PO­LÍ­TI­CAS ASSIMILACIONISTAS NA EDU­CA­ÇÃO COLONIAL

Jornal Cultura - - HISTÓRIA -

en­tão, sob o sig­no da vi­são uni­la­te­ral de evo­lu­ci­o­nis­mo, que se de­sen­vol­veu o pen­sa­men­to eu­ro­peu da­que­la épo­ca.

Ain­da de acor­do com Jo­sé Luís Ca­ba­ço “os co­lo­ni­za­dos são vis­tos, pe­los evo­lu­ci­o­nis­tas, co­mo a pre­sen­ça dos an­te­pas­sa­dos dos co­lo­ni­za­do­res. Es­sa for­mu­la­ção im­pli­ca uma abor­da­gem his­to­ri­cis­ta que to­dos os gran­des pen­sa­do­res da épo­ca, de Com­te a We­ber, de Durkheim a Marx, per­fi­la­ram, mes­mo com abor­da­gens di­fe­ren­tes. A evo­lu­ção do Ho­mem pro­ce­de­ria por fa­ses his­tó­ri­cas de que a ci­vi­li­za­ção eu­ro­peia se­ria mo­de­lo su­pe­ri­or de pro­gres­so e, por­tan­to, o pon­to de re­fe­rên­cia clas­si­fi­ca­tó­rio”. Daí que as trans­for­ma­ções dos po­vos co­lo­ni­za­dos pas­sas­sem a ser con­di­ci­o­na­das pe­las re­la­ções de po­der do­mi­na­das pe­la Eu­ro­pa. Os in­te­res­ses eco­nó­mi­cos e po­lí­ti­cos, sus­ten­tan­do- se nes­sas re­fle­xões teó­ri­cas, le­va­ram a “mis­são evan­ge­li­za­do­ra” a dar lu­gar à “mis­são ci­vi­li­za­do­ra”, uma ex­pres­são que nas­ceu com Na­po­leão III na Fran­ça. Acres­cen­ta ain­da Jo­sé Luís Ca­ba­ço, que as “so­ci­e­da­des pri­mi­ti­vas” que eram en­ca­ra­das co­mo o pas­sa­do no pre­sen­te, pa­ra bem do pro­gres­so uni­ver­sal e pa­ra be­ne­fí­cio dos po­vos “atrasados” te­ri­am, en­tão, de ser su­pri­mi­das. As­sim se impôs a pers­pec­ti­va eu­ro­cên­tri­ca e as­si­mi­la­ci­o­nis­ta jun­to dos po­vos co­lo­ni­za­dos.

O re­for­ço de uma fal­sa te­o­ria ra­ci­al

Já no sé­cu­lo XVIII, G. de Bouf­fon, na sua “His­toi­reGe­ne­ra­le de l’Hom­me”, edi­ta­da em 1749, em Pa­ris, de­du­zia que a de­ge­ne­ra­ção dos ne­gros re­sul­ta­va da di­fe­ren­ça de san­gue e a sua rein­te­gra­ção na na­tu­re­za do ho­mem ne­ces­si­ta­ria de um lon­go pe­río­do se­cu­lar, se­não da eter­ni­da­de. O dis­cur­so da “ra­ça” – ape­sar das re­ac­ções con­trá­ri­as de ou­tros pen­sa­do­res fran­ce­ses, tais co­mo Mon­tes­qui­eu, Hel­vé­tius e, par­ti­cu­lar­men­te, Con­dor­cet – pas­sou a apa­re­cer co­mo uma jus­ti ica­ção “mo­ral” ou, até mes­mo, um des­car­go de cons­ci­ên­cia fa­ce ao trá ico ne­grei­ro e ao con­se­quen­te en­ri­que­ci­men­to nas co­ló­ni­as.

Se­gun­do L. Po­li­a­kov, no seu li­vro “Le mythe aryen. Es­sai sur les sour­ces du ra­cis­me e du na­ci­o­na­lis­me”– ci­ta­do em “Ori­gens do Na­ci­o­na­lis­mo Afri­ca­no” pe­lo so­ció­lo­go an­go­la­no Má­rio de Andrade – ad­mi­tia que “o nar­ci­sis­mo eu­ro­peu re­cla­ma­va uma fron­tei­ra en­tre si e o ou­tro.” Mais tar­de, a ob­ses­são do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.