O CAR­NA­VAL LUANDENSE CO­MO IDEN­TI­DA­DE CUL­TU­RAL NACIONAL

Jornal Cultura - - ARTES -

O car­na­val é uma ce­le­bra­ção que sur­ge da ne­ces­si­da­de do ho­mem de des­pren­der-se dos câ­no­nes sociais e vi­ver uma épo­ca de festa. É tam­bém uma rup­tu­ra de con­ven­ções e li­mi­ta­ções, que o ho­mem ex­pe­ri­men­ta pa­ra a des­car­ga isi­o­ló­gi­ca e emo­ci­o­nal com o pro­pó­si­to de al­can­çar uma cer­ta har­mo­nia co­lec­ti­va.

Pa­ra os An­go­la­nos, é a gran­de fes­ti­vi­da­de que in­clui to­das as mas­sas po­pu­la­res on­de ho­mens, mu­lhe­res, an­ciãos, jo­vens e cri­an­ças se con­gre­gam com o mes­mo ob­jec­ti­vo: a di­ver­são sem dis­tin­ção de tom de pe­le, orientação se­xu­al e po­si­ção so­ci­al. On­de se re lec­tem os há­bi­tos e tra­di­ções do po­vo, par­ti­cu­lar­men­te a diversidade dos cos­tu­mes re­gi­o­nais, que cons­ti­tu­em o mai­or atrac­ti­vo da sua cul­tu­ra, tor­nan­do-a nu­ma ex­pres­são de iden­ti­da­de nacional.

O car­na­val luandense é uma ce­le­bra­ção as­si­mi­la­da pe­la co­lo­ni­za­ção, e sua es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal é o mo­de­lo da Cor­te Por­tu­gue­sa; em ou­tras pa­la­vras, é uma he­ran­ça dei­xa­da pe­la Co­ló­nia, on­de o po­vo tra­tou de in­tro­du­zir nes­ta pra­ti­ca cul­tu­ral su­as pró­pri­as tra­di­ções, pon­do seu se­lo e tor­nan­do-a nu­ma ex­pres­são de iden­ti­da­de nacional. Pa­ra es­te po­vo, pou­co ou na­da lhe in­te­res­sou a ori­gem da fes­ti­vi­da­de, por­que o mais im­por­tan­te é que es­ta se­ja o re le­xo dos seus va­lo­res cul­tu­rais e dos ob­jec­ti­vos da cul­tu­ra de ini­da pe­los seus an­te­pas­sa­dos.

Nes­ta ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral exis­te uma gran­de diversidade em quan­to aos bai­les, mú­si­ca, ves­tuá­ri­os, co­re­o­gra ia, ale­go­ri­as, dis­far­ces, te­má­ti­ca en­tre ou­tros elementos, e po­de ser con­si­de­ra­da co­mo um io no qual se te­ce um im­por­tan­te dis­cur­so co­lec­ti­vo. Se a ir­ma ao lar­go da história sócio - política do país, e cons­ti­tui um se­lo de iden­ti­da­de nacional do po­vo, por­tan­to, a mo­da­li­da­de tra­di­ci­o­nal, de­ve ser a fon­te de inspiração da mo­der­ni­za­ção des­ta ce­le­bra­ção.

Tem gran­de im­por­tân­cia na ver­ten­te edu­ca­ti­va co­mo re le­xão e ana­li­ses, na me­di­da que re­to­ma as raí­zes de uma ce­le­bra­ção co­nhe­ci­da a ní­vel mun­di­al; en­tre­tan­to na ac­tu­a­li­da­de es­tá ex­pos­ta ao fe­nó­me­no da glo­ba­li­za­ção, o es­tran­gei­ris­mo/imi­ta­ção e o mer­can­til, no qual des­vir­tua as ba­ses e va­lo­res da “cul­tu­ra po­pu­lar tra­di­ci­o­nal” (Gu­an­che, 2007) do po­vo, que se tor­na re le­xi­vo, cri­an­do men­tes ali­e­na­das a es­pec­ta­cu­la­ri­za­ção (Ford, 2002) te­a­tral.

