AS QUA­TRO PAR­TES DO FIL­ME

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA - GUI­DO BILHARINHO

ren­te, se­ria o fa­tor prin­ci­pal de qual­quer obra de fic­ção.

No en­tan­to, sim­ples en­vol­tó­rio, ape­nas re­pre­sen­ta, co­mo no sí­mi­le na­tu­ral, ele­men­to que com­põe o il­me, in­de­pen­den­te­men­te da cas­ca e até da pe­lí­cu­la, so­li­di ican­do e man­ten­do a pol­pa agre­ga­da.

A cas­ca, não obs­tan­te sua fun­ção, po­de es­tar sol­ta e ser até ex­traí­da ou re­ti­ra­da que o fru­to per­ma­ne­ce uni ica­do, ín­te­gro.

Já, a pre­ca­ri­e­da­de da mem­bra­na ou pe­lí­cu­la acar­re­ta au­to­má­ti­ca atro­fia do nú­cleo.

Quer is­so di­zer que tan­to a com­pe­tên­cia e a téc­ni­ca qu­an­to a ação e os fa­tos, por me­lho­res se­jam, ain­da não con igu­ram a obra ou il­me, mas, su­as par­tes ex­ter­nas, com fun­ções es­pe­cí icas e re­la­ti­va im­por­tân­cia.

O que se de­ve con­si­de­rar, se­gun­do He­gel, não é a es­tó­ria, mas, o aqui de­no­mi­na­do nú­cleo (con­cep­ção e ex­pres­são), ou se­ja, seu sen­ti­do, sig­ni ica­do e ela­bo­ra­ção for­mal, sin­te­ti­zan­do con­ti­nen­te e con­teú­do in­ter­nos.

O que dis­tin­gue fil­me co­mer­ci­al de fil­me de ar­te é ape­nas sua qu­ar­ta par­te. As de­mais, por alhei­as ao es­pe­cí­fi­co ar­tís­ti­co, não têm o con­dão de di­fe­ren­çar, qua­li­fi­car ou des­qua­li­fi­car a re­a­li­za­ção, atri­buin­do- lhe es­sa ou aque­la ca­te­go­ria.

Em con­sequên­cia, po­de- se ter fil­me com­pe­ten­te e se­gu­ra­men­te di­ri­gi­do, tec­ni­ca­men­te per­fei­to, con­tan­do com en­tre­cho re­ple­to de pe­ri­pé­ci­as, in­tri­gas, ação, lan­ces dra­má­ti­cos ou ful­mi­nan­tes, há­bil e co­e­ren­te­men­te nar­ra­dos, tran­ça­dos ou en­tran­ça­dos, mas que não se­ja ar­te, não atin­gin­do o grau, o ní­vel e as con­di­ções pró­pri­as, ne­ces­sá­ri­as e in­dis­pen­sá­veis a es­sa con­di­ção.

Ou se­ja, seu con­teú­do é va­zio de sen­ti­do, de ver­da­de hu­ma­na e ca­ren­te de

su­ti­le­za, pers­pi­cá­cia e tra­ta­men­to so is­ti­ca­do. Ao con­trá­rio, pois, da per­cep­ção cor­ren­te, na hi­pó­te­se qua­tri­par­ti­te con­si­de­ra­da, o nú­cleo per­faz to­do o com­ple­xo au­to­ral e uni­tá­rio que en­glo­ba des­de o en­ten­di­men­to do mun­do até a ma­nei­ra (ou for­ma) de con­du­zir o dra­ma hu­ma­no en­fo­ca­do e de uti­li­zar a lin­gua­gem ci­ne­ma­to­grá ica.

Cons­ti­tui, pois, con­cep­ção uni­tá­ria e ao mes­mo tem­po abran­gen­te do que se­ja (ou de­va ser en­ten­di­do) co­mo nú­cleo ou cer­ne de qual­quer obra ic­ci­o­nal, in­de­pen­den­te­men­te da ar­te em que se ma­ni­fes­te, se­ja li­te­ra­tu­ra (que in­clui o tex­to te­a­tral), se­ja ci­ne­ma.

Es­se en­ten­di­men­to do fenô­me­no ou prá­ti­ca ic­ci­o­nal fa­cul­ta sua com­pre­en­são, aná­li­se e avaliação, clas­si ican­do-o ou des­clas­si ican­do-o sob o pon­to de vis­ta ar­tís­ti­co.

Mes­mo que se não o fa­ça de ime­di­a­to, cons­ci­en­te e e icaz­men­te (por meio da crí­ti­ca), o pas­sar dos se­res hu­ma­nos pe­lo tem­po en­car­re­ga-se de se­pa­rar uns e ou­tros ou uns dos ou­tros, re­le­gan­do ao oblí­vio os que não atin­gi­ram o sta­tus ar­tís­ti­co, con­de­nan­do-os ao de­sa­pa­re­ci­men­to.

(do li­vro iné­di­to Fic­ção e Ci­ne­ma) ___

Obra de Hil­de­bran­do de Me­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.