AS ES­CA­DAS SUBTERRÂNEAS DA CI­DA­DE DE MBAN­ZA KON­GO

Jornal Cultura - - EDITORIAL - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

1

Quan­do Do­na Mpo­lo, mãe do rei Mbem­ba a Zin­ga, des­cia vi­va os sub­ter­râ­ne­os da mor­te de­vi­do à con­de­na­ção por de­so­be­di­ên­cia às leis da cor­te, nun­ca ima­gi­nou que as su­as lá­gri­mas de dor e de re­vol­ta pe­lo apa­ga­men­to bru­tal da Al­ma Con­go­le­sa, da Tra­di­ção Ban­tu, se trans­for­ma­ri­am na es­tre­la bran­ca que ho­je en­ci­ma o seu tú­mu­lo. De igual mo­do, nun­ca ima­gi­nou que a Tra­di­ção pe­la qu­al deu a vi­da, e que gra­nu­lou a His­tó­ria da Áfri­ca no gran­di­o­so En­con­tro de Ci­vi­li­za­ções, re­ce­be­ria re­co­nhe­ci­men­to mun­di­al no pas­sa­do dia 8 de Ju­lho, em Cra­có­via, Po­ló­nia, sob a égi­de da UNES­CO.

2

Na ver­da­de, ao ins­cre­ver a ci­da­de de Mban­za Kon­go co­mo Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da Hu­ma­ni­da­de, a UNES­CO não ape­nas tor­nou a mban­za co­mo he­ran­ça hu­ma­na a pre­ser­var, mas veio tra­zer à luz dos nos­sos di­as as me­mó­ri­as da Rai­nha-Mãe Mpo­lo, dos dig­ni­tá­ri­os e de to­dos quan­tos, em in­te­rac­ção com os ou­tros po­vos que ali apor­ta­ram, uns vin­dos da Eu­ro­pa, ou­tros mar­cha­dos de den­tro do pró­prio Con­ti­nen­te, aju­da­ram a fa­lar e fa­zer uma his­tó­ria que ho­je se quer aca­bar de con­tar.

E a ale­go­ria da des­ci­da às pro­fun­de­zas da ter­ra, pro­ta­go­ni­za­da pe­la Rai­nha-Mãe Mpo­vo, con­ti­nua a ma­ni­fes­tar-se co­mo pres­su­pos­to fun­da­men­tal de um pro­jec­to que te­ve, por is­so mes­mo – pe­la vi­gên­cia pe­re­ne das lá­gri­mas de Mpo­vo – o no­me de “Mban­za Kon­go, Ci­da­de a Desenterrar pa­ra Pre­ser­var”.

O que ho­je nos res­ta de mais vi­sí­vel da his­tó­ri­ca ca­pi­tal do Rei­no do Kon­go, é, ain­da, a len­dá­ria Ku­lum­bim­bi, ou ca­te­dral de São Salvador do Con­go, sím­bo­lo mais al­to da ins­tau­ra­ção da re­li­gião ca­tó­li­ca em Mban­za Kon­go, em 1492. Se Ku­lum­bim­bi, sig­ni ica “o que res­tou dos an­ces­trais”, se­gun­do a Tra­di­ção Ba­kon­go es­sa me­mó­ria ma­te­ri­al dos an­ces­trais re­pou­sa sob as lajes do tem­plo ca­tó­li­co.

Pre­ser­var Mban­za Kon­go e tor­ná-la um ver­da­dei­ro Pa­tri­mó­nio Mun­di­al im­pli­ca, as­sim, des­cer as es­ca­das subterrâneas e ali en­con­trar-se com o es­pí­ri­to an­ces­tral da Rai­nha-Mãe Mpo­vo, pa­ra que ela aben­çoe a con­ti­nu­a­ção da em­prei­ta­da e ins­pi­re as men­tes dos in­ves­ti­ga­do­res a iden­ti icar ou­tras his­tó­ri­as que a His­tó­ria não fo­to­gra­fou ain­da, nem nar­rou com­ple­ta­men­te.

De igual mo­do, o já lon­go es­for­ço em­pre­en­di­do pe­lo Go­ver­no an­go­la­no, a par­tir de 1988, pa­ra va­lo­ri­za­ção do Cen­tro His­tó­ri­co de Mban­za a Kon­go, en­qua­dra-se nes­sa cláu­su­la es­pi­ri­tu­al de des­ci­da às pro­fun­de­zas da ter­ra e da Al­ma An­ti­ga.

3

Es­sa Al­ma An­ti­ga, cu­jo cor­dão de luz se for­ma­tou no sé­cu­lo XIII, com a fun­da­ção do Rei­no do Kon­go, vem ho­je fun­da­men­tar to­do o va­lor his­tó­ri­co-cul­tu­ral na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal da ci­da­de, que po­de­rá se tor­nar um im­por­tan­te pó­lo tu­rís­ti­co. As con­tri­bui­ções da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal tam­bém se com­pa­gi­nam pa­ra que, ago­ra ele­va­da a Pa­tri­mó­nio Mun­di­al, Mban­za Kon­go se trans­for­me em se­de es­pi­ri­tu­al do Cris­ti­a­nis­mo na Áfri­ca Sub-Saha­ri­a­na, no qua­dro da va­lo­ri­za­ção de to­da a he­ran­ça his­tó­ri­ca de uma Na­ção, nar­ra­da na His­tó­ria Ge­ral da Áfri­ca, mas ain­da não pro­fu­sa­men­te di­vul­ga­da e es­tu­da­da pe­la nos­sa ju­ven­tu­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.