CEN­TE­NÁ­RIO DA MOR­TE DO REI MANDUME

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - QUINITO KANHAMENI ELAUTÉRIO SILIPULENI | Oiho­le

O Com­ple­xo Tu­rís­ti­coo de Oiho­le,Oiho­le es­pa­ço on­de es­tá er­gui­do o me­mo­ri­al do rei­ei Man­du­meM ya Nde­mu­fayo, foi pe­que­no pa­ra aco­lhe­ro­lher a mol­dur­mol­du­ra hu­ma­na que acor­reu ao lo­cal pa­ra as­sis­tir­tir as ffes­ti­vi­da­des do cen­te­ná­rio da­que­le que foi­fo­oi o úl­ti­mo so­be­ra­no do po­vo kwa­nha­ma, que pre­fe­riuiu o sui­cí­dio a 6 de Fe­ve­rei­roF de 1917, pa­ra não ser cap­tu­ra­do­a­do pe­los por­por­tu­gue­ses du­ran­te a ocu­pa­ção co­lo­ni­a­lo­lo­ni­al no sul de AAn­go­la.

O Com­ple­xo Tu­rís­ti­co de Oiho­le, es­pa­ço on­de es­tá er­gui­do o me­mo­ri­al do rei Mandume ya Nde­mu­fayo, foi pe­que­no pa­ra aco­lher a mol­du­ra hu­ma­na que acor­reu ao lo­cal pa­ra as­sis­tir as fes­ti­vi­da­des do cen­te­ná­rio da­que­le que foi o úl­ti­mo so­be­ra­no do po­vo kwa­nha­ma, que pre­fe­riu o sui­cí­dio a 6 de Fe­ve­rei­ro de 1917, pa­ra não ser cap­tu­ra­do pe­los por­tu­gue­ses du­ran­te a ocu­pa­ção co­lo­ni­al no sul de Angola. Oiho­le tes­te­mu­nhou, há cem anos, a mor­te do gran­de es­tra­te­ga na

luta de re­sis­tên­cia con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês.

Os fes­te­jos da da­ta foram to­tal­men­te do­mi­na­dos com tra­jes, can­ções e dan­ças tra­di­ci­o­nais, com re­al­ce pa­ra pa­no kwa­nha­ma, vul­go Ode­le­la, e mis­san­gas pin­ta­das a ver­me­lhão que sim­bo­li­zam os há­bi­tos e cos­tu­mes do gru­po am­bó. Hou­ve quem ain­da se ves­tiu de pe­le de ani­mal. Os pra­tos tí­pi­cos da re­gião, co­mo Om­bi­di, Oma­van­da, Ojo­ve e Oma­a­di On­go­be, acom­pa­nha­dos de be­bi­das, tais co­mo Oma­on­go, Oma­lon­do e aguar­den­te de di­ver­sas fru­tas sil­ves­tres tam­bém não fal­ta­ram.

A ce­ri­mó­nia foi an­te­ce­di­da com uma de­po­si­ção de lo­res no tú­mu­lo do rei, on­de foram cum­pri­dos al­guns ri­tu­ais que sim­bo­li­zam a re­sis­tên­cia do po­vo kwa­nha­ma.

O ministro da Educação, Mpin­da Simão, que pre­si­diu o ac­to, enal­te­ceu a bra­vu­ra de Mandume ya Nde­mu­fayo, e seu es­pí­ri­to pa­trió­ti­co de­mons­tra­do du­ran­te a luta con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês na de­fe­sa do seu rei­na­do.

Pin­da Simão disse que, du­ran­te o rei­na­do de Mandume, as guer­ri­lhas en­tre os po­vos afri­ca­nos aca­ba­ram e pas­sa­ram a ser ape­nas con­tra os por­tu­gue­ses, que, a to­do cus­to, ten­ta­vam ocu­par a par­te sul de Angola.

An­tes da ocu­pa­ção co­lo­ni­al, os Am­bós estavam di­vi­di­dos pe­los rei­nos do Kwa­nha­ma, Ku­a­ma­tuis e os dois es­ta­dos do Eva­le e Ca ima, e vi­vi­am uni­dos e sem guer­ras en­tre si.

