O PADRÃO ANGOLANO DA LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA

A 15 de Se­tem­bro de 2016, no ac­to da pro­cla­ma­ção da Aca­de­mia An­go­la­na de Letras, a Mi­nis­tra da Cul­tu­ra re­fe­riu qua­tro im­por­tan­tes de­sa­fi­os e en­tre eles “a ne­ces­si­da­de que te­mos de ela­bo­rar o Padrão Angolano da Lín­gua Por­tu­gue­sa na sequên­cia da tra­di­ção da

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - EUGENIA KOSSI & PE­DRO ÂNGELO PE­REI­RA

Fa­lar de in­ter­fe­rên­ci­as de­vi­do à in­fluên­cia da sua lín­gua ma­ter­na, além de ser uma ba­na­li­da­de de­no­ta um equí­vo­co pois não são as di­fi­cul­da­des en­con­tra­das pe­lo alu­no e os er­ros que co­me­te em LP (nes­te ca­so ti­da co­mo lín­gua se­gun­da) que im­por­ta, o que im­por­ta é per­ce­ber co­mo o diá­lo­go bi­lin­gue ou plu­ri­lin­gue pro­vo­ca a fos­si­li­za­ção das di­tas “in­ter­fe­rên­ci­as” na LP re­flec­tin­do na ver­da­de um pro­ces­so de en­ri­que­ci­men­to no ca­mi­nho da PA (Lín­gua Por­tu­gue­sa An­go­la­na) que per­mi­ta aos pro­fes­so­res de LP te­rem um sis­te­ma lin­guís­ti­co nor­ma­li­za­do pa­ra efei­tos de uso no sis­te­ma de en­si­no.

Fa­lar de in­ter­fe­rên­ci­as de­vi­do à in luên­cia da sua lín­gua ma­ter­na, além de ser uma ba­na­li­da­de de­no­ta um equí­vo­co pois não são as di icul­da­des en­con­tra­das pe­lo alu­no e os er­ros que co­me­te em LP (nes­te ca­so ti­da co­mo lín­gua se­gun­da)que im­por­ta, o que im­por­ta é per­ce­ber co­mo o diá­lo­go bi­lin­gue ou plu­ri­lin­gue pro­vo­ca a fos­si­li­za­ção das di­tas “in­ter­fe­rên­ci­as” na LP re lec­tin­do na ver­da­de um pro­ces­so de en­ri­que­ci­men­to no ca­mi­nho da PA (Lín­gua Por­tu­gue­sa An­go­la­na) que nos per­mi­ta, a nós pro­fes­so­res de LP, ter­mos um sis­te­ma lin­guís­ti­co nor­ma­li­za­do pa­ra efei­tos de uso no sis­te­ma de en­si­no.

A ques­tão tor­na-se mais com­ple­xa quan­do não se sa­be ao cer­to qual é a LP que ser­ve de mo­de­lo. Ape­te­ce­nos re­cor­dar ADRIANO SO­MA que de­fi­ne es­ta ques­tão fa­lan­do da con­tra­di­ção exis­ten­te en­tre a “Lín­gua da Au­la”, que o pro­fes­sor en­si­na e nin­guém fa­la ea “Lín­gua do Cor­re­dor”, que ele fa­la as­sim co­mo os alu­nos e as pró­pri­as eli­tes.

Nes­te qua­dro qu­e­re­mos le­van­tar al­gu­mas das mui­tas per­ple­xi­da­des de di­men­são pragmática com que nos de­pa­ra­mos na nos­sa ac­ti­vi­da­de lec­ti­va, não tan­to pe­las dú­vi­das que os alu­nos nos põem mas mais pe­las que nos as­sal­tam:

No pri­mei­ro ca­so a lín­gua co­mo ins­tru­men­to de cog­ni­ção en­gen­dra acei­ta­bi­li­da­des di­ver­gen­tes que só não ali­men­tam o pre­con­cei­to lin­guís­ti­co se re­me­ti­das pa­ra va­ri­an­tes con­si­de­ra­das pe­la co­mu­ni­da­de aca­dé­mi­ca.

No se­gun­do ca­so, a ixa­ção das expressões sintácticas lexicalizadas ali­men­ta o va­lor elo­cu­tó­rio do dis­cur­so com uma for­te mar­ca cul­tu­ral:

Quem em Por­tu­gal en­ten­de quan­do um angolano diz: « Fa­zer boa Mu­xi­ma » e quem em An­go­la en­ten­de quan­do um por­tu­guês diz: «ver Bra­ga por um ca­nu­do»?

Con­clui-se que no es­tá­dio ac­tu­al do sa­ber no do­mí­nio do en­si­no de LP em An­go­la não é pos­sí­vel ava­li­ar a re­la­ção en­si­no/qua­li­da­de sem que se des­bra­ve o ca­mi­nho pa­ra a as­sun­ção de uma Lín­gua Por­tu­gue­sa va­ri­an­te An­go­la­na (PA) tal co­mo se re­co­nhe­ce ha­ver a va­ri­an­te Eu­ro­peia ( PE) e a va­ri­an­te Bra­si­lei­ra (PB).

INTRODUÇÃO

Em 2015 o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or lan­çou um rep­to às ins­ti­tui­ções uni­ver­si­tá­ri­as ( IES) no sen­ti­do de ini­ci­a­rem um tra­ba­lho de ava­li­a­ção da qua­li­da­de do seu en­si­no ten­do por ba­se que:

“O en­si­no su­pe­ri­or (ES) cons­ti­tui, uni­ver­sal­men­te, o ní­vel mais ele­va­do do sub­sis­te­ma de en­si­no, cu­ja ac­ção se fun­da es­sen­ci­al­men­te em três fun­ções cons­ti­tu­ti­vas: en­si­no, tra­du­zi­do na trans­mis­são de co­nhe­ci­men­tos e com- pe­tên­ci­as, pa­ra a for­ma­ção das no­vas ge­ra­ções; in­ves­ti­ga­ção, cen­tra­da na pro­du­ção e bus­ca de no­vos sa­be­res; e ex­ten­são, que pas­sa pe­la ar­ti­cu­la­ção da aca­de­mia com a co­mu­ni­da­de, con­tri­buin­do, as­sim, na re­so­lu­ção de inú­me­ros pro­ble­mas co­mu­ni­tá­ri­os”.

In 2 ª Cha­ma­da pa­ra as Jor­na­das Ci­en­tí­fi­co- Pe­da­gó­gi­cas do ISCEDLu­an­da, Set, 2015

A par­tir des­te de­sa io deu-se iní­cio a um mo­vi­men­to a ní­vel das IES pro­cu­ran­do mos­trar que o seu ob­jec­to se iden­ti ica­va com a Ex­ce­lên­cia.

Es­te mo­vi­men­to le­vou-nos a es­te mo­des­to tra­ba­lho que iden­ti ica­mos co­mo:

Re­la­ção en­tre ges­tão do sa­ber ci­en­tí ico da LP e a ava­li­a­ção da qua­li­da­de de en­si­no em bus­ca da ex­ce­lên­cia.

