NO­VO REI DO SAMBO SO­BE AO TRONO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - ESTÁCIO CAMASSETE | SAMBO

Lou­ren­ço Kañ­go­ma,añ­go­ma, 42 ano­sa­nos, foi en­tro­ni­za­do­o­ni­za­do no fi­nal do mês de Abril, co­mo­o­mo no­no­vo rei do Sambo,, no mu­ni­cí­pio da Tchi­ka­la TchT­cho­lohan­ga.cho­lohan­ga. As ce­ri­mó­ni­a­si­mó­ni­as ti­ve­ram­tiv iní­cio no dia 26 de AbrA­bril,bril, com a tras­la­da­ção­as­la­da­ção do crâ­ni­o­cr do fa­le­ci­do rei,ei, do ce­mi­té­ri­oc re­al pa­raa o lo­cal sag­sa­gra­do “Ako­ko­to”Ako­ko­to”,, Pág. acom­pa­nha­da­som­pa­nha­das de ba­ba­tu­ques 15e e 15 dan­ças de TcT­chin­gan­ji.chin­gan­ji.

Lou­ren­ço Kañ­go­ma, 42 anos, foi en­tro­ni­za­do no fi­nal do mês de Abril, co­mo no­vo rei do Sambo, no mu­ni­cí­pio da Tchi­ka­la Tcho­lohan­ga, em subs­ti­tui­ção de Ci­pri­a­no Ka­nin­gui, fa­le­ci­do no dia 26 de Abril por do­en­ça, em ce­ri­mó­nia car­re­ga­da de mui­ta cul­tu­ra e tra­di­ção.

As ce­ri­mó­ni­as ti­ve­ram iní­cio no dia 26 de Abril, com a tras­la­da­ção do crâ­nio do fa­le­ci­do rei, do ce­mi­té­rio re­al pa­ra o lo­cal sa­gra­do co­nhe­ci­do por “Ako­ko­to”, uma es­pé­cie de san­tuá­rio, on­de re­pou­sam os crâ­ni­os dos an­te­pas­sa­dos reis do re­fe­ri­do rei­no, acom­pa­nha­dos de for­tes ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais com rit­mos de ba­tu­ques e dan­ças de Tchin­gan­ji.

An­tes da en­tro­ni­za­ção, ti­ve­ram lu­gar na ma­dru­ga­da do mes­mo dia dan­ças em es­ti­los olun­don­go, até ao rai­ar do sol, que ter­mi­na­ram com a che­ga­da de con­vi­da­dos vin­dos dos res­tan­tes três rei­nos da pro­vín­cia.

Após à sua che­ga­da fo­ram di­ri­gi­dos ao lo­cal da ce­ri­mó­nia, co­nhe­ci­do por “Uta­la wa Hu­vi” (Al­tar Sa­gra­do), si­tu­a­do jun­to de uma mu­lem­bei­ra, on­de to­dos os vi­si­tan­tes, in­cluin­do o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al, João Bap­tis­ta Ku­su­mua e mem­bros do go­ver­no da pro­vín­cia ti­ve­ram de pe­gar obri­ga­to­ri­a­men­te no pra­to con­ten­do un­ção de óleo de pal­ma e fo­lhas de elim­bui, pa­ra afu­gen­tar os maus es­pí­ri­tos.

Se­guiu-se o mo­men­to de acon­se­lha­men­tos ao no­vo rei e sua es­po­sa, a rai­nha, “ina­cu­lo”, fei­to pe­los mais ve­lhos da cor­te, “Om­ba­la”, pa­ra o su­ces­so da sua go­ver­na­ção e pros­pe­ri­da­de do rei­no, ten­do no fi­nal re­ce­bi­do ofer­tas dos seus con­vi­da­dos.

