O DIS­CUR­SO PÓS-CO­LO­NI­AL COM NO­VO EN­QUA­DRA­MEN­TO HIS­TÓ­RI­CO-CUL­TU­RAL

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Num mo­men­to muito par­ti­cu­lar de vi­ra­gem na his­tó­ria po­li­ti­ca e eco­nó­mi­ca de An­go­la, aca­ba de ser lan­ça­do, dia 27 de No­vem­bro, no Ca­mões – Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da, o pro­jec­to edi­to­ri­al TRONCOS DA LI­TE­RA­TU­RA AN­GO­LA­NA, para co­lo­car no mer­ca­do obras iné­di­tas de au­to­res an­go­la­nos que têm con­tri­buí­do para a mo­der­ni­za­ção do mo­sai­co li­te­rá­rio na­ci­o­nal.

Num mo­men­to muito par­ti­cu­lar de vi­ra­gem na his­tó­ria po­li­ti­ca e eco­nó­mi­ca de An­go­la, aca­ba de ser lan­ça­do, dia 27 de No­vem­bro, no Ca­mões – Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da, o pro­jec­to edi­to­ri­al TRONCOS DA LI­TE­RA­TU­RA AN­GO­LA­NA, para co­lo­car no mer­ca­do obras iné­di­tas de au­to­res an­go­la­nos que têm con­tri­buí­do para a mo­der­ni­za­ção do mo­sai­co li­te­rá­rio na­ci­o­nal.

Os TRONCOS DA LI­TE­RA­TU­RA AN­GO­LA­NA, re­sul­tan­tes de uma par­ce­ria en­tre a Edi­to­ra Acá­ci­as, o Mo­vi­men­to Lev’Ar­te e o Ca­mões, sur­gem no pa­no­ra­ma da Li­te­ra­tu­ra an­go­la­na pós-co­lo­ni­al co­mo o dis­cur­so de uma no­va era, saí­da das elei­ções de Agos­to de 2017, pe­ran­te uma há muito es­pe­ra­da aber­tu­ra de­mo­crá­ti­ca.

A obra inau­gu­ral do pro­jec­to in­ti­tu­la- se AN­GO­LA, ME DIZ AIN­DA, do po­e­ta José Luís Men­don­ça. Tra­ta- se de um dis­cur­so poé­ti­co, com­pos­to nu­ma lin­gua­gem muito par­ti­cu­lar da An­go­la­ni­da­de, que va­lo­ri­za o por­tu­guês de An­go­la e al­gu­ma ex­pres­si­vi­da­de do quim­bun­do, dentro da­que­la con­cep­ção do dis­cur­so que o en­saís­ta Má­rio António cha­mou, em 1958, de Po­e­sia Ne­gra de Ex­pres­são Por­tu­gue­sa­co­mo­sen­do “a afir­ma­ção de uma po­si­ção em fa­ce de um pro­ble­ma”.

Es­ta clas­si ica­ção me­to­do­ló­gi­ca, se­gun­do José Men­don­ça, con­ti­nua vá­li­da para os di­as de hoje. No seu vec­tor ide­o­ló­gi­co, a po­e­sia de Agos­ti­nho Ne­to é po­e­sia Ne­gra de ex­pres­são por­tu­gue­sa da­da a sua a ir­ma­ção de uma po­si­ção (de re­jei­ção e con­de­na­ção) em fa­ce de um pro­ble­ma (de opres­são co­lo­ni­al do ho­mem ne­gro). No seu vec­tor es­té­ti­co-for­ma­la clas­si ica­ção de po­e­sia Ne­gra é afe­ri­da do ca­rác­ter iden­ti­tá­rio da obra de Agos­ti­nho Ne­to, so­bre­tu­do os re­cur­sos es­té­ti­co-for­mais e o hi­bri­dis­mo lin­guís­ti­co inau­gu­ra­do pe­lo Po­e­ta.

Que re­la­ção exis­ti­rá en­tre a Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, de Agos­ti­nho Ne­to, e An­go­la me Diz Ain­da, que inau­gu­rou a co­lec­ção Troncos da Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na?

A pri­mei­ra si­mi­li­tu­de é o di­fe­ri­men­to da sua pu­bli­ca­ção. Tal co­mo a Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, em­bo­ra con­te­nha ver­sos já edi­ta­dos na Itália, no tem­po da luta armada, ape­nas saiu quin­ze anos de­pois em Lu­an­da, tam­bém a po­e­sia de An­go­la, me Diz Ain­da es­te­ve guar­da­da na ga­ve­ta desde os anos 80.

A se­gun­da no­ta de en­tro­sa­men­to com a po­e­sia de Agos­ti­nho Ne­to é que,tal co­mo a po­e­sia de Ne­to, An­go­la, me Diz Ain­da é uma epo­peia do per­cur­so his­tó­ri­co do po­vo an­go­la­no, desde a in­de­pen­dên­cia até aos di­as de hoje.

“As pa­la­vras têm ou­vi­dos”, ex­pli­cou o au­tor, “elas vão por es­se mun­do es­cu­tan­do vo­zes, es­cu­tan­do coi­sas que nós não ou­vi­mos de ou­vir cla­ro. Por is­so, no fun­do, no fun­do, não fui eu quem es­cre­veu es­te li­vro. Ape­nas me sub­me­ti às fa­las de to­do um con­jun­to muito vas­to de pes­so­as que não vi­ven­ci­ou o que é uma ver­da­dei­ra in­de­pen­dên­cia, ti­ran­do a bandeira e o bi­lhe­te de iden­ti­da­de, que muitos até nem pos­su­em”, re­ma­tou Men­don­ça.

Es­ta ini­ci­a­ti­va vi­sa va­lo­ri­zar o tra­ba­lho dos es­cri­to­res an­go­la­nos e pro­por­ci­o­nar um en­con­tro in­te­lec­tu­al en­tre os “troncos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na” e a no­va ge­ra­ção de es­cri­to­res e lei­to­res, bem co­mo pro­mo­ver uma mai­or com­pe­tên­cia lin­guís­ti­ca do por­tu­guês no seio da ca­ma­da ju­ve­nil.

Se­guin­do o cri­té­rio da qua­li­da­de in­te­lec­tu­al e es­té­ti­ca das su­as obras iné­di­tas, de­pois de Men­don­ça, se­guir-se-ão Luís Kand­jim­bo, António Gonçalves e Cris­tó­vão Ne­to.

Au­tor do li­vro (ao cen­tro) la­de­a­do da di­rec­to­ra do Ca­mões (à es­quer­da) e de Ki­o­cam­ba Kas­sua do Lev’Ar­te (à di­rei­ta)

Ma­rim­bei­ros mar­ca­ram re­ce­be­ram os con­vi­da­dos lo­go a en­tra­da

Pú­bli­co pre­sen­te no ac­to de lan­ça­men­to re­a­li­za­do no Ca­mões - cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.