A pro­cu­ra dos ca­mi­nhos que nos per­mi­tis­sem res­pon­der à ques­tão que deu ori­gem a es­te nos­so tra­ba­lho le­vou-nos a pro­cu­rar per­ce­ber de que co­nhe­ci­men­tos, nós os po­bres pro­fes­so­res de LP, es­ta­mos ar­ma­dos pa­ra re­a­li­zar a nos­sa ta­re­fa 1) trans­mi­tir co­nhe­ci­men­tos; a nos­sa ta­re­fa 2) in­ves­ti­gar per­se­guin­do no­vos sa­be­res e a nos­sa ta­re­fa 3) sub­me­ter ao cri­té­rio da co­mu­ni­da­de a va­li­da­ção das ta­re­fas 1 e 2.

Pa­ra de­li­mi­tar o nos­so cam­po de pes­qui­sa de mo­do a res­pon­der à ques­tão for­mu­la­da, is­to é, po­de­mos me­dir a qua­li­da­de do en­si­no da LP e di­rec­ci­o­ná-lo a ca­mi­nho da Ex­ce­lên­cia?, so­cor­re­mo-nos da nos­sa ex­pe­ri­ên­cia co­mo pro­fes­so­res do ES e ra­pi­da­men­te nos aper­ce­be­mos que a pri­mei­ra e de­ci­si­va per­gun­ta tem ori­gem na ta­re­fa 1: que co­nhe­ci­men­to te­mos da LP que qu­e­re­mos en­si­nar?

Pa­ra cons­truir­mos a res­pos­ta a es­sa per­gun­ta qui­se­mos aden­trar no nos­so uni­ver­so lin­guís­ti­co ten­do de­sem­bo­ca­do pa­ci ica­men­te na va­ri­an­te da LP que dá ori­gem aqui­lo que ire­mos cha­mar a «Lín­gua de Cor­re­dor» que não é nem o PB nem o PE an­tes ou de­pois do acor­do or­to­grá ico.

A re le­xão so­bre a pu­ta­ti­va va­ri­an­te an­go­la­na da LP que já se cha­mou, nos idos de se­ten­ta e oi­ten­ta do sé­cu­lo pas­sa­do, a lín­gua vei­cu­lar le­vou-nos a ten­tar per­ce­ber que ins­tru­men­tos se usam no en­si­no da lín­gua e che­gá­mos à ques­tão das gra­má­ti­cas, Gra­má­ti­cas Bra­si­lei­ras e Gra­má­ti­cas Por­tu­gue­sas.

O uso des­re­gu­la­do das gra­má­ti­cas apro­fun­da­ram as nos­sas per­ple­xi­da­des e di­rec­ci­o­na­ram o pas­so se­guin­te des­te tra­ba­lho pa­ra abor­dar ques­tões de na­tu­re­za pragmática.

QUES­TÕES DE DI­MEN­SÃO PRAGMÁTICA A MU­DAN­ÇA DE FO­CO NA CONS­TRU­ÇÃO DE FRASES FEI­TAS EXPRESSÕES SINTÁCTICAS LEXICALIZADAS

As ques­tões de na­tu­re­za pragmática são as mais mar­ca­das cul­tu­ral­men­te e por­tan­to mais em­ble­má­ti­cas, daí es­sa nos­sa es­co­lha.

A QUES­TÃO DA LP VA­RI­AN­TE AN­GO­LA­NA

Fa­lar de in­ter­fe­rên­ci­as, além de ser uma ba­na­li­da­de, de­no­ta um equí­vo­co pois não são as di icul­da­des en­con­tra­das pe­lo alu­no e os er­ros que co­me­te em LP (nes­te ca­so ti­da co­mo lín­gua se­gun­da), de­vi­do à in luên­cia da sua lín­gua ma­ter­na, o que im­por­ta.

O equí­vo­co re­sul­ta de o uso da LP se con­fron­tar com du­as si­tu­a­ções de con­ví­vio lin­guís­ti­co dis­tin­tas, por um la­do o bi­lin­guis­mo e por ou­tro a di­glos­sia. O se­gun­do con­cei­to re­me­te-nos pa­ra uma si­tu­a­ção que ca­rac­te­ri­za as co­mu­ni­da­des lin­guís­ti­cas que uti­li­zam em con­ver­gên­cia du­as ou mais va­ri­an­tes da mes­ma lín­gua, já bi­lin­guis­mo re­le­va, fun­da­men­tal­men­te, as in­te­rac­ções en­tre sis­te­mas lin­guís­ti­cos di­fe­ren­tes ((GALLISSON e COSTE: 1983, 203).

Mas o que im­por­ta é per­ce­ber co­mo o diá­lo­go bi­lin­gue ou di­glós­si­co pro­vo­ca a fos­si­li­za­ção das di­tas “in­ter­fe­rên­ci­as” na LP re lec­tin­do na ver­da­de um pro­ces­so de en­ri­que­ci­men­to no ca­mi­nho do PA (Padrão Angolano da Lín­gua Por­tu­gue­sa) que nos per­mi­ta, a nós pro­fes­so­res de LP, ter­mos um sis­te­ma lin­guís­ti­co nor­ma­li­za­do pa­ra efei­tos de uso no sis­te­ma de en­si­no.

O te­ma des­ta pro­sai­ca re le­xão des­ti­na-se a po­le­mi­zar o en­si­no da LP em An­go­la e co­mo si­tu­ar a com­pe­tên­cia lin­guís­ti­ca de ca­da um em com­pa­ra­ção com a LP que ser­ve de mo­de­lo.

A ques­tão tor­na-se mais com­ple­xa quan­do não se sa­be ao cer­to qual é a LP que ser­ve de mo­de­lo. (Não nos pa­re­ce, co­mo su­ge­re a pro­fes­so­ra Te­re­sa Cos­ta, que a so­lu­ção pas­se pe­la acei­ta­ção do pu­ta­ti­vo Acor­do Or­to­grá ico. Vi­de NG, nº 159, 25-07-2015).

Ao ní­vel aca­dé­mi­co re­co­nhe­ce-se a exis­tên­cia de uma va­ri­an­te bra­si­lei­ra (PB) e uma va­ri­an­te eu­ro­peia (PE) e o res­to. No mo­men­to em que o Go­ver­no angolano re­cu­sou as­si­nar o Acor­do Or­to­grá ico (AO) deu si­nais cla­ros aos es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra es­tu­da­rem o as­sun­to pro­fun­da­men­te de mo­do a que um acor­do pos­sa con­tem­plar as par­ti­cu­la­ri­da­des do PA (Por­tu­guês Angolano) o que tam­bém quer di­zer que há des­fa­sa­men­to en­tre a LP que ser­ve de padrão ao en­si­no em An­go­la e o PE em vir­tu­de des­te in­cor­po­rar o úl­ti­mo Acor­do Or­to­grá ico e a LP que ser­ve de padrão em An­go­la é o PE An­tes do Acor­do or­to­grá ico (ou se qui­ser­mos lan­çar mais con­fu­são à nos­sa ques­tão lin­guís­ti­ca di­ría­mos o PEAA).

