FEIRA DO DON­DO EM RRETROSPECTIVA ETROSPECTIVA

RECONSTITUIÇÃO DE UMA VI­A­GEM HIS­TÓ­RI­CA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - JO­SÉ LUÍS MENDONÇA|

A VII EE­di­ção da Feira do Don­do­on­do abra­briu as por­tas­tas no dia 9 DDe­zem­bro de 2016, na pre­sen­ça­e­sen­ça do Se­cre­tá­ri­oSio de Es­ta­do da Cul­tu­ra,C Cor­né­lio Ca­ley,Ca­leya­ley, que a co­no­tou com “a re­cre­cons­ti­tui­ção­e­cons­ti­tui­ção­ons­ti­tui­ção de uma vi­a­gem his­tó­ri­cahist ao en­con­troo do en­tre­pos­to­en co­mer­ci­al do séc.séc XVII, a que se jun­ta­ta um ro­tei­ror tu­rís­ti­co e cul­tu­ral­cul­tu­ral,, que ti­nha co­mo pon­to de par­ti­da­ti­da e con­fluên­ci­ac o Don­do”.Don­do””.

A VII Edi­ção da Feira do Don­do, sob o le­ma “Apos­ta na Eco­no­mia da Cul­tu­ra e no Tu­ris­mo In­ter­no”, abriu as por­tas no dia 9 De­zem­bro de 2016, na pre­sen­ça do Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra, Cor­né­lio Ca­ley, que a co­no­tou com “a reconstituição de uma vi­a­gem his­tó­ri­ca ao en­con­tro do en­tre­pos­to co­mer­ci­al do séc. XVII, a que se jun­ta um ro­tei­ro tu­rís­ti­co e cul­tu­ral, que per­pas­sa­va pe­los sí­ti­os e lu­ga­res de Mas­san­ga­no, e Cam­bam­be, en­vol­ven­do as ilhas do rio Kwan­za e co­mo pon­to de par­ti­da e con luên­cia, es­te lo­cal, o Don­do. Por is­so, es­ta­mos a re­cons­truir uma feira que con­ju­ga e con­ju­ga­rá, a cul­tu­ra, o tu­ris­mo e os ne­gó­ci­os”, a ir­mou aque­le di­ri­gen­te da Cul­tu­ra an­go­la­na..

Jú­cia Kawan­go é uma jo­vem na­tu­ral de San­za Pojm­bo, Uí­je. Es­tá ali a ex­por os seus ar­te­fac­tos ma­nu­ais, de­co­ra­ti­vos, con­fec­ci­o­na­dos com te­ci­do e ou­tros ma­te­ri­ais. Jú­cia pro­duz sa­pa­ti­lhas bor­da­das, in­vó­lu­cros pa­ra gar­ra­fas, pe­gas de co­zi­nha, mis­san­gas, gor­ros e outras bi­ju­ta­ri­as. “Eu apren­di esta ar­te no In­ter­na­to de San­za Pom­bo, on­de pas­sou seis anos, com as ma­dres”, diz ela com mui­to or­gu­lho. Esta é a ter­cei­ra par­ti­ci­pa­ção de Jú­cia na Feira do Don­do. E tem da­do frutos, ga­ran­te a jo­vem. Ge­ral­men­te, as pes­so­as fa­zem en­co­men­das. Pa­ra Jú­cia, a feira é mui­to útil, “por­que me dá mais uma opor­tu­ni­da­de, não só a mim, mas a todos os ex­po­si­to­res, e aju­da a di­vul­gar os meus pro­du­tos. Sin­to-me mui­to or­gu­lho­sa e fe­liz por es­tar aqui”, con­clui a me­ni­na de cal­ça je­ans en­fei­ta­da pe­la sua pró­pria ar­te.

Co­mo a ir­mou na aber­tu­ra da feira, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra, “a re­a­li­za­ção des­ta VII Feira do Don­do só foi pos­sí­vel, por­que o Go­ver­no da Pro­vin­ci­al do Ku­an­za Nor­te e a Di­rec­ção do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, as­sim co­mo todos quan­tos es­tão aqui co­lo­ca­ram An­go­la aci­ma de to­das as di icul­da­des que en­fren­ta­mos, quer inan­cei­ros, quer mo­rais, pa­ra hon­rar os nos­sos an­te­pas­sa­dos fei­ran­tes es­te lo­cal.

