AR­TE E METAMOFORSE RE­VER LU­AN­DA SOBRE PERS­PEC­TI­VAS

Jornal Cultura - - Artes -

cidade, os seus in­te­gran­tes e a evo­lu­ção que ela so­fre com o de­cor­rer dos anos, são te­mas que sem­pre cha­ma aten­ção aos ar­tis­tas. Con­se­guir ex­pres­sar o que de me­lhor e pi­or des­pon­ta ne­la é um de­sa io a que mui­tos se pro­põem e ape­nas al­guns con­se­guem. Lu­an­da, co­mo to­da a ur­be mo­der­na, tem imen­sas “ri­que­zas” pa­ra os seus cri­a­do­res e es­tá é a ba­se da mais re­cen­te mos­tra co­lec­ti­va de vá­ri­os jo­vens ar­tis­tas, “In­di­ví­duo. Cidade. Metamorfose”.

A ex­po­si­ção, pa­ten­te nos Co­quei­ros, em Lu­an­da, na inau­gu­ra­da ga­le­ria Jah­mek Con­tem­po­rary Art, faz um en­fo­que es­pe­ci­al à di­nâ­mi­ca da so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea e as con­sequên­ci­as das mu­dan­ças na vi­da dos ci­ta­di­nos, as­sim co­mo a sua in luên­cia pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras.

Mui­tos vi­si­tan­tes po­dem cons­ta­tar na ex­po­si­ção que um dos mai­o­res de­sa ios dos ar­tis­tas foi o de “in­ven­tar” o futuro, ten­do em con­ta as mu­dan­ças do pas­sa­do e o seu re le­xo no presente. A mos­tra po­de ser vis­ta co­mo a pre­mis­sa pa­ra uma aná­li­se mais pro­fun­da sobre a Lu­an­da ac­tu­al e que futuro se po­de es­pe­rar de­la.

Co­mo todo o ar­tis­ta de­ve mar­car a sua geração e sa­ber ana­li­sar to­das as mu­dan­ças vi­vi­das na sua épo­ca, en­tão Ki­lu­an­ji Kia Hen­da, Nás­tio Mos­qui­to, Francisco Vi­dal, Dé­lio Jas­se, Yo­na­mi­ne, Iris Bu­chholz Cho­co­la­te e Ti­a­go Bor­ges con­se­gui­ram mos­trar, com a ex­po­si­ção, que vi­ram os “si­nais” do seu tem­po e as trans­for­ma­ções na so­ci­e­da­de.

As obras, ca­da uma com a pe­cu­li­a­ri­da­de do seu cri­a­dor, são uma for­ma diferente de ver as mu­dan­ças so­ci­ais e cul­tu­rais de Lu­an­da e dos seus ha­bi­tan­tes, atra­vés de um diá­lo­go aber­to, no qual as fron­tei­ras da ima­gi­na­ção po­dem le­var qual­quer um dos vi­si­tan­tes a re lec­ti­rem sobre a sua ma­nei­ra de ob­ser­var a ca­pi­tal de An­go­la.

“De­mo Cra Cia” é, por exem­plo, a pro­pos­ta de Nás­tio Mos­qui­to. A ins­ta­la­ção, cri­a­da em 2015, in­clui uma pro­jec­ção de ví­deo. O ob­jec­ti­vo do au­tor, co­mo o tí­tu­lo da pró­pria obra pro­põe, é re lec­tir sobre es­te fe­nó­me­no, que em An­go­la, foi te­ma de inú­me­ros de­ba­tes.

Pa­ra Yo­na­mi­ne é o “Pão nosso de ca­da dia” o foco da sua aná­li­se. Fei­ta em 2016, a ins­ta­la­ção de pa­re­de mon­ta­da com pão tor­ra­do, mos­tra um pou­co da re­a­li­da­de dos an­go­la­nos re­si­den­tes em Lu­an­da du­ran­te dé­ca­das. Um as­pec­to que cha­ma aten­ção ao vi­si­tan­te é o fac­to de o ar­tis­ta ter con­se­gui­do re­pli­car o ros­to do ex­pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, em vá­ri­os dos pães.

Com “Kil­ling me Sof­tly”, Francisco Vi­dal le­vou o pú­bli­co pa­ra uma vi­a­gem da ima­gi­na­ção, on­de o tem­po co­man­da a vi­são de quem vê a ins­ta­la­ção com de­se­nho e se­ri­gra­fia. “Me ma­tan­do su­a­ve­men­te”, co­mo su­ge­re o tí­tu­lo em in­glês, dá ao pú­bli­co inú­me­ras idei­as sobre o que es­pe­rar des­te tra­ba­lho, cri­a­do es­te ano.

Num es­ti­lo diferente, Dé­lio Jas­se apre­sen­tou “A vol­ta do tem­po”, ou­tra das su­as re­cen­tes cri­a­ções. Fei­ta es­te ano, o pro­jec­to, em ima­gens c-print sobre pe­lí­cu­la, es­pe­lha um pou­co da­qui­lo que mar­cou e foi o quo­ti­di­a­no dos lu­an­den­ses, du­ran­te me­ses.

A pro­pos­ta de Ki­lu­an­ji Kia Hen­da foi “Blank Ca­pi­tal”, um con­jun­to de 48 fo­to­gra ias, fei­tos no es­ti­lo ink­jet print sobre pa­pel de al­go­dão, en­tre 2017 e 2018. A ideia do ar­tis­ta, co­mo o tí­tu­lo su­ge­re, é pro­vo­car a von­ta­de de re le­xão no pú­bli­co, atra­vés de um “Ca­pi­tal em bran­co”, on­de ca­da um po­de re­cri­ar, com ba­se nas ima­gens, a sua ideia sobre Lu­an­da.

“Mo­ney/Ho­ney”, um tí­tu­lo ou­sa­do, pe­lo seu sig­ni ica­do em por­tu­guês “Di­nhei­ro que­ri­do”, é a ideia de Ti­a­go Bor­ges, pa­ra mos­trar uma das prin­ci­pais ba­ses das mu­dan­ças so­ci­ais e um dos as­pec­tos que até ho­je aju­dam a de inir de­ter­mi­na­das bar­rei­ras so­ci­ais e a cri­ar trans­for­ma­ções sig­ni ica­ti­vas en­tre as pes­so­as. O pro­jec­to, fei­to no es­ti­lo ins­ta­la­ção de pa­re­de com luz, foi cri­a­do em 2007.

Com dois tra­ba­lhos, um de­les “Mo­men­tos de Aqui”, pin­tu­ra fei­ta em 2016, e ou­tro, “O io das Mis­san­gas”, de ce­ra e ca­be­lo sin­té­ti­co sobre pa­pel, cri­a­do em 2016, Iris Bu­chholz Cho­co­la­te pro­cu­ra unir o pas­sa­do e o presente, nu­ma pers­pec­ti­va futurista.

Os de­sa ios pro­pos­tos pe­los jo­vens cri­a­do­res, pa­ten­tes ao pú­bli­co até o pró­xi­mo dia 24 des­te mês, tra­zem tam­bém os de um no­vo es­pa­ço, que pre­ten­de se im­por no mer­ca­do da ca­pi­tal, atra­vés de exposições ou­sa­das, ca­pa­zes de “pren­de­rem” as pes­so­as, nes­ta era de no­vas tec­no­lo­gi­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.