A lin­gua­gem, en­ten­di­da co­mo fa­cul­da­de hu­ma­na uni­ver­sal, é uma ac­ti­vi­da­de sig­ni­fi­can­te de re­pre­sen­ta­ção, tan­to de pro­du­ção co­mo de re­co­nhe­ci­men­to de for­mas que sus­ten­tam um sis­te­ma com­ple­xo des­ti­na­do não só à co­mu­ni­ca­ção, mas tam­bém à cog­ni­ção do mun­do. As su­as ma­ni­fes­ta­ções nas di­fe­ren­tes lín­guas na­tu­rais cons­ti­tu­em o ob­jec­to de es­tu­do ci­en­tí­fi­co da Lin­guís­ti­ca.

UMA VA­RI­AN­TE COM­POR­TA-SE CO­MO UMA LÍN­GUA?

Ten­do em con­ta o fe­nó­me­no de va­ri­a­ção lin­guís­ti­ca, a di­ver­si­da­de da LP apon­ta pa­ra a exis­tên­cia de va­ri­an­tes lin­guís­ti­cas do Por­tu­guês ao ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, tais co­mo o PE, o PB e ou­tras va­ri­an­tes (afri­ca­nas e asiá­ti­cas). Ca­da uma des­tas va­ri­an­tes po­de ser ca­rac­te­ri­za­da do pon­to de vis­ta da sua es­pe­ci ici­da­de fo­né­ti­ca, fo­no­ló­gi­ca, pragmática e le­xi­cal, em pri­mei­ro lu­gar, mas tam­bém ao ní­vel sin­tác­ti­co, ou se­ja, na di­men­são da pró­pria estrutura da lín­gua. As di­fe­ren­ças que nos per­mi­tem dis­tin­guir as va­ri­an­tes do Por­tu­guês ao ní­vel in­ter­na­ci­o­nal cons­ti­tu­em as es­pe­ci ici­da­des de ca­da uma de­las de um cor­po úni­co da LP.

Por­que a res­pos­ta à per­gun­ta que for­mu­la­mos só po­de ser uma, pro­põe­se que os tra­ba­lhos fu­tu­ros se efec­tu­em es­tu­dan­do dis­cur­so e tex­tos (em re­gis­to oral e es­cri­to) ca­rac­te­rís­ti­cos da lin­gua­gem do quo­ti­di­a­no a to­dos os ní­veis que a va­ri­a­ção lin­guís­ti­ca ocor­re, is­to é, di­as­trá­ti­co, di­a­tó­pi­co e di­a­fá­si­co, ten­do em vis­ta os ca­mi­nhos a se­guir pa­ra o en­si­no da LP em An­go­la.

Nes­te qua­dro qu­e­re­mos le­van­tar al­gu­mas das mui­tas per­ple­xi­da­des que nós, pro­fes­so­res de LP, nos de­pa­ra­mos na nos­sa ac­ti­vi­da­de lec­ti­va, não tan­to pe­las dú­vi­das que os alu­nos nos põem mas mais pe­las que nos as­sal­tam.

Pa­ra me­lhor sis­te­ma­ti­zar es­tas nos­sas per­ple­xi­da­des ire­mos abor­dar ques­tões de na­tu­re­za pragmática que são as mais mar­ca­das cul­tu­ral­men­te e por­tan­to mais em­ble­má­ti­cas, di­ze­mos nós, e mais pas­sí­veis de pro­vo­car ma­ni­fes­ta­ções pre­con­cei­tu­o­sas en­tre fa­lan­tes de di­ver­sas va­ri­an­tes da lín­gua.

O ES­PA­ÇO DA PA NOS ES­TU­DOS SO­BRE A LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA

Fa­lar de Lín­gua Por­tu­gue­sa no mun­do de­no­ta a pos­si­bi­li­da­de de ci­tar­mos to­dos os paí­ses e ter­ri­tó­ri­os em que es­ta lín­gua tem al­gum va­lor o ici­al ou di­a­lec­tal. Por­tan­to, pa­re­ce bas­tan­te ób­vio que não se de­ve so­men­te ci­tar, nes­te con­tex­to, as va­ri­an­tes do PE e do PB, co­mo apa­re­cem na mai­o­ria das gra­má­ti­cas es­cri­tas so­bre a Lín­gua Por­tu­gue­sa.

Uma lín­gua de­pen­de do uso dos seus fa­lan­tes. Há na lín­gua tra­ços ca­rac­te­rís­ti­cos que a iden­ti icam co­mo va­ri­an­te de uma da­da re­gião. A lín­gua, por­tan­to, mos­tra aqui­lo que um po­vo é, ten­do em con­ta a sua his­tó­ria e a sua cul­tu­ra, e a par­tir daí vai cons­truin­do e des­cons­truin­do a sua iden­ti­da­de nu­ma di­nâ­mi­ca pró­pria dos agru­pa­men­tos hu­ma­nos.

Quan­do se su­pri­me es­te de­se­jo in­cons­ci­en­te de iden­ti ica­ção atra­vés da lín­gua, re­ti­ra-se a le­gi­ti­mi­da­de de um pro­ces­so na­tu­ral. Em­bo­ra, mui­tos paí­ses, es­pe­ci­al­men­te, os de Áfri­ca, co­mo An­go­la, não te­rem es­pe­ci­a­lis­tas a tra­ba­lha­rem na cons­tru­ção de gra­má­ti­cas nor­ma­ti­vas das su­as va­ri­an­tes mar­can­do uma po­si­ção que as afas­ta lin­guis­ti­ca­men­te da me­tró­po­le da co­lo­ni­za­ção, não há mo­ti­vos pa­ra o não re­co­nhe­ci­men­to des­tas va­ri­an­tes. Mas tam­bém acre­di­ta­mos que a fal­ta de tra­ba­lhos nes­ta área po­de es­tar na ba­se des­te tra­ta­men­to.

Há uma ten­ta­ti­va nas gra­má­ti­cas de de­mons­tra­rem al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas do Por­tu­guês fa­la­do em An­go­la, mas sem­pre de uma for­ma ge­ral, pe­lo me­nos nas gra­má­ti­cas apre­sen­ta­das pa­ra es­te tra­ba­lho. O que ve­mos são ten­ta­ti­vas de de­mos­tra­ção de es­tu­dos des­cri­ti­vos bre­ves so­bre o Por­tu­guês fa­la­do, sem uma no­ção cla­ra de que co­mu­ni­da­de lin­guís­ti­ca se tra­ta. Além dis­so, ain­da é evi­den­te que se con­si­de­ram es­tas par­ti­cu­la­ri­da­des na es­fe­ra de um Por­tu­guês nem padrão e nem não padrão, uma vez que, por um la­do, o padrão con­ti­nua a ser in­jus­ta­men­te o PE (an­tes do acor­do or­to­grá ico).Mas fa­lar de «Por­tu­guês Eu­ro­peu» em Áfri­ca, é no mí­ni­mo bi­zar­ro e, nes­sa li­nha, o pos­sí­vel can­di­da­to a PA (Por­tu­guês de An­go­la) po­de fa­cil­men­te ser as­si­mi­la­do ao Por­tu­guês Vul­gar, co­mo lín­gua da rua sem es­ta­tu­to que lhe con ira au­to­ri­da­de pa­ra ser­vir de mo­de­lo de en­si­no.

