O TER­RÍ­VEL, ANO DO MACACO VER­ME­LHO

CON­TO DE ANTÓNIO FON­SE­CA

Jornal Cultura - - Primeira Página - ANTÓNIO FON­SE­CA

Diz-se ain­da hoje que os fac­tos do Ter­rí­vel Ano do Macaco Ver­me­lho, ocor­re­ram muitos anos de­pois da­que­le em que os min­de­le, ten­do che­ga­do ao reino, pou­co de­pois ha­vi­am en­fren­ta­do o sa­cer­do­te da chu­va.

Desde sem­pre se sou­be que aque­la era uma terra onde, amiú­de, ocor­ri­am fac­tos ma­ra­vi­lho­sos, fac­tos ex­tra­or­di­ná­ri­os e mes­mo fac­tos ter­rí­veis co­mo aque­les que se vi­ve­ram no ano que fi­cou a ser co­nhe­ci­do co­mo “O Ter­rí­vel Ano do Macaco Ver­me­lho”.

Era uma terra em que os ho­mens e as di­vin­da­des vi­vi­am, con­vi­vi­am e se cru­za­vam a ca­da mo­men­to e de que se sa­bia que, ten­do Nzam­bi Mpun­gu cri­a­do o mun­do, com­pe­tia à ki­an­da, o im­pé­rio so­bre os ri­os, la­gos, la­go­as, fon­tes, char­cos, ou­tei­ros, bos­ques e so­bre o mar. Tam­bém im­pe­ra­va so­bre os ho­mens, so­bre to­dos os ani­mais e so­bre a chu­va e, às su­as leis, to­dos de­vi­am obe­di­ên­cia, sob o risco de en­fren­ta­rem a sua fú­ria. A sua influência es­ten­di­a­se à pes­te, à fo­me, à guer­ra, à paz e a tu­do mais. Por is­so mes­mo, na falta de chu­va, de pei­xe ou de ví­ve­res, os ho­mens a ela re­cor­ri­am com su­as an­gús­ti­as. En­tão, com uma si­ne­ta du­pla, pe­lo Bo­ka eram to­dos con­vo­ca­dos para num dia de­sig­na­do, na praia ou à bei­ra-rio, re­ce­be­rem a sua vi­si­ta. Ho­mens, mulheres e cri­an­ças, to­dos os pre­sen­tes, eram en­tão na­que­le dia un­ta­dos pe­lo ki­lam­ba, com uma mis­tu­ra de água e bar­ro, com que se pu­ri­fi­ca­vam para re­ce­ber e ho­me­na­ge­ar a di­vin­da­de.

Cha­ma­da pe­lo Ki­lam­ba Kya Ixi, ves­ti­do de uma pe­le de ani­mal so­bre o pa­no, usan­do na ca­be­ça a sua ki­jin­ga, com unhas de aves de ra­pi­na, de leões, de ti­gres, den­tes de ja­ca­ré e pe­nas bran­cas e en­car­na­das de di­fe­ren­tes aves or­na­men­ta­da, à ki­an­da, tam­bém cha­ma­da ki­xim­bi ou ki­tu­ta, eram ofe­re­ci­dos muitos ki­tu­tes e vi­nhos da terra e fi­nos vi­nhos, azei­tes, do­ces e igua­ri­as vin­das das ter­ras de além­mar, por to­dos tra­zi­dos, a que se se­guia o sa­cri­fí­cio de al­guns ani­mais. Com a sua di­kua, sem­be­le ou ma­cha­di­nha, o Ki­lam­ba fa­zia a ku­din­ga. Eram por­cos, ca­bri­tos e ga­li­nhas que as­sim eram aba­ti­dos em ho­me­na­gem à ki­an­da, de quem se aguar­da­va cle­mên­cia por qual­quer des­res­pei­to à sua lei e lhes fi­zes­se vir a chu­va ou acal­mas­se as ca­le­mas. Se não fos­se castigo seu e por­ven­tu­ra a chu­va ti­ves­se si­do amar­ra­da por al­gum fei­ti­cei­ro, pe­dia- se à ki­an­da que or­de­nas­se de­sa­mar­rá-la e vol­tas­se a cho­ver.

