INVOCAÇÃO DO QUO­TI­DI­A­NO AN­GO­LA­NO

Jornal Cultura - - ARTES - MATADI MAKOLA|

“Gen­te da mi­nha ter­ra”, ex­pos­ta na ga­le­ria ELA de 17 de No­vem­bro a 7 de De­zem­bro, reú­ne as mais di­ver­sas ma­ni­fes­ta­ções ar­tís­ti­cas do an­go­la­no Gui­zef. As obras ex­pos­tas fo­ram cri­a­das ten­den­ci­al­men­te pa­ra sau­dar mais um aniversário da in­de­pen­dên­cia an­go­la­na. Mas, no que se vê do seu de­sen­vol­vi­men­to pic­tu­ral e lin­gua­gem es­té­ti­ca, po­de-se con­cluir ser um re­su­mo de uma li­nha de pin­tu­ra que o ar­tis­ta ofe­re­ce des­de a sua pri­mei­ra apa­ri­ção. Nes­ta ex­po­si­ção Gui­zef con­ti­nua as su­as pre­o­cu­pa­ções nas de ini­ções de ros­to, prin­ci­pal­men­te fe­mi­ni­no, e no jo­go de con­tras­te das co­res e ex­pres­sões hu­ma­nas cap­ta­das em te­las.

Au­gus­to Ze­fe­ri­no Gui­lher­me ´Gui­zef´, dis­se-nos que foi ain­da em ida­de ten­ra que ou­tras pes­so­as in­di­ci­a­vam que o me­ni­no sem­pre ul­tra­pas­sa­va as ex­pec­ta­ti­vas qu­an­do de­ci­dis­se de­se­nhar. À pro­cu­ra de sos­se­go, uma boa par­te da sua fa­mí­lia emi­gra pa­ra o Con­go De­mo­crá­ti­co, on­de aí viu-se se­du­zi­do a fre­quen­tar a es­co­la de Be­las Artes da­que­le país. O re­sul­ta­do des­ta ten­ta­ti­va que cha­ma de in­des­cri­tí­vel não foi mais se­não a res­pos­ta que guar­da e pro­me­te nun­ca es­que­cer: “Tu não tens ca­ra de ar­tis­ta. Eu re­co­nhe­ço um ar­tis­ta qu­an­do o ve­jo”, dis­se­ram-lhe os ava­li­a­do­res. Con­ven­ci­do que era um jul­ga­men­to ab­sur­do, o ra­paz pe­diu que o tes­te fos­se fei­to em ba­se aos seus de­se­nhos. Mas não adi­an­tou em na­da, por­que os re­pre­sen­tan­tes da ins­ti­tui­ção sim­ples­men­te con­ti­nu­a­ram acen­su­ra­ra-lo, cer­tos de que não es­ta­vam em pre­sen­ça de um po­ten­ci­al ar­tis­ta plás­ti­co. Me­ni­no tí­mi­do, dis­se con­si­go mes­mo que po­di­am ter ra­zão. Is­so re­sul­tou na sua fu­ga aos câ­no­nes es­ta­be­le­ci­dos aca­de­mi­ca­men­te, sen­do um ar­tis­ta que não pas­sou o ici­al­men­te nas es­co­las de ar­te. Con­se­guiu o co­nhe­ci­men­to ge­ral des­ta dis­ci- pli­na ar­tís­ti­ca por meio de mui­ta lei­tu­ra e con­ví­vio com obras e ou­tros ar­tis­tas. Es­pon­ta­ne­a­men­te, tu­do que era ar­te o atraia, prin­ci­pal­men­te a for­ma cons­tru­ti­va das for­mas e ân­gu­los.

Em inais dos anos 90 re­gres­sa ao país, e ape­nas­pin­ta­va em con­ví­vio res­tri­to, pa­ra ami­gos e pa­ra si mes­mo, sem qual­quer in­ten­ção de ex­por o seu tra­ba­lho ao sen­so crí­ti­co lu­an­den­se. Nos anos 2000 tra­va ami­za­de com um ar­tis­ta, co­nhe­ce­dor e aca­dé­mi­co das Be­las Artes, que achou a sua téc­ni­ca de pin­tu­ra cu­ri­o­sís­si­ma. A re­la­ção se es­ten­deu e vá­ri­os de­ba­tes à vol­ta das cor­ren­tes es­té­ti­cas fo­ram nas­cen­do, aju­dan­do a ama­du­re­cer Gui­zef e a po­si­ci­o­na-lo no con­tex­to do mer­ca­do lu­an­den­se. É es­se ami­go que o con­vi­da a ex­por os seus qua­dros, mes­mo con­tra von­ta­de de Gui­zef, que es­ta­va re­ce­o­so e ain­da tí­mi­do pa­ra com o seu ta­len­to, de­fen­den­do-se di­zen­do que “não gos­ta­ria de che­gar aon­de não é es­pe­ra­do, nem mui­to me­nos dar so­co no ven­to”. Gui­zef ti­nha re­ceio que os seus tra­ba­lhos não fos­sem ob­jec­tos de cri­a­ção de opi­nião jun­to dos apre­ci­a­do­res de ar­te, que não ti­ves­se for­ça su ici­en­te que cha­mas­se aten­ção pe­la pe­cu­li­a­ri­da­de do seu tra­ço ar­tís­ti­co.