A gra­má­ti­ca do Por­tu­guês da Fun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an ( 2013), por exem­plo, ofe­re­ce um es­pa­ço à des­cri­ção do Por­tu­guês fa­la­do em Áfri­ca, com es­pe­ci­al aten­ção ao Por­tu­guês fa­la­do em An­go­la e em Mo­çam­bi­que. É um es­tu­do bre­ve, co­mo apre­sen­ta a pró­pria gra­má­ti­ca na introdução do vo­lu­me I.

Um ou­tro pon­to pa­ra a dis­cus­são é fa­lar-se de va­ri­e­da­de an­go­la­na quan­do es­ta­mos di­an­te de um ter­ri­tó­rio de mais ou me­nos vin­te e oi­to mi­lhões de ha­bi­tan­tes in­se­ri­dos num es­pa­ço ge­o­lin­guís­ti­co di­ver­si ica­do de lín­guas ban­tu e khoi­san. En­tão, é im­por­tan­te fa­lar­mos de va­ri­an­tes de An­go­la es­tu­dan­do as su­as par­ti­cu­la­ri­da­des, sem nos es­que­cer­mos que a va­ri­an­te fa­la­da no cen­tro de Lu­an­da é vis­ta co­mo mo­de­lo pe­los in­di­ví­du­os de ou­tras co­mu­ni­da­des lin­guís­ti­cas, não só das pro­vín­ci­as co­mo tam­bém de ou­tros mu­ni­cí­pi­os da pró­pria ca­pi­tal.

O ter­cei­ro pon­to a ser pos­to na ba­lan­ça é a im­por­tân­cia que se dá, no en­si­no, à LP num país plu­ri­lin­gue. O que au­men­ta mais ain­da a res­pon­sa­bi­li­da­de de se tra­ba­lhar ar­du­a­men­te na ques­tão do PA.

Re­la­ti­va­men­te às gra­má­ti­cas di­fun­di­das em An­go­la, va­mos de­ter a nos­sa aten­ção às se­guin­tes:

GRA­MÁ­TI­CAS POR­TU­GUE­SAS:

A Gra­má­ti­ca de Lín­gua Por­tu­gue­sa de Amo­rim e Sou­sa (2013) fa­la das va­ri­e­da­des afri­ca­nas, en­fa­ti­zan­do o Por­tu­guês de An­go­la e o de Mo­çam­bi­que. Po­de no­tar-se que se dá mais va­lor à in luên­cia do Kim­bun­du no PA, o que pres­su­põe que se­ja evi­den­ci­a­do mais o Por­tu­guês fa­la­do em Lu­an­da. Mas é pre­ci­so ter em con­ta que es­te Por­tu­guê­sa­co­mo­dou con­tri­bu­tos de vá­ri­as ori­gens lin­guís­ti­cas pe­lo fac­to de em Lu­an­da es­ta­rem re­pre­sen­ta­das pra­ti­ca­men­te to­das as et­ni­as do país, sem dei­xar­mos de fa­lar é cla­ro das po­pu­la­ções es­tran­gei­ras, no­me­a­da­men­te a con­go­le­sa e a por­tu­gue­sa.

A gra­má­ti­ca do Por­tu­guês ac­tu­al de Jo­sé de Almeida Mou­ra (2011) não tem ne­nhum ca­pí­tu­lo es­pe­cí ico so­bre o Por­tu­guês fa­la­do em Áfri­ca, mas apa­re­ce nos ane­xos uma pe­que­na in­for­ma­ção so­bre a ex­pan­são do por­tu­guês até Áfri­ca e ci­ta An­go­la co­mo um dos paí­ses que tem o Por­tu­guês co­mo lín­gua o ici­al.

A gra­má­ti­ca Lín­gua Por­tu­gue­sa de Bor­re­ga­na é uma bre­ve obra que não se de­bru­ça so­bre o es­tu­do da Lín­gua Por­tu­gue­sa em An­go­la, mas ci­ta bre­ve­men­te que há di­fe­ren­ças no Por­tu­guês fa­la­do nos di­fe­ren­tes paí­ses e que é con­si­de­ra­da lín­gua o ici­al em An­go­la.

Da Co­mu­ni­ca­ção à Ex­pres­são – Gra­má­ti­ca Prá­ti­ca do Por­tu­guês de Aze­re­do, Pin­to e Lo­pes (2012) dá um es­pa­ço ao PA e apon­ta al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas do Por­tu­guês fa­la­do em Lu­an­da com in luên­cia do Kim­bun­du, mas in­tro­duz o mes­mo no ca­pí­tu­lo da va­ri­e­da­de bra­si­lei­ra e va­ri­e­da­des afri­ca­nas.

A Gra­má­ti­ca Mo­der­na da Lín­gua Por­tu­gue­sa or­ga­ni­za­da por João Cos­ta (2010) apre­sen­ta o PA no âm­bi­to do por­tu­guês fa­la­do nos paí­ses afri­ca­nos.

Na Gra­má­ti­ca do Por­tu­guês Mo­der­no de Jo­sé de Cas­tro Pin­to e de Ma­ria do Céu Vi­ei­ra Lo­pes não en­con­tra­mos ne­nhum ca­pí­tu­lo de­di­ca­do ao PA, mas à va­ri­e­da­de afri­ca­na. Não se es­pe­ci ica o país, mas o tex­to uti­li­za­do pa­ra o es­tu­do é o de Lu­an­di­no Vi­ei­ra, o que pres­su­põe os usos da va­ri­an­te de Lu­an­da.

OCom­pên­dio de Gra­má­ti­ca de Go­mes Fer­rei­ra e de Nu­nes de Fi­guei­re­do não apre­sen­ta ne­nhu­ma in­for­ma­ção so­bre An­go­la.

GRA­MÁ­TI­CAS BRA­SI­LEI­RAS:

A Gra­má­ti­ca Es­sen­ci­al de Cel­so Cu­nha ( 2013) cin­ge- se ao Por­tu­guês do Bra­sil.

A Mo­der­na Gra­má­ti­ca Por­tu­gue­sa de Eva­nil­do Be­cha­ra (1999) não apre­sen­ta ne­nhu­ma in­for­ma­ção so­bre a Lín­gua Por­tu­gue­sa fo­ra do Bra­sil.

To­das es­tas gra­má­ti­cas de for­ma le­gí­ti­ma não se de­bru­çam so­bre as va­ri­an­tes do Por­tu­guês fa­la­do em An­go­la, ob­vi­a­men­te es­te es­pa­ço ca­be aos es­tu­di­o­sos an­go­la­nos, mas o cu­ri­o­so é que são es­tas as gra­má­ti­cas in­di­ca­das aos nos­sos es­tu­dan­tes pe­los pro­fes­so­res.

