DISCURSOSSCURSOS DO TEMPO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - AN­TÓ­NIO FONSECA

Nes­te li­vro, pa­raa lá do ha­bi­tu­al rre­cur­so que Uli­kaa faz aos pr­pro­vér­bi­os, à in­for­ma­ção­ma­ção que de­té­mém so­bre­so­br as ins­ti­tui­çõe­sões do po­der tra­di­ci­o­nal,tr não é em vão queue o au­tor re­cor­ree aos anan­te­pas­sa­dos pa­raa o gui­ar­gui­a­rem em mo­men­tos de cri­see ou an­te cir­cuns­tân­ci­as­cuns­tân­ci­as ad­vad­ver­sas an­tee cau­sas que

pa­re­cem ou pa­re­ci­a­me­ci­am im­pos­sí­vim­pos­sí­veis.

Per­mi­tam-me di­zer-vos que é pa­ra mim uma ver­da­dei­ra hon­ra e um ex­tre­mo pra­zer apre­sen­tar-vos es­te li­vro de Timóteo Ulika, não só pe­los cré­di­tos por ele con­quis­ta­dos tan­to ao ní­vel do en­saio com a sua “Con­tri­bui­ção pa­ra o Pen­sa­men­to His­tó­ri­co e So­ci­o­ló­gi­co”, qu­an­to ao ní­vel da li­te­ra­tu­ra, com as obras A ro­la de Thin­gan­du, Kan­dun­du e O jul­ga­men­to do Ho­mem, obra es­ta que an­tes de ser li­vro foi ori­gi­nal, atra­vés do qual no Pro­gra­ma An­to­lo­gia,por cor­res­pon­dên­cia tro­ca­da com ele, co­nhe­ci o au­tor, en­tão re­si­den­te no Na­mi­be, num con­tex­to di­ta­do pe­las cir­cuns­tân­ci­as e am­bi­en­te que po­dem ser per­ce­bi­dos a par­tir do con­to “a Úl­ti­ma Cé­lu­la” que igu­ra a pá­gi­nas 111 des­te li­vro, “Discursos do tempo…” que ora apre­sen­to.

Pa­ra mim, re­la­ti­va­men­te ao au­tor, foi aí “on­de tu­do co­me­çou”, co­mo o pró­prio au­tor­gos­ta de ci­tar Ja­cin­to e ele mesmo tam­bém es­cre­ve nes­te li­vro. Foi aí que per­ce­bi e co­nhe­ci o au­tor que em to­da a sua obra li­te­rá­ria não ab­di­ca do re­cur­so ao co­nhe­ci­men­to e à tra­di­ção an­ces­tral e, de for­ma par­ti­cu­lar ao tex­to oral, pa­ra tra­zer pa­ra a ac­tu­a­li­da­de mui­tos ele­men­tos ma­tri­ci­ais da an­go­la­ni­da­de que, an­co­ra­dos na di­ver­si­da­de cul­tu­ral que ca­rac­te­ri­za o nos­so país, tal co­mo um ri­oe seus a lu­en­tes, cons­ti­tu­em os fun­da­men­tos so­bre os quais se er­gue a na­ção e que, por­tan­to, pre­ci­sam de ser ca­da vez mais va­lo­ri­za­dos e pro­mo­vi­dos em fa­vor da paz e do bem es­tar so­ci­al. Aliás, nes­te li­vro, pa­ra lá do ha­bi­tu­al re­cur­so que Ulika faz aos pro­vér­bi­os, à in­for­ma­ção que de­tém so­bre as ins­ti­tui­ções do po­der tra­di­ci­o­nal e ou­tras ins­ti­tui­ções e prá­ti­cas das so­ci­e­da­des tra­di­ci­o­nais, não é em vão, nem é por me­ro aca­so que o au­tor re­cor­re aos an­te­pas­sa­dos pa­ra o gui­a­rem e su­por­ta­rem nos ju­ra­men­tos ne­ces­sá­ri­os em mo­men­tos de cri­se ou an­te cir­cuns­tân­ci­as ad­ver­sas ou ain­da em mo­men­tos cru­ci­ais an­te cau­sas que pa­re­cem ou pa­re­ci­am im­pos­sí­veis.