Nes­sa oca­sião, o sa­cer­do­te der­ra­ma­va no lu­gar e por to­dos os can­tos, go­tas de ca­da líquido re­ce­bi­do dos pre­sen­tes, dos vindos de além-mar ao vi­nho de pal­ma, en­quan­to mui­ta gen­te ao re­dor ia to­can­do cho­ca­lhos, ba­tu­ques e can­tan­do. Pro­cu­ra­va- se a co­mu­ni­ca­ção pa­cí­fi­ca com a ki­an­da, que não se apre­sen­ta­va em cor­po, mas sim em es­pí­ri­to na ca­be­ça de um ho­mem ou de uma mu­lher, por in­ter­mé­dio de quem via, ou­via e fa­la­va.

Sen­ta­do no seu mo­cho, en­tra­va en­tão o xin­gui­la­dor em con­vul­sões e da sua bo­ca saíam pa­la­vras só per­ce­bi­das pe­los “en­ten­di­dos”. Con­si­de­ra­va- se nes­sa oca­sião que um san­to en­tra­ra na ca­be­ça do xin­gui­la­dor por quem a di­vin­da­de se anun­ci­a­va. Ora em voz al­ta, ora em sus­sur­ros, via- se en­tão o Ki­lam­ba im­plo­ran­do e ro­gan­do para que a ki­an­da acal­mas­se a sua fú­ria e lhes des­se de vol­ta a chu­va, o sus­ten­to dos cam­pos ou o pei­xe das águas.

Da­que­las pa­ra­gens­cons­ta que ha­vi­am pas­sa­dos inú­me­ros anos, desde a al­tu­ra em que ali se ins­ta­la­ra a gen­te de Ki­ma­lau­e­zu kya Tumba a Nda­la. A es­te pro­pó­si­to con­ta- se que, ten­do fi­ca­do grá­vi­da uma das es­po­sas des­te gran­de se­nhor, só lhe ape­te­cia co­mer pei­xe. Ki­ma­lau­e­zu kya Tumba a Nda­la man­dou en­tão um dos seus ser­vos pes­car ao rio. No pri­mei­ro dia, o ser­vo pes­cou bas­tan­te pei­xe. A se­nho­ra co­zi­nhou- o e co­meu- o to­do. No dia se­guin­te, o ser­vo foi no­va­men­te à pes­ca. Pes­cou no­va­men­te uma gran­de quan­ti­da­de de pei­xe. No­va- men­te a se­nho­ra co­zi­nhou- os e co­meu- os no mes­mo dia. No dia se­guin­te acon­te­ceu a mes­ma coi­sa. Sem­pre que o ser­vo fos­se à pes­ca, tra­zia ca­da vez mai­o­res quan­ti­da­des de pei­xe, mas a mu­lher de Ki­ma­lau­e­zu kya Tumba a Nda­la aca­ba­va-os to­dos no mes­mo dia. Is­so pro­lon­gou-se du­ran­te muito tem­po. Cer­to dia, o ser­vo che­gou ao rio, ati­rou a re­de para a água e es­pe­rou al­gum tem­po. Pu­xou a re­de e cons­ta­tou que a mes­ma es­ta­va bem pe­sa­da. Pu­xoua no­va­men­te, mas sem resultado. Gri­tou en­tão:

– Tu que es­tás a pren­der a re­de, ain­da que se­jas o do­no do rio ou um cro­co­di­lo, lar­ga a mi­nha re­de. Não vim pes­car por mi­nha von­ta­de, cum­pro or­dens.