A CON­FU­SÃO DO USO DE DU­AS VA­RI­AN­TES ALHEIAS AO PA NO EN­SI­NO

Adriano So­ma fa­la-nos da “lín­gua da au­la” que nin­guém fa­la, di­ría­mos, aque­la que o pro­fes­sor se es­for­ça em fa­lar sem obe­de­cer efec­ti­va­men­te à cons­ci­ên­cia do padrão, da nor­ma, da im­po­si­ção. Por­tan­to, a lín­gua da au­la nes­te ar­ti­go apa­re­ce co­mo a va­ri­an­te que o pro­fes­sor tem co­mo lon­gín­qua re­fe­rên­cia pa­ra en­si­nar, cons­ci­en­te de que exis­te um PP que não de­ve ser aban­do­na­do pois, por con­tra­to so­ci­al por si as­su­mi­do co­mo pro­fes­sor cons­ci­en­te que é, de­ve pug­nar pe­lo “bem fa­lar”. As­sim, de­fen­de es­te mes­mo pro­fes­sor a lín­gua da gra­má­ti­ca alheia à lín­gua em uso (por ele e pe­los alu­nos). Po­rém, o pro­fes­sor que de­fen­de ve­e­men­te­men­te es­te por­tu­guês stan­dard não con­se­gue de for­ma al­gu­ma apar­tar-se da lín­gua na­tu­ral e usa-a sem­pre que se afas­ta da lín­gua ar­ti ici­al, ar­ti ici­al pois so­men­te a usa em si­tu­a­ções mui­to for­mais e quan­do sub­me­ti­da a cui­da­do­sa e tra­ba­lho­sa au­to-vi­gi­lân­cia.

De­pa­ra­mo-nos, por­tan­to, com ou­tras si­tu­a­ções em sa­la de au­la: a lín­gua de au­la de So­ma vai ser sub­di­vi­di­da em du­as ou­tras va­ri­an­tes, a lín­gua do pro­fes­sor (so­bre a qual nos de­bru­çá­mos an­te­ri­or­men­te), e a lín­gua do alu­no (a va­ri­an­te que o alu­no uti­li­za na­tu­ral­men­te). Com es­ta di­men­são, a lín­gua da au­la em cer­ta me­di­da dei­xa de ser a lín­gua stan­dard/padrão pa­ra pas­sar a ser a lín­gua de mis­tu­ra, sem ser di­a­lec­to nem cri­ou­lo, a va­ri­an­te ar­ti ici­al. Ela é o re­sul­ta­do inal das va­ri­an­tes do pro­fes­sor, do alu­no e da gra­má­ti­ca nor­ma­ti­va.

O ca­so tor­na-se mais sé­rio quan­do os pro­fes­so­res não co­nhe­cem o ver­da­dei­ro fun­ci­o­na­men­to da lín­gua, têm di icul­da­des com as re­gras do PE e são obri­ga­dos a dis­tan­ci­a­rem-se do PA uti­li­zan­do gra­má­ti­cas por­tu­gue­sas (do PE pós acor­do or­to­grá ico e do PE an­tes do acor­do or­to­grá ico) e gra­má­ti­cas bra­si­lei­ras (PB).

Não há ne­nhu­ma le­gis­la­ção que proí­ba o uso de uma ou ou­tra ou ou­tra. O pro­fes­sor usa-as a seu bel-pra­zer (sem qual­quer pra­zer, di­ga-se pa­ra ser­mos jus­tos con­nos­co, nós os po­bres dos pro­fes­so­res).

A quan­ti­da­de des­tas gra­má­ti­cas ven­di­das no país e in­di­ca­das pe­los pro­fes­so­res é uma aber­ra­ção, um ana­cro­nis­mo no en­si­no da LP em An­go­la; é co­mo se es­ti­vés­se­mos, ho­je, no sé­cu­lo XXI a en­si­nar a LP nas es­co­las às nos­sas cri­an­ças usan­do a Gram­ma­ti­ca da Lin­go­a­gem Por­tu­gue­sa de Fer­não de Oli­vei­ra edi­ta­da em 1536.

Tu­do is­to põe em evi­dên­cia a cren­ça do nos­so atra­so na “ca­deia evo­lu­ti­va” da LP, pois ain­da acre­di­ta­mos pi­a­men­te que não sa­be­mos fa­lar o por­tu­guês e pa­ra mui­tos de nós que têm ape­nas o por­tu­guês co­mo lín­gua a con­fu­são é ain­da mai­or.

Em to­do o ca­so, há um fe­nó­me­no que se tem ve­ri ica­do com a so­li­di ica­ção do con­cei­to de “uni­da­de na di­ver­si­da­de”, é que não “im­por­ta o que se fa­la” o que in­te­res­sa é ser-se ou­vi­do, é co­mu­ni­car. Um “mal” que a es­co­la tem so­fri­do já com a fal­ta de for­ma­ção dos pro­fes­so­res e a fal­ta de equi­pas de in­ves­ti­ga­ção que se de­bru­cem so­bre a gra­má­ti­ca do por­tu­guês de An­go­la, e não só so­bre to­po­ní­mia ou le­xi­co­lo­gia. Por­tan­to, tor­na-se inú­til en­si­nar uma sé­rie de re­gras que o es­tu­dan­te re­co­nhe­ce, de an­te­mão, se­rem de uma so­ci­e­da­de de ou­trem. Em de­fe­sa, ele não apren­de. Sem que­rer ser in­fe­ri­o­ri­za­do ou sem se que­rer sen­tir in­fe­ri­o­ri­za­do adop­ta a ati­tu­de de es­pec­ta­dor, as­sis­te, mas não par­ti­ci­pa.

Fal­ta, pois, a le­gi­ti­ma­ção de um sis­te­ma lin­guís­ti­co do qual já não po­de­mos es­ca­par e que com­por­ta, sen­do sis­te­ma, uma mor­fo­lo­gia pró­pria, uma estrutura sin­tác­ti­ca pró­pria e se­mân­ti­ca di­fe­ren­ci­a­da que su­por­tem um ma­nu­al prá­ti­co do fun­ci­o­na­men­to da lín­gua que pos­si­bi­li­te o en­si­no da lín­gua dum mo­do e ici­en­te e pa­ra­me­tri­za­do.

OLHEMOS OS SE­GUIN­TES EXEM­PLOS: AS PER­PLE­XI­DA­DES. QUES­TÕES DE NA­TU­RE­ZA PRAGMÁTICA:

A lin­gua­gem de­mons­tra aqui­lo que é o ser hu­ma­no, se­gun­do John Aus­tin com a lin­gua­gem o ho­mem re­a­li­za ac­tos. Por meio de­la o ho­mem sol­ta a sua voz, co­mu­ni­ca com o ou­tro mo­ti­va­do pe­la sua his­tó­ria, pe­la sua cul­tu­ra, pe­la sua co­mu­ni­da­de.

Olhemos os se­guin­tes exem­plos:

A MU­DAN­ÇA DE FO­CO NA CONS­TRU­ÇÃO DAS FRASES.

