MO­NU­MEN­TO AO SOL­DA­DO DES­CO­NHE­CI­DO

LU­GAR DE ME­MÓ­RIA DE UMAGESTA GLORIOSA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - ADRI­A­NO DE ME­LO |

A fi­gu­ra, re­pre­sen­tan­do me­ta­fo­ri­ca­men­te o sol­da­do he­rói, in­di­ca a sua pas­sa­gem da vi­da pa­ra a eter­ni­da­de e a sua es­tru­tu­ra e o seu de­sign ge­ral ele­vam o me­mo­ri­al aci­ma do so­lo, sim­bo­li­zan­do a ex­ten­são da Na­ção pa­ra a imen­si­dão do ima­gi­ná­rio, em exal­ta­ção ao sa­cri­fí­cio dos sol­da­dos, cu­jas lan­ças rom­pem o in­fi­ni­to, de­sa­fi­an­do o ho­ri­zon­te e ras­gan­do de for­ma in­de­lé­vel o tem­po dos sol­da­dos des­co­nhe­ci­dos, mas he­róis de mui­tas na­ci­o­na­li­da­des que são ho­je re­pre­sen­ta­dos no mo­nu­men­to que dig­ni­fi­ca a Pá­tria An­go­la­na pe­la sua Ma­jes­to­sa ori­gi­na­li­da­de e sim­bo­lis­mo, uma obra cri­a­da por jo­vens ar­tis­tas an­go­la­nos.

Aque­les que com su­or, de­di­ca­ção e en­tre­ga, pe­ga­ram em ar­mas pa­ra de­fen­der a Pá­tria po­dem, ago­ra, ser re­cor­da­dos e ho­me­na­ge­a­dos, por to­dos, no Mo­nu­men­to ao Sol­da­do Des­co­nhe­ci­do. Er­gui­do na ci­da­de ca­pi­tal, Lu­an­da, no lar­go de­fron­te aos Cor­rei­os de An­go­la, pa­ra quem vem a des­cer a rua do 1º Con­gres­so do MPLA, a inau­gu­ra­ção do mo­nu­men­to, er­gui­do no mês do He­rói Na­ci­o­nal,foi fei­ta pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, no sá­ba­do, dia 23 de Se­tem­bro.

O anún­cio da inau­gu­ra­ção do mo­nu­men­to le­vou dis­tin­tas igu­ras e mui­tos ci­da­dãos na­ci­o­nais, até mes­mo es­tran­gei­ros, ao lar­go pa­ra ver o ma­jes­to­so mo­nu­men­to, que é uma re­pre­sen­ta­ção do “res­pei­to” pe­los ho­mens e mu­lhe­res, que, de for­ma di­rec­ta ou in­di­rec­ta, con­tri­buí­ram pa­ra a edi ica­ção de uma An­go­la prós­pe­ra, pa­cí ica e or­dei­ra, con­for­me ex­pli­cou a mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra.

No ac­to, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra dis­se que es­ta é uma ho­me­na­gem, a to­dos os tí­tu­los, jus­ta e opor­tu­na­a­os mi­lha­res de sol­da­dos des­co­nhe­ci­dos que mor­re­ram nu­ma fren­te de ba­ta­lha, em so­lo an­go­la­no, em no­me de um ide­al ou no cum­pri­men­to de um de­ver.

“A ca­pi­tal do país pas­sa, as­sim, a exem­plo de ou­tras gran­des ca­pi­tais, a dis­por de um mo­nu­men­to em­ble­má­ti­co, que sim­bo­li­za o res­pei­to por aque­les que ge­ne­ro­sa­men­te de­ram as su­as vi­das pa­ra que fos­se pos­sí­vel cons­truir­mos ho­je uma vi­da na­ção li­vre, in­de­pen­den­te de­mo­crá­ti­ca e prós­pe­ra”, dis­se.

O mo­nu­men­to eri­gi­do, acres­cen­tou, pe­la sua re­le­vân­cia his­tó­ri­ca vai eco­ar a sua be­le­za e im­por­tân­cia, além de mos­trar-se a al­tu­ra da ho­me­na­gem fei­ta ao sol­da­do des­co­nhe­ci­do e es­tá des­ti­na­do, cer­ta­men­te, a tor­nar-se um es­pa­ço de frequên­cia ha­bi- tu­al dos ci­da­dãos e tu­ris­tas es­tran­gei­ros. Pe­la sua qua­li­da­de e be­le­za es­té­ti­ca, adi­an­tou,o mo­nu­men­to vai agre­gar va­lor pa­ra a es­tru­tu­ra ur­ba­na do cen­tro his­tó­ri­co de Lu­an­da, cum­prin­do igual­men­te uma fun­ção cul­tu­ral im­por­tan­te.

“Pe­lo con­teú­do ne­le in­se­ri­do de­ve­rá ser um lu­gar de Me­mó­ria, re­la­ci­o­na­da com a nos­sa his­tó­ria po­lí­ti­ca e mi­li­tar con­tri­buin­do pa­ra o en­ri­que­ci­men­to da he­ran­ça co­lec­ti­va e pa­ra to­dos os vi­si­tan­tes vai ser mais uma opor­tu­ni­da­de de sa­ber o que cus­tou a li­ber­da­de e re­co­nhe­cer no pre­sen­te obrei­ro o pas­sa­do de uma gesta gloriosa e de com­ba­te tom­ba­da em de­fe­sa da sa­gra­da Pá­tria, cu­jos no­mes são des­co­nhe­ci­dos, mas o co­ra­ção re­co­nhe­ce e enal­te­ce.”