Con­vi­te à pes­qui­sa

O go­ver­nan­te re­al­çou que a in­for­ma­ção que tem so­bre o per­cur­so his­tó­ri­co do rei ain­da é exí­gua, pe­lo que é ne­ces­sá­rio mais pes­qui­sa, divulgação e va­lo­ri­za­ção dos fei­tos e da bra­vu­ra de Mandume, que de­fen­deu o seu po­vo.

Su­bli­nhou que a coragem na luta con­tra a in­va­são e opres­são co­lo­ni­al deu-lhe gran­de no­ta­bi­li­da­de. “A coragem e te­na­ci­da­de de Mandume ya Nde­mu­fayo, úl­ti­mo rei do po­vo Kwa­nha­ma, obri­gou o co­lo­no por­tu­guês a re­ver e re­for­çar o seu mo­do de ac­tu­a­ção pa­ra poder con­tra­por a si­tu­a­ção en­con­tra­da no ter­re­no”, acres­cen­tou.

O ministro disse que a ati­tu­de, ba­se­a­da no pen­sa­men­to de nun­ca se ver­gar di­an­te dos por­tu­gue­ses, de­ve ser o es­pí­ri­to a ema­nar nas men­tes dos jo­vens, pa­ra a cons­tru­ção de uma Angola cada vez me­lhor.

De acor­do com Pin­da Simão, Mandume nas­ceu e cres­ceu num mo­men­to con­tur­ba­do, de­vi­do à pre­sen­ça de co­mer­ci­an­tes e mis­si­o­ná­ri­os vin­dos da Ale­ma­nha, In­gla­ter­ra e Por­tu­gal, mas to­dos eles ti­nham in­te­res­ses di­fe­ren­tes.

Os por­tu­gue­ses rei­vin­di­ca­vam a im­plan­ta­ção da di­rec­ti­va de ocu­pa­ção efec­ti­va do ter­ri­tó­rio de­cre­ta­do na con­fe­rên­cia de Ber­lim, os mis­si­o­ná­ri­os ale­mães estavam em­pe­nha­dos na educação e foram es­tes que in lu­en­ci­a­ram na ins­tru­ção do rei Man­du­ne ya Nde­mu­fayo.

A ir­mou que quan­do to­mou pos­se em subs­ti­tui­ção do seu tio Nan­de, Mandume pro­cu­rou res­tau­rar a ri­que­za e a pros­pe­ri­da­de pa­ra a dignidade do po­vo Kwa­nha­ma, as­sim co­mo in­cen­ti­vou o co­mér­cio, a im de ad­qui­rir ar­mas pa­ra de­fe­sa do seu rei­no.

Re­la­ções com ale­mães e in­gle­ses

A história de­mons­tra que Mandume man­ti­nha boas re­la­ções com os mis­si­o­ná­ri­os ale­mães e in­gle­ses que o edu­ca­ram, e ele opu­nha-se aos por­tu­gue­ses que na al­tu­ra ser­vi­am de in­ter­me­diá­ri­os com o go­ver­no por­tu­guês. Por is­so ten­tou fa­zer ali­an­ça com os ale­mães e in­gle­ses na luta con­tra os por­tu­gue­ses. Por sua vez, os por­tu­gue­ses ten­ta­ram as­se­diá-lo na luta con­tra os ale­mães.

Vi­ria a ser um mo­men­to his­tó­ri­co que exi­gia a ocu­pa­ção efec­ti­va dos ter­ri­tó­ri­os que as po­tên­ci­as co­lo­ni­ais rei­vin­di­ca­vam.

Daí que sur­giu a ne­ces­si­da­de de li­mi­ta­ção da fron­tei­ra, em que o ter­ri­tó­rio na­mi­bi­a­no icou ocu­pa­do pe­los ale­mães e o an­go­la­no pe­los por­tu­gue­ses, en­quan­to a Áfri­ca do Sul es­ta­va in­te­res­sa­da em am­pli­ar as su­as re­la­ções com a Na­mí­bia.

Co­lo­ca­do no meio des­ses in­te­res­ses, Mandume fez es­for­ços pa­ra man­ter ali­an­ça com al­guns, e con­tra ou­tros pa­ra so­bre­vi­ver e man­ter a dignidade do seu po­vo da re­gião am­bó, que se es­ten­dia pa­ra o sul de Angola até ao nor­te da Na­mí­bia, sen­do ele o rei mais po­de­ro­so do gru­po Ovam­bo.