É ne­ces­sá­rio res­ga­tar e pre­ser­var as manifestações mú­si­co-dan­çan­tes da ce­le­bra­ção, e en­con­trar atra­vés des­tas ex­pres­sões cul­tu­rais aque­les as­pec­tos que são da sua cul­tu­ra e foram adop­ta­das de­vi­do a in lu­en­cia da glo­ba­li­za­ção e o es­tran­gei­ris­mo; elementos pe­los quais se ve­rá re lec­ti­da a iden­ti­da­de da pró­pria fes­ti­vi­da­de.

Es­ta ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral foi to­man­do di­ver­sas ma­tri­zes per­den­do par­te da sua es­sên­cia a raiz dos câm­bi­os sociais e o sin­cre­tis­mo de cul­tu­ras; hoje em dia se man­têm co­mo um ac­to for­mal, não co­mo par­te da ex­pres­são do pa­tri­mó­nio cul­tu­ral do po­vo an­go­la­no.

É no­tá­vel a au­sên­cia das raí­zes e va­lo­res nas su­as manifestações mú­si­co­dan­çan­tes, as­sim co­mo in­su ici­ên­ci­as nas pre­sen­ta­ções du­ran­te o des ile, pe­lo que se po­de ob­ser­var a fal­ta da per­cus­são em vi­vo, subs­ti­tuí­da pelas mú­si­cas elec­tró­ni­cas, os bai­les tí­pi­cos, mes­cla­dos com ou­tros de ín­do­le po­pu­lar, e nos ves­tuá­ri­os se no­ta a au­sên­cia de elementos iden­ti­tá­ri­os.

Em con­clu­são, em to­dos eles, se com­pro­va a in lu­en­cia da glo­ba­li­za­ção e o es­tran­gei­ris­mo/imi­ta­ção nos quais cons­ti­tu­em as­pec­tos que de­for­mam os mo­de­los es­ta­be­le­ci­dos pe­la tra­di­ção, is­to é pre­o­cu­pan­te por­que, a fal­ta da pre­ser­va­ção das ex­pres­sões cul­tu­rais de qual­quer país da­ni ica a mes­ma he­ran­ça cul­tu­ral.

A par­tir des­ta abor­da­gem, se ana­li­sa­mos a glo­ba­li­za­ção e o es­tran­gei­ris­mo/imi­ta­ção no cam­po cul­tu­ral, po­de­mos di­zer que nes­te ca­so a iden­ti­da­de se trans­for­ma na prin­ci­pal fon­te de sig­ni ica­do da­do no pe­río­do his­tó­ri­co ca­rac­te­ri­za­do por uma am­pla de­ses­tru­tu­ra­ção das or­ga­ni­za­ções, des­le­gi­ti­ma­ção das ins­ti­tui­ções, de­sa­pa­re­ci­men­to dos prin­ci­pais mo­vi­men­tos sociais e ex­pres­sões cul­tu­rais efé­me­ras. Des­ta fei­ta, si to­ma

co­mo exem­plo o car­na­val luandense, que ne­le exis­te uma ten­dên­cia a re­pro­du­zir o car­na­val de Bra­sil, quan­to a es­tru­tu­ra do des ile e nos seus ves­tuá­ri­os, nes­te se evi­den­cia tam­bém uma bus­ca á mo­da oci­den­tal. Em con­clu­são su­as ex­pres­sões cul­tu­rais foram tão es­ti­li­za­das e ao mes­mo tem­po mo­der­ni­za­das pa­ra aten­der á de­man­da des­te fe­nó­me­no ao pon­to de per­der a iden­ti­da­de his­tó­ri­co-cul­tu­ral do po­vo.

Is­to oca­si­o­na uma de­bi­li­da­de da cul­tu­ra po­pu­lar tra­di­ci­o­nal, pois se evi­den­cia nas pre­sen­ta­ções cé­ni­cas dos gru­pos car­na­va­les­cos pe­ran­te os des iles prin­ci­pais, uma bus­ca ao co­mer­ci­al den­tro da pró­pria ce­le­bra­ção em vez do es­pí­ri­to fes­ti­vo que a ca­rac­te­ri­za, e da pre­ser­va­ção e divulgação do seu pa­tri­mó­nio cul­tu­ral vi­vo, pa­ra os mais jo­vens e a so­ci­e­da­de vin­dou­ra.