Lou­ren­ço Kañ­go­ma in­vo­cou os seus an­te­pas­sa­dos di­an­te dos con­vi­da­dos su­pli­can­do a paz, pros­pe­ri­da­de, bo­as co­lhei­tas nas cam­pa­nhas agrí­co­las, bem co­mo su­ces­sos du­ran­te o seu man­da­to.

De­pois da ora­ção ter si­do acei­te pe­los an­te­pas­sa­dos, ofe­re­ceu uma ca­be­ça de ga­do e um ca­bri­to, que fo­ram ime­di­a­ta­men­te sa­cri­fi­ca­dos no lo­cal, co­mo ac­ção de gra­ças e a car­ne con­su­mi­da na ho­ra sem qual­quer tem­pe­ro, sim­ples­men­te as­sa­da com sal.

Os ani­mais sa­cri­fi­ca­dos re­ve­lam o po­der eco­nó­mi­co do rei, se­gun­do a tra­di­ção da re­gião do Sambo, con­si­de­ran­do que o rei não po­de ser po­bre, a so­be­ra­nia tra­di­ci­o­nal e o do­mí­nio eco­nó­mi­co vão aju­dá-lo a im­por a sua ca­pa­ci­da­de go­ver­na­ti­va e de di­ri­gir o po­vo que lhe foi con­fi­a­do.

Com es­sas con­di­ções com­ple­tas, o rei foi con­vi­da­do a dan­çar o es­ti­lo olun­don­go, ba­lan­çan­do o chi­fre do ani­mal mor­to na ce­ri­mó­nia pa­ra mos­trar a to­dos a sua ca­pa­ci­da­de eco­nó­mi­ca.

Di­ta a cul­tu­ra e a tra­di­ção dos rei­nos ovim­bun­do que o rei que não aba­te ani­mais na sua en­tro­ni­za­ção re­ve­la pobreza e po­de não ser res­pei­ta­do pe­los mem­bros da sua cor­te e do po­vo.

O rei Lou­ren­ço Kañ­go­ma op­tou o no­me de Tum­bu­lu­la, que em lín­gua na­ci­o­nal um­bun­do sig­ni­fi­ca re­cons­truir, pe­la mis­são que tem de re­cons­truir o seu rei­no, os usos e cos­tu­mes e a tra­di­ção do Sambo.

Di­ri­gin­do-se pe­la pri­mei­ra vez ao seu po­vo, o no­vo so­be­ra­no pro­me­teu tra­ba­lhar com as au­to­ri­da­des do mu­ni­cí­pio da Tchi- ka­la Tcho­lohan­ga e com o go­ver­no pro­vin­ci­al pa­ra o bem de to­da a po­pu­la­ção do rei­no, na aber­tu­ra de mais es­tra­das, pa­ra fa­ci­li­tar o es­co­a­men­to dos pro­du­tos do cam­po e a cons­tru­ção de mais pos­tos e cen­tros de saú­de e es­co­las nas al­dei­as e no abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel.

Re­fe­riu que as po­pu­la­ções pre­ci­sam igual­men­te de aju­da com fer­ti­li­zan­tes e ou­tros mei­os agrí­co­las pa­ra o in­cen­ti­vo da agri­cul­tu­ra e da pe­cuá­ria nas co­mu­ni­da­des, con­tri­buin­do des­te mo­do, pa­ra o com­ba­te à fo­me e à pobreza.

Lou­ren­ço Kañ­go­ma ma­ni­fes­tou o in­te­res­se de tra­ba­lhar tam­bém com os res­tan­tes rei­nos vi­zi­nhos no pro­ces­so de di­ri­gir a co­mu­ni­da­de que lhe foi con­fi­a­da pe­los seus an­te­pas­sa­dos, bem co­mo man­ter uma re­la­ção sau­dá­vel e de fi­de­li­da­de às au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais.

