EVOCAÇÃO DE MA­NU­EL FER­REI­RA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - LE­O­NEL COS­ME

Le­o­nel Cos­me evo­ca a me­mó­ria e o tra­ba­lho de Ma­nu­el Fer­rei­ra, in­tro­du­tor dos es­tu­dos de li­te­ra­tu­ra afri­ca­na nas Uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas, no­me­a­da­men­te de Lis­boa.

No seu úl­ti­mo gran­de en­saio saí­do em 1989, O Dis­cur­so no Per­cur­so Afri­ca­no, edi­ta­do pe­la Plá­ta­no Edi­to­ra, Ma­nu­el Fer­rei­ra faz como que um re­po­si­tó­rio do que na­su­a­vi­dae obra mar­cou o lon­go per­cur­so de es­cri­to­rein­ves­ti­ga­dor re­a­li­za­do no mun­do de lín­gua por­tu­gue­sa.

Ho­je é sa­bi­do que Ma­nu­el Fer­rei­ra foi o in­tro­du­tor dos es­tu­dos de li­te­ra­tu­ra afri­ca­na nas Uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas, no­me­a­da­men­te de Lis­boa. Nas­ci­do a 18 de Ju­lho de 1917, em Gân­da­ra dos Oli­vais, fre­gue­sia de Mar­ra­zes e con­ce­lho de Lei­ria, tem si­do ali jus­ta­men­te co­me­mo­ra­do o cen­te­ná­rio do seu nas­ci­men­to, não só pa­ra hon­rar um ilus­tre ilho da ter­ra,mas­tam­bém, e so­bre­tu­do, a per­so­na­li­da­de de re­no­me in­ter­na­ci­o­nal dis­tin­gui­da em to­do o mun­do co­mo­pre­cur­so­ra dos es­tu­dos da li­te­ra­tu­ra afri­ca­na de lín­gua por­tu­gue­sa.

Ma­nu­el Fer­rei­ra fa­le­ceu a 17 de Mar­ço de 1992, no úl­ti­mo lo­cal de re­si­dên­cia, em Lin­da-a-Ve­lha,já com75 anos de ida­de, gran­de par­te dos quais vi­vi­dos nas an­ti­gas co­ló­ni­as por­tu­gue­sas, como Ca­bo Ver­de, Angola e Goa, até re­tor­nar­de ini­ti­va­men­te a Por­tu­gal, em 1954, em fun­ção da sua carreira de mi­li­tar ex­pe­di­ci­o­ná­rio, ini­ci­a­da em Coim­bra, aos 16 anos, como vo­lun­tá­rio. De fa­mí­lia mo­des­ta e fa­le­ci­do o pai quan­do ti­nha dois anos de ida­de, o in­gres­so no Exér­ci­to foi um re­cur­so de vi­da, lo­go que ob­te­ve um cur­so co­mer­ci­al ti­ra­do em Lei­ria,pa­ra o que fo­ra­pre­ci­so­ca­mi­nhar a pé os qui­ló­me­tros que dis­tan­ci­a­vam aque­la ci­da­de da sua al­deia.

Em Coim­bra, o am­bi­en­te con­tes­ta­tá­rio do Exér­ci­to à po­lí­ti­ca mi­li­tar de Sa­la­zar en­vol­veu- o ao pon­to de, em 1938, ser de­ti­do e co­lo­ca­do na pri­são da PVD do Por­to, a se­guir trans­fe­ri­do pa­ra o Al­ju­be e de­pois jul­ga­do por um tri­bu­nal mi­li­tar, que aca­bou por o ab­sol­ver. Era um jo­vem ca­bo de vin­te e pou­cos anos sem an­te­ce­den­tes cri­mi­nais…

