A CRÍ­TI­CA E O JOR­NA­LIS­MO SE­ME­AR NO­VOS VEN­TOS PA­RA CO­LHER ME­LHO­RES FRU­TOS

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA - ADRI­A­NO DE ME­LO |

Qu­an­do AbrahamLin­coln, o 16º pre­si­den­te dos EUA, dis­se: “Só tem o di­rei­to de cri­ti­car aque­le que pre­ten­de aju­dar”, ele, com cer­te­za, não se re­fe­ria àcul­tu­ra, mas sim à área que do­mi­na­va, a po­lí­ti­ca. Mas, ho­je, es­ta fra­se po­de ser usa­da co­mo uma “mas­ter­pi­e­ce”na cons­tru­ção de uma ide­o­lo­gia as­sen­te na re­la­ção de res­pei­to en­tre o cri­a­dor e o pú­bli­co.

Lin­coln foi um ho­mem além do seu tem­po. A sua lu­ta pe­la abo­li­ção da es­cra­va­tu­ra e a união dos nor­te-ame­ri­ca­nos o tor­na­ram uma igu­ra de re­fe­rên­cia mun­di­al, mas é o seu pen­sa­men­to, em es­pe­ci­al o de­di­ca­do à crí­ti­ca, a ba­se des­te tex­to.

In­ter­pre­tar, ava­li­ar e jul­gar o tra­ba­lho ar­tís­ti­co de ou­trem é um de­sa io ao qual to­dos os apre­ci­a­do­res de artes (não im­por­ta o gé­ne­ro) de­vem se pro­por as­su­mir, em es­pe­ci­al os jor­na­lis­tas, co­mo for­ma­do­res de opi­nião, com a obri­ga­ção de dar aos seus lei­to­res uma pers­pec­ti­va di­fe­ren­te do pro­du­to con­su­mi­do, a no­tí­cia.

Ac­tu­al­men­te, a crí­ti­ca ain­da não se faz sen­tir no país, co­mo nos gran­des pe­rió­di­cos e ór­gãos de in­for­ma­ção de paí­ses eu­ro­peus ou nor­te-ame­ri­ca­nos, on­de, às ve­zes, o su­ces­so ou fra­cas­so do ar­tis­ta em mui­to de­pen­de, pri­mei­ro, da re­cep­ção po­si­ti­va do seu tra­ba­lho pe­lo jor­na­lis­ta.

Ge­ral­men­te, a au­sên­cia de crí­ti­cos es­pe­ci­a­li­za­dos, ou de uma “boa ou má” crí­ti­ca, quer do pú­bli­co ou jor­na­lis­tas, nas artes,le­va a obra a ser vis­ta co­mo uma me­ra “com­mo­dity” (mer­ca­do­ria), ou me­lhor, um pro­du­to su­per ici­al.Pa­ra o crí­ti­co e pro­fes­sor de ilo­so ia no­ru­e­guês LarsS­vend­sen “a crí­ti­ca de­ve ser in­de­pen­den­te e tra­zer com cla­re­za a des­cri­ção, a in­ter­pre­ta­ção e a con­tex­tu­a­li­za­ção da obra”.

Svend­sen acre­di­ta que o jor­na­lis­mo tem um pa­pel fun­da­men­tal na avaliação da pro­du­ção de bens de con­su­mo e usa mes­mo um ter­mo do so­ció­lo­go fran­cês, Pi­er­re Bour­di­eu, pa­ra re­for­çar que a im­pren­sa é res­pon­sá­vel por “cri­ar cri­a­do­res”. Po­rém, es­cla­re­ce que a crí­ti­ca é um gé­ne­ro de co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca, que não tem na­da a ver com a pro­mo­ção, ac­to fei­to pe­las as­ses­so­ri­as de im­pren­sa, cu­ja lin­gua­gem aca­ba sen­do re­pro­du­zi­da na mé­dia.

O jor­na­lis­ta e crí­ti­co de ar­te bra­si­lei­ro Ja­cob Klin­towitz, au­tor de 102 li­vros so­bre o as­sun­to, dei­xou is­so cla­ro qu­an­do dis­se que “a ra­ri­da­de de ver­da­dei­ra crí­ti­ca im­pe­de a in­ter­lo­cu­ção en­tre ar­te e so­ci­e­da­de e di icul­ta a cri­a­ção de uma gran­de ar­te. O que ob­ser­va­mos é a re­pe­ti­ção me­câ­ni­ca de idei­as e prin­cí­pi­os, e a lou­va­ção não es­pe­ci­a­li­za­da, ig­no­ran­te, te­me­ro­sa e ba­ju­la­do­ra com as for­mas apa­ren­tes da van­guar­da ou da cri­a­ção. A au­sên­cia de pen­sa­men­to crí­ti­co im­pe­de que se es­tu­dem as for­mas no seu con­tex­to es­té­ti­co e so­ci­al. Elas pas­sam a ser ‘na­tu­rais’, eter­nas, imo­bi­li­zan­do a so­ci­e­da­de co­mo um pro­ces­so per­ma­nen­te de trans­for­ma­ção. Mor­re a me­ta­mor­fo­se. Saú­da-se a imo­bi­li­da­de”.

