ENCENAR AS VA­RIÁ­VEIS DO SEU DIS­CUR­SO AMO­RO­SO

Jornal Cultura - - ARTES - MATADI MAKOLA

À Ce­li­na Co­lu­na, en­ce­na­do­ra do mu­si­cal “Três His­tó­ri­as de Matias Damásio”, va­leu-lhe a cu­ri­o­si­da­de e ca­pa­ci­da­de de lei­tu­ra e cons­tru­ção das va­riá­veis do dis­cur­so amo­ro­so em Matias Damásio, ao cri­ar a opor­tu­na ta­re­fa de ti­rá-lo dos dis­cos pa­ra os pal­cos do teatro. Apre­sen­ta­do nu­ma da­ta à al­tu­ra, 8 de Janeiro, dia da Cul­tu­ra Nacional, o gru­po de teatro Ekuikui II e a pro­du­to­ra mu­si­cal Ar­caVe­lha mos­tra­ram-nos que nes­te dia não va­le a pe­na icar­mos pre­sos a to­do um fa­zer cul­tu­ral já sa­bi­do, mas também de­sa iar­nos a no­vas cons­tru­ções que rom­pam cli­chés e li­mi­tes ou bar­rei­ras es­ta­be­le­ci­das no cam­po da cons­tru­ção es­té­ti­ca do pro­du­to ar­tís­ti­co. Apre­sen­ta­do na LASP, em ho­me­na­gem aos 10 anos de car­rei­ra do con­sa­gra­do com­po­si­tor an­go­la­no, o mu­si­cal é ba­se­a­do to­tal­men­te nas mú­si­cas dos três ál­buns de Matias Damásio ( “Amor e Fes­ta na Li­xei­ra”, “Por Amor” e “Por An­go­la”), ten­do em todos o amor co­mo de­no­mi­na­dor co­mum. As mú­si­cas, em jei­to de rap­só­dia, são re­cor­ta­das e adap­ta­das ao con­tex­to da pe­ça, sen­do que os ac­to­res re­cor­rem aos mo­men­tos mu­si­cais pa­ra fa­zer a tra­ma e cri­ar o clí­max. En­tre­tan­to, a pe­ça não es­ca­pa à re­dun­dân­cia no­ve­lís­ti­ca de inal fe­liz, uma es­co­lha que es­pe­lha co­mo a en­ce­na­do­ra en­ca­ra o des­fe­cho. Os textos, as mú­si­cas, são ti­ra­dos em fa­las em sequên­cia, sem obe­de­cer à or­dem dis­co­grá ica, mas sim às si­tu­a­ções da tra­ma. Es­sa forma de mon­ta­gem da pe­ça pro­vou que a en­ce­na­do­ra te­ve um gran­de tra­ba­lho de au­di­ção e se­lec­ção da dis­co­gra ia de Matias Damásio, que foi bem in­ter­pre­ta­do e in­te­ri­o­ri­za­do. Tu- do pa­re­ceu as­sen­tar, em­bo­ra nem todos os ac­to­res fo­ram tão bons na ex­pe­ri­ên­cia do can­to e mo­vi­men­ta­ção ir­me em pal­co, mas um pro­ble­ma in­fe­ri­or que não ofus­cou a in­ten­ção e va­lor es­té­ti­co da pe­ça. Também os ac­to­res es­ti­vem à von­ta­de nos seus per­so­na­gens, prin­ci­pal­men­te “O Ma­ri­do”, aque­le que faz a can­ta­da às su­as aman­tes, e que em ter­mos de va­lor ac­tan­ci­al po­de ser iden­ti ica­do co­mo o he­rói. Dis­tor­ceu to­da uma gra­vi­da­de do can­to de quei­xu­me a Matias Damásio, tor­nan­do ora mais dra­má­ti­co, ora mais sar­cás­ti­co, per­mi­tin­do as­sim outras in­ter­pre­ta­ções, até mes­mo có­mi­cas, de as­sun­tos que são for­mal­men­te usa­dos pa­ra ame­ni­zar as pes­so­as ou con­cen­tra-las em qu­es­tões pu­ra­men­te li­ga­das ao amor. Es­sa re­pre­sen­ta­ção, fei­ta com acen­tu­a­da na­tu­ra­li­da­de pelo ac­tor, trou­xe vi­va­ci­da­de à pe­ça, mas não che­gou tor­na-la nu­ma far­sa.