Per­mi­tam-me en­tre­tan­to di­zer-vos que do pon­to de vis­ta da aná­li­se do tex­to li­te­rá­rio, o com­pe­ten­te pre­fá­cio do Dou­tor An­tó­nio Fer­nan­des da Cos­ta ao li­vro, acon­se­lha-nos e obri­ga-nos mesmo a bus­car o ou­tro la­do, os ou­tros la­dos do tex­to que por ve­zes es­ca­pa aos es­pe­ci­a­lis­tas da aná­li­se li­te­rá­ria. Re iro-me à li­te­ra­tu­ra co­mo fon­te au­xi­li­ar da his­tó­ria, a par da lin­guís­ti­ca e de ou­tras ci­ên­ci­as, tan­tas ve­zes es­que­ci­das nes­sa ta­re­fa o que le­va a per­sis­tên­cia dos er­ros tan­tas ve­zes pre­sen­tes nas fon­tes es­cri­tas co­lo­ni­ais.

A par das su­as ca­rac­te­rís­ti­cas li­te­rá­ri­as e es­té­ti­cas já in­vo­ca­das no pre­fá­cio a que ize­mos re­fe­rên­cia, es­te li­vro de Timóteo Ulika im­põe-se co­mo fon­te pa­ra a com­pre­en­são da His­tó­ria de An­go­la dos pe­lo me­nos úl­ti­mos 50 anos. Aliás, sem me des­vi­ar des­ta obra, fa­ço um pa­rên­te­sis pa­ra a ir­mar que, a par de do­cu­men­tos es­cri­tos e fon­tes orais, é acon­se­lhá­vel aos es­tu­di­o­sos, não des­cu­rar a li­te­ra­tu­ra an­go­la­na pois ne­la po­de­rão en­con­trar pis­tas pa­ra o en­ten­di­men­to e en­qua­dra­men­to dos fac­tos his­tó­ri­cos que pre­ten­dem abor­dar. E discursos do tempo es­tá re­che­a­do des­ses ele­men­tos.

“Guia de de­sem­ba­ra­ço”, con­to que se ini­cia a pá­gi­nas 23, pa­ra re­fe­rir ape­nas es­te, pois o te­ma apa­re­ce de ma­nei­ra fre­quen­te em mui­tos ou­tros, po­de­rá aju­dar a co­nhe­cer o que foi na ver­da­de a di­vi­são da nos­sa so­ci­e­da­de entre in­dí­ge­nas e as­si­mi­la­dos, dou­tra ma­nei­ra, en­te in­dí­ge­nas e ci­da­dãos, pro­ces­so que em lar­ga me­di­da aju­da a com­pre­en­der a ac­tu­a­li­da­de lin­guís­ti­ca an­go­la­na. Im­por­ta lem­brar que es­sa di­vi­são con­sa­gra­da atra­vés do Ac­to Co­lo­ni­al de 1930 e re ina­do atra­vés do De­cre­to- Lei n º 39: 666, de 2 de Ju­nho de 1954, só vi­ria a ser ex­tin­to for­mal­men­te em Se­tem­bro de 1961, co­mo con­sequên­cia do iní­cio da Lu­ta de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal, si­tu­a­ção que no en­tan­to, na re­a­li­da­de con­ti­nu­ou a exis­tir.