Mas foi na pri­são do Por­to que ele des­per­tou ver­da­dei­ra­men­te pa­ra o co­nhe­ci­men­to do mun­do, o pa­pel his­tó­ri­co de Por­tu­gal ne­le e da po­lí­ti­ca ac­tu­al se­gui­da pe­lo go­ver­no de Sa­la­zar, gra­ças ao con­tac­to com ou­tros pre­sos de ele­va­da­for­ma­ção po­lí­ti­ca e cul­tu­ral, ad­ver­sá­ri­os do re­gi­me, no­me­a­da­men­te um que vi­ria a des­ta­car-se, mui­tos anos de­pois , em Angola: Jo­fre Ama­ral No­guei­ra, his­to­ri­a­dor e en­saís­ta afec­to ao Par­ti­do Co­mu­nis­ta, que mais tar­de,na­que­la co­ló­nia, foi pro­fes­sor do en­si­no téc­ni­co, e nas ci­da­des de Lu­an­da, No­va Lis­boa e Sá da Ban­dei­ra de­sen­vol­veu no­tá­vel ac­ti­vi- da­de cí­vi­ca e cul­tu­ral, ao mes­mo tem­po que ia es­cre­ven­do nos jor­nais e pu­bli­ca­va li­vros so­bre a co­lo­ni­za­ção de Angola, até ser obri­ga­do a re­tor­nar a Por­tu­gal, por mo­ti­vo de do­en­ça de fa­mi­li­ar. É ima­gi­ná­vel que­no con­tac­to­do jo­vem Ma­nu­el Fer­rei­ra na pri­são com opo­si­to­res ao re­gi­me fas­cis­ta e co­lo­ni­a­lis­ta al­guém lhe ti­ves­se lem­bra­do, até por gra­ça, que no mes­mo ano do seu nas­ci­men­to – 1917 – te­ve lu­gar a Re­vo­lu­ção Rus­sa, as Apa­ri­ções de Fátima e no Sul de Angola a mor­te (por suicídio ou al­ve­ja­do pe­la tropa in­gle­sa) do in­sub­mis­so rei dos cu­a­nha­mas, Man­du­me Ya Nde­mu­fayo…

Em 1941, o ca­bo Ma­nu­el Fer­rei­ra foi mo­bi­li­za­do pa­ra ser­vir em Ca­bo Ver­de, on­de per­ma­ne­ceu até 1947, fez o cur­so li­ce­al, ca­sou com a ca­bo­ver­di­a­na Or­lan­da Ama­ri­lis, que com ele se fez es­cri­to­ra, nas­ceu o pri­mei­ro ilho e es­cre­veu o pri­mei­ro li­vro­de te­má­ti­ca ca­bo­ver­di­a­na: ”Morna”. EmCa­bo Ver­de, en­tão­as­so­la­do por anos de fo­me, se po­de­rá di­zer que ele re­nas­ceu, re­con igu­ra­do na sen­si­bi­li­da­de e na for­ma­ção ide­o­ló­gi­ca.Como nos con­ta:

“No fo­go da nos­sa ju­ven­tu­de, an­da­mos me­ti­dos, noi­te e dia, por to­dos os can­tos e re­can­tos da ci­da­de do Min­de­lo, ce­do nos de­mos a amar a mú­si­ca ca­bo­ver­di­a­na, pre­sos do gos­to da sua dan­ça, da sua cu­li­ná­ria, do seu fol­clo- re, do mo­do de vi­ver e en­ten­der o mun­do, en­ri­que­ce­mo-nos na vi­são das coi­sas e en­ten­der o mun­do, en­ri­que­ce­mo-nos na vi­são das coi­sas e do ho­mem.(…) Apren­den­do como o co­lo­ni­a­lis­mo tra­va e su­fo­ca o es­pí­ri­to de ini­ci­a­ti­va, a ca­pa­ci­da­de cri­a­do­ra po­pu­lar, a to­dos os ní­veis; como o co­lo­ni­a­lis­mo não es­ta­va na­da in­te­res­sa­do em dar so­lu­ção aos pro­ble­mas fun­da­men­tais das po­pu­la­ções; como a vo­ca­ção do co­lo­ni­a­lis­mo é an­tro­po­fá­gi­ca, etc. (…) E, fa­tal­men­te, à me­di­da que pro­cu­rá­mos apro­fun­dar cer­tos as­pec­tos da pro­ble­má­ti­ca ca­bo­ver­di­a­na, mai­or ne­ces­si­da­de e mai­or ape­tên­cia tí­nha­mos pa­ra co­nhe­cer o que se pas­sa­va nos ou­tros paí­ses afri­ca­nos, co­ló­ni­as por­tu­gue­sas. E na­tu­ral­men­te ori­en­tá­mos as nos­sas pre­o­cu­pa­ções no sen­ti­do de es­tu­dar o fe­nó­me­no li­te­rá­rio e cul­tu­ral de ca­da uma des­sas na­ções. Quer di­zer, da ‘ es­co­la ca­bo­ver­di­a­na’ fo­mos ca­ta­pul­ta­dos pa­ra a ´es­co­la afri­ca­na´.“