O ser­vo vol­tou a pu­xar a re­de e en­tão foi bem su­ce­di­do. Po­rém, qu­an­do olhou para a re­de, viu al­go de es­pan­to­so e, cheio de me­do, pôs-se a fugir. Nis­so ou­viu uma voz que lhe di­zia: – Pá­ra, não cor­ras mais!... O ho­mem obe­de­ceu e vol­tou ao mes­mo lu­gar onde es­ta­va an­tes e pu­xou a re­de. O ser ex­tra­or­di­ná­rio dis­se-lhe:

– Eu sou o ki­xim­bi des­te rio. Vai para casa e vol­ta com aque­les que te obri­ga­ram a pes­car. O ho­mem obe­de­ceu e, ten­do che­ga­do a casa, ex­pli­cou tu­do o que o gé­nio lhe ha­via di­to. Ki­ma­lau­e­zu kya Tumba a Nda­la e a sua mu­lher grá­vi­da, acom­pa­nha­dos do pes­ca­dor, par­ti­ram e che­ga­ram ao lo­cal. Ali es­ta­va o ki­xim­bi do rio, que lhes dis­se:

– Tu, Ki­ma­lau­e­zu kya Tumba a Nda­la, meu ami­go, qu­an­do vi­es­te com a tua gen­te fi­xar- te nes­tas ter­ras, pe­dis­te- me au­to­ri­za­ção. En­tre­tan­to, ago­ra que a tua mu­lher es­tá grá­vi­da, já não co­me outra coi­sa a não ser pei­xe. Por con­sequên­cia dis­so, to­do o pei­xe aca­bou e o meu po­vo de­sa­pa­re­ceu. Por is­so, qu­an­do a cri­an­ça nas­cer, se ela for ra­pa­ri­ga se­rá mi­nha mu­lher; se for ra­paz, se­rá meu ami­go, meu xa­rá e fi­ca­rá a vi­ver co­mi­go. En­tão, Ki­ma­lau­e­zu kya Tumba a Nda­la, per­gun­tou: – O que de­se­jas mais de mim? E, olhan­do para o lo­cal em que es­ti­ve­ra a di­vin­da­de, já não a viu mais.

Sa­bia- se tam­bém por aque­las pa­ra­gens que Nzam­bi Mpun­gu, de­pois de ter cri­a­do a terra e o sol, a água e o fo­go, “deu for­ma ao ho­mem e à mu­lher, uti­li­zan­do es­tes dois ele­men­tos. Ao ca­sal pri­mor­di­al a trans­cen­dên­cia di­vi­na atri­buiu os no­mes de Sàmbà e Máwezè. Es­tes ti­ve­ram uma gran­de pro­gé­nie de am­bos os se­xos. Sen­do ir­mãos, não po­di­am ca­sar-se nem fa­zer sexo. Is­to fez com que, de­pois de acor­da­do com os pro­ge­ni­to­res, Nzam­bi se te­nha de­ci­di­do a pu­ri­fi­cá- los. Para tan­to, os fi­lhos do ca­sal de­ve­ri­am na ma­dru­ga­da do dia se­guin­te atra­ves­sar o rio Kwanzà. Chegada a ho­ra apra­za­da, ape­nas dois dos ir­mãos acor­da­ram ao can­to do ga­lo e cum­pri­ram com o es­ti­pu­la­do, is­to é, atra­ves­sar o rio. Qu­an­do che­ga­ram ao ou­tro ex­tre­mo, es­ta­vam com­ple­ta­men­te es­bran­qui­ça­dos e trans­for­ma­dos em “se­res ma­ra­vi­lho­sos”; Nzàmbì atri­buiu-lhes os no­mes de Mpem­ba e Ndèlè. De­ci­diu ain­da que, do­ra­van­te, es­tes de­ve­ri­am pas­sar a vi­ver nes­se mun­do que al­can­ça­ram, is­to é, o mun­do har­mo­ni­o­so das águas, da hu­mi­da­de, do bri­lho e da lu­mi­no­si­da­de, da bran­cu­ra e da fe­li­ci­da­de ab­so­lu­ta. Os ou­tros ir­mãos, que não cum­pri­ram com a or­dem es­ti­pu­la­da, pas­sa­ram a vi­ver de­fi­ni­ti­va­men­te na terra, com os seus pro­ble­mas e an­gús­ti­as” ( 1). Por is­so mes­mo, qu­an­do os na­tu­rais vi­ram emer­gir das águas do mar gran­des bar­cos e ho­mens de pe­le cla­ra, entraram em pâ­ni­co, por cre­rem que se tra­ta­va dos fi­lhos de Nde­le que, ten­do saí­do das águas onde ha­bi­ta­vam, vol­ta­vam à terra. De­les fu­gi­ram e pas­sa­ram a de­sig­ná- los por min­de­le. Re­co­nhe­ce­ram­lhes au­to­ri­da­de e pres­ta­ram-lhes re­ve­rên­cia, o que facilitou a sua pe­ne­tra­ção e a ocu­pa­ção do reino.

