KALIBRADOS KALI BRADOS DISPONIBILIZA DISPONIBILI “DIÁ­RI­OS DA REPÚREPÚBLICA” BLICA”

Jornal Cultura - - Primeira Página - MATADI MAKOLA

“Diá­ri­osDiár da Re­pú­bli­ca” é a mais­mai re­cen­te obra dis­co­grá­fi­caá­fi­ca do Kalibrados.K A par­tir de 24 de DDe­zem­bro pas­sa­do,pas­sa­do, o dis­co sur­giu co­mo­o­mo uma ofe­ren­da­of de Na­tal aos aman­te­sa­man que se man­ti­ve­ra­mam fiéis às ri­masr e es­tó­ri­a­si­as que es­te­est gru­po pro­pa­gou.

“Diá­ri­os da Re­pú­bli­ca” é a mais re­cen­te obra dis­co­grá ica do gru­po ra­per Kalibrados. Dis­po­ni­bi­li­za­da gra­tui­ta­men­te atra­vés de pla­ta­for­mas di­gi­tais a par­tir de 24 de De­zem­bro pas­sa­do, o dis­co sur­ge co­mo uma ofe­ren­da de na­tal aos aman­tes que se man­ti­ve­ram iéis às ri­mas e es­tó­ri­as que es­te gru­po pro­pa­gou aquan­do do seu pre­pon­de­ran­te apa­re­ci­men­to.

O no­me Kalibrados re­me­te-nos ao su­ces­so Tem Me­la­ço, um te­ma de ca­riz amo­ro­so fei­to com to­dos os ingredientes ca­rac­te­rís­ti­cos do rap do cir­cui­to as­su­mi­da­men­te co­mer­ci­al. Em­bo­ra os seus in­te­gran­tes já te­nham ti­do apa­ri­ções no­tó­ri­as in­di­vi­du­al­men­te, ca­sos de La­ton e Vui Vui, Ka­daff e Mis­ter K icam co­nhe­ci­dos do gra­de pú­bli­co nes­te te­ma que mar­ca o an­tes e de­pois dos Kalibrados, quan­do já lá vão cer­ca de dez anos.

“Ne­gó­cio Fe­cha­do” ain­da con­ti­nua a ser o pon­to al­to, e di ícil se­rá su­pe­ra-lo, tan­to em te­má­ti­ca co­mo em me­lo­dia, por­que tra­zia os te­mas ba­si­la­res do rap co­mer­ci­al mui­to bem de ini­dos, co­mo se veio pro­var ao lan­çar “Car­tas na Me­sa”. Um no­vo ten­to sur­ge ago­ra ao lan­çar “Diá­ri­os da Re­pú­bli­ca”, que já vi­nha sen­do es­pe­ra­do de­vi­do aos su­ces­sos das mú­si­cas Lom­bon­go, cu­ja par­ti­ci­pa­ção de Ma­ti­as Da­má­sio faz to­da a di­fe­ren­ça e mu­da a pers­pec­ti­va so­no­ra da mú­si­ca, acen­tu­an­do ain­da mais a sua in­ten­ção la­mu­ri­o­sa, e Dre­na.

Já se evi­den­cia es­ta cer­ta ad­mis­são de po­si­ções en­tre a pri­mei­ra e se­gun­da mú­si­ca, ain­da a co­me­çar a aven­tu­ra de ou­vi-los, tal­vez pa­ra co­brir pú­bli­cos com in­ten­ções e mo­men­tos mu­si­cais di­fe­ren­ci­a­dos, às ve­zes le­van­do­nos a bre­ves re le­xões so­bre o quo­ti­di­a­no, atra­vés das boas lei­tu­ras sa­tí­ri­cas que Vui Vui sem­pre sou­be bem fa­zer, mes­mo sem che­gar ao pe­so da ba­lan­ça un­der, mos­tran­do-se as­sim um bom co­nhe­ce­dor dos li­mi­tes do gé­ne­ro que cul­ti­va, ou a exal­ta­ção de mo­men­tos de fes­ta e far­tu­ra pró­pri­os da sex­ta-fei­ra, o di­to dia do ho­mem, e aí já Ka­daff e La­ton são cer­tei­ros nas ri­mas, mas tam­bém não dei­xam es­ca­par pa­ra o gue­ro zouk. Bem, con­ti­nua um tan­to sincrético nas te­má­ti­cas e ain­da pre­so nas fór­mu­las que de­ram cor­po a “Ne­gó­cio Fe­cha­do”. Va­mos lá ver que su­ces­sos e ino­va­ções pre­pa­ram, por­que le­van­ta-se a hi­pó­te­se de vir fun­dir-se com a Army Squad (sem D-One), e tal­vez as­sim se su­pe­re es­te cli­ché do rap co­mer­ci­al, vis­to que a For­ça Su­pre­ma veio tra­zer ou­tra fa­ce.

Ca­pa do mais re­cen­te ál­bum do gru­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.