Con­gre­ga as du­as aman­tes, “A mu­lher” de ca­sa, nes­te ca­so a he­roí­na, e a aman­te, aque­la por quem o ma­ri­do abandona a mu­lher pa­ra vi­ver um ro­man­ce se­cre­to com ela, nes­te ca­so “a ou­tra”. Es­ses per­so­na­gens ize­ram os in­gre­di­en­tes, acres­cen­tan­do du­as vi­zi­nhas fo­fo­quei­ras, um pa­dre, um pas­tor, um quim­ban­da.

O jo­go e en­ten­di­men­to do pú­bli­co mos­trou, e as­sim é nor­mal­men­te, aqui­lo que a en­ce­na­do­ra de­se­nha. A pe­ça veio mos­trar uma cer­ta re­pres­são con­tra a “ou­tra”, que Matias já che­gou a con­sen­su­a­li­zar nu­ma mú­si­ca com o mes­mo título e que pro­vo­cou de­ba­tes ace­sos. Matias sen­ti­men­ta­li­zou a ou­tra, deu-lhe dig­ni­da­de hu­ma­na, obri­gan­do os mai­o­res de­fen­so­res fer­vo­ro­sos das con­ser­va­do­ras re­la­ções con­ju­gais a pen­sa­rem mais ve­zes an­tes de des­tra­ta­rem quem se en­con­tra nes­ta con­di­ção de ou­tro/ou­tra. Con­tu­do, à esta ou­tra da pe­ça acres­cen­tou-se a apa­re­ce­do­ra e chu­la­do­ra, que la­va/co­zi­nha (faz re­cur­so à fei­ti­ça­ria) o ma­ri­do da es­po­sa num quim­ban­da, pa­ra es­tar se­gu­ra de que es­te não vol­ta à mu­lher e aos ilhos e que lhe obe­de­ce­rá com ca­pri­chos ca­ros. An­ta­go­ni­za com a be­a­ta mu­lher de ca­sa, que apai­xo­na­da­men­te es­pe­ra o ma­ri­do, sen­do-lhe ain­da a “raiz qu­a­dra­do do seu co­ra­ção”. Per­ce­be-se as­sim que a en­ce­na­do­ra ti­rou dos ál­buns uma li­nha ma­ni­queís­ta de bem e mal, pa­ra cons­truir uma pe­ça cu­jo va­lor mo­ral as­sen­ta­ria no an­ta­go­nis­mo des­sas per­so­na­gens, que às ve­zes, nos dis­cos, Matias can­ta na con­di­ção de quem não só atenua mas também co­lo­ca em dis­cus­são co­mo ca­sos hu­ma­nos, per­fei­ta­men­te hu­ma­nos. É as­sim que a pe­ça, na mes­ma per­so­na­gem de ma­ri­do, traz o dis­cu­tí­vel ho­mem da noi­te e do co­po, mo­ti­vos que o le­vam a de­vol­ver a mão da mu­lher ao pai des­ta, as­su­min­do-se não ter res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra con­ti­nu­ar uma re­la­ção mes­mo que ela se­ja até uma mu­lher pren­da­da no lar, sa­ben­do de cor a ar­te de ser mu­lher do seu ma­ri­do. Es­te te­ma - que exal­ta uma ati­tu­de pou­co có­mo­da pa­ra mui­tos ma­ri­dos e mu­lhe­res, pois da azo a ho­mens jus­ti ica­rem o aban­do­no das su­as já boas mu­lhe­res, o que não é con­ju­gal­men­te cor­rec­to - vê a sua ab­sol­vi­ção no mu­si­cal, com o ar­re­pen­di­men­to do ma­ri­do, que vol­ta aos bra­ços da mu­lher que já ti­nha de­vol­vi­do aos res­pec­ti­vos pais, cri­an­do as­sim o inal fe­liz.

