“O MU­SEU DE AR­TE MO­DER­NA ANGOLANA CON­TI­NUA A SER UM SO­NHO”

Jornal Cultura - - ARTES - MATADI MAKOLA|

Fei­tas as con­tas, des­de a sua cri­a­ção aos 8 de Ou­tu­bro de 1976, a União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas Plás­ti­cos (UNAP) ce­le­brou no iní­cio des­te mês os seus 39 anos de exis­tên­cia. En­quan­to “úni­ca ins­ti­tui­ção com au­to­ri­da­de mo­ral pa­ra re­pre­sen­tar a clas­se das ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas, ela as­su­me-se co­mo uten­sí­lio pa­ra re­sol­ver os egoís­mos en­tre os pro is­si­o­nais”, as­sim se de ine na no­ta de im­pren­sa que fez cir­cu­lar. Pa­ra sau­dar a da­ta, a sua di­rec­ção e con­vi­da­dos pro­ce­de­ram, no dia 7 de Ou­tu­bro de 2016, à reabertura da Ga­le­ria de Maio, ac­to pres­ti­gi­a­do pe­la pre­sen­ça de en­ti­da­des do go­ver­no afec­tas à Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va da Ci­da­de de Lu­an­da. Sa­li­en­ta a no­ta que a reabertura da Ga­le­ria de Maio ex­pri­me a ati­tu­de da ac­tu­al di­rec­ção da UNAP na di­ver­si ica­ção da eco­no­mia, fa­ce à crise eco­nó­mi­ca. No que to­ca ao seu ob­jec­to de tra­ba­lho, abriu por­tas ao pú­bli­co pa­ra a ex­po­si­ção inau­gu­ral, que, co­mo des­cre­ve, não es­pe­ci ica uma te­má­ti­ca, nem ob­ser­va res­tri­ções pa­ra se­lec­ci­o­nar es­tri­ta­men­te as pro­pos­tas es­té­ti­cas de uma ga­le­ria que se pre­ze, tra­tan­do-se de uma mon­tra aber­ta, quer em es­ti­los, quer em téc­ni­cas, que aco­lhe em pri­mei­ra ins­tân­cia to­do o pro is­si­o­nal, mas res­trin­gin­do-se ao pro is­si­o­na­lis­mo e à qua­li­da­de. A ex­po­si­ção con­ta com no­mes co­nhe­ci­dos co­mo To­zé, Sam Ma­teus, Van, To­más Vis­ta, Ma­ton­do Al­ber­to, Ely Ka­bu­di, Te­na, Du­du e Eto­na, es­te úl­ti­mo ac­tu­al se­cre­tá­rio-ge­ral da UNAP.

Jor­nal CUL­TU­RA - 39 anos da UNAP. Es­tão sen­do cum­pri­dos os pres­su­pos­tos que mo­ti­va­ram a sua cri­a­ção?

An­tó­nio To­más Ana “Eto­na”

- Sim, es­tão sen­do cum­pri­dos. In­fe­liz­men­te, não com a plau­si­bi­li­da­de que de­se­ja­mos, mas a lu­ta diá­ria da nos­sa di­rec­ção é es­ta: fa­zer com que a nos­sa as­so­ci­a­ção cum­pra com o seu ob­jec­to so­ci­al.

JC - Já te­mos ar­tis­tas que vi­vem da ar­te que fa­zem? Ou con­ti­nua a ser uma pai­xão sus­ten­ta­da por ou­tros ser­vi­ços a que o ar­tis­ta de­ve su­jei­tar-se pa­ra po­der so­bre­vi­ver?

Eto­na-

Te­mos pou­cos. É um nú­me­ro ín imo que ten­de a cres­cer, mas nes­ta al­tu­ra de for­ma de­sa­ce­le­ra­da, ten­do em con­ta o mo­men­to eco­nó­mi­co crí­ti­co em que nos en­con­tra­mos. Po­rém, o mer­ca­do tem se mos­tra­do ca­da vez mais re­cep­ti­vo à ar­te. Os con­su­mi­do­res, bem co­mo a po­pu­la­ção em ge­ral, têm mai­or apre­ci­a­ção e in­te­res­se em sa­ber mais so­bre as ar­tes plás­ti­cas a ní­vel na­ci­o­nal na sua di­ver­si­da­de, e is­to cul­mi­na no con­su­mo mai­or de­las, e, na­tu­ral­men­te, os be­ne iciá­ri­os di­rec­tos são os pro­du­to­res des­sa ar­te, ou se­ja os ar­tis­tas.

JC - Os ban­cos co­mer­ci­ais têm mar­ca­do pre­sen­ça, co­mo pa­tro­ci­na­do­res, em ex­po­si­ções. Es­sa re­la­ção tem si­do jus­ta pa­ra os ar­tis­tas?

Eto­na-

O apoio dos ban­cos co­mer­ci­ais às ex­po­si­ções, é uma ac­ção lou­vá­vel que gos­ta­ría­mos de ver am­pli­a­da, pois exis­tem ar­tis­tas ta­len­to­sos e de­di­ca­dos cu­jos tra­ba­lhos não são di­vul­ga­dos de­vi­do a va­ri­as di icul­da­des, no que diz res­pei­to à pro­du­ção ou re­a­li­za­ção de even­tos des­sa na­tu­re­za.

