AMOR SOB O MAN­TO DO SOL-POENTE

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

Três pal­mos de dis­tân­cia se­pa­ra­vam dois cor­pos uni­dos por um mes­mo sen­ti­men­to, o amor si­len­ci­o­so! Por en­tre nós, o sol- poente dan­ça­va no ho­ri­zon­te ala­ran­ja­do que se es­ten­dia no man­to na­tu­ral e ilu­mi­na­va o céu re­flec­ti­do so­bre os nos­sos olhos en­tre­gues a con­tem­pla­ção do be­lo. O con­tras­te es­té­ti­co de­se­nha­do nas nu­vens acam­pou- se bem ao nos­so la­do e cla­re­ou a su­per­fí­cie si­nu­o­sa on­de os nos­sos pés pa­re­ci­am flu­tu­ar. Si­lên­cio! A be­le­za uni­ver­sal do mun­do deu- se a co­nhe­cer sem ne­nhum ba­ru­lho. Até a di­vin­da­de do sol pa­re­cia so­no­len­ta. Di­fe­ren­te da sin­fo­nia dos ho­mens, ha­via uma can­ção si­len­ci­o­sa sob os nos­sos pés.

Tar­de me­mo­rá­vel! As fo­lhas chei­ro­sas da acá­cia des­mai­a­ram sob os ace­nos fas­ci­na­dos do sol, qual nós em­be­bi­dos de uma mo­ci­da­de pre­sa nos en- can­tos do amor vi­vi­do mas não re­ve­la­do. Em tran­se, os de­se­jos es­con­di­dos sob os len­çóis da ver­go­nha qua­se que sai­am da mi­nha bo­ca em de­cla­ra­ções apai­xo­nan­tes, mas ti­ve que me ca­lar e apre­ci­ar o fas­cí­nio. Re­ce­a­va es­tra­gar aque­le mo­men­to úni­co e tão nos­so. Quan­do de mo­do inu­si­ta­do no meu ou­vi­do dei­tou-se uma mú­si­ca me­ló­di­ca or­ques­tra­da pe­los chil­re­ar dos pás­sa­ros mul­ti­co­lo­res que bei­ja­vam-se no úte­ro dos ni­nhos re­pro­du­to­res que ba­loi­ça­vam so­bre os aga­sa­lhos dos tron­cos da lin­da acá­cia. De ini­ti­va­men­te o mun­do já não era o mes­mo!

Aos pou­cos os deu­ses de­ci­di­ram ba­nhar seus cor­pos no chu­vei­ro do tem­po. E uma chu­va miu­di­nha ga­nha­va vi­da. O se­re­no to­ca­va os nos­sos cor­pos com bran­du­ra. A Rosa, en­tre­gue a li­ber­da­de na­tu­ral das coi­sas, com a bo­ca aber­ta, ab­sol­via as par­tí­cu­las d’água que do céu caia. “Co­mo ela é tão lin­da e pu­ra. Pa­re­ce um ser se­mi­deus aco­mo­da­do num va­so per­fei­to.”

No pre­ci­so ins­tan­te per­ce­bi, por aca­so, que já nos amá­mos em ou­tras en­car­na­ções. De ím­pe­to de­pa­rei- me com o ros­to de­la, pró­xi­mo do meu, des­lum­bran­te e des­ti­lan­do pa­ra mim a ale­gria do Uni­ver­so. Bei­jou-me com so­fre­gui­dão. Con­fes­so, vi­a­jei na le­ve­za da­que­les lá­bi­os de fru­ta. “Mi­nha dé­ci­ma mu­sa! Fa­rei de ti um o sol que mais bri­lha no ho­ri­zon­te ró­seo do meu co­ra­ção apai­xo­na­do.”

De­pois do bei­jo já não se ou­via o can­tar dos pás­sa­ros so­bre os tron­cos da acá­cia. Re­ti­ra­mos a ma­qui­lha­gem das nos­sas al­mas e ma­tá­mos a ti­ra­nia da mo­ral cris­tã. So­bre as asas da pai­xão éra­mos só nós, des­nu­dos, a con­tem­plar o si­lên­cio en­can­ta­do do sol­po­en­te que se en­tre­ga­va ao re­pou­so da noi­te que nos ofe­re­ceu o ban­que­te da vi­ta­li­da­de he­dó­ni­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.