A PER­TI­NÊN­CIA DA LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA NO DI­REI­TO

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA -

No pas­sa­do dia 3 de Mar­ço, acon­te­ceu o ac­to o ici­al de aber­tu­ra do ano aca­dé­mi­co de 2017, que de­cor­reu na ci­da­de de Ca­xi­to.

Es­ta cos­tu­mei­ra ce­ri­mó­nia su­bli­nha a im­por­tân­cia que o Exe­cu­ti­vo con­fe­re ao sis­te­ma de en­si­no, en­quan­to mo­la im­pul­si­o­na­do­ra pa­ra a for­ma­ção do ci­da­dão ín­te­gro e par­ti­ci­pa­ti­vo na edi ica­ção e con­so­li­da­ção de uma so­ci­e­da­de que se al­me­ja una e prós­pe­ra.

Ten­do ocor­ri­do nu­ma oca­sião em que os pro­fes­so­res ar­re­ga­çam as man­gas pa­ra po­rem mãos à obra in­ter­mi­ná­vel da trans­mis­são de co­nhe­ci­men­tos e de va­lo­res aos for­man­dos, o even­to co­me­mo­ra­ti­vo aci­ca­tou, em nós, a re le­xão so­bre os con­teú­dos pro­gra­má­ti­cos que en­for­mam o en­si­no uni­ver­si­tá­rio.

A es­te pro­pó­si­to, de­mos con­nos­co a re­cor­dar es­te ca­ri­ca­to epi­só­dio vi­ven­ci­a­do nu­ma das idas à praia. Re­fas­te­la­do no to­a­lhão de tur­co, ía­mo-nos de­lei­tan­do com as pe­ri­pé­ci­as fruí­das do ro­man­ce Se o Pas­sa­do Não Ti­ves­se Asas, de Pe­pe­te­la. Num da­do mo­men­to, fo­mos as­sal­ta­dos pe­la con­ver­sa ani­ma­da en­tre dois jo­vens sen­ta­dos a al­guns me­tros.

Eram es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os, pers­pec­ti­van­do o no­vo ano aca­dé­mi­co. Da es­sên­cia da ca­va­quei­ra, re­gis­tei o fac­to de se­rem alu­nos do 3º ano do Cur­so de Di­rei­to. Des­se re­gis­to, apa­vo­rou-me a cons­ta­ta­ção de es­ses alu­nos não do­mi­na­rem a di­fe­ren­ça en­tre jul­ga­men­to; sen­ten­ça e ve­re­dic­to. Pa­ra aque­les dis­cen­tes, pres­tes a ini­ci­ar o 4º ano, aque­les con­cei­tos são si­nó­ni­mos!

Cla­ro que, co­mo do­cen­te da dis­ci­pli­na de Por­tu­guês Ju­rí­di­co, sen­ti­mos lo­go uma von­ta­de in­dó­mi­ta de sal­tar do to­a­lhão e ir ter com eles pa­ra des­fa­zer o equí­vo­co, mas a pra­ze­ro­sa nar­ra­ti­va ro­ma­nes­ca dis­so dis­su­a­diu-nos.

Es­ta inu­si­ta­da ocor­rên­cia pro­mo­veu, em nós, a re le­xão so­bre a fun­da­men­ta­li­da­de do en­si­no da Lín­gua Por­tu­gue­sa no Cur­so de Di­rei­to. Efec­ti­va­men­te, o ju­ris­ta, após o per­cur­so aca­dé­mi­co, te­rá de­fa­zer uso­do­por­tu­guês, no­me­a­da­men­te,na es­cri­ta­de tex­tos­ju­rí­di­cos; apre­sen­ta­ção­de te­mas­de es­pe­ci ici­da­de cau­sí­di­ca; in­ter­pre­ta­ção­de le­gis­la­ção­di­ver­sa,na cons­tru­ção­de pe­ças­pro­ces­su­ais e não só.