Es­ta­mos, as­sim, den­tro do es­pí­ri­to e do in­te­res­se no re­en­con­tro com a his­tó­ria, pre­ser­va­ção dos sí­ti­os e lu­ga­res de me­mó­ria co­lec­ti­va e, também, na von­ta­de de ani­mar a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca da ci­da­de e da re­gião, de­sen­vol­ver o ar­te­sa­na­to da pro­vín­cia do Ku­an­za Nor­te e pro­vín­ci­as vi­zi­nhas, den­tro da má­xi­ma de que a vi­da se faz nos Mu­ni­cí­pi­os.”

Jo­sé Alberto Qui­pun­go, vi­ce- go­ver­na­dor do Cu­an­za Nor­te pa­ra a área po­lí­ti­ca e so­ci­al, des­ta­cou a feira co­mo de di­men­são nacional, ten­do em con­ta a in luên­cia que exer­ceu na ex­pan­são do co­mér­cio, atra­vés das ca­ra­va­nas idas das Lun­das, Qui­ba­la e do in­te­ri­or da pro­vín­cia, que for­ne­ci­am pro­du­tos di­ver­sos a to­do o ter­ri­tó­rio de An­go­la, por via da feira do Don­do.

DOM DI­VI­NO

Na sua VII edi­ção, que se es­ten­deu até ao dia 10 de De­zem­bro, es­ti­ve­ram pre­sen­tes cer­ca de 40 ex­po­si­to­res do Cu­an­za Nor­te, Uí­je, Lu­an­da, Ma­lan­je e Cu­an­za Sul, com pro­du­tos de ces­ta­ria, ar­te­sa­na­to, es­ti­lis­tas, li­vrei­ros e gas­tró­no­mos.

Um me­ni­no de 17 anos cau­sou gran­de ad­mi­ra­ção nos vi­si­tan­tes pe­la sua mes­tria em cons­truir mi­ni­a­tu­ras em bor­dão. Cos­ta An­dra­de Cas­san­go é o seu no­me. Diz que apren­deu a fa­zer as mi­ni­a­tu­ras em ca­sa, fru­to da cu­ri­o­si­da­de e da in­ves­ti­ga­ção de­ta­lha­da. Tem à sua fren­te uma ré­pli­ca de um edi ício co­lo­ni­al com va­ran­da lar­ga, que ica na rua on­de mo­ra. Co­bra pelo ca­sa­rão 5 mil kwan­zas. Ao la­do, exi­be um ji­pe to­do-o-ter­re­no por ape­nas mil kwan­zas. Fre­quen­ta a sexta clas­se. E diz que o que pro­duz dá di­nhei­ro, pois também ven­de nos ou­tros di­as do ano, per­to da sua ca­sa.

Te­re­sa Kaswa­ta nas­ceu no Kwan­zaNor­te, na Ki­sa­ma. Apren­deu a ar­te de en­tran­çar ki­ban­dos e ba­lai­os com a sua mãe. Pou­co fa­la­do­ra, a ex­po­si­to­ra sen­ta­da no chão traz na alma o chei­ro do ve­ge­tal da Ki­sa­ma e o es­pí­ri­to da produção cam­pe­si­na. Ali ao la­do, também en­con­tra­mos Je­sus Cor­reia Se- bas­tião, na­tu­ral do Zan­ga Mu­ka­ri, re­gião on­de apren­deu a ar­te de te­cer mo­bí­li­as com ti­ras de rá ia. Nun­ca te­ve mes­tre, diz ele. “Quan­do ini­ci­ai, ini­ci­ai com a co­lher de pau. Co­me­cei de­pois a es­tu­dar outras coi­sas, outras coi­sas, as­sus­tei que – pron­to! – es­tou a fa­zer is­so. É um dom de Deus!”

Jo­sé Se­bas­tião, an­tes des­ta li­de, era cam­po­nês. “Tra­ba­lha­va no cam­po. Quan­do dei­xei a en­xa­da, co­me­cei a fa­zer es­tas obras, na ma­ta, fi­ca­va aí na la­vra, a di­ver­tir...”

