MAIAKÓVSVSKI E OS PO­E­TAS AFRICANOS DE LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA

Jornal Cultura - - LETRAS -

Os es­tu­dos com­pa­ra­tis­tas per­mi­tem-nos con­fron­tar obras de au­to­res tão dís­pa­res no tem­po e no es­pa­ço, des­de que apre­sen­tem, pe­lo me­nos, um pon­to co­mum. Os pon­tos con­ver­gen­tes são im­por­tan­tes, con­tu­do não são fun­da­men­tais pa­ra um tra­ba­lho com­pa­ra­ti­vo. Es­ta­mos de­sen­vol­ven­do uma pes­qui­sa so­bre as re­la­ções das li­te­ra­tu­ras afri­ca­nas com a li­te­ra­tu­ra rus­sa, uti­li­zan­do um ma­te­ri­al no­vo e bus­can­do ou­tros ca­mi­nhos que apon­tem pa­ra a efe­ti­va ligação en­tre au­to­res africanos de lín­gua por­tu­gue­sa e au­to­res rus­sos. Já apre­sen­ta­mos, em dois mo­men­tos, o en­con­tro li­te­rá­rio en­tre Gor­ki e o an­go­la­no Lu­an­di­no Vi­ei­ra. Res­sal­te- se que es­ta re­la­ção foi con ir­ma­da pe­lo pró­prio an­go­la­no num en­con­tro re­a­li­za­do na ci­da­de do Por­to, em no­vem­bro de 2014. Quan­do ana­li­sa­mos os con­tos “Vovô Arkhip e Li­on­ka”, de Gor­ki e “Va­vó Xi­xi e seu ne­to Ze­ca San­tos”, Lu­an­di­no dis­se­nos que, du­ran­te a nos­sa ex­po­si­ção, lem­brou- se que ha­via li­do o con­to rus­so nos seus 14 ou quin­ze anos em Lu­an­da. Gor­ki pa­ra ele sem­pre foi uma re­fe­rên­cia im­por­tan­te.

Com o de­sen­vol­vi­men­to de nos­sas pes­qui­sas, per­ce­be­mos que a po­e­sia rus­sa tam­bém es­te­ve pre­sen­te nos mei­os li­te­rá­ri­os an­go­la­nos. No­ta­mos que foi mui­to for­te a pre­sen­ça de Pu­ch­kin, Bo­ris Pas­ter­nak e de Mai­a­kó­vis­ki, es­te úl­ti­mo ten­do uma im­por­tân­cia de­ci­si­va na pro­du­ção poé­ti­ca da cha­ma­da “No­vís­si­ma Ge­ra­ção” an­go­la­na. Foi du­ran­te o even­to co­me­mo­ra­ti­vo ao cin­quen­te­ná­rio de Lu­u­an­da e a Lu­an­di­no Vi­ei­ra que ti­ve­mos con­ta­to com o po­e­ta an­go­la­no Jo­sé Luís Mendonça. Foi tam­bém ali que con­ver­sa­mos so­bre po­e­sia, so­bre os po­e­tas e su­as lei­tu­ras. Re­ve­lou- nos um en­tu­si­as­ta leitor de Mai­a­kovs­ki, di­zen­do de sua pre­fe­rên­cia ao po­e­ma “A nu­vem de cal­ças”. Es­te foi o pri­mei­ro pas­so e, a par­tir daí, fo­mos ve­ri icar que, de fa­to, Mendonça ti­nha uma pre­di­le­ção pe­lo po­e­ta rus­so. Nu­ma en­tre­vis­ta da­da a Lau­ra Pa­di­lha ( 2010) de­cla­rou- se leitor de Pes­soa, Whit­man e Mai­a­kóvs­ki, acres­cen­tan­do “Mai­a­kóvs­ki mar­cou-me mui­to”.

O po­e­ta nas­ceu no ano de 1955, no Go­lun­go Al­to, pro­vín­cia de Ku­an­za Nor­te. Jor­na­lis­ta, co­me­çou a pu­bli­car mui­to ce­do em di­ver­sos pe­rió­di­cos an­go­la­nos e por­tu­gue­ses, com des­ta­que pa­ra o Jor­nal de Letras, Ar­tes e Idei­as. Mem­bro da União de Es­cri­to­res An­go­la­nos, des­de 1984. Pu­bli­cou os li­vros de po­e­sia Chu­va no­vem­bri­na (1981), Gí­ria de ca­cim­bo (1987), Res­pi­rar as mãos na pe­dra (1991), Lo­ga­rín­ti­mos da al­ma – Po­e­mas de amor (1998). Em 2010, pu­bli­cou o livro Po­e­sia ma­nus­cri­ta pe­los hi­po­cam­pos e re­cen­te­men­te (2013) pu­bli­cou o ro­man­ce No reino das ca­su­a­ri­nas. Mendonça tem ple­na cons­ci­ên­cia do seu fa­zer poé­ti­co: sa­be que foi o in­tro­du­tor de um tra­ba­lho es­té­ti­co mais apro­fun­da­do (pre­o­cu­pa­ção da es­té­ti­ca do ver­so; o po­e­ta co­mo ar­te­são). O seu ob­je­ti­vo cen­tral é “mos­trar a be­le­za afro-an­go­la­na”. Diz que sua po­e­sia, ape­sar de ser apon­ta­da por crí­ti­cos, co­mo ide­o­ló­gi­ca, com for­te car­ga so­ci­al - pa­ra ele era fun­da­men­tal o tra­ba­lho com o ver­so, “até lhe fa­zer sair a ge­ma do bri­lho so­lar ín­ti­mo, mes­mo quan­do tra­to da ques­tão so­ci­al”.