Ci­tan­do al­guns exem­plos pon­tu­ais te­mos: os tra­jes es­ti­li­za­dos da Cor­te á mo­da oci­den­tal, a mú­si­ca gra­va­da com o im de pro­mo­ção (ain­da que es­ta se po­de en­ten­der tam­bém co­mo uma for­ma de mo­der­ni­zar a festa apo­de­ran­do-se das no­vas tec­no­lo­gi­as), as car­ro­ças ale­gó­ri­cas com anún­ci­os de pro­du­tos pa­ra a co­mer­ci­a­li­za­ção, a in­tro­du­ção das Bai­a­nas bra­si­lei­ras na fa­lan­ge de apoio, os bai­les tra­di­ci­o­nais as­so­ci­a­dos com ou­tros de ín­do­le po­pu­lar, a in­ser­ção dos Blo­co de ani­ma­ção no des ile prin­ci­pal, que são no­vos me­ca­nis­mos ou po­lí­ti­cas es­ta­tais cri­a­das co­mo for­mas ca­mu la­das de ven­der a festa, en­tre ou­tros as­pec­tos.

Por ou­tra ra­zão, ain­da que se fa­çam al­gu­mas ino­va­ções que se­jam fa­vo­rá­veis nas ex­pres­sões cul­tu­rais, aten­den­do ao con­tex­to po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co que vive o país, se con­si­de­ra im­por­tan­te pre­ser­var sua for­ma ori­gi­nal, pa­ra poder pas­sar es­te le­ga­do his­tó­ri­co-cul­tu­ral dei­xa­do pe­los an­te­pas­sa­dos que de­ve per­du­rar de uma ge­ra­ção a ou­tra, co­mo for­ma de con­ti­nui­da­de e rea ir­ma­ção nacional.

A de­mons­tra­ção de que es­ta ce­le­bra­ção te­nha si­do trans­for­ma­da do fes­ti­vo á “es­pec­ta­cu­la­ri­za­ção” te­a­tral e co­mer­ci­al, não so­bres­sai­ria o con­tex­to da re le­xão teó­ri­ca so­bre uma ex­pres­são ar­tís­ti­ca, se pa­ra­le­la­men­te não se ti­ves­sem des­vir­tu­a­do al­guns prin­cí­pi­os da fes­ti­vi­da­de, e si­mul­ta­ne­a­men­te não se ti­ves­sem ido pro­du­zin­do por par­te da po­pu­la­ção mos­tras de in­sa­tis­fa­ção.

Es­ta fes­ti­vi­da­de tra­di­ci­o­nal de­ve es­tar em sin­to­nia com as su­as re­fe­ren­ci­as his­tó­ri­cas, pa­ra pre­ser­var o seu va­lor pa­tri­mo­ni­al e a iden­ti ica­ção cul­tu­al nacional, com a diversidade de ex­pres­sões cul­tu­rais que ca­rac­te­ri­za es­te car­na­val, den­tro do ine­vi­tá­vel mun­do glo­ba­li­za­do.

É im­por­tan­te acla­rar que não es­tou em con­tra das con­tri­bui­ções e ino­va­ções que se pos­sam de­sen­vol­ver nas su­as ex­pres­sões cul­tu­rais, pe­lo con­tra­rio, o tra­di­ci­o­nal e a mo­der­ni­da­de de­vem ca­mi­nhar sem­pre de mãos da­das. A ques­tão não é de­ter-se ao pas­sa­do, se­não con­ser­var a es­sên­cia po­pu­lar re­pon­do a qua­li­da­de fes­ti­va das su­as manifestações mú­si­co- dan­çan­tes mais en­dó­ge­nas, com as quais o po­vo se iden­ti­fi­ca, ob­jec­ti­van­do ao fu­tu­ro. É um cha­ma­do ao “res­ga­te das tra­di­ções” (Gu­an­che, 2007) sem me­nos­pre­zar a cri­a­ti­vi­da­de e ima­gi­na­ção da ju­ven­tu­de e o con­tex­to so­ci­o­po­lí­ti­co ac­tu­al.

Se pre­ten­de com es­ta ana­li­ses es­pe­ci­a­li­za­da, cri­ar uma cons­ci­ên­cia co­mum no lei­tor, aju­dan­do-o a com­pre­en­der co­mo os elementos que com­põem ao car­na­val, os bai­les, os ins­tru­men­tos mu­si­cais tra­di­ci­o­nais e o ves­tuá­rio têm uma lin­gua­jem pró­pria que re le­te a iden­ti­da­de cul­tu­ral do po­vo an­go­la­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.