A FOR­ÇA DAS PA­LA­VRAS

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA - PE­DRO ÂN­GE­LO

O ca­cim­bo já aca­bou há mui­to. O tem­po das chu­vas já tem me­ses de ac­ti­vi­da­de e no pla­nal­to vai cho­ven­do co­mo con­vém.

Mas aqui em Lu­an­da tei­ma não cho­ver e eu te­nho sau­da­des da chu­va.

Co­mo te­nho sau­da­des da chu­va e co­mo não sei quan­do irá cho­ver, ape­sar de ho­je de ma­nhã ter ca­cim­ba­do for­te, ape­te­ce-me con­vo­cá-la. É pa­ra is­so que ser­vem as pa­la­vras con­for­me, ma­gis­tral­men­te, nos en­si­na Bernardo So­a­res:

“Os cam­pos são mais ver­des no di­zer-se do que no seu ver­dor. As lo­res, se fo­rem des­cri­tas com fra­ses que as de inam no ar da ima­gi­na­ção, te­rão co­res de uma per­ma­nên­cia que a vi­da ce­lu­lar não per­mi­te. Não há na­da de re­al na vi­da que o não se­ja por­que se es­cre­veu bem.” […]”

En­tão vou re­cor­dar, pre­sen­ti icar, o dia 4 de De­zem­bro de 2009: “On­tem, sex­ta-fei­ra, choveu. Eu es­ta­va a sair do res­tau­ran­te on­de al­mo­ço ha­bi­tu­al­men­te, de­pois de ter, em três rá­pi­dos sor­vos, be­bi­do o ca­fé mor­no que me foi ser­vi­do na­que­las cha­ve­na­zi­nhas que usam nos ba­res, quan­do fui sur­pre­en­di­do pe­la chu­va. A prin­cí­pio a chu­va pa­re­cia pou­co con­vic­ta, pa­re­cia da­que­la chu­va que qua­se nos pe­de des­cul­pa de se pre­ci­pi­tar so­bre nós mas que num ins­tan­te pas­sa. Mas não pas­sou, en­gros­sou e quan­do che­guei a mi­nha ca­sa es­ta­va to­do mo­lha­do.

Des­pi-me, se­quei-me, ves­ti rou­pa se­ca e vol­tei pa­ra o meu ga­bi­ne­te de­pois de ter es­pe­ra­do um lon­go tem­po até a chu­va pa­rar.

No sá­ba­do, co­mo era de se pre­ver, as ru­as não as­fal­ta­das, es­ta­vam grá­vi­das da água que ti­nha caí­do no dia an­te­ri­or e que as ti­nham fru­ti ica­do dan­do ori­gem a, nal­guns ca­sos, ver­da­dei­ras la­go­as e nou­tros, gran­des la­ma­çais.

Cir­cu­la­va pois com to­dos os cui­da­dos que a si­tu­a­ção, nes­tes ca­sos, exi­ge, quan­do ve­jo no meio do la­ma­çal uma da­que­las mo­to­ri­za­das de três ro­das bem car­re­ga­da, uma ver­da­dei­ra ku­pa­pa­ta, pa­ra­da e sem nin­guém en­ci­ma de­la. Ao la­do da es­tra­da, em lo­cal se­co es­ta­va o seu mo­to­ris­ta, com ar de­ses­pe­ra­do a olhar pa­ra ela. Pa­rei e per­gun­tei­lhe se era o do­no da ku­pa­pa­ta:

– Co­lou – dis­se-me ele num mis­to de es­pe­ran­ça e de an­gús­tia. «CO-LOU». Co­lou. Já vi­ram bem a for­ça da pa­la­vra: CO­LOU.

Re­pa­rem: A ma­jes­to­sa lín­gua por­tu­gue­sa em re­gis­to não li­te­rá­rio uti­li­za­ria a pa­la­vra «atas­cou», «en­ter­rou», « icou pre­sa na la­ma». Mas não, na­da dis­so: «a mo­to­ri­za­da CO­LOU».