Cons­ta que, da pri­mei­ra vez que os min­de­le es­ti­ve­ram fren­te a fren­te com os au­tóc­to­nes, com pa­la­vras não en­ten­di­das, mas com lar­gos ges­tos per­ce­bi­dos, ao per­gun­ta­rem- lhes que terra era aque­la, res­pon­de­ram-lhes:

– Mwa Ne Soyo. – Di­zi­am que aque­las eram as ter­ras e as gen­tes do Ne Soyo.

Ano­tou en­tão o cro­nis­ta dos min­de­le: “Mu­a­ni Soio”. E es­cre­veu que aque­la terra era go­ver­na­da por um Go­ver­na­dor de­sig­na­do Mu­a­ni ou Ma­ni. Ti­nha ocor­ri­do um er­ro de co­mu­ni­ca­ção fa­tal que trou­xe para a his­tó­ria um tí­tu­lo que nun­ca exis­tiu na­que­le reino ou na­que­la lín­gua.

Diz- se ain­da hoje que os fac­tos do Ter­rí­vel Ano do Macaco Ver­me­lho, ocor­re­ram muitos anos de­pois da­que­le em que os min­de­le, ten­do che­ga­do ao reino, pou­co de­pois ha­vi­am en­fren­ta­do o sa­cer­do­te da chu­va e as­sim o re­la­tor ti­nha es­cri­to ao seu Rei: “achei aqui um gran­de fei­ti­cei­ro, que an­da­va em tra­jes de mu­lher, e por mu­lher era ti­do sen­do ho­mem, a coi­sa mais feia e me­do­nha que em mi­nha vi­da vi: to­dos lhe ti­nham me­do e nin­guém lhe ou­sa­va fa­lar, por­que era ti­do por Deus da água e da saú­de. Man­dei-o bus­car e trou­xe­ram-mo ata­do: qu­an­do vi, fi­quei ató­ni­to e to­dos se pas­ma­ram de ver uma coi­sa tão dis­for­me. Vi­nha ves­ti­do co­mo sa­cer­do­te da lei velha, com uma ca­ra­mi­nho­la fei­ta dos seus pró­pri­os ca­be­los, com tan­tos e tão com­pri­dos mi­chem­bos, que pa­re­cia mes­mo o di­a­bo”(2) .