Es­tas e outras pos­si­bi­li­da­des que a pe­ça traz, até a Matias Damásio, con­for­me dis­se nas su­as pa­la­vras, não sal­ta­vam à vis­ta, que ape­nas via o que can­ta­va sem des­con iar quan­tos as­sun­tos as le­tras car­re­ga­vam.

JC - Co­mo sur­ge a ideia de ho­me­na­ge­ar Matias Damásio em teatro?

Ce­li­na-

Eu sou fã das mú­si­cas de Matias Damásio, e sem­pre co­men­tei com o meu ma­ri­do que ca­da mú­si­ca de­le pos­suía uma his­tó­ria que po­de­ria ser le­va­da ao teatro. Quan­do vi pe­las pu­bli­ci­da­des te­le­vi­si­vas e por ou­tros mei­os que fa­ria dez anos de car­rei­ra, lo­go pen­sei que dez anos se­ria ida­de su ici­en­te pa­ra ser ho­me­na­ge­a­do, e co­mo não sou can­to­ra, sou di­rec­to­ra de teatro, pen­sei lo­go em adap­tar as mú­si­cas num teatro mu­si­cal.

JC – No prin­cí­pio, co­mo ima­gi­nou a mon­ta­gem do es­pec­tá­cu­lo?

Ce­li­na-

Ima­gi­nei que te­ria ca­pi­tal su ici­en­te pa­ra pôr ban­das e la­pe­las, nu­ma sa­la me­lhor, e, cla­ro, so­nhei com a pre­sen­ça do ho­me­na­ge­a­do. Gos­ta­ria de che­gar ao emo­ci­o­nal de todos que es­ti­ves­sem na­que­la noi­te.So­nhei co­mo to­do ar­tis­ta faz lo­go ao iní­cio de uma no­va obra.Sem­pre pen­sei que, se os meus ac­to­res can­tas­sem, se­ria tu­do mais fá­cil. Mas, quan­do mos­trei o pro­je­to ao gru­po, o meu ac­tor, Men­des An­tó­nio, lem­brou-me que tí­nha­mos um ami­go,a quem cha­mo de ilho, que con­se­gui­ria fa­zer o per­so­na­gem. Foi ai que cha­mei o DC, ac­tor e mú­si­co, pa­ra es­te per­so­na­gem.Pen­sei sem da­tas, só es­ta­va a in­ves­ti­gar qual o mês de ani­ver­sá­rio de Matias Damásio, e o di­rec­tor de Es­tu­dos e Pro­je­tos do gru­po, Job Bas­tos, su­ge­riu a da­ta 8 de Janeiro, Dia da Cul­tu­ra Nacional, e todos ica­mos sa­tis­fei­tos com a da­ta. De­pois de ter os pés­no chão, pen­sei que a LASP se­ria o ide­al, e as­sim pros­se­gui­mos.

JC - Vi­mos um pal­co sim­ples, qua­se que sem ador­no, ex­cep­to a ca­dei­ra. Porquê?Te­ve tempo su ici­en­te de pre­pa­ro da pe­ça?

Ce­li­na-

Con­ce­bi es­te es­pec­tá­cu­lo pen­san­do sim­ples­men­te nu­ma ban­da num can­to do pal­co. Eu não uso mui­tos ade­re­ços nos meus es­pec­tá­cu­los, acho que o que con­ta mes­mo é uma boa his­tó­ria e bons in­tér­pre­tes, e ao lon­go das mon­ta­gens não sen­ti mais fal­ta de na­da. Se per­gun­tar a qual­quer pes­soa que as­sis­te aos es­pec­tá­cu­los do Ekuikui II, di­rão que sem­pre uso um úni­co ade­re­ço em pal­co.Emo­ci­o­nal­men­te foi co­mo es­pe­rei. Con­se­gui­mos ter a pre­sen­ça da igu­ra mais im­por­tan­te da noi­te (Matias Damásio) e até ago­ra es­tou com um sen­ti­men­to de de­ver cum­pri­do. Eu só es­ta­va tris­te por­que acho que eu fa­ria ain­da me­lhor se ti­ves­se mais tempo. Ti­ve­mos que es­que­cer o na­tal e o ano no­vo, e sair mui­to tar­de dos en­sai­os.