Pa­ra quem fa­ce às di icul­da­des do nos­so quo­ti­di­a­no ro­man­ti­ca­men­te evo­ca o tempo co­lo­ni­al co­mo um tempo áu­reo e de co­e­xis­tên­cia ra­ci­al pa­cí ica, des­te li­vro bas­ta­rá ler o Con­to ho­me­na­gem, a pá­gi­nas 127, ou o con­to Os Gé­me­os de Sa­lon­gue, a pá­gi­nas 31, ou ain­da lem­brar-se que a par­tir das 5 da tar­de, a Mu­tam­ba era um aglo­me­ra­do de gen­te po­bre, de pa­tri­cíos, ru­mo aos mus­se­ques, no ma­xim­bom­bo 15, do muyun­go, da li­nha 4 ou da li­nha 24, co­mo o con­to Im­bom­dei­ro do Ca­zen­ga nos faz re­cor­dar, trans­for­man­do-se en­tão a zo­na do as­fal­to na cidade bran­ca, a que no ou­tro dia la­va­dei­ras, cri­a­dos, ser­vi­çais, fun­ci­o­ná­ri­os su­bal­ter­nos, ne­gros, mu­la­tos e bran­cos po­bres re­gres­sa­ri­am in­va­ri­a­vel­men­te no dia se­guin­te. Discursos do tempo, é na ver­da­de um con­jun­to de tex­tos li­te­rá- ri­os de gran­de al­can­ce his­tó­ri­co que nos per­mi­tem com­pre­en­der a ques­tão do con­tra­ta­do e do con­tra­to que en­vol­ven­do an­ga­ri­a­do­res de mão de obra ba­ra­ta for­ça­ram mui­tos su­la­nos a tra­ba­lhar nas fa­zen­das do nor­te, di­ría­mos em re­gi­me de pra­ti­ca­men­te ca­ti­vei­ro e que ge­ra­ram con li­tos e in­com­pre­en­sões entre ilhos da mes­ma pá­tria, as­sim co­mo avi­var a me­mó­ria qu­an­to a um pro­ces­so mi­gra­tó­rio de an­go­la­nos em di­rec­ção às mi­nas da África do Sul, o que deu ori­gem ao­gé­ne­ro mu­si­cal Tchis­sos­si re­to­ma­do por au­to­res co­mo o Duo, de­pois Trio, Tchis­sos­si e mais re­cen­te­men­te Fedy.

A lu­ta de Li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, mé­to­dos e tác­ti­cas, for­mas de or­ga­ni­za­ção da mes­ma e do tra­ba­lho clan­des­ti­no, as con­tra­di­ções den­tro do sis­te­ma, da ad­mi­nis­tra­ção e do exér­ci­to co­lo­ni­al, as ali­an­ças e “as des­gra­ças” dos opo­si­to­res e do nos­so po­vo na cau­sa co­mum con­te o re­gi­me co­lo­ni­al, a des­cren­ça e a es­pe­ran­ça, as­sim co­mo ele­men­tos im­por­tan­tes que po­dem aju­dar a com­pre­en­der as si­tu­a­ções que es­ti­ve­ram na ori­gem do con li­to ar­ma­do que o país vi­veu e que fe­liz­men­te pa­ra sem­pre ter­mi­nou, o que em lar­ga me­di­da se po­de per­ce­ber a par­tir da lei­tu­ra do con­to Des­ti­nos Cru­za­dos, em que se re­ve­la co­mo ami­gos e fa­mi­li­a­res on­tem, se tor­na­ram ini­mi­gos no dia se­guin­te, são ele­men­tos e si­tu­a­ções que Timóteo Ulika nos nar­ra li­te­ra­ri­a­men­te com mes­tria.

Há li­vros que pas­sam des­per­ce­bi­dos até que um dia al­guém ne­les re­pa­re. Es­pe­ro po­rém que es­te li­vro do Timóteo Ulika não es­pe­re tan­to tempo e ocu­pe o lu­gar que lhe de­vi­do. Por­tan­to, meus ca­ros, per­mi­tam-me fe­li­ci­tar o au­tor por es­te li­vro que mui­to tem pa­ra nos en­si­nar em ter­mos de co­nhe­ci­men­to da nos­sa his­tó­ria ver­da­dei­ra, evi­tan­do as­sim que er­ros se re­pi­tam.

Discursos no tempo, traz-nos um per­cur­so, mui­tas ve­zes di­ta­dos pe­las cir­cuns­tân­ci­as e ou­tros por op­ções pró­pri­as que mui­tas ve­zes se con­fun­dem com os nos­sos pró­pri­os, pe­lo que é tam­bém um avi­var de mui­tas me­mó­ri­as.

Ter­mi­no agra­de­cen­do ao Timóteo Ulika o que atra­vés da li­te­ra­tu­ra traz­nos pa­ra a com­pren­são da his­tó­ria con­tem­po­râ­nea de An­go­la e… inal­men­te, pa­ra nós, a con ir­ma­ção so­bre a ori­gem do tchis­sos­si e o en­si­na­men­to qu­an­to à for­ma co­mo se dan­ça es­te gé­ne­ro mu­si­cal. Pa­ra quem o quei­ra, é só con­sul­tar o con­to Os gé­me­os de Sa­lon­gue…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.