CO­MO LI “NZA­JI, O ÚL­TI­MO CON­TRA­TA­DO” DO ES­CRI­TOR DO­MIN­GOS DE BAR­ROS NE­TO

Jornal Cultura - - LETRAS - PAU­LO CAM­POS

Na re­a­li­da­de é pre­ci­so ter- se uma sen­si­bi­li­da­de enor­me; é pre­ci­so ter­se vi­vi­do nes­sa épo­ca “es­cu­ra”, pa­ra po­der re­tra­tar com tan­to por­me­nor a vida dos que se es­for­ça­vam pa­ra so­bre­vi­ve­rem, lon­ge dos fa­mi­li­a­res. E mes­mo qu­an­do as­sen­ta­vam ar­rai­ais na “ter­ra dos ou­tros”, lo­go sur­gia a tor­tu­ra da sau­da­de bem co­mo a in­com­pre­en­são a di­fi­cul­ta­rem tu­do, co­mo acon­te­ceu ao Nza­ji. Que vida in­fe­liz te­ve o Nza­ji, que so­freu a ex­plo­ra­ção de to­dos os que se di­zi­am pro­tec­to­res da sua vida e que­ri­am aju­dá-lo! Qu­an­ta trai­ção! No en­tan­to, co­mo se­ria a vida se vol­tas­se pa­ra a ter­ra na­tal? Bem que se es­for­çou, o coi­ta­do, pro­cu­ran­do au­men­tar o seu ren­di­men­to eco­nó­mi­co, mas a mor­te foi mais cé­le­re e nem mes­mo o en­fer­mei­ro Casimiro pô­de cu­rá- lo co­mo o fez na pri­mei­ra vez que ado­e­ceu qua­se mor­tal­men­te! Te­rá si­do de­vi­do ao fei­ti­ço ir­re­mo­ví­vel da se­nho­ra Bran­ca Ma­kin­da, sua úl­ti­ma pa­troa?

Po­de di­zer-se ba­si­ca­men­te, usan­do ex­pres­são alheia, que Bar­ros Ne­to foi um ar­tis­ta que se ex­pres­sou com pa­la­vras. As co­res da me­lhor pin­tu­ra da re­a­li­da­de afri­ca­na não te­ri­am ex­pres­sa­do me­lhor “es­te dar mui­to e re­ce­ber pouquís­si­mo dos “mo­na a ngam­ba”.

Es­tá de pa­ra­béns o es­cri­tor, por­que o seu li­vro, em­bo­ra pe­que­no, es­tá re­ple­to de ex­tra­or­diá­ria co­mu­ni­ca­bi­li­da­de, que me aju­dou imen­so; apren­di no­vas nu­an­ces da lin­gua­gem. Apren­di co­mo ser con­ci­so no pen­sa­men­to e ex­pres­sá-lo com as pa­la­vras cer­tas; nem mais nem me­nos. In­crí­vel!

O li­vro pro­veio, a meu ver, da ló­gi­ca da al­ma ri­ca, sen­sí­vel e hu­mil­de de Bar­ros Ne­to. Foi por is­so que acei­tei in­te­grar a vida quo­ti­di­a­na di­fí­cil da “ma­ter­ni­da­de”; a vida pe­cu­li­ar dos que te­ce­ram as me­mó­ri­as do Don­do, de en­tão. Ti­ve a opor­tu­ni­da­de de so­frer e cho­rar e tam­bém par­ti­lhar com eles os mo­men­tos da eu­fo­ria dos po­bres. Apre­ci­ei com eles os can­ta­res e be­be­dei­ras pa­ra le­ni­ti- vo dos ma­les do cor­po e da al­ma.

Mas o que me im­pres­si­o­nou pro­fun­da­men­te – e me re­pug­na ain­da ago­ra – foi a in­ve­ja acir­ra­da dos cor­re­li­gi­o­ná­ri­os. A di icul­da­de das pes­so­as só tra­ba­lha­rem se o chi­co­te do co­lo­no es­ti­ver à vis­ta pa­ra os aco­çar; que não acei­tam que in­di­ví­du­os da mes­ma li­nha­gem as di­ri­jam. Com es­tes, in­gem que fa­zem al­gu­ma coi­sa; com aque­les dão o cou­ro e o ca­be­lo.

De na­da va­leu ao Nza­ji ter si­do no­me­a­do ca­pa­taz ad­jun­to, pos­to que lhe au­men­tou ain­da mais o tra­ba­lho e a in­com­pre­e­são dos de­mais. In­fe­liz­men­te é es­sa a for­ma­ta­ção psi­co­ló­gi­ca de qui­nhen­tos anos de co­lo­ni­a­lis­mo, que nos con­ti­nua a acor­ren­tar, sub­ju­gar e sub­de­sen­vol­ver.

Nos nos­sos di­as, ain­da há resquí­ci­os des­sa men­ta­li­da­de de­gra­dan­te da pes­soa hu­ma­na. A ideia de que o tra­ba­lho dig­ni­fi­ca o ho­mem e a so­ci­e­da­de – apa­ná­gio das so­ci­e­da­des que evo­luí­ram – ain­da não ga­nhou raí­zes em mui­tas pes­so­as, que fa­zem qual­quer coi­sa sem a me­re­ci­da ex­ce­lên­cia. Quem de­ra que es­sa men­ta­li­da­de pu­des­se ser re­mo­de­la­da na to­ta­li­da­de, não im­por­ta em quan­tas de­ze­nas de anos!

A ex­ce­lên­cia, de fac­to, é sem­pre o re­fle­xo de ba­ses in­te­lec­tu­al e mo­ral só­li­das; de mui­tos anos de tra­ba­lho e de­di­ca­ção; de boa ori­en­ta­ção e cons­ci­en­ti­za­ção; de boa for­ma­ta­ção men­tal; de bo­as prá­ti­cas, en­fim. O es­cri­tor Bar­ros Ne­to tem to­do es­se subs­trac­to e mais al­gum. É o que se po­de cha­mar uma pes­soa cul­ta e, mais do que is­so, hu­mil­de e sim­ples. É, em meu en­te­der, um exem­plo a se­guir, uma ver­da­dei­ra re­fe­rên­cia.

O li­vro “Nza­ji, O Úl­ti­mo Con­tra­ta­do” do es­cri­tor Do­min­gos Fer­nan­des de Bar­ros Ne­to tem, sem exa­ge­ro al­gum, o se­lo da ex­ce­lên­cia, no ver­da­dei­ro sen­ti­do da pa­la­vra e bro­tou “ex abun­dan­tia cor­dis” e po­de ser apon­ta­do co­mo o exem­plo da ar­te de “bem cal­val­gar to­da a se­la” em ter­mos da es­cri­ta. De ini­ti­va­men­te não se es­cre­ve pa­ra en­sai­ar, mas pa­ra le­gar à so­ci­e­da­de um ins­tru­men­to ade­qua­do de re le­xão e de­sen­vol­vi­men­to. Bem ha­ja.

O es­cri­tor Bar­ros Ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.