É um ex­po­si­tor as­sí­duo da feira. E vai dan­do os pre­ços: o ban­co cus­ta 15 mil kwan­zas. O me­xe­ri­co é 500 kwan­zas. O al­mo­fa­riz é 4 mil kwan­zas ca­da.

Na mes­ma ten­da es­tá Mbam­bi Jo­sé, na­tu­ral do mu­ni­cí­pio da Dam­ba, pro­vín­cia do Uí­je. Es­te só res­pon­de pe­la parte do ar­te­sa­na­to, ces­ta­ria, tra­ba­lhos com jun­co e “algumas coi­sas bo­ni­tas, as gar­ra­fas, os can­de­ei­ros eléc­tri­cos...” Sem­pre par­ti­ci­pou na feira, por is­so, acres­cen­ta Jo­sé, “mes­mo em tempo de cri­se, es­ta­mos a aguen­tar o bar­co”.Pre­sen­tes na aber­tu­ra o ici­al, es­ti­ve­ram o vi­ce-go­ver­na­dor do Kwan­za Nor­te pa­ra o sec­tor po­lí­ti­co e so­ci­al, Jo­sé Alberto Qui­pun­go, o ad­mi­nis­tra­dor de Kam­bam­be, Fran­cis­co Ma­nu­el Di­o­go, o di­rec­tor nacional do Ins­ti­tu­to das In­dús­tri­as Cul­tu­rais, Ga­bri­el Ca­bu­ço, e o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra, Da­vid João Bu­ba.

ACER­VO RE­LI­GI­O­SO

"Igre­jas Mo­nu­men­tos de An­go­la" foi o título da ex­po­si­ção fo­to­grá ica que mos­trou o acer­vo re­li­gi­o­so do país, patente na sé­ti­ma feira do Don­do.

A amos­tra com­por­tou vá­ri­as imagens dos prin­ci­pais tem­plos da Igre­ja Ca­tó­li­ca em An­go­la, edi­fi­ca­dos du­ran­te o pe­río­do da co­lo­ni­za­ção e

ex­pres­sou o pa­pel dos mis­si­o­ná­ri­os na evan­ge­li­za­ção.

En­tre os re­tra­tos des­ta­ca­ram- se os das igre­jas do Kés­sua ( pro­vín­cia de Ma­lan­je), ruí­nas da an­ti­ga ca­te­dral do rei­no de Mban­za Con­go ( Zai­re), do San­to Adrião ( Na­mi­be), de Nos­sa Se­nho­ra de Na­za­ré, Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção e São Jo­sé (Lu­an­da) e de Nos­sa se­nho­ra da Vi­tó­ria de Mas­san­ga­no (Kwan­za Nor­te).

A ex­po­si­ção re­al­çou ain­da a recuperação das infra-estruturas da an­ti­ga Pa­ró­quia de Nos­sa se­nho­ra do Ro­sá­rio de Cam­bam­be, cons­truí­da na vi­la com o mes­mo no­me, até então em es­ta­do avan­ça­do de de­gra­da­ção, cu­ja in­ter­ven­ção per­mi­tiu a com­ple­ta recuperação da sua mu­ra­lha.

O re­fe­ri­do tem­plo é con­si­de­ra­do co­mo sen­do o ber­ço da evan­ge­li­za­ção no cor­re­dor do Cu­an­za, pe­los mis­si­o­ná­ri­os ca­tó­li­cos, por al­tu­ra da pe­ne­tra­ção dos por­tu­gue­ses no in­te­ri­or do rei­no do Ndon­go, à pro­cu­ra das mi­nas de pra­ta.

HIS­TÓ­RI­CO DA FEIRA DO DON­DO

Se­gun­do o his­to­ri­a­dor an­go­la­no, Ema­nu­el Ca­bo­co, cu­jo tra­ba­lho trans­cre­ve­mos na ín­te­gra, “a Feira do Don­do, no pas­sa­do, foi um im­por­tan­tís­si­mo en­tre­pos­to co­mer­ci­al, por­que a úni­ca via de pe­ne­tra­ção pa­ra o in­te­ri­or era o rio Kwan­za e o por­to prin­ci­pal era Don­do que li­ga­va o co­mér­cio do Nor­te ao do Sul de An­go­la. Sal, sal ge­ma, pei­xe se­co, ca­fé, óleo de pal­ma, ar­te­fac­tos de me­tal, eram, den­tre mui­tos ou­tros, os pro­du­tos que a po­pu­la­ção co­mer­ci­a­li­za­va nes­sa feira.