“Eu sou jo­vem na ida­de, mas pe­la ex­pe­ri­ên­cia que te­nho, sou mais ve­lho por­que já an­dei mui­to tem­po com o rei fa­le­ci­do e to­das as res­pon­sa­bi­li­da­des que ele dei­xou te­rão a sua con­ti­nui­da­de, na­da vai pa­rar, as po­pu­la­ções de­vem ter cal­ma”, ga­ran­tiu o no­vo rei.

O go­ver­na­dor do Hu­am­bo, João Bap­tis­ta Ku­su­mua, pre­sen­te na ce­ri­mó­nia, dis­se que pa­ra que o país se de­sen­vol­va tem de se es­tu­dar a nos­sa cul­tu­ra, res­pei­tar as tra­di­ções, os usos e cos­tu­mes e ou­vir os con­se­lhos dos mais ve­lhos, por se­rem eles os pro­ta­go­nis­tas e tes­te­mu­nhas he­rói­ca da re­sis­tên­cia dos ovim­bun­do con­tra ocu­pa­ção co­lo­ni­al.

O rei Ka­mun­da Ke­se­que foi um dos li­de­res mais des­ta­ca­dos da co­nhe­ci­da guerra de Kan­dum­bo, no ini­cio do sé­cu­lo XX, on­de de­pois de for­tes com­ba­tes, tom­bou o rei Li­von­gue, do Hu­am­bo, o que di­tou a ocu­pa­ção do Pla­nal­to Cen­tral pe­los por­tu­gue­ses.

“O rei­no do Sambo e seus so­be­ra­nos pu­se­ram uma gran­de pe­dra im­por­tan­te na cons­tru­ção des­ta gran­de An­go­la in­de­pen­den­te, des­ta Na­ção, que que­re­mos que con­ti­nue a ser una, por­que o po­vo que ha­bi­ta nes­te país tem uma gran­de ri­que­za que é a di­ver­si­fi­ca­ção cul­tu­ral”, dis­se o go­ver­na­dor..

O rei­no do Sambo vem dos anos 1.400, a sua his­tó­ria le­va mais de 600 anos, pou­co an­tes da che­ga­da dos por­tu­gue­ses e a pri- mei­ra di­nas­tia rei­nan­te foi ini­ci­a­da pe­la rai­nha Alem­ba Olui, es­po­sa de um prín­ci­pe da om­ba­la Ya­lun­do, ho­je Bai­lun­do, que se fi­xou na zo­na en­tre-os-ri­os Ka­nin­gue e Tchi­ti­va, es­ta­be­le­cen­do um rei­na­do que du­ra até aos di­as de ho­je.

Des­de a rai­nha Alem­ba Olui, até ho­je pas­sa­ram mais de trin­ta reis pe­lo Sambo, en­tro­ni­za­dos no mes­mo lo­cal. Os no­mes e re­a­li­za­ções des­tes reis per­de­ram-se no tem­po, mas a tra­di­ção oral ape­nas re­gis­ta no­mes dos reis co­mo Ham­bu, Ad­jun­de, Lun­dun­gu I, Lu­ka­pa Kand­jam­ba, Usiñ­galwa I, Han­da, Usiñ­galwa II, Ka­mu­o­gu­le, Tchon­go­lo­la, Lun­dun­gu II, Ekui­kui, Lwan­di, Tchi­tan­gue­le­ka, Ka­mun­da Ke­se­que e Ci­pri­a­no Ka­nin­gue, an­te­ces­sor de Lou­ren­ço de Lou­ren­ço Kañ­go­ma, que rei­na com o no­me de Tum­bu­lu­la.

Es­ti­ve­ram na ce­ri­mó­nia da en­tro­ni­za­ção do no­vo rei do Sambo, os reis do Hu­am­bo, Armando Chi­mu­co, de Tchin­go­lo, An­tó­nio Moreira e da Tchi­a­ka, Joaquim Cam­be­le.

Dan­ça­ri­nos

Rei do Sambo ao cen­tro

O rei com o seu sé­qui­to de so­bas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.