A ex­po­si­ção na Ga­le­ria Ce­la­mar

En im, fe­cha-se pa­ra uma ex­po­si­ção. Foi re­cri­an­do vá­ri­os tra­ba­lhos seus e pas­san­do a pin­tu­ra so­bre­pos­ta a tra­ba­lhos já fei­tos, uma téc­ni­ca usu­al de mes­tres co­mo Le­o­nard Da Vin­ce, que nor­mal­men­te cau­sa­va, na mis­tu­ra en­tre o an­ti­go e o no­vo, uma no­va ex­pres­são ao qua­dro.

27 de Ju­nho de 2014, na Ga­le­ria Ce­la­mar, da tam­bém ar­tis­ta Mar­ce­la Cos­ta, à Ilha de Lu­an­da, acon­te­ce a pri­mei­ra ex­po­si­ção, que jus­ti icou o tí­tu­lo ´Fe­edBack´, tu­do por­que pre­ci­sa­va ver de vol­ta o mes­mo amor e em­pe­nho in­ves­ti­dos no pro­ces­so de fei­tu­ra da ex­po­si­ção. Foi mar­can­te, mes­mo que te­nha che­ga­do lá car­re­ga­do de dí­vi­das, pe­lo cus­to ge­ral de to­do o tra­ba­lho, da pro­du­ção à ex­po­si­ção. Ain­da no fi­nal des­te mes­mo ano de 2014,no Sa­lão In­ter­na­ci­o­nal da UNAP, sai a ex­po­si­ção “O Bri­lho da Al­ma”, que veio jus­ti­fi­car o seu es­ti­lo e tra­ço ar­tís­ti­co, bem co­mo os per­so­na­gens e he­roí­nas do seu cos­mo ar­tís­ti­co. Tam­bém fi­cou lon­ge de ser um su­ces­so de ven­das, tal­vez por­que as pes­so­as ain­da es­ti­ves­sem a di­ge­rir a sua obra, que cau­sou um cer­to es­tra­nha­men­to no ali­nha­men­to das co­res, e tam­bém uma cer­ta ra­zo­a­bi­li­da­de na con­cep­ção da ima­gem.

Saí­da em 2015 no Me­mo­ri­al Agos­ti­nho Ne­to, a ex­po­si­ção ´Ku­zu­a­taKu­aI­xiYe­tu (ves­ti­res da nos­sa ter­ra)´ apre­sen­tou con­tor­nos e uma mis­tu­ra de co­res até en­tão não vis­ta na obra de Gui­zef, em­bo­ra te­nham, no de­se­nho e te­má­ti­ca, se­gui­do as du­as pri­mei­ras. Con­sa­gra-o en­quan­to ar­tis­ta, tan­to em ter­mos de ven­da co­mo em con­tac­to e re­qui­si­ção a ga­le­ris­tas do es­tran­gei­ro.

Ku­zu­a­ta em Mi­lão

Pas­sa­do al­guns me­ses de con­tac­to e co­la­bo­ra­ções pro ícu­as, em Ou­tu­bro des­te ano Gui­zef le­va ´ Ku­zu­a­taKu­aI­xiYe­tu´ a Mi­lão, exac­ta­men­te na ga­le­ria do Grand Vis­con­ti de Pa­la­ce, num lu­xu­o­so ho­tel de cin­co es­tre­las, dan­do iní­cio ao pro­pó­si­to de uma an­dan­ça pe­lo mun­do. As 13 obras que o ar­tis­ta an­go­la­no le­vou fo­ram re­ce­bi­das com gran­de en­tu­si­as­mo, tan­to que icam ex­pos­tas até 31 de De­zem­bro.

Hou­ve tam­bém mo­men­tos me­nos bons.A aber­tu­ra da ex­po­si­ção acon­te­ceu sem a pre­sen­ça da co­mu­ni­da­de an­go­la­na e te­ve pou­ca repercussão na im­pren­sa ita­li­a­na, atrain­do ape­nas ou­tras ga­le­ri­as e co­lec­ci­o­na­do­res que ma­ni­fes­ta­ram o seu in­te­res­se em co­o­pe­rar com Gui­zef, prin­ci­pal­men­te ga­le­ris­tas es­pe­ci­a­lis­tas em obras afri­ca­nas. Mas, pa­ra os an­go­la­nos que mo­ram na Itá­lia ou com des­ti­no a Itá­lia nes­te im de ano, ali te­rão opor­tu­ni­da­de em vi­si­tar a ex­po­si­ção des­te ar­tis­ta an­go­la­no, que só fe­cha a 31 des­te De­zem­bro e que já le­va co­mo pro­pos­ta qua­se ga­ran­ti­da a pas­sa­gem nu­ma ou­tra ca­sa de ar­te ita­li­a­na, pre­vis­ta pa­ra iní­cio de 2017.

Gui­zef jun­to da sua obra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.