Por vol­ta de 1583 que Pau­lo Di­as de No­vais, ao ini­ci­ar a sua mar­cha pelo Rio Kwan­za ru­mo à des­co­ber­ta das fan­ta­si­o­sas mi­nas de pra­ta em Kam­bam­be, en­tra em con­tac­to di­rec­to com o fa­mo­so po­vo­a­do ou en­tre­pos­to co­mer­ci­al, ou se­ja, a cé­le­bre feira flu­vi­al do Don­do que, ao ser já de gran­de in­te­res­se eco­nó­mi­co pa­ra as po­pu­la­ção afri­ca­na, veio a ser também, pa­ra Por­tu­gal. Co­lo­nos por­tu­gue­ses pas­sa­ram a con­tro­lar o seu mo­vi­men­to mer­can­til, so­bre­tu­do com o in­cre­men­to de um no­vo pro­du­to: os es­cra­vos.

Os ne­go­ci­an­tes e co­lo­nos por­tu­gue­ses or­ga­ni­za­ram na re­gião um in­ten­so trá­fi­co de es­cra­vos que era fa­ci­li­ta­do pe­la li­ga­ção en­tre o Kwan­za e o Atlân­ti­co. Mas, outras ve­zes, os es­cra­vos eram en­ca­mi­nha­dos pa­ra Lu­an­da em ca­ra­va­nas!

Pelo in­cre­men­to da­do à ac­ti­vi­da­de es­cla­va­gis­ta, co­mer­ci­al e por­tuá­ria, Don­do re­gis­ta­rá, con­se­quen­te­men­te, uma gra­du­al den­si­da­de de­mo­grá­fi­ca, cons­ti­tuí­da pe­la po­pu­la­ção afri­ca­na e por­tu­gue­sa ao mes­mo tempo que se de­sen­vol­ve um aglo­me­ra­do de ca­rac­te­rís­ti­cas pro­pi­ci­a­das pelo in­cen­ti­vo des­sas mes­mas ac­ti­vi­da­des que per­du­ra­ram até per­to do sé­cu­lo XX.

Mais tar­de, en­tre fi­nais do sé­cu­lo XIX e prin­cí­pi­os do sé­cu­lo XX a via flu­vi­al aca­ba­rá por ficar pa­ra trás e os pro­ces­sos de co­mu­ni­ca­ções ao se tor­na­rem mais efi­ci­en­tes, além de outras de ca­rác­ter so­ci­al e hu­ma­no aca­ba­ram por triun­far. Con­se­quen­te­men­te a feira e a ci­da­de aca­ba­ram em de­ca­dên­cia.

A sua re­a­li­za­ção ho­je re­sul­ta da ne­ces­si­da­de da sua reconstituição his­tó­ri­ca, pro­mo­ven­do o co­nhe­ci­men­to so­bre a im­por­tân­cia que a an­ti­ga Feira do Ndon­du, ti­nha pa­ra a eco­no­mia das po­pu­la­ções em An­go­la em épo­cas pas­sa­das e de promover o Tu­ris­mo na me­di­da em que Don­do é um cen­tro de ir­ra­di­a­ção pa­ra atrac­ção tu­rís­ti­ca, ro­de­a­do de ou­tros lo­cais de me­mó­ria. Re­fe­ri­mo- nos aos san­tuá­ri­os ( Mu­xi­ma, Ma­san­ga­nu e Ro­sá­rio), à bar­ra­gem de Kam­bam­be, as fa­mo­sas ruí­nas de No­va Oei­ras, a pi­to­res­ca Vi­la de Ka­lu­lu, a pe­dra Laú­ca, as lu­xu­ri­an­tes flo­res­tas de Ka­zen­gu e de Li­bo­lo, os im­pres­si­o­nan­tes rá­pi­dos e ca­ta­ra­tas as­sim com as tra­di­ções po­pu­la­res.”

Jo­sé Qui­pun­go, Ga­bri­el Ca­bu­ço e Car­né­lio Ca­ley

Cos­ta An­dra­de Cas­san­go

Jú­cia Kawan­go

Mbam­bi Jo­sé

Vis­ta ge­ral da feira

Te­re­e­sa Ka­su­a­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.