As­sim, ape­sar do gos­to, ou sen­si­bi­li­da­de de quem ana­li­sa o tra­ba­lho de um ar­tis­ta pe­sar mui­to na de­ci­são des­te, os jor­na­lis­tas, par­ti­cu­lar­men­te os li­ga­dos as edi­to­ri­as de cul­tu­ra e jor­nais es­pe­ci­a­li­za­dos do gé­ne­ro, pre­ci­sam co­me­çar a ter um pa­pel de mai­or des­ta­que nes­te pro­ces­so, de for­ma a ga­ran­ti­rem ao pú­bli­co (e ao “arquivo” da pró­xi­ma ge­ra­ção) pro­du­tos ar­tís­ti­cos de me­lhor qua­li­da­de.

O crí­ti­co, cla­ro, é al­guém for­ma­do nu­ma de­ter­mi­na­da ar­te, com for­ma­ção ade­qua­da pa­ra te­cer comentários so­bre um de­ter­mi­na­do tra­ba­lho. Po­rém, de uma for­ma mais am­pla, to­dos fi­ze­mos crí­ti­ca na vida diá­ria, des­de os nos­sos la­res aos lo­cais de tra­ba­lho. Se ne­ga­ti­va ou po­si­ti­va, es­ta crí­ti­ca é fei­ta sem­pre no sen­ti­do de me­lho­ria, no in­tui­to de bus­car o me­lhor do cri­ti­ca­do, e co­mo dis­se o pa­dre e es­cri­tor Nor­manPe­a­le, con­si­de­ra­do o “mi­nis­tro dos mi­lhões de ou­vin­tes”, “O mal de qua­se to­dos nos é que pre­fe­ri­mos ser ar­rui­na­dos pe­lo elo­gio a ser sal­vos pe­la crí­ti­ca.”

Pa­ra o au­tor de “O Po­der do Pen­sa­men­to Po­si­ti­vo” é im­por­tan­te que as pes­so­as res­pei­tem a crí­ti­ca. “Nun­ca re­a­ja emo­ci­o­nal­men­te às crí­ti­cas. Ana­li­se a si mes­mo pa­ra de­ter­mi­nar se elas são jus­ti ica­das. Se fo­rem, cor­ri­ja-se. Ca­so con­trá­rio, con­ti­nue vi­ven­do nor­mal­men­te”, di­zia.

Nes­ta fa­se de re­cons­tru­ção do país, es­te tra­ba­lho é um de­sa io a ser im­ple­men­ta­do o mais rá­pi­do pos­sí­vel, de for­ma que os ar­tis­tas te­nham tam­bém a obri­ga­ção de apre­sen­ta­rem tra­ba­lhos con­dig­nos. É al­tu­ra de pri­mar­mos mais pe­la qua­li­da­de ao in­vés de quan­ti­da­de. Cla­ro que a ideia não é “es­ma­gar” os emer­gen­tes, mas sim obri­ga-los a co­me­ça­rem a es­for­çar-se mais, aquan­do da ela­bo­ra­ção dos seus tra­ba­lhos.

Rec­ti­dão vs ou­sa­dia

O jor­na­lis­ta de­ve se ater ape­nas aos fac­tos. Es­ta é uma re­gra de ou­ro des­ta pro­fis­são, por­que só mes­mo o de­sa­fio de re­la­tar a in­for­ma­ção exac­ta­men­te co­mo o fac­to acon­te­ceu já é uma ta­re­fa ex­tre­ma­men­te com­ple­xa e no­bre. Mas es­ta ta­re­fa não de­ve im­pe­dir es­te de acei­tar no­vos de­sa­fi­os. A crí­ti­ca é um de­sa­fio que to­dos os jor­na­lis­tas li­ga­dos a área cul­tu­ral, de qual­quer ór­gão de in­for­ma­ção ou re- vis­ta es­pe­ci­a­li­za­da, de­vem abra­çar.