Co­lou é uma for­ma ver­bal de co­lar que, se­gun­do Jo­sé Pe­dro Ma­cha­do é uma pa­la­vra que re­sul­tou da ver­ba­li­za­ção do no­me, co­la, com o sig­ni ica­do de gru­de, que en­trou na lín­gua por­tu­gue­sa pe­lo fran­cês, col­le, que por sua vez vem do la­tim, col­la, que veio do gre­go, kol­la. A pa­la­vra co­lar sig­ni ica li­te­ral­men­te unir mas em ex­pres­são Ca­bo­ver­di­a­na po­de­mos ajun­tar-lhe o sen­ti­do de brin­car, fes­te­jar. CO­LOU! – dis­se ele sim­ples­men­te. Já vi­ram a ri­que­za de sen­ti­dos que se ligam a es­ta pa­la­vra e que le­vam a que ca­da um re­crie um uni­ver­so par­ti­cu­lar on­de en­tram em lu­ta vá­ri­as for­ças, é a for­ça da inér­cia re­sul­tan­te da ve­lo­ci­da- de a que a mo­to­ri­za­da se des­lo­ca­va e que lu­ta­va pa­ra a man­ter em mo­vi­men­to, a for­ça da ro­ta­ção da bi­e­la que ac­ci­o­na­da pe­lo mo­tor tei­ma­va em fa­zer gi­rar as ro­das de mo­do a que a des­lo­ca­ção pa­ra a fren­te se man­ti­ves­se, a for­ça elás­ti­ca da ter­ra ar­gi­lo­sa fru­ti ica­da pe­la água da chu­va que a tor­nou la­ma e que pro­cu­ra­va atrair pa­ra si o cor­po fu­gi­ti­vo da mo­to­ri­za­da… E es­ta, a ku­pa­pa­ta… CO­LOU. Su­cum­biu a um jo­go tre­men­do que a tor­nou iner­te e sub­ju­ga­da pe­lo mun­do pre­nhe e re­vol­to de água da chu­va, ter­ra ar­gi­lo­sa, ruí­dos e ex­plo­sões zan­ga­das do mo­tor que, en­ver­go­nha­do por não cum­prir o seu pa­pel que é de tor­nar mó­vel a mo­to­ri­za­da, se ren­deu a ele, a es­se jo­go: CO-LOU. Que pa­la­vra! Lem­bro-me co­mo se fos­se ho­je que pas­sa­da qua­se uma se­ma­na, es­sa pa­la­vra con­ti­nu­a­va a fru­ti icar no meu es­pí­ri­to por­que ela não é um mor­fe­ma le­xi­cal iner­te e com um sig­ni ica­do re­gis­ta­do em di­ci­o­ná­rio, ela é o sig­ni ican­te vi- vo que se sol­tou da­que­le qua­dro pro­ta­go­ni­za­do pe­la es­tra­da la­ma­cen­ta, pe­la ku­pa­pa­ta atas­ca­da, pe­lo seu mo­to­ris­ta e por mim. Ela, ain­da ago­ra, vem em on­das até ao meu es­pí­ri­to e cum­pre su­a­ve­men­te, sem anún­ci­os rui­do­sos, dum mo­do qua­se en­ver­go­nha­do o seu pa­pel re­cri­an­do no re­cep­tor a pos­si­bi­li­da­de de se sen­tir en­vol­vi­do nes­se mun­do in­tran­si­ti­vo a que nos re­me­te o tex­to li­te­rá­rio. Per­gun­ta­rão os meus lei­to­res: – E o que acon­te­ceu? Aju­dei a de­sa­tas­car a mo­to­ri­za­da até que ela, sen­tin­do-se li­vre, con­ti­nu­ou, com o seu mo­to­ris­ta, a sua vi­da.

Uma ma­mã pas­sa­va per­to, veio ter co­mi­go e, fa­lan­do bai­xi­nho dis­se-me:

– Fi­zes­te bem.”

Ku­pa­pa­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.