Pa­ra me­lhor en­ten­der­mos a si­tu­a­ção di­glós­si­ca vi­vi­da va­mos pro­por o uso de con­cei­tos ope­ra­ti­vos a usar nes­ta nos­sa re le­xão: A si­tu­a­ção di­glós­si­ca que vi­ve­mos põe em con­ver­gên­cia: a va­ri­an­te padrão (PEAA, is­to é, PE an­tes do acor­do or­to­grá ico) e as va­ri­an­tes di­a­fá­si­cas, di­as­trá­ti­cas e di­a­tó­pi­cas que cor­po­ri­zam a va­ri­an­te an­go­la­na (PA).

Ob­ser­van­do o cui­da­do com que os lin­guis­tas tra­tam as ques­tões re­la­ci­o­na­das com as va­ri­an­tes que as lín­guas as­su­mem, por­que as ra­zões que le­vam a adop­tar uma nor­ma padrão são sem­pre es­co­lhas so­ci­o­po­lí­ti­cas, his­tó­ri­cas e mes­mo pe­da­gó­gi­cas mas não de na­tu­re­za lin­guís­ti­ca, so­mos le­va­dos a re­ve­lar uma nor­ma que não se­ja es­tra­nha à mai­o­ria dos fa­lan­tes pa­ra não nos dis­tan­ci­ar­mos de­mais da fun­da­men­ta­ção lin­guís­ti­ca que pre­si­de a qual­quer padrão adop­ta­do.

Ve­ja­mos o exem­plo (1), cor­ren­te en­tre to­dos os fa­lan­tes do P fa­la­do em An­go­la (PA):

(1) (DEIXIS … À MI­NHA FREN­TE) NÃO HA­VIA NIN­GUÉM, MAS [DEIXIS …À MI­NHA ATRÁS] HA­VIA MUI­TA GEN­TE.

O de­ter­mi­nan­te pos­ses­si­vo /mi- nha/ fun­ci­o­na co­mo deíc­ti­co nas co­or­de­na­das lin­guís­ti­cas que se es­ta­be­le­cem a par­tir da ex­pres­são [SP… à mi­nha fren­te vs à mi­nha atrás]. Faz que se re­co­nhe­ça, no uni­ver­so lin­guís­ti­co pre­sen­ti ica­do, que a par­tir du­ma po­si­ção se si­tu­am ob­jec­tos (no ca­so pes­so­as); uns es­tão si­tu­a­dos à fren­te e ou­tros atrás dum ob­jec­to si­tu­a­do em po­si­ção cen­tral (no ca­so em pri­mei­ra pes­soa). No ca­so pre­sen­te os SP re­a­li­zam a fun­ção de com­ple­men­tos cir­cuns­tan­ci­ais tan­to na fra­se da pre­mis­sa co­mo na fra­se da con­clu­são. As pre­po­si­ções ou es­ta­be­le­cem re­la­ções de re­gên­cia, quan­do li­gam com­ple­men­tos a ver­bos (O.I ou com­ple­men­tos cir­cuns­tan­ci­ais), ou são ad­jun­tos ad­ver­bi­ais ou ad­no­mi­nais (CU­NHA e CINTRA: 2000, 514).

As du­as frases sim­ples que com­põem a fra­se com­ple­xa (1) re­per­cu­tem a mes­ma estrutura.

Ve­ja­mos a mes­ma pro­po­si­ção mas em PEu­ro­peu:

(2) PEÀ MI­NHA FREN­TE NÃO HA­VIA NIN­GUÉM, MAS ATRÁS DE MIM HA­VIA MUI­TA GEN­TE.

Na pre­mis­sa a mar­ca deíc­ti­ca é re­a­li­za­da pe­lo de­ter­mi­nan­te pos­ses­si­vo /mi­nha/ (que ocor­re num SP com fun­ção de com­ple­men­to cir­cuns­tan­ci­al), mas na con­clu­são a deixis mu­da de ca­te­go­ri­za­ção mor­fos­sin­tác­ti­ca pas­san­do a adjunto ad­ver­bi­al /atrás de mim/ (man­ten­do a mes­ma fun­ção sin­tác­ti­ca).

Des­te mo­do o deíc­ti­co al­te­ra-se fa­zen­do des­lo­car o ob­jec­to (eu) que ser­ve de re­fe­rên­cia es­pa­ci­al em fun­ção da mo­bi­li­da­de a si con­fe­ri­da.

As du­as ora­ções da fra­se com­ple­xa apre­sen­tam es­tru­tu­ras di­fe­ren­tes.

Os enun­ci­a­dos (1) e (2), ape­sar de pro­po­si­ci­o­nal­men­te, is­to é, re­le­van­do a as­ser­ti­vi­da­de do có­di­go ver­bal (GALLISSON e COSTE: 1983, 591), se man­te­rem iguais, apre­sen­tam es­tru­tu­ras di­fe­ren­tes.

A ex­pres­são (1) é cor­ren­te e boa no P fa­la­do em An­go­la ao ní­vel das eli­tes o que faz con li­tu­ar es­sa va­ri­an­te com a va­ri­an­te padrão (PEAA), quer di­zer, a fra­se (1) é gra­ma­ti­cal em PA (cha­me­mos PA pa­ra fa­ci­li­da­de de ex­pres­são) por­que é acei­te e não es­tá fe­ri­da de gra­ma­ti­ca­li­da­de mas agra­ma­ti­cal por fe­ri­da de acei­ta­bi­li­da­de pe­lo PE e tam­bém pe­lo PEAA, que é su­pos­ta­men­te a va­ri­an­te padrão ti­da co­mo lín­gua o ici­al de An­go­la.

FRASES LEXICALIZADAS (3) …NA PON­TA DA BOCHECHA

Es­ta fra­se foi re­co­lhi­da nu­ma rá­dio lo­cal em Lu­an­da e foi di­ta por uma jo­vem se­nho­ra, atle­ta que fa­la­va so­bre as su­as con­quis­tas des­por­ti­vas. Ela in­cons­ci­en­te­men­te usa a ex­pres­são le­xi­ca­li­za­da 3 em subs­ti­tui­ção à ex­pres­são por­tu­gue­sa na pon­ta da lín­gua que per­mi­te ter­mos a ideia de que o que se vai ver­ba­li­zar era mui­to bem co­nhe­ci­do pe­lo in­di­ví­duo.

Por­tan­to a lín­gua evi­den­cia a ima­gem do pró­prio in­di­ví­duo que se co­mu­ni­ca. O eu re­ve­la-se, pres­su­põe-se que em es­for­ço permanente, a atle­ta, tal­vez use a bochecha na sua lin­gua-

gem não ver­bal pa­ra ac­ci­o­nar os seus me­ca­nis­mos de for­ça. Es­te es­tí­mu­lo po­de ter mo­ti­va­do a subs­ti­tui­ção da pa­la­vra lín­gua por bochecha.

Es­ta ex­pres­são não é co­mum em An­go­la, mas de­no­ta a pos­si­bi­li­da­de e a ca­pa­ci­da­de que ca­da in­di­ví­duo nu­ma co­mu­ni­da­de tem de ino­var pa­ra co­mu­ni­car o que pen­sa. A lín­gua não é es­tác­ti­ca e o ide­o­lec­to é uma pro­va de que ela es­tá cons­tan­te­men­te a cons­truir-se mo­vi­do pe­lo de­se­jo das pes­so­as em se co­mu­ni­car de for­ma e ici­en­te.