JC - Que me­ce­nas po­dem ser apon­ta­dos co­mo se­gu­ros?

Eto­na

- Acre­di­to que to­dos os me­ce­nas pos­sam fa­lar por si in­di­vi­du­al­men­te, po­rém no que diz res­pei­to à nos­sa área (ar­tes plás­ti­cas) até ao mo­men­to não sen­ti­mos o im­pac­to da es­ta­be­le­ci­da Lei do Me­ce­na­to. Por­tan­to, ain­da não po­de­mos fa­lar em se­gu­ran­ça nes­se sen­ti­do.

JC - En­quan­to se­cre­tá­rio-ge­ral, co­mo ava­lia a evo­lu­ção des­te ór­gão im­por­tan­te nos úl­ti­mos dez anos?

Eto­na-

Tem si­do uma evo­lu­ção os­ci­la­tó­ria, pois já pas­sou pe­río­dos de di­na­mis­mo e es­tá­ti­cos, co­mo tam­bém pe­río­dos até de evo­lu­ção ga­lo­pan­te. De qual­quer for­ma, a nos­sa pre­o­cu­pa­ção é sem­pre fa­zer com que o mí­ni­mo de evo­lu­ção al­can­ça­da ge­re be­ne íci­os aos nos­sos mem­bros.

JC - A UNAP já se po­de ga­bar de ter uma se­de à al­tu­ra da sua im­por­tân­cia?

Eto­na

- Ob­vi­a­men­te que não. O estado do nos­so edi ício se­de es­tá mui­to aquém do de­se­ja­do pro­jec­to da di­rec­c­ção e dos mem­bros da nos­sa as­so­ci­a­ção. Es­for­ços têm si­do de­sen­ca­de­a­dos, mas ain­da há mui­to pa­ra se fa­zer.

JC - Re­cen­te­men­te o Ins­ti­tu­to Ca­mões pro­mo­veu um en­con­tro com um res­tau­ra­dor de ar­te. Co­mo es­ta­mos nes­te ca­pí­tu­lo, con­cer­nen­te à res­tau­ra­ção de obras do es­pó­lio na­ci­o­nal?

Eto­na-

É uma dis­ci­pli­na em que pre­ci­sa­mos in­ves­tir e nos de­di­car, pois exis­tem pou­cos ou qua­se ne­nhum es­pe­ci­a­lis­ta nes­ta área. Vi­san­do a pre­ser­va­ção do nos­so his­to­ri­al ar­tís­ti­co, na­tu­ral­men­te há ne­ces­si­da­de de se ve­lar por is­to.

JC - Fa­la-se mui­to da in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da cul­tu­ra, com en­fa­se pa­ra a mú­si­ca e a li­te­ra­tu­ra. A UNAP tem uma po­lí­ti­ca es­cla­re­ci­da pa­ra dar sus­ten­to a es­se de­sa io? Eto­na-

Sim, a in­ten­ção é ele­var a cul­tu­ra angolana a to­dos os ní­veis, e na­tu­ral­men­te as ar­tes plás­ti­cas não po­dem ser ex­cluí­das. Por­tan­to, além de pro­jec­tos a ní­vel na­ci­o­nal, te­mos re­a­li­za­do pro­jec­tos in­ter­na­ci­o­nais, al­guns de­les em par­ce­ria com ins­ti­tui­ções si­mi­la­res.

JC - Quais os gran­des em­pe­ci­lhos da UNAP de ho­je, um pou­co a re lec­tir-se com a crise inan­cei­ra?

Eto­na

- A UNAP é uma or­ga­ni­za­ção sem ins lu­cra­ti­vos, de­cla­ra­da co­mo Ins­ti­tui­ção de Uti­li­da­de Pú­bli­ca no Diá­rio da Re­pú­bli­ca I Série nº109 de 15 de Ju­nho de 2009. Com ca­rac­te­rís­ti­cas as­so­ci­a­ti­vas, nes­ta fa­se de crise são vá­ri­os os em­pe­ci­lhos, mas mui­to nos in­qui­e­ta o com­pro­mis­so que te­mos com o qua­dro ad­mi­nis­tra­ti­vo-pro is­si­o­nal, tra­ba­lha­do­res, e o pú­bli­co em ge­ral, pa­ra so­bre­vi­vên­cia da nos­sa as­so­ci­a­ção.

JC – Pa­ra quan­do o so­nho de um Mu­seu de Ar­te Mo­der­na Angolana?

Eto­na

- Me­di­an­te as di icul­da­des que en­fren­ta a UNAP, bem co­mo as pri­o­ri­da­des e es­pe­ci­al­men­te fa­ce à di­men­são de­se­ja­da pa­ra aque­le que se­ria o Mu­seu de Ar­te (Mo­der­na) Angolana, es­te con­ti­nua a ser um so­nho.

Eto­na (à di­rei­ta) e con­vi­da­dos na inau­gu­ra­ção da Ga­le­ria de Maio

A fes­ta dos ar­tis­tas plás­ti­cos acon­te­ceu fo­ra da UNAP

Os par­ti­ci­pan­tes fo­ram con­vi­da­dos a pin­tar um qua­dro pa­ra lem­brar es­ta da­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.