O LO­CAL

Pa­ra um mo­nu­men­to à al­tu­ra, foi es­co­lhi­do um es­pa­ço ade­qua­do e ca­paz de res­pon­der às hon­ras me­re­ci­das pe­los he­róis da Pá­tria.

A es­co­lha do lo­cal, o lar­go en­tre os Cor­rei­os de An­go­la e a Ma­ri­nha de Guer­ra, ex­pli­cou a mi­nis­tra da Cul­tu­ra, foi fei­ta por ser uma das mais em­ble­má­ti­cas ave­ni­das da ci­da­de Ca­pi­tal, des­de sé­cu­los an­te­ri­o­res, si­tu­a­do na zo­na his­tó­ri­ca da ci­da­de ve­lha, que ter­mi­na na Baía, pe­ran­te a imen­si­dão do Oce­a­no Atlân­ti­co, “um dos prin­ci­pais car­tões de vi­si­ta da ci­da­de”, pro­cu­rou dar a dig­ni­da­de e a mag­ni­tu­de que o mo­nu­men­to me­re­ce.

Co­mo ho­me­na­gem e lem­bran­ça fo­ram in­cluí­das nas la­te­rais do mo­nu­men­to ima­gens sim­bó­li­cas de guer­rei­ros e sol­da­dos, es­col­ta­dos por ce­dros, “quais sen­ti­ne­las, re­pre­sen­tan­do to­dos os que lu­ta­ram e tom­ba­ram no so­lo Pá­trio”.

“As frases de exal­ta­ção da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca, da pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal e de im­por­tan­tes dis­cur­sos de Sua Ex­ce­lên­cia Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos re­ve­lam o sig­ni­fi­ca­do e a im- por­tân­cia de di­ze­res que con­sa­gram os he­róis e os va­lo­res mais su­bli­mes da Na­ção, cu­jo pon­to mais al­to é o Hi­no Na­ci­o­nal.”

A es­tre­la dou­ra­da, con­ti­nu­ou, ao cen­tro do mo­nu­men­to, sim­bo­li­za­da pe­la cha­ma eter­na, cons­ti­tui a mai­or Gló­ria que os va­lo­ro­sos sol­da­dos me­re­cem pe­la sua en­tre­ga fi­nal à cau­sa da Pá­tria, a mais su­bli­me de to­das as cau­sas.

“A fi­gu­ra, re­pre­sen­tan­do me­ta­fo­ri­ca­men­te o sol­da­do he­rói, in­di­ca a sua pas­sa­gem da vi­da pa­ra a eter­ni­da­de e a sua es­tru­tu­ra e o seu de­sign ge­ral ele­vam o me­mo­ri­al aci­ma do so­lo, sim­bo­li­zan­do a ex­ten­são da Na­ção pa­ra a imen­si­dão do ima­gi­ná­rio, em exal­ta­ção ao sa­cri­fí­cio dos sol­da­dos, cu­jas lan­ças rom­pem o in­fi­ni­to, de­sa­fi­an­do o ho­ri­zon­te e ras­gan­do de for­ma in­de­lé­vel o tem­po dos sol­da­dos des­co­nhe­ci­dos, mas he­róis de mui­tas na­ci­o­na­li­da­des que são ho­je re­pre­sen­ta­dos nes­te mo­nu­men­to que nos or­gu­lha a to­dos e dig­ni­fi­ca a Pá­tria An­go­la­na pe­la sua Ma­jes­to­sa ori­gi­na­li­da­de e sim­bo­lis­mo, que se­rá uma re­fe­rên­cia a ní­vel Mun­di­al e que po­de­mos nos or­gu­lhar por ser uma obra cri­a­da por jo­vens ar­tis­tas an­go­la­nos, cu­jo de­sa­fio da cri­a­ção ar­qui­tec­tó­ni­ca me­re­ceu o re­co­nhe­ci­men­to das me­lho­ras e mais con­cei­tu­a­das es­co­las de Be­las Ar­tes es­tran­gei­ras”,acres­ceu.

O no­vo mo­nu­men­to, des­ta­cou, en­ri­que­ce so­bre­ma­nei­ra o pa­tri­mó­nio cul­tu­ral de Lu­an­da, cu­ja cons­tru­ção é uma fe­liz ini­ci­a­ti­va do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos que as­sim pre­ten­deu tam­bém lem­brar às ge­ra­ções vin­dou­ras, co­mo re­cen­te­men­te a ir­mou que “re­cor­dar a he­roi­ci­da­de do po­vo an­go­la­no é an­tes do mais, re­cor­dar a paz, re­jei­tar a guer­ra e a vi­o­lên­cia co­mo meio de re­so­lu­ção de pro­ble­mas”.

Tes­te­mu­nhas des­tas pa­la­vras, dis­se, no fi­nal, são as cri­an­ças que as­sis­ti­ram ao ac­to e sim­bo­li­zam o fu­tu­ro e a con­ti­nui­da­de da ho­me­na­gem ao

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.