Daí en­ten­der-se a sua sim­pa­tia por Mai­a­kóvs­ki. O rus­so cons­truía ver­sos que uni­am for­ma e con­teú­do, for­ma re­vo­lu­ci­o­ná­ria com um con­teú­do de re­no­va­ção so­ci­al. (Cam­pos et all, 1968) Os atri­tos cons­tan­tes de Mai­a­kovs­ki com aque­les que “pre­ten­di­am re­du­zir a po­e­sia a fór­mu­las sim­plis­tas”. Mai­a­kovs­ki não acei­ta­va po­si­ções de “bu­ro­cra­tas do ver­so”, acha­va – in­clu­si­ve – que os lei­to­res de po­e­sia ti­nham per­fei­tas con­di­ções de en­ten­der um ver­so mais tra­ba­lha­do, não ha­via por­que sim­pli icá-lo.

Ve­ja­mos, por exem­plo, o po­e­ma Ba­la­lai­ka, cu­ja cons­tru­ção é bem mai­a­kovs­ki­a­na:

Ba­la­lai­ca

(co­mo um ba­li­do aba­la a ba­la­da do bai­le de ga­la) (com um ba­li­do aba­la) aba­la (com ba­li­do) (a ga­la do bai­le) lou­ca a ba­la lai­ca

A tra­du­ção do po­e­ta Au­gus­to de Cam­pos apro­xi­ma-se mui­to da cons­tru­ção de Mai­a­kóvs­ki, co­mo se po­de ob­ser­var na trans­li­te­ra­ção do po­e­ma:

Ba­la­lai­ca

(bud­to lai­em obor­va­la scrip­ki ba­la lai­ca) (s lai­em obor­va­la) obor­va­la (s lai­em) (laí­ki ba­la) lái­cu ba­la lai­ca (1913)

A re­pe­ti­ção dos fo­ne­mas l e b (ba­la­lai­ca, bud­to, lai­em, obor­va­la, ba­la), va­mos en­con­trar tam­bém na re­cri­a­ção de Au­gus­to de Cam­pos (ba­la­lai­ca, ba­li­do, aba­la, ba­la­da, bai­le). Há tam­bém a pre­sen­ça do fo­ne­ma c (lai­ca, lou­ca), e a re­pe­ti­ção des­ses fo­ne­mas dão uma mu­si­ca­li­da­de im­por­tan­te. Vê-se que o po­e­ta tra­ba­lhou os ver­sos de for­ma “ar­te­sa­nal”, in­ten­tan­do uma uni­ci­da­de e uma har­mo­nia ao po­e­ma. A for­ma de cons­truir ver­sos de Mai­a­kóvs­ki re­per­cu­tiu em to­dos os con­ti­nen­tes. É mui­to co­nhe­ci­do o seu “Co­mo fa­zer ver­sos”, e as re­la­ções que exis­tem en­tre o rus­so e o an­go­la­no pas­sam pe­las lei­tu­ras dos po­e­mas e do seu tra­ba­lho teó­ri­co. Con­tra­ri­an­do os bu­ro­cra­tas teó­ri­cos, Mai­a­kóvs­ki afir­ma­va que o gos­to po­de e de­ve ser edu­ca­do. A exi­gên­cia de trans­pa­rên­cia do tex­to não sig­ni­fi­ca a “sim­pli­fi­ca­ção do tex­to”. A co­mu­ni­ca­ção exi­ge, de fa­to, uma cla­re­za, mas tal cla­re­za, não po­de ser sim­plis­ta.

Se pen­sar­mos nas cons­tru­ções dos ver­sos de Mendonça, ve­re­mos que ele con­si­de­ra que seus ver­sos se apre­sen­tam co­mo “ima­gens ci­ne­ma­to­grá icas:

“o meu ver­so é uma câ­me­ra de il­mar e de fo­to­gra­far nas mãos de um an­jo que me per­se­gue por to­dos os la­dos. Eu es­tou cons­tan­te­men­te a ser il­ma­do e o meu cé­re­bro, as mi­nhas idei­as tam­bém...mi­nha men­te é um ter­ri­tó­rio ha­bi­ta­do por per­so­na­gens in­ve­ros­sí­meis e lo­res má­gi­cas, o an­jo íl­mi­co es­tá den­tro de mim e il­ma-me atra­vés do co­ra­ção” (2010, p. 202)

O leitor po­de pen­sar que o po­e­ta es­tá uti­li­zan­do de me­tá­fo­ras pa­ra di­zer que os seus ver­sos são vi­su­ais, apro­xi­man­do-se da com­po­si­ção ci­ne­ma­to­grá ica, os seus olhos são a câ­me­ra que vê o ex­ter­no e o in­te­ri­or e fa­zem um amál­ga­ma de tu­do. As su­as ima­gens com­pro­vam is­so. Tam­bém é mui­to im­por­tan­te a re­la­ção que Mendonça faz da po­e­sia com a música, com a dan­ça e com a pin­tu­ra. O po­e­ma “A ru­bra lá­gri­ma do Con­go” é um bom exem­plo des­sa po­si­ção:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.