“Em che­gan­do lhe per­gun­tei se era ho­mem ou mu­lher, mas não quis res­pon­der a pro­pó­si­to; man­dei- lhe lo­go cor­tar os ca­be­los que fa­zi­am vul­to de um no­ve­lo de lã, e ti­rar os pa­nos com que es­ta­va ves­ti­do, até o dei­xar em tra­jes de ho­mem. E para que vis­sem que não era Deus da chu­va, pois vi­nha con­tra a sua von­ta­de, or­de­nou Deus que es­tan­do nós nis­to se dei­xou vir uma gran­de bá­te­ga de água, com que to­dos se ale­gra­ram por­que a de­se­ja­vam muito. Re­co­lhe­mo- nos os que aí es­tá­va­mos para dentro da igre­ja e a ele dei­xei- o fi­car à chu­va, até que con­fes­sou que ele nas­ce­ra ho­mem, mas que o de­mó­nio dis­se­ra à sua mãe que o fi­zes­se mu­lher, senão iria mor­rer e que até ago­ra fo­ra mu­lher, mas que da­li por di­an­te, pois lhe di­zia a ver­da­de, que­ria ser ho­mem: já era tão ve­lho que ti­nha a bar­ba toda bran­ca, a qual tra­zia ra­pa­da” (3). Po­rém, acres­cen­ta­vam os po­pu­la­res, mal a chu­va pa­rou, lo­go apa­re­ceu no posto ad­mi­nis­tra­ti­vo um ja­ca­ré le­van­do na bo­ca um sa­co com mo­e­das para pa­gar o seu im­pos­to e pôs em de­ban­da­da toda a gen­te que lá es­ta­va. Avan­çou e ali fi­cou a dar vol­tas. E nin­guém en­trou en­quan­to lá es­te­ve o ja­ca­ré; tu­do fu­gia. Pou­co de­pois, o sol tor­nou- se uma bo­la de fo­go que se­cou a ve­ge­ta­ção e in­cen­di­ou to­do o bur­go. Ape­nas res­tou um ve­lho so­bra­do de dois an­da­res, cons­truí­do em ma­dei­ra, que re­sis­ti­ra a to­das as guer­ras, co­nhe­cia to­das as his­tó­ri­as e de que se di­zia ser ha­bi­ta­do por um po­de­ro­so pos­sui­dor de mai­om­bo­las. Re­sis­ti­ra ao tem­po e ao in­cên­dio que quei­ma­ra tu­do em re­dor. Não se sa­bia ao cer­to quem o man­da­ra cons­truir, mas di­zia-se que ti­nha si­do por um igual­men­te po­de­ro­so pos­sui­dor de mai­om­bo­las e que na épo­ca o so­bra­do re­sis­ti­ra ao fo­go por­que, en­quan­to o fo­go avan­ça­va, os mai­om­bo­las car­re­gan­do enor­mes se­lhas de água car­ta­das da ca­cim­ba no quin­tal fo­ram mo­lhan­do toda a ve­ge­ta­ção em re­dor en­quan­to ou­tros, co­mo se faz nas quei­ma­das, em tor­no do so­bra­do, iam der­ru­ban­do o ca­pin­zal, dei­xan­do um cír­cu­lo de terra ba­ti­da de mais de cin­quen­ta me­tros de raio. Fo­ra um tra­ba­lho rápido e efi­caz, até por­que eram mi­lha­res os mai­om­bo­las a tra­ba­lhar, que já ali per­ma­ne­ci­am desde que o mes­mo fo­ra cons­truí­do. Mor­ri­am os ho­mens, mas ali fi­ca­vam os mai­om­bo­las a que se vi­nham jun­tar ou­tros tra­zi­dos pe­los no­vos in­qui­li­nos. Na­que­le ano, que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo o Ano Ter­rí­vel do Macaco Ver­me­lho, por for­ça das mui­tas em­bos­ca­das, das múl­ti­plas cap­tu­ras de sol­da­dos ini­mi­gos em ar­ma­di­lhas de ca­ça adap­ta­das à oca­sião, o bur­go min­guan­do de fo­me se viu obri­ga­do a abrir os ca­na­vi­ais e aí plan­tar um pou­co de tu­do que des­se para co­mer. Po­rém, pe­las su­as pró­pri­as ca­rac­te­rís­ti­cas nu­tri­ci­o­nais, pri­vi­le­gi­ou-se o cul­ti­vo de mi­lho.