É cer­to que as expressões sintácticas le­xi­li­za­das es­tão mar­ca­das pe­la acei­ta­bi­li­da­de que lhes dá a co­mu­ni­da­de de fa­lan­tes que as en­gen­dra. Não po­de­mos ge­ne­ra­li­zar a to­dos os fa­lan­tes de LP as frases idi­o­má­ti­cas sob pe­na de es­tas agre­ga­rem sig­ni ica­dos di­ver­gen­tes que iri­am ba­be­li­zar a co­mu­ni­ca­ção o que, é bem de ver, é o con­trá­rio, por de ini­ção, do ob­jec­ti­vo de qual­quer lín­gua.

Quan­do par­ti­mos des­te pres­su­pos­to fa­cil­men­te so­mos le­va­dos a per­ce­ber que a Lín­gua re lec­te to­das as di­men­sões da Cul­tu­ra.

(4) SEGUREI-ME COM UNHAS E DENTES

Se aten­tar­mos ao enun­ci­a­do (2) ve­ri ica­mos que a ex­pres­são idi­o­má­ti­ca as­so­ci­a­da in­cor­po­ra uma ati­tu­de com­por­ta­men­tal de gran­de de­ter­mi­na­ção que ro­ça a vi­o­lên­cia que é di ícil de acei­tar nas co­mu­ni­da­des de tra­di­ção oral que trans­por­tam con­si­go o sa­ber an­ces­tral que dá à pa­la­vra com­pe­tên­cia ne­go­ci­al e não im­po­si­ti­va. Em An­go­la es­ta ex­pres­são é subs­ti­tuí­da por ou­tra com o mes­mo sen­ti­do que é:

(5) SUGUREI-ME COM UNHAS E DEDOS. (6) SEGURAR COM DEDO E UNHA. (ME­CA­NIS­MO DE CORRECÇÃO)

Ham­pa­té Bá (2010) con ir­ma que a pa­la­vra pa­ra o afri­ca­no é um bem, pois o ho­mem é a pa­la­vra, iden­ti ica-o e re­pre­sen­ta-o. Evi­den­cia-se aqui (5) que o fa­lan­te do PA, in­se­ri­do num con­tex­to Ban­tu que ca­rac­te­ri­za a sua cul­tu­ra, não co­nhe­cen­do pro­fun­da­men­te a se­mân­ti­ca da fra­se le­xi­ca­li­za­da (4) bus­ca na sua cog­ni­ção re­fe­rên­ci­as que a le­vam a pro­du­zir o enun­ci­a­do (5).

No­ta­mos, nes­te es­tu­do que não há o re­co­nhe­ci­men­to da ixi­dez das es­tru­tu­ras lexicalizadas ocor­ren­do al­gu­mas ve­zes a des­sin­ta­ti­za­ção de al­gu­mas frases e a tro­ca dos ele­men­tos le­xi­ca­li­za­dos. Nes­te âm­bi­to, en­con­tra­mos uma va­ri­a­ção ex­pli­ci­ta­da na fra­se (6). No­te-se nes­ta tro­ca pa­ra­dig­má­ti­ca uma in­ver­são dos ele­men­tos re­fe­ren­ci­a­dos e a sua pas­sa­gem pa­ra o sin­gu­lar. Aqui há uma apro­xi­ma­ção en­tre a se­man­ti­za­ção de (4) e a in­ter­ven­ção ob­jec­ti­va do dedo no ac­to.

(7) TRO­CAR ALHOS POR BOGALHOS

Es­ta fra­se re­me­te-nos pa­ra a ques­tão cul­tu­ral que mo­ti­va o ac­to de co­mu­ni­ca­ção e re­me­te o ac­to cog­ni­ti­vo a uma me­mó­ria e à pró­pria com­pe­tên­cia lin­guís­ti­ca do fa­lan­te. Ex­pli­que­mos: a pa­la­vra bo­ga­lho não en­tra na aco­mo­da­ção que me­re­ce no país, pois sim­ples­men­te não é re­co­nhe­ci­da nem a sua exis­tên­cia co­mo pa­la­vra e nem é as­so­ci­a­da a ne­nhum re­fe­ren­te. Por­tan­to, o fa­lan­te tem di icul­da­de em to­má-la pa­ra o seu vo­ca­bu­lá­rio.

O que acon­te­ce, nes­te con­tex­to, é a subs­ti­tui­ção de um dos ele­men­tos com­bi­na­dos.

(8) TRO­CAR ALHOS POR BORGALHOS

Pres­su­po­mos aqui, o mais pró­xi­mo de bo­ga­lho é a pa­la­vra bor­ga­lho, que su­pos­ta­men­te vem de bur­gau (di­to, em hi­per­cor­rec­ção, bur­gal) que em An­go­la é uti­li­za­da no lu­gar da pa­la­vra sei­xo, cas­ca­lho (que tam­bém é di icil­men­te usa­da no ac­to de fa­la). Bor­ga­lho, en­tão, na ló­gi­ca po­pu­lar po­de lem­brar um den­te de alho pe­lo ta­ma­nho. Es­ta ex­pres­são já ro­ti­ni­za­da pe­la po­pu­la­ção é mui­to co­mum até na es­cri­ta, em­bo­ra não te­nha si­do ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da ain­da.

Con­tra­ri­a­men­te, na­que­las uni­da­des mul­ti­le­xi­cais em que to­das as pa­la­vras são per­ce­bi­das pe­lo fa­lan­te e com as quais con­cor­da, não há subs­ti­tui­ção de ter­mos, o que há é sim uma ade­qua­ção cul­tu­ral ou não.

(9) NÃO É FLOR QUE SE CHEIRE

No­ta-se que se atin­ge um grau ele­va­do de se­man­ti­za­ção quan­do o pro­ces­so ocor­re com ter­mos uti­li­za­dos a par­tir de uma mo­ti­va­ção cul­tu­ral (9).

(10) FA­ZER BOA MU­XI­MA

Es­ta ex­pres­são é re­co­nhe­ci­da pe­los fa­lan­tes, so­bre­tu­do por aque­les que são da et­nia Kim­bun­du, e pou­co uti­li­za­da por in­di­ví­du­os que não são kim­bun­du e que vi­vam nas pro­vín­ci­as do nor­te ou do sul, pe­lo fac­to de te­rem as su­as va­ri­an­tes do Por­tu­guês in lu­en­ci­a­das tam­bém pe­las su­as lín­guas, po­de­mos fa­lar aqui do Ki­kon­go e Um­bun­du, res­pec­ti­va­men­te. CONSIDERAÇÕES FI­NAIS

A ava­li­a­ção da qua­li­da­de de en­si­no é um pro­ces­so com­ple­xo e lon­go que de­ve me­re­cer a aten­ção de vá­ri­os agen­tes uti­li­zan­do me­ca­nis­mos de ava­li­a­ção mui­to bem es­ti­pu­la­dos. Es­tes me­ca­nis­mos re­que­rem um tra­ba­lho mui­to mais ár­duo quan­do fa­la­mos do es­tu­do das lín­guas e do seu en­si­no nu­ma so­ci­e­da­de on­de a he­te­ro­ge­nei­da­de lin­guís­ti­ca e cul­tu­ral li­mi­ta, de cer­ta for­ma, a pers­pec­ti­va de pou­cos es­tu­di­o­sos li­ga­dos ao en­si­no.