Quan­do re­gres­sa a Por­tu­gal, já com fa­mí­lia cons­ti­tuí­da, cum­pri­da a co­mis­são de ser­vi­ço, já os pri­mei­ros es­cri­tos – “Grei” e “A Ca­sa dos Mo­tas” – têm a mar­ca do neo-re­a­lis­mo­que, pon­ti ican­do na mo­der­na li­te­ra­tu­ra por­tu­gue­sa, ele in­te­ri­o­ri­za­ra nas ilhas so­fre­do­ras do Atlân­ti­co. Mas pou­co tem­po de­mo­rou no país na­tal: já sar­gen­to, é co­lo­ca­do em Goa, on­de ica até 1954, sem se sen­tir atraí­do por uma vi­vên­cia meio in­di­a­na que não o ins­pi­ra­ra, mas apro­vei­tan­do os seis anos de per­ma­nên­cia pa­ra ti­rar um cur­so de Far­má­cia, e a es­po­sa, de pro­fes­so­ra pri­má­ria.

Co­lo­ca­do nas Cal­das da Raí­nha, con­cluio li­vro de con­tos de te­má­ti­ca ca­bo­ver­di­a­na, “Mo­ra­be­za”, pre­fa­ci­a­do por Jo­sé Car­do­so Pi­res, que é dis­tin­gui­do com o Pré­mio Fer­não Men­des Pin­to, da o ici­o­sa Agência Ge­ral do Ul­tra­mar. To­da­via, a co­la­bo­ra­ção que vai man­ten­do­com­jor­nais e re­vis­tas li­te­rá­ri­as, a par do re­la­ci­o­na­men­to com per­so­na­li­da­des não afec­tas ao re­gi­me, é mo­ti­vo pa­ra ser trans­fe­ri­do, em 1958, pa­ra Lis­boa. Aqui se des­do­bra a sua ac­ti­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca e é da­do à es­tam­pa o seu pri­mei­ro ro­man­ce de te­má­ti­ca ca­bo­ver­di­a­na, “Ho­ra di Bai”, dis­tin­gui­do pe­la Aca­de­mia de Ci­ên­ci­as com o Pré­mio Ri­car­do Ma­lhei­ros. Em 1961 é con­vi­da­do pa­ra se­cre­ta­ri­ar a di­rec­ção da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Es­cri­to­res, pre­si­di­da por Fer­rei­ra de Cas­tro, car­go que ele exer­ce até 1965, quan­do aque­la So­ci­e­da­de é dis­sol­vi­da por ac­ção da po­lí­cia po­lí­ti­ca em con­sequên­cia da dis­tin­ção que con­fe­re ao li­vro “Lu­u­an­da”, de Lu­an­di­no Vi­ei­ra, en­tão já pri­si­o­nei­ro, com ou­tros na­ci­o­na­lis­tas an­go­la­nos, no cam­po de con­cen­tra­ção do Tar­ra­fal. Tam­bém como con­sequên­cia da ac­ção des­trui­do­ra da PIDE, em Angola, na mes­ma al­tu­ra e por igual dis­tin­ção da So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de Angola ao li­vro de Lu­an­di­no Vi­ei­ra, es­ta fo­ra igual­men­te dis­sol­vi­da, e por ar­ras­ta­men­to, em Sá da Ban­dei­ra, a edi­to­ra IMBONDEIRO, que pu­bli­ca­ra Lu­an­di­no e ou­tros au­to­res in­de­pen­den­tis­tas da cha­ma­da Ge­ra­ção de 5O.

Do en­vol­vi­men­to de Ma­nu­el Fer­rei­ra na­que­le acon­te­ci­men­to, que le­vou à pri­são al­guns mem­bros di­rec­ti­vos da SPE, re­sul­tou que ele fos­se des­ta­ca­do, ain­da em 1965, já como te­nen­te, pa­ra Angola, on­de ica dois anos. É ou­tro pe­río­do de con ir­ma­ções prá­ti­cas e teó­ri­cas, com a prin­ci­pal co­ló­nia de Por­tu­gal em guer­ra de­cla­ra­da. Pa­ra ele, sem no­vi­da­des nem sur­pre­sas, da­do que há mui­to vi­nha se­guin­do aten­ta­men­te o mo­vi­men­to in­de­pen­den­tis-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.