Lan­çou - se as­sim pe­la pri­mei­ra vez o con­cei­to da­qui­lo que muitos, muitos anos mes­mo, mais tar­de, vi­ria a cha­mar- se cin­tu­ra ver­de das ci­da­des. Não se sa­be pois, ao cer­to, o ano em que tal acon­te­ceu. Sa­be- se ape­nas que, ten­do o mi­lho si­do lan­ça­do à terra, le­van­ta­do as su­as ban­dei­ras, cres­ci­do e es­pi­ga­do, ban­dos de ma­ca­cos in­va­di­ram os cam­pos.

As­sim fi­ze­ram uma, du­as ve­zes… mas uma ter­cei­ra vez já não po­dia ser; as­sim de­ci­diu Sô Fe­li­ci­a­no que fi­cou co­nhe­ci­do na his­tó­ria co­mo o es­tra­te­ga da re­sis­tên­cia con­tra a mor­te pe­la fo­me. Com efei­to, nu­ma des­sas noi­tes qua­se não dor­mi­das de tan­to co­gi­tar no as­sun­to, to­mou a decisão de aca­bar com os ma­ca­cos que de­vo­ra­vam o mi­lho com tan­to risco e a tan­to cus­to plan­ta­do. Man­dou pois Sô Fe­li­ci­a­no cap­tu­rar um macaco. Um macaco que, en­tre os pou­cos as­si­mi­la­dos que ha­bi­ta­vam o bur­go, si­len­ci­o­sa­men­te pas­sou a ser cha­ma­do “macaco- cão”. Tra­ta­va- se de fa­zer cha­co­ta do ter­ri­vel­men­te cé­le­bre chefe da po­lí­cia que co­man­da­va as pa­tru­lhas e as rus­gas nos bair­ros in­dí­ge­nas e que era co­nhe­ci­do por aque­le no­me: “macaco-cão”.

Cap­tu­ra­do o macaco, Sô Fe­li­ci­a­no man­dou- o pin­tar, bem pin­ta­do, a ver­me­lho. Pin­ta­do a tin­ta de óleo, é cla­ro, não fos­se a chu­va ti­rar o ver­me­lho ao macaco e des­fa­zer- se as­sim o seu pla­no. Foi o macaco pin­ta­do e re­pin­ta­do, com uma, du­as, três de mão co­mo se pin­tam as casas. E o macaco, as­sim, de ver­me­lho re­lu­zen­te pin­ta­do fi­cou. Ao sé­ti­mo dia, foi o macaco ver­me­lho co­lo­ca­do no lo­cal onde ha­bi­tu­al­men­te os da sua fa­mí­lia iam co­mer o mi­lho. De­so­la­do, lá es­ta­va ele com o olhar bus­can­do na paisagem os seus. Qu­an­do es­tes che­ga­ram, os ou­tros ma­ca­cos por­tan­to, ini­ci­a­ram a sua ta­re­fa de rou­bar o mi­lho. Ven­do- os, o macaco ver­me­lho exul­tou de ale­gria e cor­reu em sua di­rec­ção para a eles se jun­tar, aos da sua fa­mí­lia que ha­via perdido. Es­tes, ao ve­rem cor­rer para si o macaco ver­me­lho, en­ten­de­ram que um es­pí­ri­to ma­lig­no se apo­de­ra­ra do ter­ri­tó­rio e pu­se­ram- se em fu­ga. E en­tão é que foi bom de ver: o macaco ver­me­lho cor­ren­do atrás do ban­do para se jun­tar aos seus fa­mi­li­a­res e o ban­do fu­gin­do do macaco ver­me­lho por­que ti­nham-no co­mo um es­pí­ri­to ma­lig­no. A ver­da­de é que, o ban­do de ma­ca­cos nun­ca mais vol­tou ao mi­lhei­ral e o macaco ver­me­lho de­sa­pa­re­ceu. Muitos me­ses mais tar­de, muito lon­ge, aban­do­na­do, foi en­con­tra­do o ca­dá­ver do macaco ver­me­lho.