Aqui­es­ça-se, por exem­plo, que as­nor­mas­de­dis­ci­pli­nas­so­ci­ais são plas­ma­das em leis, que só­se tor­na­mo­bri­ga­tó­ri­as de­pois de­pu­bli­ca­das­no jor­nal o ici­al. Ora, a pu­bli­ci­ta­ção em­jor- na­lo ici­a­le­xi­geu­ma­re­dac­ção­ei­va­da de cla­re­za, con­sis­tên­cia, co­mu­ni­ca­bi­li­da­de e pre­ci­são pa­ra que­os uti­li­za­do­res das leis as in­ter­pre­tem se­gun­do (e se­guin­do) o es­pí­ri­to do le­gis­la­dor.

Da­qui de­cor­re que, no En­si­no Su­pe­ri­or, o pro­gra­ma de Por­tu­guês­pa­ra os dis­cen­tes da Li­cen­ci­a­tu­ra em Ci­ên­ci­as Ju­rí­di­cas de­ve con­tem­plar, tam­bém, o do­mí­nio de­téc­ni­cas­de com­po­si­ção­de vá­ri­os ti­pos de­tex­tos;o en­saio de es­cri­ta com cor­rec­ção lin­guís­ti­ca, is­to é, co­e­são e co­e­rên­cia tex­tu­ais e, in­con­tor­na­vel­men­te, a se­mân­ti­ca de ter­mos ju­rí­di­cos (que pa­re­ce fal­tar àque­les jo­vens).

Ou­tros­sim, fa­ce ào­bri­ga­to­ri­e­da­de de o ju­ris­ta do­mi­nar a téc­ni­ca de ar­gu­men­ta­ção (es­cri­ta e oral), de­ve­rá­pos­sui­ru­ma ca­pa­ci­da­de de­co­mu­ni­ca­ção­ver­bal­que­lhe per­mi­ta ser­com­pre­en­di­do­pe­los con­su­mi­do­res de di­rei­to. Com efei­to, no de­sem­pe­nho da sua ac­ti­vi­da­de pro is­si­o­nal, oad­vo­ga­do­tem de ser exí­mio na cap­ta­ção da be­ne­vo­lên­cia de qu­em lê os seus tex­tos ou ou­ve os seus ar­gu­men­tos; pa­ra o efei­to, de­ve ser de­ten­tor de uma apu­ra­da re­tó­ri­ca.

Tal­co­mo­o­sa­tle­tas­se pre­pa­ram­pa­ra pro­vas­de­com­pe­ti­ção,osa­lu­nos de Di­rei­to de­vem ser trei­na­dos pa­ra a con­tin­gên­cia de fa­lar ao­pú­bli­co. É o que a ca­dei­ra de Por­tu­guês Ju­rí­di­co po­ten­cia ao dis­po­ni­bi­li­zar um­con­jun­to­de nor­mas lin­guís­ti­cas que fa­zem­com­que os es­tu­dan­tes co­mu­ni­quem­co­me­loquên­cia; ex­pres­sem idei­as­de for­ma­cla­ra e con­tun­den­te, ex­po­nen­ci­an­do ne­les a ca­pa­ci­da­de­de­per­su­a­são.

Co­mo tu­do na vi­da que é bem fei­to, es­te pro­ces­so de for­ma­ção de bons ad­vo­ga­dos é mo­ro­so, pe­lo que não se po­de quei­mar eta­pas. Pe­lo con­trá­rio, os dis­cen­tes de Di­rei­to de­vem en­sai­ar o por­tu­guês de for­ma re­dun­dan­te e con­so­li­da­da.

É por is­so que de­fen­de­mos o en­si­no da lín­gua de Ca­mões nos cin­co anos que com­põem o pla­no cur­ri­cu­lar do Cur­so de Di­rei­to. Es­te ape­lo faz sen­ti­do prin­ci­pal­men­te quan­do se cons­ta­ta que há es­ta­be­le­ci­men­tos do En­si­no Su­pe­ri­or que não con­tem­plam a Lín­gua Por­tu­gue­sa no pla­no de es­tu­dos des­ta Li­cen­ci­a­tu­ra!

Com es­ta re­a­li­da­de, co­mo me ad­mi­rei que os jo­vens ba­nhis­tas não sou­bes­sem a di­fe­ren­ça en­tre os re­fe­ri­dos con­cei­tos?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.