A lín­gua sen­do de to­dos me­re­ce um tra­ba­lho cri­te­ri­o­so e mi­nu­ci­o­so, co­mo apon­ta­do aci­ma, mas ne­ces­si­ta de gen­te ca­paz e in­te­res­sa­da na sua des­cri­ção e na va­li­da­ção do seu uso co­mo fer­ra­men­ta de en­si­no. É pre­ci­so, em An­go­la, que os es­pe­ci­a­lis­tas res­pon­dam às inú­me­ras dú­vi­das que an­gus­ti­am os pro­fes­so­res e es­tu­dan­tes em bus­ca de um en­si­no pau­ta­do em ba­ses ci­en­tí icas.

A pri­mei­ra des­tas dú­vi­das que nos as­sal­ta é que lín­gua se de­ve en­si­nar quan­do es­ta­mos, nós pro­fes­so­res, dis­tan­tes das gra­má­ti­cas do PE e do PB que nos pro­põem? A se­gun­da im­põe um olhar pa­ra o fe­nó­me­no da va­ri­a­ção lin­guís­ti­ca que le­va os fa­la­res de An­go­la pa­ra ou­tra di­rec­ção. Es­tas dú­vi­das con­cor­rem pa­ra uma ter­cei­ra pre­o­cu­pa­ção que é o da de ini­ção das re­gras gra­ma­ti­cais de tais va­ri­an­tes e a es­pe­ci ica­ção do mo­de­lo a ser uti­li­za­do pa­ra a lec­ci­o­na­ção.

Por­tan­to, es­ta re le­xão pre­ten­de ape­nas abrir a dis­cus­são pa­ra uma aná­li­se mais cui­da­do­sa do nos­so tra­ba­lho en­quan­to pro­fes­so­res de lín­gua por­tu­gue­sa per­di­dos na uti­li­za­ção de re­gras tor­na­das am­bí­guas por­que dis­tan­tes do te­a­tro das nos­sas au­las exer­ci­ta­do nu­ma lín­gua di­ta de “cor­re­dor” que é a da lín­gua re­al.

Es­ta per­cep­ção le­vou-nos a uma aná­li­se la­có­ni­ca do fe­nó­me­no de le­xi­ca­li­za­ção que de­no­ta que a se­man­ti­za­ção é um fe­nó­me­no en­vol­to no con­tex­to cul­tu­ral do in­di­ví­duo com o seu ide­o­lec­to, e da co­mu­ni­da­de lin­guís­ti­ca com as su­as va­ri­a­ções.

O cer­ne da ques­tão aqui é de, pro­fes­so­res e es­pe­ci­a­lis­tas, na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, ser­mos ca­pa­zes de pro­cu­rar so­lu­ções pa­ra a ex­ce­lên­cia do en­si­no do Por­tu­guês em An­go­la va­li­dan­do uma gra­má­ti­ca con­ce­bi­da co­mo um mo­de­lo de co­nhe­ci­men­to da lín­gua do fa­lan­te-ou­vin­te.

Nes­te con­tex­to, apre­sen­ta­mos um cor­pus li­mi­ta­do ape­nas na ten­ta­ti­va de mos­trar­mos co­mo fun­ci­o­na o PA, e es­tá em aber­to, pois é fun­da­men­tal a cri­a­ção de gru­pos de tra­ba­lho que pos­sam dar con­tri­bui­ções.

Eu­gé­nia Emí­lia Sa­ca­la KOSSI (eu­ge­ni­a­kos­[email protected])

Pe­dro Ângelo da COS­TA PE­REI­RA (pe­dro.jan­[email protected])

UniPIAGET-Lu­an­da, Ga­bi­ne­te de Lín­guas do Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção e Ino­va­ção do De­par­ta­men­to de Es­tu­dos Avan­ça­dos

BIBLIOGRAFIA

ADRIANO, P. S. (2015). A Cri­se Nor­ma­ti­va do Por­tu­guês em An­go­la - Cli­ti­ci­za­ção e Re­gên­cia Ver­bal: que ati­tu­de nor­ma­ti­va pa­ra o pro­fes­sor e re­vi­sor». Lu­an­da: Mayam­ba.

BÂ, A. H. ( 2010). A Tra­di­ção Vi­va ( 167- 212). Em J. K. ( Edi­tor), His­tó­ria Ge­ral da Áfri­ca I. Me­to­do­lo­gia e préhis­tó­ria de Áfri­ca. Bra­sí­lia: UNESCO/ Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção do Bra­sil/Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de S. Car­los.

BATORÉO, H. J. (2003). Ex­pres­são dos Afec­tos: Po­la­ri­za­ção ou In­ten­si­da­de? Em I. C. (or­ga­ni­za­do­res), Ra­zões e Emo­ção. Mis­ce­lâ­nea de es­tu­dos em ho­me­na­gem a Ma­ria He­le­na Mi­ra Ma­teus (1ª ed., Vol. I, pp. 27-35). Lis­boa, Por­tu­gal: Im­pren­sa Na­ci­o­nal-Ca­sa da Mo­e­da.

CU­NHA, C. e. (2000). No­va Gra­má­ti­ca do Por­tu­guês Con­tem­po­râ­neo. Lis­boa: Sá da Cos­ta.

DUCROT, O. e. (2007). Di­ci­o­ná­rio das Ci­ên­ci­as da Lin­gua­gem (8ª ed.). ( J. A. An­tó­nio Jo­sé Mas­sa­no, Trad.) Lis­boa: Dom Qui­xo­te.

FA­RIA, I. H. (1996). Introdução à Lin­guís­ti­ca Por­tu­gue­sa. Lis­boa: Ca­mi­nho.

GALISSON, R. e. ( 1983). Di­ci­o­ná­rio de Di­dác­ti­ca das Lín­guas. Coim­bra: Al­me­di­na.

KOSSI, E. ( 2013). Em An­go­la, a Lín­gua Por­tu­gue­sa de quem é? A in­fluên­cia do di­a­lec­to Ki­so­lon­go na con­cor­dân­cia ver­bo- no­mi­nal do Por­tu­guês de Lu­an­da. Anais Ele­trô­ni­cos do 10 º Con­gres­so Bra­si­lei­ro de Lin­guís­ti­ca Apli­ca­da.

RANCHHOD, E. M. (2003). O Lu­gar das Ex­pres­sôes 'Fi­xas' na Gra­má­ti­ca do Por­tu­guês. Em I. C. (or­ga­ni­za­do­res), Ra­zões e Emo­ção. Mis­ce­lâ­nea de es­tu­dos em ho­me­na­gem a Ma­ria He­le­na Mi­ra Ma­teus (1ª ed., Vol. II, pp. 239-254). Lis­boa, Por­tu­gal: Im­pren­sa Na­ci­o­nal - Ca­sa da Mo­e­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.