O FUTURO DE UM REINO DIVIDIDO CONTRA SI MESMO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - AN­TÓ­NIO BARBOSA DA SILVA

É fá­cil com­pre­en­der a in­co­e­rên­cia entre o que Trump tem di­to nas su­as cam­pa­nhas elei­to­rais, na inau­gu­ra­ção da sua pre­si­dên­cia e de­pois. Es­ta in­co­e­rên­cia obri­ga- o a di­vi­dir o po­vo ame­ri­ca­no e os po­vos do mun­do in­tei­ro, cri­an­do as­sim um for­te mu­ro de se­pa­ra­ção entre ame­ri­ca­nos e não ame­ri­ca­nos.

No seu dis­cur­so inau­gu­ral no dia 20.01.2017, um dis­cur­so agres­si­vo e de tom na­ci­o­na­lis­ta, o no­vo pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca do Nor­te (em­se­gui­da: EUA) pro­me­teu fa­zer coi­sas in­crí­veis, o mais de­pres­sa pos­sí­vel, por exem­plo “er­ra­di­car com­ple­ta­men­te o ter­ro­ris­mo is­lâ­mi­co da fa­ce da Ter­ra”. Co­mo tu­do que o Sr. Trump pro­me­teu fa­zer, ser­ve pa­ra re­cons­truir Amé­ri­ca (EUA) e fa­zê-la ou­tra vez GRAN­DE, vou ten­tar des­cons­truir o seu dis­cur­so con­cen­tran­do-me no que, em meu en­ten­der,é o seu pon­to mais fra­co.

No que se se­gue que­ro,por is­so, co­men­tar a con­tra­di­ção entre a éti­ca do im ou da me­ta queT­rump quer atin­gir e a mo­ral do mei­o­ne­ces­sá­rio pa­ra al­can­çar tal im. Por ou­tras pa­la­vras, é um gran­de pa­ra­do­xo entre pro­me­ter “fa­zer a Amé­ri­ca Gran­de ou­tra vez” (o que pres­su­põe a união de to­dos ou da mai­o­ria dos ame­ri­ca­nos) e ao mesmo tempo fa­lar de­pre­ci­a­ti­va­men­te das mu­lhe­res, dos afro-ame­ri­ca­nos, do­se­mi­gran­tes, dos me­xi­ca­nos, dos mu­çul­ma­nos, etc., re­pre­sen­tan­do to­das es­tas ca­te­go­ri­as de pes­so­as, em con­jun­to, uma mai­o­ria da po­pu­la­ção ame­ri­ca­na, sem cu­ja boa von­ta­dee co­o­pe­ra­ção nin­guém po­de fa­zer a Amé­ri­ca gran­de. Po­rém, em vez de ten­tar unir to­dos es­tes gru­pos ét­ni­cos co­mo o meio ade­qua­do de atin­gir o seu de­se­ja­do im, Trump vi­o­len­tou a dig­ni­da­de hu­ma­na de­les e des­pre­zou a sua iden­ti­da­de rá­ci­ca, re­li­gi­o­sa e cul­tu­ral. As­sim Trump con­tri­bui pa­ra di­vi­dir os ame­ri­ca­nos ain­da mais do que es­ta­vam an­tes das cam­pa­nhas elei­to­rais e da sua vi­tó­ria du­vi­do­sa. A evi­dên­cia dis­to são as mui­tas de­mons­tra­ções em­vá­ri­as ci­da­des nor­te ame­ri­ca­nas du­ran­te a to­ma­da de pos­se de Trump no dia 20.01.2017 e no dia se­guin­te, no mun­do in­tei­ro. Qual po­de­rá ser a con­sequên­cia des­te pro­tes­to glo­bal? Ou­ça­mos as pa­la­vras do nos­so gran­de mes­tre e SALVADOR DO MUN­DO, Nos­so Se­nhor Je­sus Cris­to so­bre a di­vi­são: “To­do o reino dividido contra si mesmo é de­vas­ta­do; e to­da a cidade, ou ca- sa dividida contra si mes­ma, não sub­sis­ti­rá” (S. Ma­teus 12,25). À luz des­tas pa­la­vras não é di ícil con­jec­tu­rar a fu­tu­ra gran­de­za des­taA­mé­ri­ca dividida e odes­ti­no do mun­do in­tei­ro. Que Deus te­nha a mi­se­ri­cór­dia da hu­ma­ni­da­de!