Foi tam­bém nes­se ano, no ano do macaco ver­me­lho por­tan­to, que por aque­las pa­ra­gens, an­dan­do na pes­ca com a sua tar­ra­fa, gra­ças à sua re­de, um ho­mem tra­vou um ver­da­dei­ro com­ba­te com um ja­ca­ré e con­se­guiu salvar- se, en­quan­to uma mu­lher foi de­vo­ra­da por um ou­tro ja­ca­ré e uma outra que se en­con­tra­va grá­vi­da e an­da­va de ape­ti­tes de co­mer ca­ran­gue­jos da água do­ce, nu­ma das su­as idas ao rio em bus­ca de água e à pro­cu­ra dos di­tos ca­ran­gue­jos que vi­vi­am no la­ma­çal, um ja­ca­ré dis­far­ça­do en­tre os ca­ni­ços agar­rou- a pe­lo pei­to, içou- a e, im­po­ten­tes, to­dos a vi­ram abra­ça­da ao ja­ca­ré, par­tir para o fun­do das águas.

Foi ain­da nes­se ano, em que a pe­le de ja­ca­ré va­lia co­mo ou­ro, que se viu pe­lo fim da tar­de, en­quan­to o seu ma­ri­do com os de­mais, be­bia uma ca­ba­ça de ma­la­vo, a mu­lher que fo­ra ao rio la­var o pei­xe para o jan­tar, ser ar­ras­ta­da pe­las per­nas para dentro do rio. Cons­ta tam­bém que nes­se ano um ho­mem que vi­ve­ra re­fém no lei­to do rio mais de trin­ta anos fo­ra res­ga­ta­do e um ou­tro, agar­ra­do e car­re­ga­do por um ja­ca­ré, ali vi­veu tre­ze anos até ser li­ber­ta­do. Qu­an­do vol­tou, con­tou que ali, no fun­do do rio, en­con­tra­ra um enor­me nú­me­ro de pes­so­as que desde a sua cap­tu­ra e pre­pa­ro para evi­tar a fu­ga, fa­zi­am o ga­rim­po de di­a­man­tes uns e se de­di­ca­vam à agri­cul­tu­ra ou­tros. Nu­ma lon­ga es­tei­ra, de jo­e­lhos, ao fim do dia, uma velha mu­lher nua, do ta­ma­nho de um im­bon­dei­ro, ser­via-lhes nu­ma das mãos um pe­da­ço de car­ne hu­ma­na co­zi­da, que ti­ra­va de um tam­bor de mais de du­zen­tos li­tros e na outra mão ser­via- lhes uma co­lher de pi­rão. Foi ain­da nes­se ano e nas mes­mas águas que, ten­do igual­men­te si­do cap­tu­ra­do por um ja­ca­ré, foi res­ga­ta­do o gran­de e po­de­ro­so pa­pá Ki­a­me Ki­a­me, É Meu, É Meu, de que se di­zia ter uma ji­bóia que vo­mi­ta­va dinheiro e ser o do­no do mai­or sé­qui­to de mai­om­bo­las da re­gião. Diz-se que tal foi o resultado do seu en­con­tro com uma jo­vem que, ten­do mor­ri­do na vés­pe­ra e não ten­do si­do ain­da ven­di­da pe­lo seu al­goz, po­de­ria voltar à vi­da se, dentro dos di­as ime­di­a­tos, o seu cor­po fos­se sub­me­ti­do a um gran­de tra­ta­men­to co­mo os do Mes­tre Ter­ra­mo­to e se ela, na sua con­di­ção tran­si­tó­ria de al­ma do ou­tro mun­do, pu­ses­se no seu lu­gar uma outra pes­soa de mai­or va­lor.

(CON­TI­NUA NA PRÓ­XI­MA EDIÇÃO)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.