“HO­MO NALEDI” PRA­TI­CA­VA RITUAIS FUNERÁRIOS?

Jornal Cultura - - HISTÓRIA -

(ÁFRI­CA 21 DI­GI­TAL)

Pes­qui­sa­do­res sul-afri­ca­nos, da Uni­ver­si­da­de Ja­mes Co­ok, con­cluí­ram que um ho­mi­ní­deo des­co­ber­to em 2013 vi­veu ao mes­mo tempo que os pri­mei­ros hu­ma­nos. Paul Dirks e Eric Ro­berts da­ta­ram o “ho­mo naledi” no pe­río­do en­tre há 236.000 e 335.000 anos, usan­do fós­seis en­con­tra­dos num sis­te­ma de ca­ver­nas.

“Quan­do iden­ti ica­mos os fós­seis pe­la pri­mei­ra vez, a mai­o­ria dos pa­le­o­an­tro­pó­lo­gos da equi­pa icou con­ven­ci­da de que te­ri­am um ou dois mi­lhões de anos, mas são mui­to mais re­cen­tes. Is­so quer di­zer que um ho­mi­ní­deo pri­mi­ti­vo per­sis­tiu em Áfri­ca por um pe­río­do de tempo mui­to lon­go, mui­to pa­ra além do que se jul­ga­va pos­sí­vel”, a ir­mou Dirks.

É a pri­mei­ra vez que um mem­bro afas­ta­do da ár­vo­re evo­lu­ti­va hu­ma­na é iden­ti ica­do num pe­río­do em que os pri­mei­ros “ho­mo sa­pi­ens” cru­za­vam o con­ti­nen­te afri­ca­no.

Paul Dirks con­si­de­rou que a es­tru­tu­ra das mãos do “ho­mo naledi” po­de in­di­car que fa­bri­ca­va fer­ra­men­tas, uma vez que no pe­río­do em que vi­veu já exis­ti­am fer­ra­men­tas em Áfri­ca.

Eric Ro­berts apon­tou a di icul­da­de de ex­plo­rar as ca­ver­nas em que os fós­seis fo­ram en­con­tra­dos, si­tu­a­das no cha­ma­do Berço da Hu­ma­ni­da­de, um lo­cal per­to da ci­da­de de Ma­ga­li­es­burg, no nor­des­te da Áfri­ca do Sul.

Com pas­sa­gens aper­ta­das, é com­pos­to por du­as câ­ma­ras, des­co­nhe­cen­do-se por en­quan­to por que ra­zão os “ho­mo naledi” ali fo­ram aca­bar.

“Há um gran­de de­ba­te so­bre se é um lo­cal funerário ou se ica­ram ali pre­sos. Po­dem ter si­do per­se­gui­dos por leões ou até por ou­tros hu­ma­nos, po­dem não ter con­se­gui­do sair. Es­ta é uma re­gião de gran­des tem­pes­ta­des e há ves­tí­gi­os de im­pac­tos de me­te­o­ri- tos na­que­la al­tu­ra. Po­de es­pe­cu­lar-se o que se qui­ser, mas por ago­ra sub­sis­te a hi­pó­te­se ori­gi­nal de te­rem si­do pos­tos ali de pro­pó­si­to”, a ir­mou John Hawks, da uni­ver­si­da­de de Wis­con­sin.

A ideia de o “ho­mo naledi” co­lo­car os mortos em câ­ma­ras sub­ter­râ­ne­as de aces­so di­fí­cil é co­mum em re­la­ção aos “ne­an­derthal”, dos quais há pro­va de rituais funerários nu­ma ca­ver­na pro­fun­da em Es­pa­nha, co­nhe­ci­da co­mo Si­ma de los Hu­e­sos. “A par­te mais ex­ci­tan­te do ‘ ho­mo na­le- di’ é que se tra­ta­va de cri­a­tu­ras com cé­re­bros três ve­zes mais pe­que­nos que os nos­sos”, afir­ma Hawks, acres­cen­tan­do que “não es­ta­mos a fa­lar de um hu­ma­no”.

No en­tan­to, pa­re­ce par­ti­lhar um com­por­ta­men­to que re­co­nhe­ce­mos, um cui­da­do pe­los ou­tros que con­ti­nua após mor­re­rem, sa­li­en­ta.

“Des­lum­bra-me pen­sar que po­de­mos es­tar a tes­te­mu­nhar as raí­zes mais pro­fun­das das prá­ti­cas cul­tu­rais hu­ma­nas”, con­cluiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.