Há uma gran­de in­con­gruên­cia entre as pro­mes­sas e as ac­ções deT­rump

Um pro­ble­ma fun­da­men­tal da éti­ca nor­ma­ti­va é a re­la­ção entre o que di­ze­mos e o que fa­ze­mos, entre os nos­sos pen­sa­men­tos e as nos­sas obras ou omis­sões, entre a cons­ci­ên­cia do nos­so de­ver ou da nos­sa obri­ga­ção mo­ral e a im­ple­men­ta­ção ou ma­te­ri­a­li­za­ção do nos­so de­ver ou obri­ga­ção mo­ral que re­sul­ta na res­pon­sa­bi­li­da­de que te­mos pe­lo que fa­ze­mos ou dei­xa­mos de fa­zer. É in­ter ali­aum tri­plo pro­ble­ma: fi­lo­só­fi­co ou ló­gi­co, prag­má­ti­co e exis­ten­ci­al- te­o­ló­gi­co. Aqui vou ten­tar des­cre­ver es­tes pro­ble­mas tão sim­ples qu­an­to me for pos­sí­vel. Co­mo pro­ble­ma ló­gi­co, im­pli­ca que: da des­cri­ção do de­ver éti­co ou da obri­ga­ção mo­ral de um agen­te mo­ral – cha­me­mo- lo Trump, po­de- se lo­gi­ca­men­te de­du­zir a res­pon­sa­bi­li­da­de deT­rump e in­di­car a ac­ção que ele de­ve pra­ti­car. Mas a nos­sa ex­pe­ri­ên­cia nos diz que mui­tas pes­so­as pro­fes­san­dou­ma cer­ta re­li­gião, exi­bin­do um cer­to ca­rác­ter mo­ra­lou ide­o­ló­gi­co e fa­lan­do com uma cer­ta gran­di­loquên­cia con­vin­cen­te, nem sem­pre agem de acor­do com a sua obri­ga­ção mo­ral e, mui­tas ve­zes, agem ao con­trá­rio, ir­res­pon­sa­vel­men­te. Quan­do is­to acon­te­ce com al­guém que nos en­ga­nou, te­mos a ten­dên­cia de di­zer, em lin­gua­gem po­pu­lar, in­fe­liz­men­te ve­mos o ros­to mas não o co­ra­ção das pes­so­as. Oque­rer fa­zer al­go bom mas, de fac­to, não con­se­guir fa­zê-lo é um pro­ble­ma não só pa­ra os que es­tão de fo­ra a ob­ser­var e ava­li­ar ju­rí­di­ca ou eti­ca­men­teo agen­te mo­ral ( o que pra­ti­ca uma ac­cão)., co­mo pa­ra o agen­te. É um gran­de pro­ble­ma pa­ra o pró­prio agen­te mo­ral. É, do pon­to de vis­ta­mo­ral- psi­co­ló­gi­co, um pro­ble­ma prag­má­ti­co que po­de ser des­cri­to as­sim: Se o agen­te mo­ral, aqui Trump, es­ti­ver cons­ci­en­te do­seu de­ver ou da sua obri­ga­ção mo­ral, se hou­ver co­e­rên­cia entre o que oT­rump­di­ze faz, e se Trump pos­suir cer­tas vir­tu­des mo­rais co­mo: ser ver­da­dei­ro, jus­to, ho­nes­to, fran­co ou sin­ce­ro, em­pá­ti­co e co­ra­jo­so, vir­tu­des mo­rais que o mo­ti­vam a pra­ti­car o seu de­ver ou o bem em ge­ral, en­tão po­de­mos, deu­ma ma­nei­ra­ge­ral e com­gran­de pro­ba­bi­li­da­de, pre­di­zer as bo­as ac­ções ou omis­sões do Trump. Pois, tal pre­di­ção é pos­sí­vel quan­do ob­ser­va­mos e ava­li­a­mos pes­so­as com al­ta in­te­gri­da­de mo­ral co­moGandhi, Nel­son Man­de­la e Ma­dreTe­re­za de Cal­cu­tá. Mas o Sr. Trump é di­a­me­tral­men­te di­fe­ren­te des­sas pes­so­as.