JC - Co­mo foi o pro­ces­so de au­di­ção das mú­si­cas?

Ce­li­na-

Foi a parte mais pra­ze­ro­sa. Eu ica­va com os fo­nes o dia to­do no ser­vi­ço, de vez em qu­an­to sol­ta­va um som e os meus co­le­gas di­zi­am: “Ce­li­na, can­ta mais bai­xo”.Pas­sei a vi­ver a pen­sar as três obras: Amor e Fes­ta na Li­xei­ra, Por Amos e Por An­go­la. Obri­guei to­do mun­do pró­xi­mo a mim a vi­ver e can­tar Matias Damásio.Eu ti­nha as mú­si­cas em to­da a parte, no com­pu­ta- dor do ser­vi­ço, no te­le­fo­ne, na pen dri­ve, por­que eu ou­via as mú­si­cas e criava ao mes­mo tempo.

JC - A es­co­lha do inal fe­liz… Ce­li­na-

se ou­vir­mos bem aten­ta­men­te as mú­si­cas de Matias Damásio, ele em to­das as su­as le­tras exor­ta ao Amor e à re­con­ci­li­a­ção e à es­pe­ran­ça. Eu sou quis se­guir o de­se­jo ex­pres­so em to­das as su­as mú­si­cas.

JC - A pe­ça pra­ti­ca­men­te as­sen­ta em dois as­sun­tos: amor e trai­ção. Po­de­mos con­si­de­rar es­tes co­mo sen­do os te­mas cha­ves da ki­zom­ba ac­tu­al?

Ce­li­na-

Bem, já eu di­go que o pon­to as­sen­te foi a Fa­mí­lia – Amor, pen­san­do que na­da é mais po­de­ro­so do que a fa­mí­lia un­gi­da por Deus e com amor.Mais do que os ou­tros itens, co­mo trai­ção, fei­ti­ça­ria, de­ses­tru­tu­ra­ção fa­mi­li­ar, que também es­ta­vam aí es­pe­lha­dos. Ago­ra, fa­lan­do da ki­zom­ba ac­tu­al, acho que o Amor e Trai­ção também são te­mas bem pre­sen­tes.

JC - Era in­ten­ção da pe­ça tra­zer de mo­do có­mi­co, que é o gé­ne­ro de elei­ção do pú­bli­co an­go­la­no, as mú­si­cas com car­gas dra­má­ti­cas?

Ce­li­na

-Não. A in­ten­ção da parte có­mi­ca da pe­ça es­ta­va nas vi­zi­nhas, per­so­na­gens in­ter­pre­ta­das por Joi­ce­li­no Bem­bo e Isaura dos San­tos. Só que ca­da pú­bli­co re­a­ge de forma di­fe­ren­te a uma ac­ção fei­ta no pal­co. Por­que, além da parte mu­si­cal, nós es­tá­va­mos a fa­zer teatro, que exi­ge um pou­co de mais ex­pres­são em pal­co.

JC - Em que mo­men­to sen­tiu que a pe­ça ti­nha re­sul­ta­do?

Ce­li­na-

Quan­do o pú­bli­co co­me­çou a can­tar as mú­si­cas pro­pos­tas na tra­ma em unís­so­no com os ac­to­res. As­sim vi que co­me­çou a en­vol­ver-se no es­pe­tá­cu­lo.

JC- A mú­si­ca “Mboa Ana” icou de fo­ra da pe­ça, um dos te­mas que bem se en­qua­dra com a in­ten­ção da pe­ça?

Ce­li­na-

Sim. Exis­tem ain­da mui­tos ou­tros te­mas que também ica­ram de fo­ra e que de­ve­ri­am es­tar na pe­ça, co­mo as mú­si­cas que fa­lam da mãe, o que pro­va a mes­tria do mú­si­co.

