PO­E­MA DE ADRI­A­NO BO­TE­LHO DE VAS­CON­CE­LOS

Jornal Cultura - - ARTE POÉTICA -

9.1 Um ca­be­lo lon­go com o res­to de tú­mu­lo aber­to nu­ma rua prin­ci­pal da ci­da­de. O Ti­ba abri­ria em ca­da uma das le­tras dos po­e­mas a sua au­ro­ra com tin­tas há mui­to a ina­das no nú­me­ro de por­tas que não se abri­ram. O sol na taça par­ti­da pe­la le­bre ago­ra so­be o um­bral da ja­ne­la on­de a nin­fa es­tá per­to do meu po­e­ma, des­cal­ça e pron­ta pa­ra pe­dir uma lua mais aber­ta que res­ga­tas­se o úl­ti­mo na­mo­ra­do que com a cin­tu­ra ti­rou um quar­to de ho­tel que sem lâm­pa­das caiu do úl­ti­mo an­dar da noi­te : os po­lí­ci­as vi­e­ram à pai­sa­na, pre­ten­di­am es­cre­ver o me­lhor ro­man­ce de um cri­me que não po­di­am tes­te­mu­nhar. Uma noi­te por es­te pos­ti­go não faz o cri­me. Cha­mem um car­ce­rei­ro cu­ba­no dis­tan­te da sua ter­ra na­tal pa­ra di­zer se uma uto­pia ti­ra­da de um con­ten­tor po­de sal­var um país quan­do Fi­del es­tá acor­da­do so­bre o so­no que Le­ni­ne pre­fe­re pas­se­ar com du­as al­ge­mas. 10. O so­ba fe­chou o es­tá­dio com to­dos os teus tro­féus que fo­ram re­co­lhi­dos pe­los mes­mos três ou­ri­ves que os jo­ga­ram pa­ra den­tro do WC on­de pu­de­ram des­fa­zer os seus bri­lhos. Fa­ço con­tas do teu ódio atra­vés das an­ti­gui­da­des dos teus ter­ços. To­dos os ga­fa­nho­tos que des­ce­ram com o céu pre­so em su­as asas co­nhe­ce­ram a tua la­vra. 10.1 Fo­mos pa­ra o ta­pe­te on­de por des­cui­do dei­xei uma guar­da aber­ta, não me ti­nha pro­te­gi­do com co­to­ve­los e om­bros e uma for­te ra­zão pa­ra não cair no pri­mei­ro as­sal­to. As es­tre­las que são ar­ran­ca­das do chão são anéis da dor mais ina. Ten­tas­te des­fe­rir mais um gol­pe quan­do du­as mães cor­ri­am pa­ra o rin­gue pa­ra fa­ze­rem de mim o úl­ti­mo dos seus ilhos. O ár­bi­tro icou im­pá­vi­do, ti­nha me­do de er­guer as re­gras e já con­ta­va a mi­nha de­sis­tên­cia quan­do a pri­mei­ra mãe me dis­se que cor­res­se pe­la cal­ça­da on­de Deus an­dou des­cal­ço. O so­ba des­ceu do ca­ma­ro­te for­ra­do com ta­pe­tes ver­me­lhos, pa­rou on­de es­ta­va o si­no, to­cou-o com im­por­tân­cia e já di­an­te de ti or­de­nou que le­vas­ses os mur­ros pa­ra lá do ta­pe­te man­cha­do de san­gue. O ár­bi­tro pe­diu li­cen­ça pa­ra ar­ran­car uma fo­lha do li­vro que os ad­vo­ga­dos dei­xa­ram nu­ma es­tan­te pró­xi­ma do após­to­lo que in­ven­tou o cá­li­ce pa­ra as vi­tó­ri­as. Pa­re­ce até que os teus pu­nhos ti­nham uma dí­vi­da an­ti­ga que que­ri­as sal­dar atra­vés do meu des­fa­le­ci­men­to, po­di­as sem­pre es­co­lher uma car­pi­dei­ra sem sa­lá­ri­os. O pú­bli­co es­co­lheu: já po­dia olhar atra­vés da pra­ça on­de os he­róis são cui­da­dos com pa­la­vras que pre­ci­sam de ser re­pe­ti­das. Olhas­te pa­ra o so­ba e ele não te pe­diu que usas­ses os jo­e­lhos pa­ra que pu­des­ses vol­tar a di­ri­gir uma gu­er­ra. Fi­cas­te zan­ga­do por­que não ti­nhas co­mo ar­ran­car o ta­pe­te do úl­ti­mo as­sal­to e co­lo­cá-lo no co­ra­ção do País de­pois de to­dos só po­de­rem usar três pa­la­vras pa­ra to­das as ne­ces­si­da­des do co­ra­ção. (...) in Olí­mi­as, 2005

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.