Aten­den­do que o re­gi­me co­lo­ni­al era uma for­ma da sub­ju­ga­ção de um po­vo con­tra ou­tro con­cluiu-se que a ideia de Mandume era co­mum à de ou­tros po­vos en­vol­vi­dos na luta con­tra as po­tên­ci­as eu­ro­pei­as.

Na­que­la al­tu­ra, as for­ças da opres­são sul-afri­ca­nas, por­tu­gue­ses, ale­mães e in­gle­ses ma­no­bra­vam a par­tir do sul, na ân­sia de es­ta­be­le­cer a ocu­pa­ção efec­ti­va dos ter­ri­tó­ri­os afri­ca­nos. Pa­ra tal, to­mou a de­ci­são de en­fren­tar os por­tu­gue­ses, mu­ni­do de ar­mas de fo­go, re­cu­san­do sub­me­ter-se ao con­tro­lo dos sul-afri­ca­nos, co­mo tam­bém não viu com bons olhos as ali­an­ças que es­ta­be­le­ceu com os ale­mães e in­gle­ses e re­cu­sou ir a Windho­ek pa­ra di­a­lo­gar com os in­gle­ses.

O vi­ce-go­ver­na­dor do Cu­ne­ne pa­ra o sec­tor téc­ni­co e in­fra-es­tru­tu­ras disse que o po­vo da pro­vín­cia do Cu­ne­ne de­ve mol­dar-se na bra­vu­ra e coragem do Rei Mandume ya Nde­mu­fayo, que ain- da mui­to jo­vem de­fen­deu o rei­na­do dos Cu­a­nha­ma, na re­gião sul de Angola e nor­te da Na­mí­bia, con­tra a ocu­pa­ção co­lo­ni­al dos por­tu­gue­ses e in­gle­ses.

Cris­ti­no Ndei­tun­ga des­ta­cou que pas­sa­dos 100 anos, Mandume é ve­ne­ra­do pe­lo po­vo da tri­bo Am­bó, lo­ca­li­za­do no sul de Angola e nor­te da Na­mí­bia, por ter pre­fe­ri­do a mor­te após o en­fra­que­ci­men­to do seu es­ta­do em 1917, pelas for­ças ocu­pa­ci­o­nis­tas.

O go­ver­nan­te a ir­mou que o Rei Mandume ya Nde­mu­fayo é uma das igu­ras in­con­tor­ná­veis da luta de re­sis­tên­cia con­tra a ocu­pa­ção co­lo­ni­al no ter­ri­tó­rio do Cu­ne­ne. Re­fe­riu que es­te co­man­dou os des­ti­nos do po­vo Cu­a­nha­ma num dos pe­río­dos mais di íceis da história da re­gião sul, de 1911 a 1917.

Pa­ra o vi­ce-go­ver­na­dor, os fei­tos do des­te­mi­do Mandume não só re­ve­lam a im­por­tân­cia atri­buí­da a es­ta par­ce­la do ter­ri­tó­rio nacional no com­ba­te à ocu­pa­ção co­mo de­mons­tra tam­bém a di­men­são da­que­le que foi, e con­ti­nu­a­rá a ser, um dos mai­o­res sím­bo­los da re­sis­tên­cia con­tra a ocu­pa­ção co­lo­ni­al em Áfri­ca.

Em sua ho­me­na­gem o go­ver­no do Cu­ne­ne cons­truiu em 2000 o me­mo­ri­al no com­ple­xo tu­rís­ti­co de Oiho­le, inau­gu­ra­do pe­lo pre­si­den­te da República Jo­sé Edu­ar­do San­tos, na pre­sen­ça do pri­mei­ro pre­si­den­te da Na­mí­bia, San Nu­jo­ma.

De­le­ga­ção na­mi­bi­a­na

Uma de­le­ga­ção na­mi­bi­a­na, en­ca­be­ça­da pa­la rai­nha Mar­ta Mwa­di­no­mo, rai­nha de Ovakwa­nha­ma na­que­les país, tes­te­mu­nhou o ac­to dos 100 anos da mor­te da­que­le que foi o úl­ti­mo

Rai­nha de Angola e da Na­mi­bia na cen­te­na­ria da mor­te de sua ma­jes­tra­de Rei Mandume fo­to Ve­nan­cio Ama­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.