JC - Acre­di­ta que a pre­sen­ça do pa­dre e do pas­tor sur­tiu efei­to no de­sen­ro­lar da pe­ça? Ce­li­na-

Sur­tiu efei­to, sim. Mas vou di­zer uma coi­sa que nor­mal­men­te fa­ço quan­do es­cre­vo uma obra: de ino sem­pre algumas per­so­na­gens des­car­tá­veis. Mas não foi o ca­so. GRU­PO EKUIKUI II

Foi fun­da­do aos 16 de Junho de 2012.Com­por­ta dois es­ca­lões, ten­do 12 adul­tos no 1º es­ca­lão (gru­po A), todos uni­ver­si­tá­ri­os e com vas­ta ex­pe­ri­ên­cia em teatro. Também re­pre­sen­ta dois gru­pos mu­si­cais. É no­tó­ria a re­a­li­za­ção de di­ver­sas ac­ti­vi­da­des ar­tís­ti­cas por parte do gru­po Ekuikui II, des­de o teatro, mú­si­ca e dan­ça, in­cluin­do in­ter­câm­bi­os prá­ti­cos atra­vés de pro­du­ções con­jun­tas de es­pe­tá­cu­los, for­ma­ções in­ten­si­vas de ca­pa­ci­ta­ção de ac­to­res e de­ba­tes, com vis­ta a unir a clas­se te­a­tral in­fan­to­ju­ve­nil e in­ten­si icar os co­nhe- ci­men­tos so­bre o teatro en­tre os agen­tes cul­tu­rais li­ga­dos a esta ar­te. Foi mem­bro do jú­ri noFes­ti­val de Teatro e Po­e­sia Man­gu­xi, uma ini­ci­a­ti­va da JMPLA de Lu­an­da, que de­cor­reu de 16 a 18 de Se­tem­bro de 2016.Es­cre­veu e mon­tou a pe­ça “A TEIA”, exi­bi­da pelo pro­je­to Ge­ra­ção 98, afec­to àAs­so­ci­a­ção JUCARENTE e ao Co­mi­té Miss CPLP, es­tre­a­da no dia 1 de Abril de 2016.

Par­ti­ci­pou na ho­me­na­gem ao ca­ma­ra­da Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, or­ga­ni­za­da pe­la So­ci­e­da­de de Ges­tão & es­tra­té­gia de De­sem­pe­nho Em­pre­sa­ri­al. LDA, com o te­ma Res­ga­te dos Va­lo­res Mo­rais, no dia 27 de Agos­to de 2016.

Par­ti­ci­pou em di­ver­sos fes­ti­vais – FESTIAPAZ, FEST5ºANO e FEST CA­CU­A­CO. Ma­ra­to­nas te­a­trais (ODETH TA­VA­RES, ROSEIRA TEATRO).Pa­ra além de Lu­an­da, já ac­tu­ou na pro­vín­cia do Ben­go.

Te­ve du­as no­me­a­ções pa­ra me­lhor ac­triz (Ce­li­na Co­lu­na no Fes­ti­paz de 2013) e me­lhor Ac­tor ( Job Bas­tos no Festiapaz, 2014).

Men­tor e cri­a­dor doFORTEZONA (ma­ra­to­na de teatro com par­ti­ci­pa­ção e or­ga­ni­za­ção de 4 gru­pos de Teatro, que acon­te­ce todos os me­ses de Ju­lho de ca­da ano des­de 2014).

Es­tre­ou no dia 14 de Agos­to de 2015 o mu­si­cal “O KUDURISTA”. Tem no seu re­per­tó­rio as pe­ças Ca­pu­chi­nho ver­me­lho; Es­co­la; Lu­gar Co­mum; A Ter­ra do Nun­ca; Ca­sa do Mi­key Mou­se; Prin­ce­sa So ia; Prin­ce­sa Cin­de­re­la;Res­ga­te dos Va­lo­res Mo­rais; As­si­dui­da­de na Em­pre­sa; Am­bi­en­te Or­ga­ni­za­ci­o­nal; Um Bo­tão e Du­as Ca­sas;Se­gre­do a Se­te Cha­ves;Os Chei­ros e a Pá­tria;Kota Le­tra;Bif­fes;O Con­tras­te; O Kudurista; A Teia.

Ma­ri­do e es­po­sa em ce­na no mu­si­cal

Elen­co do mu­si­cal e o ho­me­na­ge­a­do a agra­de­ce­rem o pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.