ra dos seus cal­ca­nha­res, a cor­re­ria de qu­em pro­cu­ra um fu­tu­ro com o seu pre­sen­te es­tag­na­do, pa­ra­do, sem fu­tu­ro, sen­ta­do ali na es­qui­na, no can­tei­ro, na cal­ça­da, na la­ta ou no ban­co, a se­gu­ran­ça de um em­pre­go com a in­se­gu­ran­ça do que será pa­ra si o da­qui a uma ho­ra, lo­go a tar­de e mais tar­de, quan­do a noi­te che­gar, o co­nhe­ci­men­to aca­dé­mi­co e pro­fis­si­o­nal com o seu dé­bil co­nhe­ci­men­to das le­tras e pa­la­vras, o en­si­no pri­má­rio ou se­cun­dá­rio mal aca­ba­do ou uma es­co­la ine­xis­ten­te há mui­tos anos, a ga­ran­tia de 2 ou 3 re­fei­ções com a in­cer­te­za de um estô­ma­go sa­tis­fei­to, o aco­lhi­men­to de um lar com a de­ses- tru­tu­ra­ção da sua fa­mí­lia, uma re­si­dên­cia aco­lhe­do­ra com um bair­ro so­ci­al, com vi­o­lên­cia e mi­sé­ria, uma vi­a­tu­ra com a lu­ta do tá- xi ou ain­da a lon­ga ca­mi­nha­da, a re­fei­ção quen­te com o que en­con­trar na rua, o amor de um par­cei­ro com a pros-ti­tui­ção ju­ve­nil e ir­res­pon­sá­vel, o di­ver­ti­men­to com a dro­ga ras­ca e ba­ra­ta, o re­fri- ge­ran­te com o ál­co­ol adul­te­ra­do, a ga­ran­tia de um fu­tu­ro com a pro­mes­sa de um fu­tu­ro, um cé­re­bro po­li­do com um cé­re­bro em­po­ei­ra­do. Não dei­xa de lu­tar, não fo­ge da lu­ta, não tem uma mão, uma mão que o su­por­te. Aguen­ta o tra­ba­lho, pa­trão de si pró­prio, são fu­tu­ros desengraxados, pa­ra o po­li­dor dos sa­pa­tos. Re­gres­sa dia após dia, va­ri­an­do e mu­dan­do de pou­so, es­pe­ran­do umas mo­e­das pa­ra o dia e pa­ra o fu­tu­ro in­cer­to. Não olha pa­ra o fu­tu­ro, por­que fu­tu­ro po­de não ha­ver, não olha pa­ra as ca­ras por­que ca­ras po­de não as co­nhe­cer, não fi­ca de pé por­que de pé não tra­ba­lha, não en­tra na con­ver­sa por­que com con­ver­sa não ga­nha. Olha pa­ra os pés, por­que nos pés vai o sa­pa­to, o sa­pa­to que dei­xa a mo­e­da, a mo­e­da que com­pra o pão e a ca­mi­sa, o pão e a ca­mi­sa que ga­ran­tem o pre­sen­te, o pre­sen­te que tem que vi­ver, por­que vi­ver não sa­be de ou­tra ma­nei­ra.

Cris­to Rei (Lu­ban­go)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.