O ter­cei­ro pro­ble­ma da éti­ca nor­ma­ti­va que va­mos ana­li­sa­ré exis­ten­ci­al e te­o­ló­gi­co, des­cri­to pe­lo Após­to­lo São Pau­lo da se­guin­te ma­nei­ra: “… Por­que eu sei que, em mim, is­to é, na mi­nha car­ne, não ha­bi­ta bem al­gum; e, com efei­to, o que­rer es­tá em mim, mas não con­si­go re­a­li­zar o bem. Por­que não fa­ço o bem­que que­ro, mas,omal que não que­ro, es­se fa­ço.”(Ro­ma­nos 7, 18-19). (o itá­li­co é meu)

Ca­rac­te­ri­zar es­te pro­ble­ma­nor­ma­ti­vo éti­co co­mo sen­do tam­bém exis­ten­ci­al, sig­ni­fi­ca que a sua cau­sa é a pró­pria na­tu­re­za hu­ma­na e que é uni­ver­sal. Que é tam­bém um pro­ble­ma te­o­ló­gi­co sig­ni­fi­ca que a na­tu­re­za hu­ma­na é de­fi­ci­en­te em si, sem uma boa re­la­ção com Deus atra­vés do nos­so se­nhor Je­sus Cris­to ( Rom. 7, 20- 25).

IN­CO­E­RÊN­CIA

À luz des­tes três pro­ble­mas da éti­ca nor­ma­ti­va – entre co­nhe­cer o bem o pra­ti­car o bem – é fá­cil com­pre­en­der a in­co­e­rên­cia entre oque Trump tem di­to nas su­as cam­pa­nhas elei­to­rais, na inau­gu­ra­ção da sua pre­si­dên­cia e de­pois (em 22.01.2017).Fal­ta ver se es­ta in­co­e­rên­cia abar­ca o que ele vai fa­zer nos pró­xi­mos di­as e me­ses. Es­ta in­co­e­rên­cia obri­ga-o a di­vi­dir o po­vo ame­ri­ca­no e os po­vos do mun­do in­tei­ro, cri­an­do as­sim um for­te mu­ro de se­pa­ra­ção entre ame­ri­ca­nos enão ame­ri­ca­nos. Por is­so, em vez­de paz cria o ódio, em vez deu­nião cria a de­su­nião, em vez de jus­ti­ça, in­jus­ti­ça, e por is­so tu­do, em vez de tor­nar a Amé­ri­ca gran­de ou­tra vez, po­de­rá tor­ná-la tão pe­que­na co­mo nun­ca foi.

Fi­na­men­te con­vém su­bli­nhar que um po­vo dividido, so­bre­tu­do por ra­zões mo­rais e es­pi­ri­tu­ais ou re­li­gi­o­sas, por­tan­to sem um for­te ide­al su­pe­rin­di­vi­du­al e su­per re­gi­o­nal ou su­per­gru­pal, não es­tá pre­pa­ra­do a lu­tar até a úl­ti­ma go­ta de san­gue pe­lo seu país. Os ame­ri­ca­nos não es­tão ide­o­ló­gi­ca, mo­ral e po­li­ti­ca­men­te pre­pa­ra­dos pa­ra lu­tar contra um ini­mi­go for­te e uni­do, re­li­gi­o­sa ou ide­o­lo­gi­ca­men­te (por exem­plo ji­a­dis­tas is­lâ­mi­cos). Por is­so,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.