“Por­que o jor­na­lis­mo é uma pai­xão in­sa­ciá­vel que só se po­de di­ge­rir e hu­ma­ni­zar me­di­an­te a con­fron­ta­ção des­car­na­da com a re­a­li­da­de. Quem não so­freu es­sa ser­vi­dão que se ali­men­ta dos im­pre­vis­tos da vida, não po­de ima­gi­ná-la. Quem não vi­veu a pal­pi­ta­ção so­bre­na­tu­ral da no­tí­cia, o or­gas­mo do fu­ro, a de­mo­li­ção mo­ral do fra­cas­so, não po­de se­quer con­ce­ber o que são. Nin­guém que não te­nha nas­ci­do pa­ra is­so e es­te­ja dis­pos­to a vi­ver só pa­ra is­so po­de­ria per­sis­tir nu­ma pro is­são tão in­com­pre­en­sí­vel e vo­raz, cu­ja obra ter­mi­na de­pois de ca­da no­tí­cia, co­mo se fo­ra pa­ra sem­pre, mas que não con­ce­de um ins­tan­te de paz en­quan­to não tor­na a co­me­çar com mais ar­dor do que nun­ca no mi­nu­to se­guin­te”. Pa­ra Gabriel Gar­cíaMár­quez es­sa é a es­sên­cia do jor­na­lis­mo. A bus­ca in­ter­mi­ná­vel por co­nhe­ci­men­to e ter o dis­cer­ni­men­to de mos­trar os er­ros sem­pre que es­tes exis­ti­rem.

Por is­so, em­bo­ra, co­mo dis­se o jor­na­lis­ta bra­si­lei­ro Fe­li­pe Pe­na, “no jor­na­lis­mo, não há ibro­se. O te­ci­do atin­gi­do pe­la ca­lú­nia não se re­ge­ne­ra. As fe­ri­das aber­tas pe­la di­fa­ma­ção não ci­ca­tri­zam. A re­tra­ta­ção nun­ca tem o mes­mo es­pa­ço das acu­sa­ções” é pre­ci­so um mai­or cui­da­do e in­te­res­se da clas­se jor­na­lís­ti­ca an­go­la­na, li­ga­da a cul­tu­ra, qu­an­to ao con­teú­do dos tra­ba­lhos apre­sen­ta­dos, de ar­tis­tas con­sa­gra­dos e es­tre­an­tes.

Ofac­to de o “jor­na­lis­mo cul­tu­ral”se­ra es­pe­ci­a­li­za­ção nos fac­tos re­la­ci­o­na­dos à cul­tu­ra lo­cal, na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, em su­as di­ver­sas ma­ni­fes­ta­ções, obri­ga-nos a ter­mos uma no­ção di­fe­ren­te e mais ana­lí­ti­ca so­bre os mo­vi­men­tos cul­tu­rais e os seus fa­ze­do­res. Às ve­zes, al­guns des­tes ór­gãos são li­mi­ta­dos, de­vi­do a na­tu­re­za das su­as pá­gi­nas, por­que li­gar, ou se­pa­rar, in­for­ma­ção de aná­li­se é um exer­cí­cio mui­to di­fí­cil.

Ac­tu­al­men­te, os ór­gãos de in­for­ma­ção na­ci­o­nais têm pá­gi­nas, ru­bri­cas e pro­gra­mas des­ti­na­dos a pro­du­ção ar­tís­ti­ca an­go­la­na, mas a mai­o­ria ain­da é li­mi­ta­da a di­vul­ga­ção dos fac­tos, ao in­vés de aná­li­ses so­bre as obras pro­pos­tas. Po­rém, pa­ra is­so con­tri­bu­em em par­te a fal­ta de in­te­res­se dos jor­na­lis­tas­por ir mais além e por ou­tro la­do os cri­a­do­res e edi­to­ras que não apre­sen­tam as obras, com an­te­ce­dên­cia, à es­tes pro is­si­o­nais, pa­ra aná­li­se. Lem­bro de ter ido as­sis­tir a apre­sen­ta­ção do úl­ti­mo li­vro de Ma­nu­el Rui Mon­tei­ro,“A Acá­cia e os Pás­sa­ros”, e o jor­na­lis­ta ter per­gun­ta­do ao au­tor so­bre o que fa­la­va o li­vro. A per­gun­ta é fre­quen­te e não o de­ve­ria ser, pois o con­tac­to do pro is­si­o­nal com a obra de­ve acon­te­cer com mui­ta an­te­ce­dên­cia e, qua­se sem­pre, as edi­to­ras pe­cam.

O er­ro não se li­mi­ta só à li­te­ra­tu­ra. Na mú­si­ca tam­bém acon­te­ce o

Ar­di­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.